CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 06 - Os Corvos aparecem

Corvo Negro (CN)

Capítulo 06 - Os Corvos aparecem

Autor: Keven Alves

Uma semana se passou desde o 'ultimato' que o comandante norte deu para os rebeldes. Durante esta semana, Atlas treinou freneticamente, verdadeiramente como um louco, quanto mais ele treinava, maior era a vontade de treinar. Apesar de todo o esforço e cansaço, ele estava muito determinado, a sensação de ter o poder aumentando, era muito cativante, o jovem que sempre foi humilhado e nunca pode realmente ver o mundo com os seus próprios olhos. Sentia-se cada vez mais livre, conforme a sua força aumentava.

Durante esta semana, muitos escravos desistiram de manter uma frente unida e se entregaram para o comandante norte. Júlio não impediu ninguém que quisesse sair, ele acredita que todos devem tomar suas próprias decisões. Ao mesmo tempo que muitos se entregavam, muitos outros rebeldes chegavam de diferentes partes da cidade para se juntar em uma única frente unida, e enfrentar o exército que está cercando a cidade. Na verdade, muitos deles ainda não sabem exatamente o que fazer, estão completamente perdidos, então decidiram confiar naqueles que estão planejando lutar, afinal, muitos deles preferem morrer do que voltar a ser escravizado.

Moooooo ― Neste momento, um barulho extremamente alto soou por toda a propriedade da família Souza, este barulho significa que a propriedade está prestes a ser atacada, e que os rebeldes devem se juntar para enfrentar a calamidade, parece que a hora que muitos estavam esperando com os nervos à flor da pele, finalmente chegou.

Quando Atlas chegou no portão, ele percebeu que o número de rebeldes era gigantesco. Ele nunca tinha visto tantos escravos juntos antes, todos eles seguravam alguma espécie armas em suas mãos, mas a maioria das armas eram muito precárias, e na verdade, nem poderia ser chamada de armas, sem contar que vários estavam segurando ferramentas de trabalho, era obvio que a situação era extremamente precária para os rebeldes. Quando o olhar de Altas se dirigiu para o exército do comandante norte, ele ficou completamente assustado, olhando em volta, ele percebeu que não era o único que tinha essa espécie de olhar, muitos rebeldes esboçavam o mesmo tipo de desamparo, isto porque, o exército inimigo tinha quase o dobro de membros dos rebeldes, sem contar que todos estavam devidamente equipados, com proteção e armas de alto nível.

― Júlio, você está preparado para se entregar? ― Perguntou o comandante norte.

― Não me diga que você ainda não notou velho tolo? ― Perguntou Júlio.

― Hahaha, você acha mesmo que eu não percebi várias auras fortes no meio desses escravos? ― Com um olhar de zombaria o comandante norte continuou. ― Você acha que eu me importo com esses revolucionários derrotados que se infiltraram no meio dos escravos?

Júlio tinha um olhar pesado neste momento quando perguntou em voz baixa. ― Roberto, os corvos não chegaram?

Roberto balançou levemente a cabeça, enquanto um olhar pesado pendia sob o seu semblante.

― Pegue Atlas e saia da cidade, use o portão por trás da propriedade, leve alguns homens para abrir caminho. ― Comandou Júlio.

Roberto não esboçou nenhum som. Ele esticou a mão e segurou Atlas pelo braço enquanto acelerava em alta velocidade, atrás dele estava cinco homens que sem nenhum comando de Júlio ou roberto, já tinham se destacado para seguir roberto e abrir caminho para a sua retirada.

Chegando no portão da parte de trás da propriedade, Roberto percebeu que havia quase 30 soldados guardando aquele local. Júlio tinha escolhido este local como rota de fuga de Atlas, pois era muito longe da saída da cidade, além disto, era estreito e ruim para batalhas, o que significava que muito provavelmente não seria utilizado como rota de fuga, mas mesmo assim, estava fora de conjectura que o comandante norte tivesse disponibilizado 30 homens para fazer a guarnição de tal entrada.

Analisando o cultivo deles, Roberto percebeu que 5 deles estavam no reino da energia, enquanto o restante estava entre o quarto e nono nível do reino do refinamento corporal. Firmando o olhar, Roberto retirou uma espada de rank Prata, a sensação de poder gerada pela espada era incrível.

― Abatam um caminho para Atlas passar. Falhas não serão toleradas! ― Comandou Roberto gritando com um tom firme.

Com um aceno de mão, um saco veio voando em direção a Atlas que o segurou firmemente. ― O que é isto tio? ― Perguntou Atlas curioso.

― Algumas moedas de prata, é tudo o que eu consegui reunir nestes dias, considere o meu presente de despedida. ― Falou Roberto, que então continuou em um tom mais baixo, onde apenas o jovem Altas poderia ouvir. ― Atlas, o seu pai só está nesta situação devido a esperar você conseguir estabelecer um contrato com um espirito marcial. Ele sempre acreditou em você, então, não decepcione o seu velho. Você precisa ir até a capital real e passar no exame da academia do Corvo Negro, lá você vai ter proteção e um ambiente para se tornar mais forte. Apenas os fortes podem mudar o seu próprio destino!

― Eu não vou decepcionar vocês tio! ― Respondeu Atlas com um tom extremamente determinado.

― Ouçam, abram caminho para Atlas, nenhum desses 30 devem sair vivos daqui. ― Comandou Roberto que já avançou para enfrentar sozinho os cinco soldados no reino da energia.

Os outros cinco homens e Atlas partiram para abater um caminho que possibilite Atlas passar por este cerco.

Atlas não tinha nenhuma arma, então ele precisava ser extremamente cuidadoso no combate, primeiro ele se posicionou atrás dos cinco rebeldes, e quando a oportunidade apareceu, Atlas avançou como um caçador que estava dando o bote em sua presa. Com um salto curto, ele já estava de frente para um soldado que estava no quarto nível do reino do refinamento corporal, sua mão era como uma verdadeira garra, no momento em que entrou em contato com o pescoço do soldado, barulhos de ossos se quebrando soou por todos os lugares.

Com um movimento rápido, Atlas pegou a espada que o soldado estava utilizando antes. Apesar da falta de experiência em combate real, Atlas estava relativamente calmo, além de ter tido poucos momentos de falta de concentração, ele não hesitou em retirar a vida do soldado que estava enfrentando.

Depois de poucos momentos de combate, Atlas já estava fazendo um verdadeiro banho de sangue no campo de batalha, ele estava matando sem remorsos ou hesitação, era extremamente estranho ver tal situação, um jovem de 16 anos, abatendo soldados treinados do quarto, quinto e sexto nível do reino do refinamento corporal. Ele era tão selvagem que parecia ser um leão em meio a um rebanho de ovelhas, em sua mão direita estava uma espada e na esquerda uma lança, apesar de nunca ter treinado com armas antes, ele estava usando movimentos primitivos e instintivos, aliados com a técnica de pés que ele aprendeu no pergaminho da garra do corvo negro, ele estava protagonizando uma cena sangrenta no campo de batalha.

Com simples giros de corpo, ele defendia com a espada que estava na mão direita, enquanto avançava com a lança que estava na esquerda perfurando o pescoço de um soldado treinado. Para os soldados que estavam em cavalos, Atlas muitas vezes mirou no cavalo para derrubar o soldado, enquanto ignorava completamente o soldado caído e partia para abater outros que poderia simbolizar um perigo maior.

Os cinco comandantes deste esquadrão que estão no reino da energia, logo perceberam que este jovem estava mudando completamente a ordem da batalha, ele instaurou o caos e quebrou a formação das tropas do exército, se isto continuar, eles não somente não iriam conseguir realizar sua missão, como acabariam sendo completamente eliminados. No entanto, Roberto era mais poderoso do que eles, o que deixava a situação ainda mais desesperadora, por muitas vezes eles tentaram sair do cerco de Roberto para eliminar Atlas e os outros cinco, mas era completamente impossível, Roberto era como uma aranha que os prendia em sua teia.

― Atlas, chegou a hora de você partir! Restam apenas os 11 mais fortes deles, deixe que a gente resolve isto. Lembre-se do que eu te disse antes. ― Gritou Roberto.

Atlas olhou para o seu tio Roberto, carinho e determinação podiam ser visto claramente em seu olhar, ele sabia que seu tio estava se esforçando grandemente apenas para dar uma oportunidade para ele escapar. Palavras seriam inúteis em momentos como este, com um firme aceno de cabeça, Atlas se virou e partiu por um beco, correndo extremamente rápido, Atlas cruzou várias ruas. A luta que estava acontecendo na antiga residência Souza, era completamente desconhecida para ele agora, tudo o que ele poderia fazer é cumprir o desejo do seu pai, entrar na academia Corvo Negro e se tornar mais poderoso, afinal, o ele de agora é completamente inútil e só se tornaria um peso, como foi para o seu tio Roberto na batalha anterior.

Apesar de se sentir muito desconfortável em deixar o seu pai adotivo e seus dois tios para trás, Atlas precisava acreditar no seu pai. Ele disse que tinha tudo sobre controle, e que a única coisa que Atlas deve fazer é se inscrever na academia do Corvo Negro. Atlas sempre acreditou cegamente no seu pai e sempre o achou muito inteligente, além disto, acreditar nele era tudo o que Atlas poderia fazer no momento.

Conforme Atlas cruzava as ruas com a sua velocidade mais rápida possível, ele começou a notar que por todas as partes, o que predominava era destruição, provavelmente algo grande aconteceu durante o seu tempo de cultivo, a cidade que já não tinha uma boa aparência, estava agora em completo caos, causando uma visão um tanto grotesca.

Chegando na rua principal da cidade que leva diretamente para o portão de saída, Atlas acabou ficando de frente para 100 soldados que estavam bloqueando a passagem, o que torna completamente impossível para ele conseguir passar, além do fato de ter sido notado por todos eles, o que é uma grande catástrofe. Olhando através deste grupo de soldados, Atlas percebeu que tinha uma enorme comoção acontecendo por lá, na verdade, era uma batalha em grande escala. Muito provavelmente, há mais 100 soldados naquela localização, mas quem exatamente está enfrentando um número tão grande de tropas.

E justamente quando Atlas estava pensando em voltar correndo, ele ficou com sua visão completamente rígida.

"Pluf, Pluf, Pluf..." Mais de dez soldados estavam caindo ao mesmo tempo, ninguém percebeu o que estava acontecendo. Quando olharam para os soldados, perceberam que todos eles, sem exceção tinha uma flecha em suas gargantas, mais de dez soldados, e todos morreram sem perceber o que exatamente tinha acontecido.

E foi então que uma sombra completamente negra, parou na frente de Atlas, olhando para a sombra, Atlas percebeu que era uma pessoa usando botas de cor negra, um manto completamente negro com capuz que escondia completamente as suas características, em seu rosto a máscara de um corvo, e em sua mão um longo arco de cor prata.

De toda essa vestimenta o que mais impressionou Atlas, foi sem dúvida a máscara, era muito imponente, tinha um ar de dominância além de ser extremamente macabro e misterioso.

― Você deve ser Atlas!? ― Falou a misteriosa pessoa. Sua voz quando passava pela máscara se tornava indistinta, tornando impossível diferenciar se era um homem ou uma mulher que estava falando.

― Uhum. ― Respondeu Atlas, que estava um pouco assustado e cauteloso com essa pessoa misteriosa. No entanto, não adiantaria mentir, a pessoa misteriosa era muito mais poderosa do que ele.

― Nós somos da academia do Corvo Negro! ― Respondeu a pessoa misteriosa, mesmo em seu tom indistinto, era possível notar o sentimento de orgulho em sua frase.

Por Jhinn | 19/07/18 às 22:59 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo