CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 08 - Floresta de Pedra

Corvo Negro (CN)

Capítulo 08 - Floresta de Pedra

Autor: Keven Alves

Quando Atlas recuou, ele percebeu que a pessoa que usa correntes com lâminas estava se aproximando rapidamente dele, foi quando à ouviu falar. ― Vá para a floresta de pedra. Eles estão enviando mais reforços, não teremos como recuar e levar você, então você precisa sair primeiro e nos esperar lá. ― Falou essa pessoa de maneira tranquila e suave, em um tom em que apenas Atlas poderia ouvir.

― Entendi, vou me retirar agora então. ― Respondeu Atlas de forma direta.

― Tenha cuidado. ― Respondeu a pessoa puxando a máscara para o lado e revelando o seu rosto.

No momento em que Atlas viu a aparência da pessoa que estava falando com ele, ficou completamente chocado, era uma linda mulher de pele branca, cabelos loiros enrolados, e olhos claros. A jovem donzela ainda deu uma piscadela para Atlas quando terminou de falar, aumentando ainda mais o seu encanto. Atlas que tinha vivido durante toda a sua vida como escravo, nunca tinha visto uma mulher tão bela quanto ela. Apesar de já ter ouvido vários contos dos seus tios Roberto e Luiz, era algo completamente diferente ver pessoalmente tal grau de beleza.

Tosse, Tosse. ― Tossiu a jovem donzela depois de recolocar a sua máscara.

― Er... Desculpa, fiquei impressionado com a sua beleza. ― Respondeu honestamente Atlas. ― Vou me retirar agora, adeus. ― Completou o jovem já se virando e partindo sem olhar para trás.

― Humf. Língua doce. ― Falou a donzela. No entanto, era visível por seu tom que ela não estava nem um pouco brava com ele.

― Atlas, leve uma espada! ― Gritou a pessoa que estava utilizando um grande martelo.

Quando Atlas ouviu a voz, ele pretendia se virar, mas antes mesmo de conseguir fazer, uma espada veio voando com grande velocidade e cravou no chão, apenas alguns metros na frente dele. Atlas entendeu imediatamente, quando passou pela espada ele à pegou e continuou seguindo em frente sem olhar para trás.

Atravessando o portão da cidade e seguindo em frente, Atlas correu por alguns minutos até finalmente chegar de frente para a floresta de pedra. Este lugar poderia ser considerado majestoso da sua própria maneira, intrigante e hipnotizante.

A floresta de pedra, é um lugar onde existe milhares de pedras brancas, tão altas que ultrapassam facilmente 10 metros de altura, elas brilham com a luz solar ou do luar, tornando a visão dos que se aventuram nela muito debilitada, mesmo os cultivadores não conseguem se orientar de maneira adequada, é extremamente místico. Ninguém sabe ao certo, quando ou como surgiu esta floresta de pedra, tudo o que se sabe é que ela pode ser considerada um labirinto, sem mencionar que o seu tamanho é quase o mesmo que a cidade Cinza, tornando ainda mais difícil a travessia da mesma.

Muitos dos que ousaram se aventurar nela, nunca voltaram. Atlas nunca tinha visto este lugar pessoalmente, mas por ser muito curioso, ele sempre pediu para os seus tios contarem histórias sobre o mundo. Quando Atlas era pequeno e ainda não conhecia o caminho do cultivo, ele sempre disse que gostaria de ser um explorador.

Após esperar por mais de dez minutos na entrada da floresta de pedra, Atlas começou a ficar preocupado com os integrantes da academia do Corvo Negro, afinal, eles podem ser muito poderosos, mas o número de soldados na cidade Cinza era muito grande.

Buaaa ― O que é isso? O choro de uma criança? ― Atlas ficou tão assustado que chegou a dar dois passos para trás, ele realmente estava ouvindo o choro de uma criança?

Quando seu tio Luiz lhe contou histórias sobre este lugar, ele disse que chegou a cruzar essa floresta de pedra duas vezes em sua vida, e nunca encontrou quaisquer problemas na travessia, além de se perder algumas vezes devido a desorientação. No entanto, mesmo se perdendo ainda era muito mais rápido chegar na capital real por meio da travessia da floresta de pedra do que contorná-la.

O ponto principal é que o seu tio Luiz, uma vez disse que muitas vezes as pessoas escutavam o choro de crianças vindo da floresta de pedra, diziam que os pais costumavam sacrificar os seus filhos indesejados neste lugar, as crianças que não eram obedientes e assim por diante. Atlas sempre pensou que o seu tio estava lhe contando isso para o assustar, ele nunca tinha levado essa história a sério, mesmo sendo muito inteligente e sabendo que existe todo tipo de pessoa no mundo, Atlas ainda se recusava a acreditar que existam pessoas que estão dispostas a abandonar seus filhos em tal lugar, onde as crianças nem teriam a mínima chance de sobrevivência.

Sem pensar muito, Atlas começou a entrar na floresta de pedra. Ele estava seguindo o som, determinado descobrir o que exatamente estava acontecendo, depois de virar várias vezes, caminhar e virar novamente, Atlas já estava completamente perdido naquele lugar que era absolutamente igual em todos os aspectos. Quando Atlas chegou no lugar de origem do som, ele ficou assustado por não encontrar ninguém.

― O que está acontecendo? ― Resmungou ele completamente confuso. ― O som está vindo da pedra? ― Falou Atlas em voz baixa enquanto se aproximava lentamente da pedra.

No momento em que Atlas estava perto o suficiente da pedra, uma garra completamente branca, saiu do nada visando o seu pescoço. Graças aos reflexos absurdos que Atlas possuí, ele conseguiu defender com o seu braço de forma instintiva, no entanto, o preço de tal ação foi o seu braço quebrado com fratura exposta enquanto o sangue jorrava sem parar.

― Desgraçado! ― Xingou Atlas. ― Não é à toa que eu me sentia tão curioso, mesmo sendo cauteloso ao extremo, eu ainda entrei tão cegamente neste inferno. ― Atlas continuou falando em um tom extremamente furioso com traços de dor contidos nele. ― Quem é você? Apareça!

Após Atlas esbravejar feito louco em meio a floresta de pedra, uma estranha criatura de quatro patas, completamente branca saiu da frente da pedra, percebe-se que ela estava ali o tempo todo. No entanto, mesmo este sendo o caso, ela estava completamente camuflada neste ambiente. Quando a criatura abriu os olhos, duas 'perolas' negras apareceram em meio aquele mar de brancura, a única parte que não era branca no corpo de tal criatura eram os olhos dela.

― Uma besta demoníaca?

"Buaaa" A criatura emitiu outro barulho como se fosse uma criança chorando, este som era muito estranho, parecia ter o efeito de 'enfeitiçar' as pessoas, gerando uma curiosidade absoluta, que fazia com que eles seguissem o som até a morte.

― Desgraçado! Você vai morrer hoje! ― Resmungou Atlas ainda mais enfurecido. A criatura emitindo o som na frente dele, era como se estivesse zombando de sua 'inteligência'.

A criatura parecia entender as intenções de Atlas, após o som da voz de Atlas desaparecer a criatura ficou com o olhar muito mais afiado, enquanto suas sobrancelhas se juntavam e sua feição se tornava ainda mais feia, revelando seus dentes brancos, longos e completamente afiados. Era quase como se estivesse desafiando Atlas a fazer um movimento.

Atlas já estava com a espada na mão, desconhece-se quando ele teve tempo de pega-la. Atlas estava agora muito mais cauteloso do que antes, seu braço estava quebrado com uma fratura exposta e sangue escorrendo, ele estava de frente para uma besta demoníaca muito peculiar, da qual ele não tinha nenhuma informação, nem mesmo o seu nível de cultivo. Sem contar o fato de que ele não sabe se existem mais criaturas como essas por aqui, ou se ela é a única, no momento em que ele fizer um movimento ele precisa ser o mais preciso e rápido possível, ou se houver mais criaturas como essa, ele vai morrer com certeza.

