CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 133 - Segundo Encontro

A Guerra dos Nove Mundos (GNM)

Capítulo 133 - Segundo Encontro

Autor: Maurício Argôlo | Revisão: SolidSnake | QC: Bru

Sagwa olhou para ele meio sem jeito. Ela realmente não esperava se encontrar com ele em tal lugar. Enquanto pensava nas próximas palavras David pulou do tapete. Assim que tocou o chão o tapete subitamente se aproximou dele depois entrou em seu anel espacial.

“Jovem mestre…” - Sagwa falou, juntou os punhos e se curvou de leve.

“A Senhorita Sagwa é muito educada…” - David falou enquanto repetia a reverência dela em resposta. Ele olhou para a cerejeira que estava atrás de Sagwa.

Sagwa ainda estava sem saber como reagir, mas quando o viu olhar para a cerejeira que tanto amava ela comentou em voz alta “Linda, não é?”

David a olhou com o mesmo olhar etéreo de sempre - era como se ele tivesse desapegado das coisas superficiais do mundo e só tivesse interesse no que realmente importava.

“Sim, realmente linda… Eu entendo porque a senhorita gosta de ficar aqui. Sinto que se fosse eu em seu lugar, este seria o meu local preferido.” - David comentou.

“O jovem mestre deseja sentar?” - Ela falou.

“Somente se você parar de me chamar desse jeito… Que tal me chamar de David?”

“Ahh… O jovem mestre não deveria deixar pessoas desconhecidas lhe chamar pelo primeiro nome.” - Sagwa falou.

David deu uma leve gargalhada: “Nos conhecemos no Leilão, então acho que a Senhorita não pode ser considerada alguém desconhecida.”

“Espero que o Jovem Mestre não tenha ficado com raiva por eu ter arrematado o ítem que você tanto queria.” - Sagwa falou brincando e dando um leve sorriso.

“Eu nem fazia ideia do que aquele metal era, só o queria porque queria analisá-lo mais a fundo e entender onde poderia utilizá-lo. Tenho certeza que ele foi mais benéfico a senhorita do que a mim.” - David caminhou lentamente até onde Sagwa estava e sentou-se um pouco afastado. “A senhorita se importaria se eu sentasse aqui para contemplar a beleza deste céu noturno?”

“O jovem mestre é muito educado para pedir algo assim. Por favor, fique a vontade, mas tem uma condição, o jovem mestre deve parar de me chamar de senhorita” - Sagwa falou enquanto se sentava também.

“Façamos o seguinte…” - David respondeu - “Eu paro de te chamar de senhorita e a senhorita para de me chamar de jovem mestre, o que acha?”

“Aceito esta sugestão… David” - Sagwa falou enquanto olhava entre as brechas dos galhos da cerejeira e via o céu escuro iluminado pelas inúmeras estrelas que brilhavam em perfeita sincronia com a lua.

“Durante todo o dia eu ouvi histórias sobre a garota de cabelos escarlates que lutou contra um batalhão do exército inimigo e os dilacerou como se fossem um pedaço de papel. Além disso fez o possível para salvar o maior número de pessoas que conseguiu, e como se isso não bastasse, permitiu a utilização de grande parte do território pertencente a sua família para a reconstrução da Cidadela.”

“As histórias que contam já não condizem mais a realidade, as pessoas tendem a aumentar o que realmente aconteceu.” - Sagwa falou enquanto corava de leve.

“Ainda assim, isso não tira o mérito de tudo o que você fez. Mesmo pessoas em posições superiores a sua não fariam coisas deste tipo, pensando em salvar pessoas mais fracas e até mesmo colocando a vida em risco para isso. Acredito que não me enganei a seu respeito quando nos conhecemos no Leilão.” - David falou sinceramente, ele de fato achou a personalidade de Sagwa muito peculiar - se fosse alguém que merecesse ser salvo, ela não mediria esforços para atingir este objetivo. Foi o que tinha acontecido com Saladin e Miah durante o Leilão da Cidade da Boa fortuna. Por outro lado, se a pessoa merecesse morrer, ela mataria sem nenhum traço de piedade.

“Mesmo sendo pequeno, o número de pessoas que fariam o que eu fiz ainda é muito grande, você é uma delas, não esqueça que também salvou o Saladin e a Miah.” - Sagwa falou.

“Aquilo não foi nada… A Susan Beifong passou dos limites, seria irresponsabilidade minha deixar ela fazer o quem bem entendesse na minha frente. Por falar neles, como estão?” - David perguntou.

Assim que ouviu a pergunta de Davi o semblante de Sagwa mudou e a temperatura ao redor esquentou. David percebeu a mudança de humor de Sagwa e quando ia mudar de assunto ela respondeu:

“A Miah… E-ela morreu…”

Quando ouviu o que Sagwa falou a expressão de David se tornou dura e ele perguntou: “Foi a Susan?”

“Não, não… Ela morreu quando um desses inimigos desconhecidos atacou o Clã Noonan.” - Sagwa falou enquanto fechava os punhos, ela ainda se lembrava do rosto sorridente de Miah.

“E ele ainda está vivo?” - David perguntou já imaginando a resposta.

“Ela. Ela não está mais nesse mundo. Eu mesmo a matei.” - Sagwa respondeu e ao mesmo tempo começou a ficar mais tranquila, ela se lembrou da forma que tinha matado Martha.

“Hô então foi uma mulher… Entendo, eu faria o mesmo que você. Mas a única coisa que podemos fazer agora é ficar mais fortes e pôr um fim na vida de cada ser miserável que participou, direta e indiretamente, da morte dela.” - David falou calmamente.

“David, posso tirar uma dúvida?” - Sagwa perguntou olhando para o lado, na direção dele.

“Sim, claro, pergunte.” - David falou.

“Você ainda não está no segundo reino do cultivo, e pelo o que o Mestre Skar me informou somente as pessoas que alcançaram este reino conseguem a habilidade de voar. Então, o que era aquele tapete que você estava usando?” - Sagwa perguntou.

Não era mais surpresa para ela que um cultivador conseguisse voar, mas isso só se dava depois de alcançar o segundo Reino do mundo marcial, enquanto ainda estivesse preso no primeiro reino, a purificação da matéria, voar por si mesmo seria algo impossível de realizar. Porém, David consegue quebrar esta regra e ela estava curiosa. Se ela conseguisse algo que a permitisse voar, apenas que tipo de vantagem ela teria?

“Isso… ele é um artefato de voo. Meu Avô meu deu um ano atrás…” - David falou surpreso por Sagwa não ter conhecimento de um artefato deste gênero.

“Um artefato de voo?” - Sagwa Indagou.

“Sim… São artefatos mágicos que permitem que voemos usando uma quantidade de prana. Porém são extremamente raros e por conta disso geralmente eram itens caros que somente as famílias mais ricas possuíam.” - David falou explicando a Sagwa.

Neste momento ela se lembrou de Poseidon e de como ele voou em sua direção logo após ter passado pelo melhoramento que o Senhor Ayduin fez. Em seguida ela lembrou da nova habilidade que ele tinha de retornar para ela mesmo quando era arremessado a longas distâncias, inconscientemente ela o retirou do seu anel espacial.

Assim que apareceu, uma aura amarelada estava emanando de Poseidon. Quando o viu David ficou completamente pasmo. Seus olhos não conseguiram tirar o foco de Poseidon, aquela arma era simplesmente magnífica.

“E-esta é sua arma? Eu nunca imaginei que você usasse um tridente.” - David falou, geralmente as mulheres escolhiam lanças ou uma espada para usarem como armas, mas tridente? Esta era a primeira vez que ele via uma garota usando um tridente. Para falar a verdade esta era a primeira vez que ele via um artista marcial usando um tridente - eram armas complicadas de serem forjadas e mais complicadas ainda de se aprender a usar, por isso geralmente não eram escolhidas como uma arma principal.

Porém este tridente de Sagwa era ainda mais fascinante que muita arma que ele já viu, ele parecia ser ainda mais impressionante que sua própria espada.

Seu fascínio foi tanto que ele moveu seu braço para frente e assim que seu dedo médio tocou a superfície de Poseidon um tremor passou por todo seu corpo, um sentimento de morte o percorreu fazendo com que ele recuasse seu braço imediatamente.

“I-isso…” - David ficou sem reação, ele nunca tinha sentido algo como aquilo.

“D-desculpe…” - Sagwa falou.

Mas antes de conseguir se explicar uma voz ao longe pôde ser ouvida chamando pelo David. “David… David…” - Naomy corria enquanto balançava seu braço tentando chamar atenção de David.

“Hô? Naomy?” - David falou olhando para ela.

Não demorou muito para ela os alcançar, neste momento Sagwa já tinha guardado Poseidon novamente e olhou calmamente para a estranha garota que tinha acabado de chegar.

Naomy olhou Sagwa de cima a baixo como se reprovasse o fato de David estar conversando com alguém como ela, mas a ignorou e rapidamente começou a falar: “O Patriarca está te chamando, parece que por conta da sua visita os moradores sobrevivente da Seita Externa organizaram uma festa, o patriarca e o Mestre Skar e a Matriarca do Clã Étherion serão os convidados de honra.

“Entendo, pode ir indo na frente… Eu e a Sagwa já já estaremos indo.” - David Falou.

“Sagwa? Ela é a Sagwa?” - Naomy perguntou.

“Desculpem, erro meu… Naomy esta é a Sagwa, Sagwa esta é a Naomy.” - David falou.

Sagwa juntou os punhos e se curvou de leve demonstrando respeito, porém, Naomy simplesmente levantou as mãos dela depois deus as costas e se lançou na direção da entrada da cordilheira dos antepassados.

“Desculpe por isso…” - David falou.

“Não se preocupe, eu não tô nem aí para falta de educação dela. Contanto que ela não me desrespeite, nem trate mal quem eu amo, está tudo bem.” - Sagwa respondeu sucintamente.

“Bem, parece que não podemos continuar conversando por muito tempo.” - David falou enquanto tirava seu tapete do anel espacial. Mas também não conseguiu esconder a surpresa com relação ao que Sagwa havia acabado de dizer. No geral os gênios que ele conheceu eram todos arrogantes, mas Sagwa era diferente, ela tinha a personalidade muito parecida com a dele.

“Não se preocupe. Teremos muitas outras oportunidades para isso.” - Sagwa respondeu.

Assim que ouviu a resposta de Sagwa ele sorriu de leve: “Isso é algo para se comemorar. Você gostaria de vir comigo?” - Ele ofereceu o tapete olhando para Sagwa.

Por um momento ela pensou em recusar, mas depois ela pensou melhor, esta seria uma ótima oportunidade para testar um item de voo e ela estava muito interessada em aprender mais sobre eles, ainda mais tendo a possibilidade de Poseidon possuir tal habilidade.

“Tudo bem…” - Ela respondeu.

David sorriu e saltou na direção do tapete, depois foi a vez de Sagwa. Assim que subiu ele acelerou na direção da entrada da montanha dos antepassados.

Por estarem voando eles conseguiram alcançar o local com certa rapidez. O acampamento tinha se estabelecido antes do campo de flores. A visão que Sagwa teve foi impressionante, em tão pouco tempo eles conseguiram organizar uma festa de tal tamanho. Em todo canto haviam pessoas bebendo um tipo de bebida estranha e comida era o que não faltava. Porém, o que mais lhe chamou atenção foi uma arena de pedra que foi moldada por algum cultivador com afinidade com a terra. Em sua frente um palanque foi criado e nele três assentos principais, sendo que um deles era o maior e mais destacado que os outros dois.

No acento principal estava o patriarca e nos outros dois estavam Skar e Helga. Ao redor haviam outros assentos menores, todos ocupados por anciões. Alguns destes eram desconhecidos para Sagwa e quando ela enviou seu sentido divino para checá-los, se surpreendeu com o nível de cultivo deles. Alguns estavam no quinto grau, mas vários deles já estavam no sexto grau da purificação da Matéria.

“Olhem, o Jovem Mestre David está vindo…” - Um dos anciões falou. Neste momento todos olharam na direção do tapete que se aproximava.

“Tem alguém com ele…” - Outro ancião falou.

Quando olhou na direção do tapete um leve sorriso apareceu no rosto de Skar, mas o rosto do patriarca ficou sério, se seu neto estivesse se engraçando com uma garota de um Clã como o Étherion, okey, mas levá-la em seu tapete voador, era o mesmo que declarar publicamente que eles tinham muito mais que um caso. Ele só não falou nada porque Skar estava presente e aquela era uma de suas discípulas, mas quando estivessem a sós ele iria chamar a atenção de David.

“O jovem mestre chegou…” - Uma pessoa gritou apontando na direção do Tapete.

Logo várias pessoas olharam, quando Naomy viu Sagwa em cima do tapete, um tremor passou por seu corpo, ela não conseguia acreditar nisso.

“Esta garota da fazenda… Eu irei te mostrar a diferença entre o céu e a terra.” - Ela falou enquanto encarava o tapete.

Por ScryzZ | 26/03/18 às 19:02 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Sobrenatural, Wuxia, Xianxia, Xuanhuan, Protagonismo Feminino, Romance, Brasileira