CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 217 - Dignos de Pena

Ascensão de um Deus (AUD)

Capítulo 217 - Dignos de Pena

Autor: Calebe Piccoli Camargo | Tradução: Stromkirk

O silêncio pairava por toda a Arena Central, como um imperador.

Nem mesmo o vento ousou se mover, os animais se acalmaram, foi como se, por um segundo, tudo houvesse congelado.

Le Chang sentou-se calmamente em posição de lótus, seus olhos fechados revelavam a mais pura paz.

Ele sabia que momentos de caos o esperavam, sua demonstração de poder foi absurda demais, ele destruiu qualquer um que se alto intitulou um gênio.

Menos de vinte anos? Possuindo um conhecimento aterrador sobre runas? Um talento marcial excepcional? Esse jovem conhecia a palavra limite?

Mal sabiam as pessoas ali, mesmo o próprio Le Chang, Seiryuu ou Gao Yao, que o potencial dele mal havia despertado, a própria centelha de vida, que existia no âmago de seu ser, temia ser erradicada, sendo assim, selava o talento realmente monstruoso de Le Chang.

************************************

'V… V… Vo… Você… Q… Q… Quem é você?' - Min Jia.

'Fique tranquila, ainda tem muito mais de onde veio isso…' - Le Chang.

Ela ficou sem palavras, era possível ser mais monstruoso que isso?

Todavia, ela se reteve e permaneceu tranquila.

Sua irmã sabia que ela estava conversando com Le Chang, mas estranhamente, Min Lei, não demonstrou tanto espanto ou surpresa como as demais pessoas.

O motivo?

Ela desconfiava que Le Chang era Ca Le.

Apesar deste jovem, Ca Le, falar que seu Mestre foi o Forjador das Armas Santificadas, as quais ele vendia, ela não acreditou nestas palavras. Porque?

Simples, ela tinha uma Linhagem.

Cada Linhagem vem com diferentes habilidades, já que nem todos aqueles que chegam no Dao Lendários tem as mesmas transformações físicas, sendo assim, a linhagem passada aos descendentes será diferente.

A Linhagem de Min Lei, era rara e muito especial.

Ela podia sentir conexões, vida, espírito, sensações, almas e tudo aquilo que pudesse guardar o menor resquício de consciência.

Era como um Sentido Divino calibrado para sentir as nuances dos sentidos.

Dessa forma, após ela desconfiar de que Ca Le era o verdadeiro Forjador por detrás das Armas Santificadas, ela usou sua linhagem para analisar o jovem e suas Armas.

No fim, ela encontrou em vários de seus itens vendidos, uma leve fagulha de uma fraca consciência, muito familiar a de Ca Le.

Apesar disso, ainda não era uma prova irrefutável, ele poderia ter ajudado seu Mestre e acabou deixando suas marcas mentais nas Armas. Todavia, ela enviou centenas de espiões, todos no Dao da Purificação, todos foram espalhados pela Cidade Plumas Celestiais, seguindo cada passo e respiração do jovem.

Ao fim de suas meticulosas investigações ela chegou a uma certeza, Ca Le foi o real autor das Armas Santificadas.

Sendo assim, isso lhe trouxe uma grande dose de espanto.

Para criar Armas Santificadas com tal número de Refinamentos, exigia uma aparelhagem digna de tal tarefa, mas nada disso foi comprado ou adquirido por Ca Le.

Então ela chegou a um veredito.

Matrizes.

Ca Le havia usado uma forja de baixo nível, em conjunto com complexas formações e Círculos Mágicos poderosos, para compensar a falta de material.

Entretanto, isso exigia pelo menos o dobro de esforço da tarefa normal.

Hoje vendo o desempenho de Le Chang em círculos mágicos, era inegável que somente Ca Le se comparava a ele.

Além disso, a fraca consciência que ela sentia em Ca Le era a mesma em Le Chang.

'…. Esse garoto…. É uma pena que ele seja do Clã Lin…. Se eu conseguisse trazer ele para o Clã Min…. Se eu conseguisse…' Min Lei franziu as sobrancelhas entrando em profunda reflexão.

***************************************

"V… V… Venc… Vencedor Inscrito 1611… Le Chang Vence a Área de Matrizes e estabelece o no… no… novo recorde no Cristal de Força, alcançado o número de Cento e Um, pontos de força…' - Lin Tu.

'UAAAAAAAAAA!!' A multidão foi à loucura.

Hoje eles pensaram que seria algo como os anos anteriores, sempre os mesmos talentos, mesmos movimentos, a mesma coisa de sempre, todavia, ninguém antecipou a aparição de Le Chang.

Ninguém mesmo.

Nas arquibancadas, Lin Mei fechou sua mão com tanta força que suas unhas deixaram marcas em suas palmas.

O seu plano para conquistar o trono do Clã Lin era algo delicado, ela carecia da fraqueza de seus dois irmãos, mas a chegada de Le Chang destruía seus planos, como uma pedra sendo jogada contra o vidro.

Le Chang crescendo, Lin Yang teria grande poder, Lin Cai o protegeria e seus planos iriam por água abaixo.

Mal sabia ela que Lin Cai, seu pai, também tinha planos para Le Chang.

No fim, pai e filha conspiravam para o mal, ambos consumidos pela ganância, ira, luxuria e vingança.

Não só eles, mas dezenas de olhares sanguinários se voltaram para Le Chang.

Muitos o invejavam, outros o adoravam, outros o odiavam.

Este era o ônus da genialidade.

A inveja sempre foi um dos sentimentos inatos da humanidade, algo tão pequeno e medíocre, este era o sentimento dos fracos, dos incapazes e dos pobres de espírito.

O ponto é, não inveje a ninguém, lute para alcançar suas próprias realizações, lute para que seus sonhos sejam realmente seus, não que os outros sonharam por você, lute por uma vida que te complete, uma que não importa se o momento é bom ou ruim, mas que ela lhe preencha da certeza de que trilhou o caminho certo.

Todavia, o mundo era um lugar mal. Permeado pelo desejo egoísta pelo poder.

O que era o poder? O que é ser realmente forte?

No fim tudo não passava de uma utopia? O forte deste pequeno planeta era uma formiga em outro lugar, sendo assim, ele realmente poderia se chamar de forte?

Só existe um único poder!

Aquele que é absoluto, não se contradiz, não muda, não vacila, não desmerece, aquele que reina supremo sobre a vida e a morte. Somente ao atingir tal patamar alguém é forte, somente quando pisar sobre os Imortais, rasgar os Deuses com as mãos nuas, criar ou destruir Reinos Dimensionais, somente quando atingir tal patamar é que alguém é forte, antes disso? Nada mais que uma mera utopia e devaneios de um covarde.

Este mundo era regido pelos Supremos Senhores, como Lin Cai, Patriarca do Clã Lin, mas até onde o seu ego e seu desejos atrapalharam seu reinado?

O Rei sábio não é aquele que impõe suas leis e desejos de forma ditatorial, muito menos aquele que acata com todos os desejos do povo, mas sim aquele que dá ao povo o que ele precisa, não o que ele quer.

Sendo assim, quantos seguiam tais frases?

O Clã Lin não estava massacrando e impondo sua força com requintes de crueldade? O Clã Min e o Clã Zong não estavam do mesmo jeito? Ambos atacaram outro Clã Supremo e mataram a mulher deste Patriarca, gerando a fúria deste e levando ao sangue dos inocentes correr pelas terras do Supremo Continente Shiang.

Le Chang, havia decidido a muito tempo, o seu objetivo era mudar esta realidade.

Não nos autoproclamamos como os seres mais inteligentes? Mais sábios? Mais evoluídos? Então onde está toda essa capacidade?

Existe raça mais sanguinária que a humana? Quantas guerras acontecem por pensamentos fúteis?

Os Dragões, conhecidos por serem o ápice da sabedoria, tinham uma frase para explicar a humanidade.

"O ego deles é tão grande que nos espanta seus corpos serem tão minúsculos, seu desejo pela morte nos deixa perplexo que nasçam para usar a Energia Yang, sua mentalidade simplória e pequena, nos deixa atônitos por possuírem tal orgulho… Jamais houve um ser humano Ascendendo ao Nível de Deus, mas, mesmo assim, eles assim se consideram… No fim, dignos de pena!"


Por Stromkirk | 11/01/18 às 21:58 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Romance, Harém, Magia