CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 10 - Nível intermediário do Primeiro Grau da Purificação da Matéria

A Guerra dos Nove Mundos (GNM)

Capítulo 10 - Nível intermediário do Primeiro Grau da Purificação da Matéria

Autor: Maurício Argôlo | Revisão: Luis Gimenes, Bru, SolidSnake

Sagwa retornou para casa e foi direto tomar banho, o qual já tinha sido preparado por suas irmãs. Sua mãe também já estava de pé e fazia algumas coisas dentro de casa. Era madrugada, mas todas as esperavam acordadas para que pudessem jantar em família. Apesar da demora, nenhuma delas reclamou da fome, pois sabiam que Sagwa estaria em um estado ainda pior, ela havia passado dezoito horas cultivando e não levantou nem para comer e muito menos para fazer suas necessidades pessoais.

O estômago de Sagwa roncou, assim que ela saiu do banheiro. Vestiu um vestido novo e correu para a cozinha e quando chegou lá, ela se surpreendeu com o que viu, a mesa estava posta e sua mãe e irmãs estavam sentadas a esperando.

“Mãe? Irmãs? Vocês estavam me esperando para jantar? Porque não comeram sem mim?”

Helga prontamente respondeu “Nós não queríamos jantar sem você, somos uma família e este é um momento que geralmente conversamos sobre nosso dia e comemos em fraternidade. Venha, sente-se, vamos jantar.”

“S-Simmm.”

Sagwa estava feliz, seu coração estava palpitando de alegria, sua família era sua base, ela já havia perdido seu pai e seus irmãos, em seu coração ela já tinha se decidido: ‘Eu não vou deixar mais ninguém morrer’.

O tempo foi passando, logo uma quinzena havia sido deixada para trás. Durante este tempo, várias vezes Sagwa tentou ajudar a vila desempenhando alguma tarefa, mas ninguém a deixava fazer nada, eles davam sempre a mesma reposta: “A senhorita Sagwa não precisa se preocupar com isso, por favor deixe que eu faço.” Ela ficou brava por vários momentos, não queria esse destaque todo, queria continuar sendo ela mesma. Sua mãe e Lorrel explicaram que isso era porque, agora, o foco dela deveria estar no cultivo, o tempo que ela perderia desempenhando tarefas para o clã deveria ser direcionado para o cultivo. Demorou um pouco mas ela aceitou, isso só a fez cultivar com ainda mais diligência.

Era manhã do décimo sexto dia, o orbe preto estava presente em sua testa sem que ela percebesse e mais uma vez as pétalas rosas da cerejeira estavam dançando ao seu redor. Finalmente, ela tinha alcançado o Nível Intermediário do Primeiro Grau da Purificação da Matéria.

“Nível intermediário, finalmente, eu sinto que meu corpo ficou muito mais leve, agora meu Prana está circulando com mais facilidade e intensidade pelo meu corpo.”

Sagwa ainda tinha muito tempo sobrando para cultivar, poderia continuar com sua técnica de cultivo ou praticar o Manual de Condensação do Fogo. Ela estava avançando muito rápido e agora precisava de alguma técnica de condensação de energia. Prontamente, ela decidiu cultivar o Manual de Condensação do Fogo.

O orbe preto na testa da Sagwa continuava lá, ela lembrou-se dos primeiros passos para aprender o Manual de Condensação do Fogo e começou a meditar. Esta era um Manual Espiritual de Nível Baixo, ele ocupava a categoria mais baixa na pirâmide das técnicas de condensação de energia, portanto não era tão forte, mas era essencialmente uma boa técnica para que Sagwa fundamentasse sua base de cultivo, quanto melhor fosse sua base, melhor seriam suas realizações futuras.

O tempo passou lentamente, novamente Sagwa perdeu a noção do tempo, mas toda vez que isso acontecia ela experimentava um salto qualitativo em seu cultivo. Não era diferente desta vez, inevitavelmente ela aprendeu com bastante facilidade o Manual de Condensação do Fogo e em mais alguns dias ela o treinaria para o Nível Mortal Inferior.

É preciso saber que mesmo que essa fosse uma habilidade de Nível Mortal, ainda levaria cerca de um mês para que pessoas normais conseguissem treiná-la até o segundo grau, ou seja, o nível Mortal Inferior e quanto maior fosse o grau, maior seria a dificuldade em ser treinada.

Após uma semana, durante a tarde do oitavo dia, Sagwa finalmente treinou o Manual de Condensação do Fogo para o nível Mortal inferior. Ela estava completamente exausta. Neste último dia, ainda não tinha dormido mas estava em tão completa paz enquanto cultivava que nem percebeu o tempo passar. Ela correu para casa e novamente tomou banho e caiu exausta na cama.

Quando acordou, ainda era madrugada. Todos estavam dormindo, a vila estava em completo silêncio. Ela não estava com sono e decidiu testar sua mais nova habilidade.

Por achar perigoso fazer os testes dentro da vila, Sagwa correu em direção à floresta,  aproximou-se de uma cachoeira, onde costumava brincar quando era criança, e começou a concentrar seu Prana da maneira que o pergaminho descrevia. Em instantes, seus punhos começaram a pegar fogo, mas ela não estava se queimando.

“Parece que esta é uma habilidade do tipo suporte, ela aumentará o dano dos meus ataques.”

Nesse momento, ela socou o ar e um rastro de fogo seguiu a direção de seu punho. Ela caminhou até uma árvore, ativou sua habilidade e a socou. Seus braços percorreram toda a espessura do tronco da árvore com extrema facilidade, segundos depois a árvore desabou no chão. Aquilo a impressionou. Ela decidiu aumentar a dificuldade, então  foi até uma pedra relativamente grande, que tinha o dobro do seu tamanho. Quando socou, seu braço afundou completamente na pedra. Segundos depois, rachaduras começaram a aparecer em sua superfície e logo depois começou a desmoronar. O resultado final foi que a pedra ficou totalmente em pedaços.

Ela ficou animada e começou a ativar suas novas habilidades. Estava muito satisfeita com seu progresso. Neste momento, o Sol já estava aparecendo no céu e quando estava prestes a voltar para a vila, ela decidiu aproveitar o momento e dar um mergulho na lagoa da cachoeira. Sagwa se despiu e pulou dentro da lagoa, nadou até a cachoeira e sentou-se bem em baixo dela. Em pouco tempo, entrou em estado Zen. Ela estava em paz, a cachoeira parecia limpar todos os pensamentos que a distraia. Ela estava se sentindo extremamente confortável. Era como se estivesse livre de todos os problemas mundanos.

Após alguns minutos, o orbe preto apareceu novamente em sua testa e a fez entrar imperceptivelmente em estado de meditação profunda. Ela esqueceu de tudo que estava ao seu redor. Em sua mente, ela apareceu em algum ponto sob o gigantesco mar, para onde quer que olhasse só conseguia ver água. Uma estátua, muito parecida com a que ela tinha visto anteriormente em seus sonhos apareceu. A diferença é que esta era uma estátua feminina. A mulher estava sentada na posição de Lótus e transpirava um sentimento de pura tranquilidade. Segundos depois, ela começou a brilhar um uma aura azul royal e palavras estranhas com o mesmo brilho começaram a aparecer em cima de sua cabeça. Sagwa estava confusa, ela tinha visto o mesmo tipo de acontecimento estranho antes, mas foi com a estátua que lhe ensinou a técnica de cultivo do elemento Fogo. Agora, outra estátua apareceu e estava lhe mostrando outras palavras que pareciam ser uma técnica de cultivo diferente da que havia aprendido anteriormente. Esta técnica parecia estar ligada à Água.

Pelo o que havia lido nos registos dos pergaminhos do clã, uma pessoa só conseguiria cultivar um elemento, não havia nada descrito dizendo que seria possível cultivar dois elementos. Ela ficou estupefata.

“Será que se eu treinar essa técnica de cultivo ela irá entrar em conflito com a técnica que eu já treino? Será que vai me prejudicar de alguma forma?”

Foi então que ela lembrou do Topázio Elemental, as três cores que ele tinha estavam coexistindo mutuamente, sem interferir uma na outra, pelo contrário, eles pareciam se complementar. Ela decidiu arriscar.

A visão terminou, Sagwa ainda debaixo da cachoeira, começou a circular seu Prana por seus meridianos e começou a meditar a técnica que acabou de aprender. Ela sentiu-se verdadeiramente bem, era como se aquela técnica fosse desenvolvida especialmente para ela. O tempo passou rapidamente, logo a noite chegou e Sagwa ainda cultivava, ela entrou novamente no estado Zen, a velocidade que conseguia coletar Energia Celestial era estranhamente anormal,  consideravelmente mais rápida que qualquer gênio já visto na Seita das Penas do Caos.

A penumbra do amanhecer começou a se formar e Sagwa continuava cultivando, mais e mais lodo saia do seu corpo, aquela taxa de purificação era anormal. Um cultivador passaria para o Segundo Grau da Purificação da Matéria assim que conseguisse expelir a maior parte das impurezas do seu corpo e conseguissem atingir uma determinada cota de energia celestial refinada em seu Dantian. Mas mesmo assim, eles nunca conseguiam expelir tudo, sempre sobrava alguns resquícios de impurezas que permaneciam em seus corpos. Alguns cultivadores conseguiam expelir mais que os outros. Aqueles que conseguissem expelir mais, experimentariam uma base mais sólida em seu cultivo e alcançariam níveis inimagináveis. Aqueles que não conseguissem expelir tanto, enfrentariam grandes gargalos em seu cultivo até o ponto de não conseguirem mais progredir de nível.

Mas, inexplicavelmente, Sagwa estava expelindo totalmente suas impurezas e a uma taxa absurdamente alta, era como se tivesse algum tipo de corpo celestial, no qual a impureza não poderia existir. Sagwa continuou a cultivar a estranha técnica da Água, a energia celestial se condensava cada vez mais ao seu redor, mais um dia se passou e ela continuava a cultivar.

Após cinco dias, Sagwa estava inteiramente concentrada em seu cultivo, a energia celestial a inundava loucamente, esta técnica de cultivo era absolutamente maravilhosa. A aura ao seu redor continuava a ficar mais forte e mais azul, no início o azul era bem sutil, quase incolor, agora já era azul turquesa. E durante todo este tempo, não houve sinal de fome e nem sede, seu corpo estava sendo nutrido completamente pela energia celestial.

Dez dias se passaram e Sagwa continuava no estado zen. Agora a aura que a rodeava era azul índigo. E continuava a ficar maior.

Vinte dias se passaram, a água da cachoeira pareceu parar por um minuto, Sagwa finalmente abriu os olhos.

Por Luis Gimenes | 29/12/17 às 23:37 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Sobrenatural, Wuxia, Xianxia, Xuanhuan, Protagonismo Feminino, Romance, Brasileira