CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 14 - Caverna da Verdade

Corvo Negro (CN)

Capítulo 14 - Caverna da Verdade

Autor: Keven Alves

Atlas que estava ao lado ouvindo a troca entre eles, ficou abismado com a riqueza apostada. Como assim 10 pedras celestiais amarelas, e cada pedra celestial amarela vale 10 pedras celestiais vermelha? Em toda a residência da família Souza na cidade Cinza, só foi encontrado uma única pedra celestial vermelha. E agora eles estavam apostando o equivalente a 100 delas?

Percebendo o olhar espantado de Atlas, Gabriel comentou enquanto batia no ombro dele. ― Não se preocupe com isso, a quantidade é grande, mas só terei problema se perder. Haha!

Antes que Atlas pudesse digerir a loucura que Gabriel acabou de comentar, ele ouviu o mesmo continuar. ― Atlas, tome muito cuidado com Miguel. Ele está no nono nível do reino da energia e tudo que lhe falta para avançar para o reino da terra é evoluir o seu espírito marcial e tempo para cultivar.

Assim que Gabriel terminou de falar, Lucas continuou. ― Miguel faz parte da família Ramos, eles são uma família de alto nível na capital real, no entanto, eles não possuem relações diretas com a família real, e Miguel é extremamente ambicioso, se ele puder fazer qualquer coisa que proporcione uma pequena vantagem para a academia Real, ele vai fazer, por isso, ele é tão perigoso para vocês que estão entrando agora.

Atlas sinalizou com a cabeça que entendia, enquanto caminhava com Gustavo e Lucas para fora da Arena. Gabriel permaneceu na arena para ajudar Helena com os exames. Assim que Atlas chegou ao lado de fora da arena ele congelou, seus olhos percorriam todos os lugares enquanto ele aparentava estar extremamente preocupado.

― Juliana, onde está Elizabeth? ― Perguntou o mesmo, que já estava ficando extremamente bravo.

― Jovem mestre, eu sou inútil, me desculpa, jovem mestre. Eu só me distraí por um segundo enquanto olhava o senhor realizar o exame e ela desapareceu. ― Juliana já estava com os olhos cheios d'água e uma expressão de choro quando respondeu.

Virando-se para Gustavo e Lucas, Altas implorou enquanto aparentava estar extremamente preocupado. ― Irmão sênior, por favor, me ajude a encontrar Elizabeth!

Não esperando pela resposta, ele se virou e saiu em busca dela, Juliana se sentindo extremamente culpada, seguiu logo após ele.

― Jovem mestre, me desculpa. Por favor, me puna! Eu sou uma inútil. ― Comentou ela chorando.

― Juliana, não me chame de jovem mestre, apenas Atlas vai servir, já te pedi isso várias vezes. ― Falou Atlas sorrindo enquanto esticava a mão e apertava o ombro dela. ― Não se culpe, aquela pestinha não consegue parar quieta, além disto, ela é muito inteligente e duvido que algo aconteça com ela.

Ouvindo as palavras reconfortantes de Atlas, Juliana se acalmou um pouco. No entanto, Atlas estava uma pilha de nervos, e o mais estranho, é que nem mesmo ele sabe o porquê de estar tão preocupado com Lizzy, sem contar o fato de sentir uma confiança inabalável na mesma.

― Olhe jovem mestre, tem uma enorme comoção ali. ― Apontou Juliana.

Não muito longe deles, havia uma enorme comoção, ondas de pessoas intermináveis estavam aglomeradas naquele lugar. Atlas não pensou duas vezes e acelerou naquela direção. Entretanto, antes que ele chegasse no meio do caminho, ele ouviu uma voz suave e infantil o chamando.

― Mestre!

Virando-se ele viu a pequena Lizzy correndo em sua direção com dois algodões doce, um em cada mão.

― Sua pentelha! Onde você estava?! ― Resmungou Atlas que fingia estar bravo, mas na verdade, estava extremamente feliz por ter à encontrado.

Não o respondendo, Lizzy olhou seriamente para Atlas e perguntou calmamente enquanto colocava uma expressão avaliadora. ― Mestre, você passou?

Não entendo as intenções dela, Atlas respondeu. ― Sim, passei no primeiro teste.

Esticando a mão e sorrindo docemente, Lizzy falou enquanto pulava. ― Viva!! Aqui está sua recompensa!

Esticando a mão Atlas pegou um dos algodões doce. Assim que ele pegou, ele ficou com uma expressão meio bizarra, que situação era essa? Este foi o método que ele usou para ensina-la a falar, a cada grande acerto, ele dava uma recompensa para a mesma, e agora, ela estava usando este método nele.

Atlas não sabia como ensinar uma criança, logo, ele usou os métodos que o seu pai ensinou de domesticar um filhote de animal, e agora, ela estava querendo domestica-lo?

Ignorando esses pensamentos, ele deu um forte abraço nela. ― Lizzy, muito obrigado. Mas você não pode sair sem permissão! Além disto, como conseguiu comprar 2 doces sem dinheiro?

― Eu convenci uma moça muito bonita a comprar para mim.

― Moça bonita? ― Perguntou Atlas curioso.

― Sim, ela tinha o cabelo como fogo, suas roupas também eram vermelhas. E ela estava sendo seguida por muitas outras moças bonitas, acho que ela gostou de mim. ― Respondeu ela com uma expressão de quem tinha feito um trabalho bem feito. ― Quando ela foi comprar um doce para mim, eu também pedi um para o mestre. Hehe

― Pestinha! ― Resmungou Atlas, enquanto caminhava de volta para perto da arena carregando Lizzy em seus braços e comendo algodão doce.

Pouco depois de voltar para perto da arena, Gustavo e Lucas também voltaram e ficaram juntos com Atlas assistindo o restante dos exames.

Todos os jovens que subiam na arena tinham no mínimo um espírito marcial de Rank Prata, este era o menor requisito da academia do Corvo Negro, além disto, era necessário ter menos de 18 anos e não fazer parte de famílias ligadas ao reino.

Após mais alguns momentos, todos os jovens inscritos já tinham realizado o teste. Os que passaram no primeiro exame, estavam radiantes, afinal, conseguiram dar mais um passo adiante na difícil jornada do cultivo marcial. Já os que foram recusados, estavam cabisbaixos e sem rumo, no entanto, desde que estejam dispostos, eles serão absorvidos por outras academias de cultivo marcial.

― Atenção! Todos aqueles que passaram no exame preliminar, me siga. ― Os jovens que tinham passado, estavam perdidos, procurando quem deveriam seguir, tudo o que ouviram foi a voz e nada mais.

― Olhe! ― Gritou um jovem, apontando para um local tão longe que mal conseguiam ver.

― Incrível, ele está lá. Mas sua voz parecia estar nos nossos ouvidos.

― É isso que eu busco! O cultivo marcial é maravilhoso! ― Afirmou outro jovem empolgado.

Logo todos estavam caminhando em direção a voz. Assim que chegaram no local, avistaram duas pessoas, um homem de aproximadamente 40 anos e uma mulher de também aproximadamente 40 anos, no entanto, é claro que possuem muito mais, afinal, são cultivadores marciais.

O homem tinha uma expressão imponente e maligna, além de uma estrutura bem desenvolvida e forte. Já a mulher, tinha uma figura muito bela, mas ao mesmo tempo, uma energia estranha emanava dela, como se fosse uma víbora pronta para atacar a qualquer momento.

― Meu nome é comandante Abreu, essa ao meu lado é a comandante Astrid. ― comentou o homem em um tom firme, que penetrava nos corpos dos examinandos e dava uma sensação de reverencia. ― Quero que todos vocês entrem nesta caverna. Tudo o que precisam fazer é passar através dela, e serão considerados discípulos da academia do Corvo Negro, no entanto, este teste pode levar a morte, logo, recomendo que entrem apenas aqueles dispostos a arriscarem suas vidas.

Terminando de falar, o comandante Abreu saiu da frente da caverna e esticou sua mão para a mesma, sinalizando para os que estivessem dispostos seguirem em frente.

Não demorou muito tempo até que muitos estivessem entrando, determinados a atravessar essa caverna custe o que custar. Lógico, também havia aqueles que desistiram de prosseguir com o teste, estes, certamente não poderiam seguir o caminho do cultivo em suas vidas. O caminho do cultivo é arriscado e muitas vezes o cultivador está em situações de vida ou morte, o cultivador tem que ter ambição o suficiente para ir contra os céus, essa é a única maneira de se fortalecer e romper os grilhões que prendem a humanidade.

Atlas estava entre o grupo que entrou determinado a avançar custe o que custar, ele tinha consigo a esperança do seu pai e tios, além de sua própria ambição de ser livre e controlar o seu próprio destino.

Assim que entrou na caverna, todo o ambiente sofreu uma drástica mudança e ele logo percebeu que estava dentro de uma ilusão. Na frente dele, havia 5 portas e antes que ele pudesse fazer qualquer coisa uma voz soou em sua mente.

― Olá jovem, você está atualmente dentro da caverna da verdade, como tudo na vida, você terá a escolha sobre que caminho seguir, mas, antes de tomar quaisquer ações, permita-me explicar as regras... ― Fazendo uma pausa a voz continuou... ― Primeiro, quero avisar que... Mesmo sendo uma ilusão, se não for cuidadoso pode acabar perdendo a vida.

― Na primeira porta, existe um guerreiro no reino do refinamento corporal nível 9.

― Na segunda porta, existe uma besta demoníaca comum no reino do refinamento corporal nível 9 que está 10 anos sem comer.

― Na terceira porta, uma besta no mesmo nível que o participante, conhecida por ser uma das mais ferozes e com traço do sangue dos dragões em sua linhagem.

― Na quarta porta, existe um deserto com um sol escaldante, extremamente quente, capaz de queimar tudo. É necessário caminhar por exatas 6 horas para atravessar, não importa o quão rápido você se movimente...

― Na quinta porta, não se sabe o que há... Ela é um verdadeiro mistério!

― Para passar no exame é muito simples, basta escolher uma porta e passar por ela com sucesso. Aqueles que falharem serão eliminados, como eu disse antes, existe o risco de morte, então... Escolha com cuidado, pois, não há como trocar de porta após a escolha.

Por Jhinn | 19/07/18 às 22:59 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo