CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 654 - Você Não É Digno!

Ascensão de um Deus (AUD)

Capítulo 654 - Você Não É Digno!

Autor: Calebe Piccoli Camargo

Os testes continuaram, em um dado instante as quatro esposas de Le Chang se fizeram presentes e exigiram que ele escolhesse apenas uma.

Entretanto, como os Elfos, Le Chang sabia que jamais elas fariam tal questionamento, com a Conexão das Almas, eles sabiam perfeitamente o sentimento que havia dele para com elas e, Wuhan Xie, Lian Mei, Chi Ziyun, Min Jia tinham pleno conhecimento que ele jamais teria uma preferida, todas elas, sem exceção, tinham o mesmo peso em seu coração.

Porém, os testes não pararam por aí, e o que veio a seguir, foi, sem dúvida alguma, o mais difícil para Le Chang.

Le Li, Le Liang, Le Kun e Le Huo estavam sentados ao redor de uma fogueira no meio da estrada.

Le Chang parou e semicerrou seus olhos, não sabendo porque aquilo havia lhe impactado de tal maneira.

Então, quando a primeira lágrima rolou nos olhos de Le Kun e foi em direção ao solo, seguido por Le Huo, Le Li e Le Liang, o jovem entendeu.

“To... Todos... Morreram... Todos... P... Porque...” Murmurava Le Huo, sua face era de total desamparo, como se uma parte dele tivesse morrido.

Seu irmão soluçava baixinho e esfregava uma mão na outra, como se tentasse se consolar.

As meninas estavam abraçadas e choravam.

“P... Pa... Pai.... Por... Porque você foi.... Porque não viveu com nós em paz.... Por... Porque...” – Le Liang.

“Foi culpa dele! ” Gritou Le Kun com um olhar cheio de ódio.

Os seus irmãos levantaram suas faces em direção ao jovem e depararam-se com uma angústia excruciante dançando na face de Le Kun.

“Foi culpa dele que nossas mães morreram! É culpa dele! Ele e seu egoísmo, nenhum de nós pediu para ele ir contra o Fim! Quem ele acha que é???????!!! Que direito ele tem de fazer todos nós sofrermos…” Le Kun gritava e seu coração parecia que sairia pela boca, era visível o ódio em sua face.

“Não fala isso do papai! Ele tentou o melhor por todos nós...” Le Li se levantou se impôs contra seu irmão.

“Ele tentou o melhor por ele! Eu nunca pedi para ele tentar ir contra o Fim! Nós podíamos ter seguido a ordem natural das coisas, mas não, ele com seu orgulho nos levou a uma guerra sem sentido, destruiu nossas vidas... O Fim matou ele e nossas mães, levou os poderes de todos e dentro de alguns dias tudo será destruído...” – Le Kun.

“Cala a boca!!!!!!!” Gritou Le Li indo contra Le Kun, mas uma mão a parou, era Le Liang.

“Ele tem razão... Foi culpa do papai... Nós nunca pedimos nada... Nossas mães foram arrastadas para uma guerra sem nexo, em um capricho e egoísmo de nosso pai... Ele nunca perguntou se isto era algo que todos queriam...” Le Liang tinha um olhar escurecido e cansado, era claro o desgaste emocional em sua face.

“Parem com isso... Parem com isso... Parem com isso...” Dizia Le Huo chorando aos prantos, ele sentia seu coração se despedaçando dentro de seu peito.

Lentamente, uma fumaça escura começou a formar-se entre eles e mãos demoníacas apareceram e conectados aos seus dedos haviam pequenos fios de Energia Yin.

Cada um deles estava ligado a cabeça de uma das crianças e aquelas mãos moviam-se como as mãos de um maestro, coordenando uma sinfonia diabólica de desgraça e tristeza.

Enquanto isso, Le Chang estava parado, seus olhos marejados e sua respiração acelerada deixavam claro que o impacto sobre ele foi grande.

Ele correu até as crianças e às tentou abraçar.

“Me desculpem!!!!! Me desculpem!!!!!!!!” Gritava Le Chang com todas as forças de seus pulmões.

Mas não importava quanto ele tentasse, seus braços as atravessavam e nem mesmo as mãos diabólicas eram tangíveis, Le Chang estava fadado a ser um mero espectador do sofrimento de sua família.

Isso o corroía por dentro, fazendo uma dor sem igual emanar de dentro de sua alma.

Sua mente escureceu e ele foi levado para um lugar diferente.

Ele se viu no alto do espaço, e ao levar seus olhos para baixo, viu um ser negro imenso.

Em uma mão ele tinha Le Chang, preso e todo ensanguentado.

Ele viu a si mesmo derrotado pelo Fim, mas ainda vivo.

“Eu deixarei você ver o fim delas...” O Fim virou Le Chang para baixo e ali estavam as meninas, flutuando no espaço profundo com grande dificuldade.

O Fim então estalou os dedos e imensas lanças negras feitas de uma Energia Desconhecida dispararam e empalaram Wuhan Xie, Lian Mei, Chi Ziyun e Min Jia.

Ao ver aquela imagem, ele viu ele nas mãos do fim enlouquecer.

Rasgando toda a sua existência ele fez um poder descomunal se fazer presente e com aquela força, gerada no limiar do fim, Le Chang viu a capacidade de rasgar a criação de cima abaixo nascer nos seus olhos.

Mas o Fim apenas sorriu e fechou seu punho, esmagando Le Chang, destruindo tudo, sua Existência, seu corpo, sua alma e seu espírito.

A partir dali não havia volta, ali era o Verdadeiro Fim.

Le Chang ao ver tais acontecimentos caiu em desespero, de tal maneira que sangue começou a jorrar de seu nariz, boca, ouvidos e olhos.

Era uma dor emocional tão grande que a vida dentro dele não sabia expressar isto sem ser na forma de dor física.

Le Chang então se viu novamente na estrada e lá estavam, as crianças, mas agora elas eram secundárias, já que ele podia ver as quatro meninas com estacas negras atravessando seus estômagos.

Elas estavam vivas e seus olhares cheios de agonia estavam direcionados contra Le Chang.

“P... P... Porque.... Porque você fez isso conosco?.... V... Você.... Você prometeu... Prometeu que não deixaria isso acontecer...”. As quatro falavam juntas e acusavam Le Chang.

“Vo... Você não é um bom pai e marido.... Você é um lixo... Sempre foi um lixo, sempre será um lixo...”. As crianças se ergueram e começaram a blasfemar contra seu pai.

Então, centenas de pessoas apareceram, todas com aparências mórbidas, alguns destroçados, outros com seus crânios abertos, outros com partes faltando e alguns sem metade do corpo.

Todos do Clã Le, mortos ainda quando ele estava no Continente Zao, estavam ali.

“Nós dissemos que você era um lixo... Você nunca foi nada, é um absurdo você querer ser algo...” – Clã Le.

Então, duas pessoas apareceram, eram seus pais.

“Porque vo... Porque você me deixou morrer?... Filho.... Me ajuda...” – Le Shen.

“Porque você me deixou morrer filho?... Filho?... Porque?...” – Lin Bo.

Aquelas palavras eram como espinhos e facas cortando o que restava da sanidade de Le Chang.

Aquela cena tragava sua mente e esmagava seu espírito.

Então, milhões, bilhões, trilhões, quatrilhões de seres vivos, todos mortos apareceram e em uníssono gritaram.

“Você não é digno! Você não é digno! Você não é digno! ”

Por Calebe Piccoli Camargo | 09/11/18 às 00:12 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Romance, Harém, Magia