CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 22 - Poder Inexplicável

Corvo Negro (CN)

Capítulo 22 - Poder Inexplicável

Autor: Keven Alves

Atlas que estava maravilhado com toda aquela energia que estava percorrendo o seu corpo, olhou ao redor e avistou Palito e Rebeca que tinham acabado de meditar e estavam sentados enquanto olhavam para Altas sorrindo.

Caminhando até eles, Atlas comentou extremamente feliz. ― Finalmente estamos no reino da ener..

"Tum" - Um forte barulho soou quando Atlas caiu de costas no chão tremendo.

― Atlas! ― Gritou Palito e Rebeca que se moveram extremamente aflitos, no entanto, antes que pudessem tocar em Atlas, uma energia negra, com aspecto horripilante começou a emanar do corpo dele. Com um movimento rápido ambos recuaram a toda velocidade, aquela energia despertou um medo incontrolável dentro deles, algo completamente instintivo.

***

Do lado de fora do labirinto do rei, tenda da Torre de Alquimia.

Neste momento, um grupo de mulheres estavam sentadas conversando, na verdade, elas eram: Milena D'Àvila (Líder da Torre de Alquimia), suas duas guardas Sol e Lua, bem como, Helena Almeida (Neta do Vice-diretor da academia dos Corvos Negros), Lizzy e Juliana.

Enquanto conversavam, riam e bebiam, um baralho estranho soou. Virando-se, todas perceberam que Lizzy estava deitava de costas no chão tremendo.

― Lizzy ― A primeira a correr para socorre-la foi Juliana, no entanto, antes que ela pudesse toca-la, ela foi enviada voando por uma forte onda de energia. Juliana que é apenas uma mortal, estava cuspindo sangue extremamente pálida.

― Como... ― Resmungou Helena. ― Energia...

― Impossível! ― Exclamou Milena. ― Helena, chame o seu avô o mais rápido possível!

Helena não perdeu tempo e disparou para chamar o seu avô, poucos tinham mais conhecimento do que ele na capital real.

***

Neste momento, Atlas estava suportando uma dor assustadora no seu mar de consciência, sua consciência tremia enquanto ele suportava uma dor lacerante. O cultivo é um caminho que vai contra os céus, onde um humano pode abandonar os grilhões da mortalidade e se tornar um deus, no entanto, este caminho é acompanhado de sofrimento e dor, apenas temperando a si mesmo, é possível se tornar verdadeiramente forte.

Atlas que cresceu como escravo, sempre teve uma rotina de sofrimento. Ele era espancado apenas para divertimento dos guardas, e se não fosse por seu pai, provavelmente já teria morrido inúmeras vezes. Mesmo assim, mesmo acostumado a dor, mesmo tendo experimentado o sofrimento por anos, o que ele estava sentindo agora estava em um nível completamente diferente.

Para ser sincero, é como se algo estivesse trancado dentro dele. A energia celestial que ele acabou de formar em seu corpo está querendo liberar alguma coisa e a outra energia presente no corpo de Atlas, está querendo devorar tudo o que chegar perto, a questão é que talvez o corpo dele não seja forte o suficiente para aguentar o confronto entre as duas energias.

Após quase uma hora nesta situação agonizante, um som alto o suficiente para que qualquer pessoa pudesse ouvir soou dentro do corpo de Atlas reverberando por toda a caverna.

O seu corpo que estava tremendo sem parar começou a se acalmar, no entanto, quando Palito olhou para Atlas ele se sentiu gelado, como se estivesse olhando para os olhos da morte. Os olhos de Atlas estavam completamente negros, não dava para ver mais nada além de uma escuridão sem fim, como se fosse capaz de engolir tudo e todos que chegassem perto.

Se aproximando lentamente, Palito viu Atlas fechar os olhos fortemente enquanto mordia os dentes fazendo uma careta, através do corpo de Atlas, ele viu que todas as suas veias estavam altas enquanto algo escuro percorria todo o corpo dele.

Atlas que estava deitado no chão, com os olhos fechados e completamente imerso em um estado estranho. Se viu diante de uma enorme arvore.

A arvore era tão grande que era impossível saber onde começava e onde terminava, tudo o que Atlas poderia ver era sua imponência e magnificência. Seus galhos eram tão grossos quanto montanhas e tão compridos que ele não poderia ver o fim, a arvore liberava uma energia misteriosa que parecia envolver tudo, dando início ao começo e o fim.

Na frente da arvore estava um único homem, sua aparência era embaçada impossibilitando Atlas de ver sua verdadeira aparência, no entanto, ele estava de pé arrogantemente, como um verdadeiro Deus. Dando um passo à frente, um poder sem limites começou a ser liberado pelo homem, runas estranhas contendo um significado incompreensível para Atlas, estavam circulando por todo o corpo do homem misterioso.

Com um leve movimento, o espírito marcial do homem se manifestou saindo de dentro do seu corpo e subindo para os céus, era magnifico, causando um espetáculo no céu que cobria quilômetros de distância. O espírito marcial era tão imponente que parecia vivo, na verdade, ele realmente se materializou para lutar ao lado do homem misterioso, cada movimento simples do espírito marcial exalava uma pressão sem limites, como se estivesse clamando por uma batalha até a morte.

Este tipo de situação estava completamente fora de tudo que Atlas já imaginou, olhando para o espírito marcial alto no céu, ele nunca se sentiu tão insignificante em toda a sua vida... Aquilo é um cultivador marcial? Os cultivadores são capazes disto? Todas essas perguntas e o sentimento de inferioridade faziam Atlas se sentir menor do que uma pequena formiga.

Conforme Atlas estava se sentindo perdido e completamente espantado com a cena, ele viu uma criatura gigantesca saindo da parte de baixo da arvore, essa criatura era na verdade um dragão, um verdadeiro dragão das lendas. Este dragão em si era ainda mais assustador e imponente do que Atlas poderia imaginar.

Ele só tinha patas frontais, mas elas eram tão grandes que pareciam capazes de esmagar mundos, suas garras eram tão afiadas que dava a impressão que poderia rasgar qualquer coisa que estivesse ao seu alcance, seu rosto era aterrorizante ao extremo, exalando um sentimento de maldade e tirania, seu corpo era coberto de 'espinhos' negros que o fazia parecer impenetrável, em suas costas, um par de asas parecidas com as asas de morcego davam a sua aparência um tom ainda mais grotesco, e além disto, ele não tinha patas traseiras, sua parte inferior era como uma serpente, tão longa que Atlas não conseguia ver o final, não importa o quanto ele tentasse.

"Gyyya" - Um longo, agudo e sinistro grito de pássaro atraiu a atenção de Atlas, olhando para o lado do absurdamente grande dragão, Atlas viu uma enorme águia. O olhar da águia estava focado no homem, apenas por olhar de relance para este olhar penetrante, Atlas sentiu como se pudesse morrer a qualquer momento. Essa águia tinha as penas completamente douradas, seu bico, olhos e patas eram de cor negra como a noite, causando um contraste assustador, suas asas eram tão longas que pareciam capazes de cobrir mundos inteiros, apagar o sol e derrubar a lua.

Entre o gigantesco Dragão e a imponente Águia, havia um esquilo que tinha aproximadamente o mesmo tamanho que o homem. O esquilo era completamente vermelho como fogo, seus olhos eram negros, e ele tinha marcas de runas douradas por todo o seu corpo, em sua cabeça um imponente chifre deixava a sua aparência feroz.

Os três estavam olhando fixamente para o homem, em seus semblantes era possível notar extrema inimizade bem como uma grande vontade de matar, parecia que qualquer movimento poderia desencadear uma guerra total. O homem que estava parado de frente para eles, continuava lá, imponente, como se fosse um Deus acima de tudo e todos neste mundo, em momento algum ele demonstrou medo ou recuou.

Seu espírito marcial que estava materializado no céu, emitia barulhos de tempos em tempos como se estivesse clamando por uma batalha.

No momento em que o homem se moveu o céu e a terra emitiam barulhos como se estivessem chorando, em volta do corpo do homem, uma energia sem forma, de aparência divina o cercava enquanto runas circulavam todo o seu corpo, seu espírito marcial soltou um longo rugido de guerra e se moveu junto com o homem.

O Dragão a Águia e o Esquilo, liberaram o seu poder, fazendo o espaço entre eles e o humano rachar, inúmeros barulhos soavam mesmo sem eles terem feito qualquer ataque, a energia que circulava ao redor do corpo dos três, era tão aterrorizante quanto a do humano, suas energias colidiam fazendo parecer o fim do mundo.

Quando o humano moveu o seu punho, um simples ataque dele fez o espaço tremer e o vazio rachar, um ataque simples era tão tirânico que fazia as três bestas terem um olhar pesado em seus rostos enquanto respondiam com ataques de mesma tirania.

― Que terrível, este único ataque é semelhante ao fim do mundo, o começo do apocalipse e o fim de toda vida neste universo. ― Atlas estava abismado com a cena, este tipo de combate era completamente fora da realidade.

Após ver o seu ataque bloqueado, o corpo do homem começou aumentar de forma enquanto as runas ao redor do seu corpo ficavam cada vez mais aterrorizantes, seu espírito marcial, emitia rugidos assustadores como se pudesse dizimar tudo ao seu alcance.

O Dragão, a Águia e o Esquilo, começaram a liberar ainda mais poder, enquanto rugiam e avançavam para aniquilar o homem.

O homem que tinha expandido o seu corpo, se moveu na direção deles enquanto o seu espírito marcial berrava liberando uma energia extremamente maligna. Muito rapidamente, uma grande explosão soou quando todos finalmente estavam envolvidos em uma batalha caótica e assustadora.

*****

Abrindo os olhos lentamente, Atlas percebeu que tinha inúmeros olhares mal-intencionados para ele. Sem entender nada e meio desnorteado com a última batalha que acabou de presenciar, ele continuou deitado, completamente imóvel.

― Puta merda! Até quando você pretende se fingir de morto? ― Esperneou Palito apontando para Atlas.

― O que você quer dizer com se fingir de morto? ― Perguntou Atlas com um tom de extrema mal vontade.

― Você já está um dia inteiro deitado. Não me diga que você quer outro beijo da senhorita Valentina? ― Perguntou Palito em voz alta.

No momento em que ele terminou de falar, os olhares mal-intencionado para Atlas começaram a aumentar.

Atlas que não estava entendo nada antes, olhou rapidamente para Valentina, ao perceber que a mesma estava corada, ele rapidamente chegou a percepção do que aconteceu... E pensar que ele teria o seu primeiro beijo roubado, e o pior, nem mesmo é capaz de se lembrar.

 

Por Keven Alves | 28/07/18 às 08:39 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo