CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 193 - Sagwa vs Susan (Parte 4)

A Guerra dos Nove Mundos (GNM)

Capítulo 193 - Sagwa vs Susan (Parte 4)

Autor: Maurício Argôlo | Revisão: SolidSnake

Um rio de sangue tinha surgido no local onde antes havia uma planície. A grama antes verde agora estava totalmente vermelha, corpos com membros decepados e carne humana dilacerada se espalhavam por vários quilômetros.

Hito tinha um sorriso de satisfação em seu rosto. Depois de ter passado por uma aflição sem precedentes e quase morrer, sua alma estava se regozijando de alegria por ter pintado tal cena na realidade. Ele se abaixou e pegou uma capa negra que estava encharcada de sangue, um sorriso de escárnio e de excitação apareceu em seu rosto enquanto ele colocava a língua para fora e lambia um pouco do sangue que cobria a capa.

Um tremor percorreu seu corpo, um sentimento de êxtase brotou dentro dele. Finalmente girou os braços enquanto levantava a capa negra e em seguida cobriu seu corpo desnudado.

Ele deu alguns passos na direção do patriarca que olhava o resultado do massacre de Hito com puro escárnio. Ele tinha completa noção de que o universo era vasto e sem limites, o número de gênios era incalculável. Diante deles um homem de seu nível era nada mais que uma formiga! Contudo, como patriarca de uma seita, poucas eram as pessoas a quem ele precisava temer, essa era a segunda vez que ele via alguém tão aterrador e digno de temor.

‘Talvez ele seja mais forte que o próprio Skar.’ - O patriarca Snake pensou consigo mesmo enquanto tentava digerir o que acontecera a momentos atrás.

Ele não teve muito tempo para ficar pensando naquele problema, seu rosto se virou na direção da cidade, que agora mais parecia uma pilha de entulhos. Quando sentiu a colisão de energias ao longe, por um momento ele imaginou que nem todos os inimigos tinham sido mortos. No entanto, logo percebeu que os embates de energias vinham do local onde os Discípulos da Seita Interna estava estacionados e não da cidade em si.

Os Anciões Baltazar, Jaul e Ashli rapidamente se moveram na direção dos choques de energia em velocidade máxima. Levando em conta que ainda poderia haver inimigos dentro da mansão, eles estavam bastante preocupados com a segurança dos discípulos.

Hito olhou para o local com uma expressão estranho no rosto, sem falar nada o espaço em sua frente tremeu levemente como se estivesse sendo forçado a se comprimir. Momentos depois ele desapareceu - sua velocidade foi literalmente anormal! Em poucos instantes ele percorreu toda a distância entre sua posição inicial e o local onde estava acontecendo o embate entre Susan e Sagwa.

Assim que chegou, viu a garota que tinha se prendido em uma cela ao lado da sua com uma faixa de sangue no cano da boca enquanto segurava a barriga tentando estancar o sangue que insistia em sair por três ferimentos. Do lado oposto a garota de cabelos escarlates e amarelados segurava um tridente dourado com um olhar intenso enquanto encarava sua oponente.

Segundos depois ele notou a súbita mudança na aura de Susan, em seguida ele viu a cor das suas íris mudar levemente. Quando viu aquilo, por instinto, Hito pensou em atacar e extinguir Susan completamente da face da terra. Contudo, antes de agir ele viu o olhar sereno de Sagwa - era como se ela estivesse esperando por aquilo, ele então reparou em um leve e quase imperceptível sorriso de canto de boca. Naquele momento que Hito percebeu que tudo estava sob o controle.

‘E-ela parece estar se divertindo… De fato, parece que eu não me enganei…’ - pensou consigo mesmo.

O olhar de Susan voltou ao normal tão rápido que quase ninguém notou a pequena e súbita mudança que tinha ocorrido neles. Aos poucos sua aura de morte regrediu e seu olhar de fúria foi se dissolvendo.

‘Ela não tem a coragem necessária para me matar… Acalme-se Susan, acalme-se.’ - Susan falou consigo mesma enquanto respirava fundo e controlava sua raiva e seus medos. Por mais que parecesse que estava em desvantagem ela tinha certeza que se não se incriminasse todos estariam ao lado dela. E quando o patriarca chegasse ali tudo se resolveria e Sagwa pagaria com a vida por agir tão impulsivamente.

Ela encarou Sagwa e formou um sorriso sarcástico, em seguida se lançou novamente para a batalha, em alta velocidade. O embate de ataque e esquiva entre as duas continuou e a cada colisão de ataques ondas de energia surgiam dando origem a uma intensa ventania. Vendo aquela cena estava claro para todos que, apesar de parecer estarem empatadas, Sagwa estava ligeiramente na vantagem.

Aquele fato junto com a intensidade da batalha travada em as duas deixou todos discípulos que as assistiam espantados, mesmo o mais fortes deles não sabia se conseguiria vencer uma das duas em uma batalha de um conta um.

“E-ela está mesmo no terceiro grau?”

“M-mostro, ambas são uns monstros.”

“Eu sabia que a Irmã Sênior Susan era forte, mas essa garota de cabelos escarlates, ela está lutando de igual para igual com alguém que está um reino acima.”

“Não é só isso, ela derrotou outros discípulos da Seita Interna com muita facilidade.”

Vários discípulos começaram a comentar a performance que Sagwa estava desempenhado.

“Cabelos Escarlates, pele branca, olhos azuis, um tridente dourado… S-será que ela é a discípula do Mestre Skar que os Discípulos que foram a Seita externa o Oeste falaram?” - Um discípulo do nível inicial do terceiro grau falou consigo mesmo, contudo foi alto o bastante para vários outros discípulos ao redor ouvirem. Em instantes a ficha começou a cair e o olhar dos vários discípulos da Seita Interna começaram a ficar tão arregalados que pareciam que iam sair pela órbita ocular.

“I-isso é…” - Uma discípula ia falar algo mas um estrondo soou fazendo com que sua voz fosse abafada.

Em sua frente as duas adagas de Susan tinham lâminas de vento que pareciam ter se fundido com as próprias adagas. Por conta disso a área de alcance de Susan aumentou drasticamente e seus ataques pareciam estar mais afiados e mais fortes.

Poseidon estava envolto pelas chamas e vibrou quando colidiu com as adagas de vento de Susan. Os cabelos de ambas voaram alucinadamente por conta da ventania gerada pela colisão dos ataques. David e Yullan recuaram alguns vários passos fazendo os discípulos próximos fazerem o mesmo o que desencadeou um efeito em cascata, em instantes a área da luta das garotas aumentou.

“Yullan, Sukh, Jaha… Vamos nos separar, protejam os discípulos mais fracos. Parece que essa luta irá aumentar de intensidade.” - David falou preocupado. Ele queria parar aquela luta ali e agora, mas sabia que as coisas já tinham ido longe demais para retornar. Também já tinha percebido a presença de Hito e sabia que o Patriarca provavelmente também estava a caminho, então a melhor coisa a ser feita agora era proteger todos os discípulos mais fracos para que não fossem feridos gravemente pelos resquícios de ataques de ambas as garotas.

“Uhummm…” - Sukh respondeu concordando com David. Ela não queria interferir na luta de Sagwa e também não queria que ela machucasse seriamente um discípulo sem querer. Isso poderia gerar problemas complicados de se resolver.

Yullan também não foi contra esse plano, Jaha e os guardas de David também seguiram em direções diferentes para cumprir sua ordem.

Naquele momento finalmente o patriarca chegou ao local e um pouco atrás, mais lentos, os anciões. Quando o patriarca viu o embate mortífero de Susan e Sagwa sua feição ficou feia, rugas apareceram em sua testa e um olhar severo se mostrou em seu rosto.

Susan imediatamente percebeu a presença do Patriarca e um sorriso brotou em seu rosto e uma euforia começou a irradiar por seu corpo.

O patriarca rapidamente se direcionou para o meio do gigantesco círculo criado pelos discípulos com o intuito de pará-las e puní-las devidamente. Contudo, subitamente Hito  apareceu de costas interrompendo seu caminho.

“A Sagwa-Sama parece está se divertindo bastante, eu não deixarei que ninguém interfira…” - A voz psicopata de Hito entrou nos ouvidos do patriarca contendo uma intensa vontade de matar. Um calafrio percorreu o corpo do patriarca que por um momento ficou sem saber o que falar.

“Eu agradeço a ajuda que o Grande Mestre Hito prestou, acredito que sem a sua força não teríamos vencido esta guerra. Mas eu terei que pedir que o grande Mestre não interfira nos assuntos internos da minha Seita Penas do Caos.” - O patriarca falou olhando para as costas de Hito e tentando soar o mais educado possível.

Hito pareceu não dar atenção e não respondeu nada inicialmente. Alguns segundos depois virou levemente a cabeça liberando uma poderosa aura assassina que foi sentida por todos os presentes, inclusive a própria Sagwa.

“Você acha que eu ajudei vocês a vencerem? Hahahaha… Isso chega a ser engraçado… Permita-me deixar as coisas mais claras: Vocês simplesmente deram sorte de estarem no mesmo lado da Sagwa-Sama, caso contrário, eu mataria você, seus discípulos, todos de sua seita, e quem quer que fosse inimigo da Sagwa-Sama. Então, pare de achar que somos amigos, porque no momento que você fizer algo contra minha mestra, eu mesmo arranco seu coração! E ficarei muito feliz se isso acontecer...” - As palavras que Hito proferiu junto com sua feição psicopata, seu olhar intenso, a capa suja de sangue que cobria seu corpo e sua postura, fizeram o coração do Patriarca Palpitar de medo. Ele realmente estava de mãos atadas, já que tinha completa noção de que se movesse mais um dedo sequer, morreria sem nem saber o que tinha acontecendo.

Ao longe susan viu a cena se desenrolar. Ela não sabia bem quem era aquele homem que tinha parado o patriarca, e por estar sendo atacada por todos os lados por Sagwa, não teve tempo de pensar em quem poderia ser. A única coisa que ela entendeu é que o patriarca parou de se mover e parecia que não iria mais ao seu socorro. O olhar de Susan ficou feio mais uma vez. Agora, o sorriso de satisfação estava no rosto de Sagwa.

Susan estava fatigada, com ferimentos espalhados por todo o corpo. Seu prana estava esgotando rapidamente e ela estava no mesmo impasse de Sagwa de não poder usar suas melhores técnicas por medo de machucar seriamente os discípulos da seita interna. Isso só a faria ser punida mais severamente pelo patriarca. Sua última esperanças era aguentar tempo suficiente até que o patriarca chegasse e desse um basta aquela loucura que Sagwa tinha iniciado! Mas agora, mesmo o patriarca não iria lhe ajudar, seu estado psicológico começou a se abalar, a dor e o cansaço junto com a frustração lhe impediam de pensar coerentemente.

Por conta da falta de atenção ela deixou uma abertura em sua defesa. Sagwa aproveitou o descuido da adversária e enfiou poseidon na terra forçando seu corpo pra frente e chutou a barriga de susan, que imediatamente cuspiu um bocado de sangue e voou para trás.

Pelo fato de os discípulos terem se afastado ela voou alguns metros antes de começar a cair no chão, sua mente estava dispersa, ela não entendia mais o que estava acontecendo. A raiva dentro dela cresceu ainda mais e novamente suas íris começaram a ficar amareladas enquanto tentava pensar em uma forma e contra-atacar.

Ela não teve muito tempo de pensar em um plano, Sagwa já tinha se lançando em alta velocidade para frente e assim que a acompanhou lançou Poseidon na direção da barriga dela. Imediatamente Susan caiu no chão com Sagwa meio curvada em cima dela.

As hastes de Poseidon entraram completamente dentro de Susan perfurando completamente seus órgãos internos. Ela cuspiu mais um bocado de sangue, e, por conta dos graves ferimentos, também começou a sangrar por seus canais lacrimais e seu nariz.

Sagwa olhou dentro dos olhos de Susan e viu mais uma vez a coloração amarelada tomando totalmente conta de suas íris - “Mostre-me sua verdadeira força, Susan Beifong!” - ela falou encarando-a, em seguida começou a girar lentamente seu tridente.

Uma dor sem precedentes tomou conta do corpo de Susan, ela rangeu os dentes enquanto parecia perder lentamente a consciência, seus olhos começaram a se fechar e sua aura a enfraquecer.

“E-ela vai matá-la…” - O ancião Baltazar falou de longe, mas impedido de prosseguir por ordens do patriarca.

“Alguém, pare-a…” - Um discípulo falou.

David apertou os punhos, seus coração estava desolado, ela confiou em Sagwa com tudo que podia, mas parecia que ela iria quebrar completamente sua confiança. Apesar de saber que seria uma luta que poderia deixar graves sequelas, ele nunca imaginou que Sagwa fosse de fato querer matar a Susan… Aquele era o maior pecado que um discípulo poderia cometer!

Jaha assistia tudo sem ousar mexer um dedo para parar Sagwa. Apesar de achar que ela estava indo longe demais, ele não iria interferir no que ela tinha decidido fazer: a decisão, bem como a responsabilidade, eram todas dela. Yullan e Sukh observavam tudo de longe sem falar nada.

Aysha e Yumi tinham retornado e estavam se posicionando ao lado de Sukh enquanto observavam o desenrolar dos acontecimentos.

Uma comoção começou a acontecer, aquela era uma cena que nunca tinha ocorrido antes na Seita Penas do Caos, uma discípula matando a céu aberto e a vista de todos outros discípulos e pior ainda, a vista de três anciões e do patriarca.

Passaram-se poucos segundos desde o momento que Susan tinha fechado completamente os olhos e Sagwa continuava ignorando todo o clamor exigindo que parasse. Ela continuou girando Poseidon que a cada pequeno centímetro que se movia dilacerava os órgãos internos de Susan.

Contudo, uma aura completamente diferente de tudo que todos os discípulos presentes já tinham sentido subitamente surgiu. Susan imediatamente abriu os olhos, Sua íris e sua pupila tinham agora a mesma tonalidade amarelada e sua conjuntiva estava completamente negra dando a ela uma aspecto completamente demoníaco. Um símbolo de um escaravelho verde começou a aparecer em sua testa. Ela encarou o olhar de Sagwa com um semblante sério e, ignorando toda a dor que seu corpo sentia, moveu o braço agarrando o pescoço de Sagwa e apertando-o com força.

A aura assassina que Suzan emanava aumentou de intensidade atingindo todos os presentes. O patriarca olhou aqueles acontecimentos com pura descrença no rosto. Diante de todas as informações que ele e a Seita reuniu sobre os inimigos, tudo indicava aqueles precisavam de mortais para que gerar aquele tipo de cultivador, mas nada indicava que tais escaravelhos podem ser usados em cultivadores.

Subitamente o fato do avanço repentino de Susan em vários níveis de cultivo veio em sua mente e sua ficha começou a cair! Ver aquele incidente foi a fagulha inicial para que ele começasse a entender tudo que estava acontecendo - ou ao menos começasse a entender. Agora tudo começou a fazer sentido em sua cabeça: todas as falhas em contra-ataques da seita, todas as traições, todas as mentiras, tudo se baseava em conseguir mais poder.

Sagwa soltou Poseidon e segurou fortemente o braço de Susan com as duas mãos enquanto era impedida de respirar e tinha seu pescoço lutando contra uma força que tentava esmaga-lo de qualquer forma.

A aura azul rapidamente voltou a surgir ao redor dela, a pérola em sua testa voltou a emitir um brilho invisível ao olho nu e consequentemente a aura de Sagwa também começou a aumentar. Ela segurou firmemente o antebraço de Susan e forçou o corpo para o lado e aplicou uma chave de braço mal feita, em instante sons de ossos quebrando ecoou pelo espaço ao redor, o braço de Susan tinha quebrado.

Susan não emitiu um único grito de dor, suas unhas tinham crescida e tinham ficado mais resistentes, elas ficaram negras tomando uma aparência de garra de alguma besta demoníaca, ela forçou o corpo na direção de Sagwa e tentou acertá-la na barriga.

Por instinto Sagwa se lançou para trás tentando não ser pêga no mesmo ataque novamente, mas antes que ela tivesse tempo de chegar a uma distância segura Susan já tinha se levantado e chegado na frente dela em poucos instantes. Em seguida a atacou com um gancho de esquerda o que acertou em cheio o queixo de Sagwa.

Sagwa foi lançada voando na direção do céu enquanto uma onda de dor percorria seu corpo. Antes de ela entender direito onde estava Susan já tinha aparecido atrás dela e socou as costas dela fazendo-a ir em alta velocidade na direção do solo.

*Booooooom* - Um som de explosão ecoou quando Sagwa colidiu com o solo.

Uma nuvem de poeira se elevou, Susan voltou ao solo ainda com Poseidon dentro dela. Sua aura demoníaca continuava a se elevar quando ela segurou seu antebraço quebrado e realocou os ossos no devido lugar. O estalo dos ossos ecoou pelo espaço, e os discípulos, que antes torciam por ela, agora estavam boquiabertos tentando entender o que estava acontecendo.

O grande Mestre Hito vai deixar sua Mestra morrer?” - O patriarca perguntou.

“Você está no segundo Reino da Cultivação, correto? Mas nem assim foi capaz de entender o que se passou aqui. Isso deve ter sido porque você avançou para o segundo reino sem completar cem por cento do sexto grau do primeiro reino...” - Hito comentou.

“E o que isso tem haver? Não está vendo que ela vai morrer?” - O patriarca perguntou com mais ênfase.

“Você não entende? A Sagwa-sama tem um destino incomparável pela frente, o que ela tem dentro dela é algo que foge a nossa compreensão! A linhagem que ela carrega mudará o mundo da forma que conhecemos! Como alguém com um destino tão intenso poderá morrer em um lugar como este. Além disso…” - Hito parou de falar por um momento, a cortina de poeira começou a se assentar, no meio dela uma garota com alguns hematomas e uma linha de sangue no canto da boca estava de pé encarando a garota de olhos demoníacos que estava em sua frente.

“Ela está se divertindo…” - Hito falou com um sorriso psicótico no rosto, ele estava extasiado! depois de ter se entregado à morte e de ter perdido todas as esperanças pra sua vida, encontrou a motivação necessária para escolher viver. - “Eu dedicarei minha vida a ela, eu farei dela minha âncora de vida, e quando chegar o momento eu trarei vingança a todos que destruíram meu porto seguro.” - Pela primeira vez Hito falou com uma voz séria, o que surpreendeu o patriarca.

O patriarca olhou para Sagwa de longe. O olhar dela, como Hito disse, era de pura excitação, seu corpo estava tremendo levemente quando ela levantou o braço com as mãos abertas fazendo com que poseidon saísse de dentro de Susan e fosse em sua direção. Ao verem aquilo, todos os discípulos ficaram mais espantados ainda. Era a primeira vez que viram uma arma como aquela, essa luta não parava de trazer novas surpresas.

No momento seguinte a voz e Sagwa ecoou: “Não Interfiram…” - Em seguida ela se lançou na direção de Susan.



Olá Jovens \o, Saudade de vocês!!!


Então, como todos sabem eu sou um dos ADMs da Saikai e estamos preparando grandes surpresas para vocês,  que tem consumido bastante tempo meu, tem também o fim de semestre e mais uma infinidade de outras coisas que tem tomado meu tempo, por isso estou demorando um pouco para lançar capítulos. Contudo, eu fiquei tão contente com os comentários dos últimos capítulos que eu fiquei tão animado que irei dar meus pulos para tentar trazer mais capítulos para vocês, ao menos mais um eu quero lançar esse FDS, quero findar logo essa luta de Sagwa com Susam que em breve iremos avançar para um novo arco onde coisas incríveis irão acontecer. No mais, eu agradeço a cada um de vocês pelos comentários e pelo carinho que vocês tem pela Sagwa, pela novel e por mim. Arigatou!


Aproveitando o momento, GNM também está nas rede sociais, escolha uma e entre em contato direto comigo e com vários outros leitores que gostem dessa grande obra <3

Discord

Fã Page

Grupo 

WhatsApp

Por ScryzZ | 20/07/18 às 17:58 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Sobrenatural, Wuxia, Xianxia, Xuanhuan, Protagonismo Feminino, Romance, Brasileira