CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 45 – Irritado

Bringing The Farm To Live In Another World (BFLAW)

Capítulo 45 – Irritado

Tradução: Blue Sparky | Revisão: Luiz Oliveira

Depois do jantar, Merine e Zhao Hai ficaram sozinhos no quarto. Enquanto ela estava fazendo um chá, Zhao Hai perguntou: “Vovó Merine, o que você acha que deveríamos fazer sobre os escravos?”

Merine pensou sobre isso, então olhou para Zhao Hai nos olhos: “Você realmente quer ouvir o meu conselho, Jovem Mestre?”

“Claro, vovó Merine. Você é a única que administra os escravos. Eu nunca estive no controle do clã Buda antes de sermos exilados. Então, nesse aspecto, você tem muito mais experiência do que eu.”

“Obrigada pelo elogio, Jovem Mestre.” Merine sorriu e continuou: “Aqui está o meu conselho. Eu acho que você tem sido bom demais para os escravos. Você deveria reprimi-los um pouco.”

Essas palavras confundiram Zhao Hai: “Você está dizendo que eu deveria ser um pouco mais duro com os escravos? Por que?”

“Jovem Mestre, você sabe, não é ruim ter um lado duro. Se você for muito gentil, as pessoas pensariam que você poderia ser intimidado. Claro, os escravos nunca fariam isso com você, mas se eles pensam que  você está sendo bom demais para eles, então eles vão sentir pena de você, desta vez é por causa deles estarem aprendendo habilidades de alfabetização, em suas opiniões, aprender a ler e escrever é uma recompensa, mas eles não tem trabalhado. Isso faz com que eles se sintam desconfortáveis.”

Zhao Hai ficou surpreso. Ele estava pensando que os escravos eram os mesmos que os estudantes de sua vida passada. Para ser honesto, nenhum aluno considera a aprendizagem como uma recompensa. Eles só ficaram felizes quando as aulas terminassem.

Mas foi diferente neste mundo. Quase toda a tecnologia e o conhecimento foram excluídos dos escravos. Os escravos estavam lá apenas para trabalhar. Aos olhos da nobreza, os escravos nem sequer eram considerados pessoas.

“Eu entendo.” Disse Zhao Hai. “Obrigado, vovó Merine. Deixe-me pensar sobre isso.”

Merine assentiu, satisfeita. Era inegável que ele havia se tornado uma boa pessoa, mas ela reconheceu que ele ainda tinha muito a aprender.

Zhao Hai ficou lá por um tempo. Ele estava pensando em como lidar com esse problema. Para ser honesto, já que era a primeira vez que ele encontrava algo assim, ele não tinha certeza se poderia lidar com isso.

Depois que ele pensou sobre isso, Zhao Hai se levantou e respirou fundo: “Vovó Merine, eu quero conhecer os escravos.”

Merine assentiu. Os dois saíram da cabana e foram para os escravos, que agora estava praticando suas palavras no chão, usando os talos de milho para escrever no chão.

Pelo que Zhao Hai podia ver, os escravos pareciam um pouco apáticos. Essa foi uma grande diferença em relação a como eles ficaram empolgados quando começaram a aprender a ler e escrever.

“Pare!” Zhao Hai disse.

Quando os escravos viram Zhao Hai, eles imediatamente largaram os talos de milho e se ajoelharam no chão. Mas não foi como antes, porque desta vez Zhao Hai não pediu para eles se levantarem: “Ouvi dizer que nos últimos dias vocês não estavam muito sérios sobre aprender a ler e a escrever?”

Sua voz não era muito alta, mas tinha uma calma perturbadora, fazendo os escravos involuntariamente tremerem. Em uníssono, eles disseram: “Por favor, Mestre, nos castigue.”

As palavras de Zhao Hai eram como gelo: “Vocês ainda não descobriram isso? Aprender a ler e escrever não é uma recompensa. É para ajudá-los a servir melhor o clã Buda. Mesmo que vocês sejam estúpidos, vocês devem ser capazes de entender a situação que o clã Buda está passando. Exceto pelo trabalho manual, para o que mais vocês servem? O que vocês podem fazer? Quais são suas especialidades? Se eu te dar um livro, vocês seriam capazes de entender as palavras? Não, não seriam capazes de entender nada. Vocês são cavalos? Vocês não podem fazer nada além de trabalhar como um cavalo? Lembre-se que as pessoas podem aprender a ler, mas um cavalo não pode. Se vocês não aprenderem, como vocês podem servir melhor o clã Buda.”

Todos os escravos estavam tremendo os joelhos, essa era a primeira vez que Zhao Hai lhes dizia palavras tão duras.

Zhao Hai respirou algumas vezes para se acalmar: “Eu lhes disse que se vocês fizerem bem, eu posso libertar vocês da escravidão. Mas se eu lhes der um status mais comum, vocês acham que viveram dias bons? Errado! Se vocês não puderem pagar nada, na melhor das hipóteses vocês seriam um plebeu inferior. Vocês têm que lembrar que eu preciso de pessoas motivadas para o clã Buda, pessoas que estão empenhadas em ter uma vida boa, não aquelas que se contentariam em comer e cagar até morrerem!”

Ele então olhou para Ju: “Vocês provavelmente estão se perguntando por que eu dei a Ju um status mais comum. Apesar de tudo, o que ela fez foi tecer ervas daninhas. Muitos de vocês agora podem tecer ervas daninhas, e mesmos aqueles que trabalharam com An não estão fazendo um trabalho ruim, então por que eu a restaurei como um plebeu? Eu vou te dizer. É porque ela se levantou e tentou mudar sua vida. Ela queria ser melhor, assim como salvar seu irmão. O que eu estou te dando é uma chance justa na educação, não uma recompensa. Espero que você possa aprender com Ju. Neste exato momento, o clã Buda precisa de 100 pessoas dedicadas, não 100 escravos.”

Ajoelhados, os escravos gritaram alto: “Nós entendemos, Mestre.”

Os escravos estavam realmente animados. Esta foi a primeira vez que um nobre estava tentando ajudá-los a se tornar algo mais. Embora Zhao Hai falasse com eles com fogo, não havia ressentimento em seus corações. Pelo contrário, eles estavam cheios de gratidão e reverência em relação a Zhao Hai.

Depois que Zhao Hai terminou seu discurso, ele disse: “Levante-se! Eu não gosto quando as pessoas sempre se ajoelham na minha frente. Lembre-se, aprenda a ler e a escrever bem. Isso não é uma recompensa, é meu comando.”

Os escravos se levantaram em uníssono: “Sim, Mestre.”

Embora os escravos estivessem ajoelhados no chão por um longo tempo, quando se levantaram, em vez de murcharem, seus corpos estavam cheios de força.”

Merine estava de pé atrás de Zhao Hai, sorrindo com os olhos cheios de alegria. Em seu coração, ela não esperava que Zhao Hai se desse tão bem hoje, melhor do que imaginara. Não só ele reprimiu os escravos, ele também os fez sentir gratidão por ele. Ela ficou extremamente satisfeita com o desempenho de Zhao Hai.

Depois de olhar os escravos esticando seus corpos, Zhao Hai assentiu, então se virou para Merine e disse: “O resto é com você vovó Merine. Mas talvez desta vez não devêssemos ensiná-los todos os dias, senão suas cabeças se transformariam em madeira, incapaz de lembrar de nada.”

Merine sorriu: “Jovem Mestre, não precisa se preocupar. Eu sei o que estou fazendo. Esta não é minha primeira vez ensinando aos alunos.”

Zhao Hai riu, depois se virou e entrou na cabana, enquanto Meg observava-o com um olhar de adoração.

Hoje, Meg achou que Zhao Hai estava muito bonito. Quando ele deu aquele discurso, seu corpo pareceu brilhar com uma força estranha que atraiu seus olhos. Ela não podia desviar o olhar por um segundo. Luiz: sinto cheiro de paixão no ar…

Quando Zhao Hai voltou para a cabana, ele tentou se lembrar se ele fez tudo como tinha planejado. Ele repassou as emoções que transmitiu, as pausas nos lugares apropriados e as expressões certas em seu rosto, tudo para tornar a performance mais real. Pensando em suas palavras, ele não percebeu que Meg o havia seguido até o quarto.

Olhando para Zhao Hai, Meg não pôde deixar de sorrir. Sua força estabeleceu sua mente, dando-lhe uma sensação serena que foi muito reconfortante.

Zhao Hai então notou que alguém estava de pé atrás dele. Surpreso, ele olhou para trás, mas era apenas Meg. Como Zhao Hai era um otaku, ele não estava acostumado a estar em contato com garotas. Agora que Meg estava de pé atrás dele, ele não sabia o que fazer.

Sentindo-se desamparado, Zhao Hai disse: “Ah, Meg o que posso fazer por você?”

“O que? Eu não posso entrar nesta sala, Jovem Mestre?” Meg sorriu.

“Sim, claro.” Zhao Hai disse rapidamente. “Você sempre pode entrar. Sente-se, eu faço um chá.”

Meg não pôde deixar de sorrir: “Jovem Mestre, deixe-me preparar o chá, senão a vovó vai me repreender.”

“Não, deixe-me fazer isso. Eu fui o único que lhe ofereceu uma bebida.” Disse Zhao Hai.

Por Blue Sparky | 30/11/18 às 12:51 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Harém