CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 189 - Iremos trilhar o mesmo caminho que você!

A Guerra dos Nove Mundos (GNM)

Capítulo 189 - Iremos trilhar o mesmo caminho que você!

Autor: Maurício Argôlo | Revisão: SolidSnake | QC: Atrocittus

O exército inimigo estava uma verdadeira comoção, em sua frente pairavam um homem completamente nu e ao seu lado um homem de longas barbas e cabelos brancos. A maioria deles estava tremendo até a base dos ossos e muitos outros querendo fugir, só não o fizeram porque sabiam que seriam severamente punidos, o que, para eles, significava algo muito pior que a própria morte.

“Diga-me… quem é este sênior que está ajudando a Seita Penas do Caos?” - Uma voz demoníaca se elevou enquanto um homem trajando um robe negro dava alguns passos para frente. A aura dele era fria, seu rosto completamente pálido, seus olhos com a íris tão negras quanto a noite e as pupilas com um vermelho intenso, tão intenso que ele mais parecia um demônio. Em sua testa estava uma marca de um escaravelho negro e em sua mão uma espada negra desembainhada.

“Ajudando? Não sei do que você se refere!” - Hito falou com uma leve risada no rosto.

“Se o Sênior não pretende ajudar a Seita Penas do Caos, porque está atacando o meu exército?” - O homem questionou, encarando friamente o semblante exótico formado pelo olhar e sorriso psicótico de Hito.

“Deixe-me fazer uma pergunta: Desde quando se precisa de um motivo para matar?” - Um olhar intenso surgiu no rosto dele e seu sorriso ficou ainda maior. No instante seguinte ele desapareceu. Não demorou nem um segundo e ele já tinha reaparecido em meio aos vinte mil inimigos.

“Shiiihahaiahahahaha…” - Uma risada escrotamente tensa perfurou o ouvido de todos ao redor. Logo em seguida as nuvens no céu começaram a se mover de forma circular. Ao mesmo tempo a pressão atmosférica próximo a Hito começou a diminuir e o espaço ao redor dele começou a parecer que iria quebrar a qualquer momento. “Morram…” - Sua voz ecoou pelo ambiente enquanto uma energia intensa começou a irradiar de cada uma de suas espadas.

Um corte estranho começou a se formar, o espaço próximo da espada começou a se distorcer e uma forte ventania se originou fazendo com que os cabelos de Hito balançassem violentamente.

“O espaço, ele parece esta se quebrando...” - O Patriarca falou tentando recuperar o fôlego enquanto via a espada de Hito novamente se tornar uma com o vento. A questão era que desta vez aos seus olhos, mesmo que sutilmente, pareciam que fissuras espaciais começaram a se formar por onde quer que as rajadas de energia cortante das espadas de Hito fossem.

O vento era conhecido por ser um dos elementos mais rápidos. Na verdade, ele era o segundo elemento mais rápido, antes dele vinha somente, o raio. Contudo, quando alguém combinava as leis do vento com as leis do espaço, tal velocidade alcançava proporções inimagináveis. As lendas diziam que aqueles que conseguiam dominar estes dois tipos de leis conseguiam se aproximar da velocidade de um Deus.

Mesmo sem entender o que estava acontecendo, o patriarca estava completamente abismado com a cena que acontecia em sua frente. Por onde as lâminas de vento iam, várias fissuras começaram a aparecer e instantaneamente diversos inimigos eram cortados sem que soubessem o que tinha lhes acertado.

Por ser um tipo de controle das Leis, poucos eram os cultivadores que conseguiam perceber o que estava acontecendo. E este não era o caso dos inimigos ali presentes. Para eles, o que estavam lhes matando eram os ataques da espada - que parecia ter se tornado uma com o vento.

Contudo, mesmo quando conseguiam defender parcialmente o ataque, outra força desconhecida os cortavam em vários pedaços. Para onde quer que corressem, ou como tentassem esquivar, o resultado era o mesmo. Em poucos minutos um terço do exército tinha sido completamente aniquilado e, além dos sons do desespero por encararem a morte, a risada maníaca de Hito ecoava por todo campo de batalha.

O Patriarca Snake tinho no rosto um olhar torto que denunciava completamente seu sentimento de incredulidade com o que estava presenciando. “Incrivelmente forte… Se fosse eu o seu adversário, certamente morreria em menos de três movimentos... e isso sendo muito otimista.”

“Ei… Velhinho? Como você ainda tá parado, então eu posso lidar com todos sozinhos? Correto?” - Hito falou enquanto sorria.

O patriarca olhou para ele ainda mais estranhamente, mas em seguida se recompôs. Os longos cabelos dele começaram a se levantar devido a eletricidade estática que surgiu em seu corpo, era possível ver algumas pequenas faíscas percorrendo seu corpo, no mesmo instante, na pele do patriarca, pequenos pontos prateados surgiram e se espalharam por todo o corpo.

Não demorou nada para uma estátua de prata de um homem gigante surgir - ou melhor, de humano a estátua só tinha a forma. Ela tinha cerca oito metros de altura, seus olhos passavam uma sensação demoníaca a quem os olhasse. Presas cresciam de sua boca, seu nariz era quase inexistente e em sua cabeça um par de chifres, em seu tronco quatro braços estavam presos, um de cada lado, em sua cintura um rabo que tinha a forma de uma cobra e seus pés não existiam, em seu lugar haviam cascos de bode.

Quando a estátua de prata estava completamente pronta, a pele do patriarca refletia como se fosse completamente feita de prata. Ele se lançou para frente desembainhando sua espada e cortando o primeiro inimigo ao meio, sua velocidade era anormal e sua força bruta completamente irracional.

Em poucos instantes dezenas de inimigos foram mortos pela própria mão do patriarca, porém, o genocídio real aconteceu quando a estátua que ele tinha criado levantou as quatro mãos fazendo com que serpentes começassem a se mover para cada extremidade de seu corpo. Contudo, se alguém chegasse para olhar mais de perto notaria as pequenas asas que brotavam das serpentes elétricas.

Mais e mais serpentes com asas apareceram pelo corpo da estátua. Quando os olhos dela brilharam com um amarelo fraco, a infinidade de pequenas serpentes começaram a desgrudar de seu corpo ganhando tamanho e seguiram na direção do exército inimigo.

A cena seguinte foi de destruição total. Cada inimigo que as serpentes atingiam, tinham seus corpos eletrocutados. Os mais fracos eram carbonizados e os mais fortes eletrocutados, mas morriam facilmente por conta dos buracos espalhados pelos corpos.

Em pouco tempo centenas de inimigos foram mortos, quando Hito virou pro lado um semblante de raiva brotou em seu rosto - “Ei Ei Ei… Velhote, você só tem direito a um quinto do exército, pare de matar minhas presas.”

“Desculpe Hitokiri, agora que tenho a chance de dizimar este exército sem que nenhum de meus discípulos perca a vida, eu farei o possível. Isso inclui a garota que você chama de Mestra.” - O patriarca falou esperando que Hito não se ofendesse.

“Não preciso que ninguém me ajude a proteger a Sagwa-sama. Mas, entendo seus motivos. Não irei te atrapalhar, contudo, não pense que eu irei esperar que você os mate antes de mim. Serei eu que irei roubar suas presas!” - Hito falou com um leve sorriso no rosto e em seguida reapareceu em frente a uma besta demoníaca que tremeu ao sentir a presença dele.

O exército inimigo agora estava em uma confusão total. Ninguém sabia exatamente o que fazer: muitos deles tentavam atacar e outros já davam indícios de querer fugir. Mas antes que conseguissem, eram mortos pelo patriarca ou por Hito.

A cena do massacre de um exército feita por duas pessoas iria ficar marcada a mente daqueles que presenciaram aquele feito.

Sagwa estava olhando tudo aquilo acontecer de longe, ela até pensou em ir ajudar Hito e o Patriarca. Contudo, antes de ela poder sair da cidade, mais da metade do exército inimigo tinha sido massacrado. Um sentimento de impotência brotou dentro dela e pela segunda vez ela entendeu perfeitamente o quão fraca era.

‘Eu ainda sou fraca… preciso ficar mais forte, se não… tudo que o Senhor Ayduin me confiou será em vão.’ - Sagwa pensou consigo mesma de forma bem desolada, tocando o colar que ornamentava seus pescoço.

Desde que se encontrou pela primeira vez com Ayduin, ela tinha tomado a decisão de trilhar o caminho que a levaria a reconstrução da Seita do Divino Caos. E tinha plena consciência de que seria um caminho árduo e mortal. Mas só agora, diante das primeiras dificuldades, ela conseguiu perceber o quão difícil seria.

‘Eu tenho que ficar mais forte.’ - Ela apertou os punhos cravando as unhas na pele enquanto jurava para si mesma que iria ficar mais forte não importava o que acontecesse.

Naquele momento Sagwa sentiu uma mão fria tocar seu braço e percorrer-lo até chegar na base de sua mão. Ela olhou pro lado e Yumi tinha um discreto sorriso no rosto enquanto fazia Sagwa abrir a mão e deixar que seus dedos se cruzassem.

No instante seguinte ela sentiu sua outra mão ser forçada a abrir e aceitar que seus dedos se cruzassem com os dedos invasores. Quando olhou pro outro lado o intenso olhar de Sukh se encontrou com o dela.

Sukh não estava sorrindo, seu semblante era o mais normal possível. Mas a sensação do toque de sua mão fez Sagwa entender perfeitamente o que ambas suas amigas queriam dizer com aquela reação.

“Nós iremos trilhar o mesmo caminho que você, não importa o quão difícil e o quão longo ele seja.” - Yumi falou sorrindo.

“Ficaremos mais fortes juntas e alcançaremos o céu. Não importa quem ou qual dificuldade se ponha em nosso caminho, iremos pisar em todas e fazê-las se tornar nosso trampolim para o ápice.” - Sukh falou seriamente, mas no final da fase deu um leve e rápido Sorriso.

“Huuuuuuumm…” - Sagwa concordou agradecendo a todos os deuses pela possibilidade de ter conhecido duas amigas como estas.   

“Ôiiiii… Vocês não estão esquecendo de nada?” - Yullan gritou alto quando pulou em cima de Sukh a abraçando por trás.

“Yullan…” Sagwa sorriu quando viu a cena.

“Se você não sair de cima de mim agora eu vou fazer a Himiko te matar.” - A voz de Sukh era fria enquanto um indício de aura assassina emanava do corpo dela.

“Mama?” - Himiko falou subitamente aparecendo ao lado de Sukh.

“Calma calma calma, não tá mais aqui quem fez isso…” - Yullan falou e se desvencilhou de Sukh.

“Hahahahaha…” - Sagwa riu alto com a cena. Enquanto isso uma explosão gigantesca aconteceu onde o patriarca e Hito estavam lutando.

“Acabou… Finalmente… Vencemos!” - Yullan falou mais sério, olhando na direção de onde a explosão ocorreu.

Por ScryzZ | 08/06/18 às 23:30 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Sobrenatural, Wuxia, Xianxia, Xuanhuan, Protagonismo Feminino, Romance, Brasileira