Atlas enquanto olhava atentamente para a criatura, percebeu que ela firmava a maior parte do seu peso na pata direita. Com um movimento rápido Atlas disparou em direção a criatura, ele estava determinado a acabar com isto em um único ataque. No momento em que disparou contra a besta demoníaca, ele se forçou a balançar o seu braço quebrado jogando sangue em todas as direções, o sangue do seu braço também atingiu o rosto da besta demoníaca atrapalhando-a.

Dentro dos olhos de Atlas, havia pequenos espelhos que estavam girando em alta velocidade. Atlas não percebeu isto, tudo o que ele estava pensando era em matar essa besta demoníaca. Quando Atlas chegou de frete para a besta que ainda estava meio atrapalhada com o sangue que voou em seus olhos, ele se inclinou para o lado oposto ao qual a besta demoníaca firmava o seu peso. Ele praticamente ofereceu a lateral do seu corpo que tinha o braço quebrado para a besta demoníaca de presente, e como esperado, a besta não resistiu e atacou, cravando os seus enormes dentes brancos no ombro esquerdo de Atlas, que com a mão direita que estava segurando a espada, cravou-a por baixo da axila da besta demoníaca, avançando até chegar no coração.

Com um enorme rugido de agonia a besta demoníaca ainda tentou largar Atlas e fugir, mas foi tarde demais, tudo o que ela conseguiu foi dar alguns passos antes de cair completamente morta. Atlas estava se concentrando, para não ser pego de surpresa em caso de haver ainda mais bestas deste tipo. No entanto, ele subestimou os seus ferimentos, sua visão começou a escurecer, enquanto ele rugia em sua mente que precisava ficar acordado, mas de nada adiantou, conforme ele deu alguns passos, foi se tornando cada vez mais errático até que ele caiu no chão completamente inconsciente.

Naquele momento, sons de passos estavam chegando cada vez mais perto do local onde a batalha de Atlas aconteceu. No entanto, os passos eram estranhos, pareciam mais com uma espécie de saltitar.

Quando o responsável pelos sons dos passos apareceu, era na verdade uma linda e pequenina menina, ela aparentava ter entre 5 e 6 anos de idade, tinha a pele clara, cabelo castanho claro, um vestido verde, que estava meio rasgado, sujo e velho. Mas o seu olhar era um de extrema curiosidade, ela estava olhando para Atlas como se tivesse olhando para um fantasma, ela pegou um pedaço de espelho quebrado que tinha e se encarou com curiosidade, depois ela olhou para Atlas novamente, repetindo este processo várias vezes.

De repente uma enorme cobra branca saiu de trás de uma das pedras. Ela tinha um olhar maligno e como a outra besta demoníaca, ela estava completamente camuflada nesta floresta de pedra. Quando a besta demoníaca viu Atlas, ela disparou com a intenção de devora-lo, no entanto, naquele momento, a pequena menina correu e ficou na frente do corpo de Atlas. De frente para a gigantesca cobra ela esticou a mão sinalizando para a mesma parar, e o inacreditável aconteceu, a besta demoníaca realmente parou o que estava prestes a fazer.

A pequena menina se abaixou e tentou pegar Atlas, mas ele era pesado demais para ela carregar, com um olhar estranho como se estivesse pensando, ela olhou para a cobra e fez um barulho estranho, como se estivesse tentando se comunicar com a besta demoníaca, depois ela apontou para Atlas, e novamente o inacreditável aconteceu. A cobra abaixou a cabeça e abriu sua boca levemente pegando Atlas com todo o cuidado do mundo. A pequena menina emitiu mais alguns barulhos e começou a caminhar, a cobra como se entendesse as intenções da pequena menina, começou a segui-la enquanto cuidadosamente carregava Atlas.

Por Jhinn | 19/07/18 às 22:59 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo