CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 24 - Confronto Direto

Corvo Negro (CN)

Capítulo 24 - Confronto Direto

Autor: Keven Alves

Assim que Atlas terminou de falar, muitos jovens se levantaram extremamente irritados com a falta de respeito que Atlas estava demonstrando para com o comandante Sul.

― Humf! ― O comandante Sul bufou friamente e depois afirmou. ― Augusto!

Um jovem forte, com uma construção corporal bem distribuída e totalmente vestido com uma armadura saiu do meio das tropas da academia Militar. Em suas mãos, um enorme machado de aparência imponente estava sendo carregado por ele apoiado em seu ombro.

― O que isso significa? ― Gritou Abreu friamente enquanto olhava para o comandante Sul.

― Poderia ter algum significado além do obvio? Ele está aceitando o desafio deste jovem arrogante. ― Enquanto o comandante Sul falava, ele estava friamente encarando Abreu.

― Ele claramente não faz parte dos novos discípulos! ― Afirmou Abreu.

― Você está enganado, ele faz parte dos novos discípulos. A única diferença é que ele não entrou no labirinto por já ter alcançado o reino da energia... ― O comandante Sul continuou, agora em um tom de zombaria. ― Claro, se os corvos forem covardes o suficiente para não manterem sua palavra, é só ele descer e fingir que nada aconteceu.

Ouvindo o comentário sarcástico do comandante Sul, energias começaram a sair do corpo de Abreu enquanto sua aparência se tornava cada vez mais mal-humorada.

― Abreu, acalme-se! ― Afirmou Astrid.

― Para alguém que estava falando arrogantemente momentos antes, precisar que um professor intervenha tão ferozmente... Tudo isso para fugir das próprias palavras, que vergonha.

Assim que essa voz de extrema zombaria soou, atraiu a atenção de todos. Olhando na direção da voz, todos perceberam que era do príncipe Arthur. Aqueles que não tinham entrado no labirinto e não sabiam do confronto anterior, tinham expressões de curiosidade enquanto olhavam o príncipe que estava falando sarcasticamente.

Atlas que estava quieto, olhou para o príncipe e afirmou friamente. ― Traga sua bunda aqui!

No momento em que ouviram essas palavras, todos no local permaneceram em silêncio, até mesmo Abreu e o comandante Sul que estavam trocando farpas momentos antes, estavam agora em silêncio, tentando entender o que estava acontecendo.

― Como se atreve! ― Gritou o servo que estava ao lado do príncipe. ― Um ser insignificante como você... Um escravo querendo desafiar a realeza?!

Ouvindo a palavra 'escravo', Atlas franziu a testa e perguntou friamente. ― Qual o nome desta arena?

O servo sem entender o que Atlas queria e percebendo os olhares de todos focado nele, respondeu. ― Arena de Combate Real

― Qual o propósito dela? ― Continuou Atlas.

― Ela serve para que desafios sejam emitidos entre os jovens cultivadores de todos os poderes.

― Exatamente. Agora me diga, quem te deu permissão para ficar peidando por aqui? ― Atlas estava friamente olhando para o servo.

― Você... ― O servo estava enfurecido com a audácia de Atlas. Mesmo que ele seja um servo, ele representa a família real, ninguém nunca o tinha tratado com tanta falta de respeito antes.

Olhando para o príncipe, Atlas afirmou em um tom de zombaria. ― Para alguém que estava falando tão arrogantemente momentos antes, precisar que um servo intervenha tão ferozmente... Tudo isso para fugir das próprias palavras, que vergonha.

― Você... ― O príncipe ficou completamente enfurecido em ter as próprias palavras jogadas de volta contra ele.

― Claro, se as pessoas da academia Real forem covardes o suficiente para não manterem sua palavra, é só fingir que nada aconteceu. ― Afirmou Atlas em um tom de ainda mais zombaria.

Algumas pessoas de outros poderes estavam se controlando para não rir, esse jovem era louco. Estava dando bofetadas na face da academia Militar, da academia Real, bem como da família real. Como esperado dos corvos, são todos um bando de malucos.

Já o comandante Sul e vários outros estavam enfurecidos.

Levantando-se o príncipe começou a caminhar em direção a arena, ódio era a única coisa que poderia ser vista em seus olhos.

― Príncipe Arthur, permita-me lidar com ele primeiro. Ele é indigno que o senhor aja pessoalmente. ― Afirmou o jovem musculoso de armadura e machado.

Mas antes que Arthur pudesse responder, a voz de Atlas soou novamente. ― Não precisa! Podem vir juntos!

Desta vez não foram apenas os outros poderes que ficaram espantados, até mesmo os corvos estavam pensando que Atlas deve ter levado uma pancada muito forte na cabeça na luta anterior.

― Já que você deseja tanto morrer, nós vamos realizar o seu desejo! ― O príncipe Arthur sinalizou. ― Augusto, vamos subir.

Com um alto pulo, ambos subiram diretamente na arena.

Muitas pessoas estavam olhando com extrema curiosidade, até mesmo a beleza número um do país do Sol estava entre eles. Se este jovem já tinha encontrado dificuldade contra o oponente anterior, enfrentar dois ao mesmo tempo só pode significar sua própria morte.

Astrid estava com as sobrancelhas franzidas quando gritou. ― Atlas!

Virando-se Atlas só viu um frasco voando em sua direção, assim que o segurou ele entendeu o que era. Dentro do frasco havia uma pílula de cor azulada, assim que o frasco foi aberto, um forte cheiro medicinal permeou todo o local, com um único movimento ele engoliu diretamente a pílula.

Em questões de segundos, todas as feridas no corpo de Atlas estavam se curando, até mesmo a fadiga estava sendo completamente eliminada. Se virando para Astrid, Atlas agradeceu respeitosamente.

― Comecem!

Boom – Assim que a voz desapareceu, Atlas disparou em alta velocidade visando o príncipe, em nenhuma das partidas anteriores ele estava tão rápido quanto agora.

Em apenas alguns instantes ele já estava de frente para o príncipe e com a técnica Garra do Corvo Negro ele deferiu um golpe repleto de poder marcial, o príncipe contra-atacou com uma técnica marcial de punho e quando os dois se chocaram, uma explosão de energia foi ouvida por todos quando o príncipe foi forçado a recuar três passos.

Augusto apareceu atrás de Atlas e desferiu um poderoso golpe com o machado que parecia capaz de varrer tudo em seu caminho. Levantando a mão Atlas guiou a sua espada para se chocar de frente com o enorme machado, no momento em que se chocaram outra explosão de energia foi ouvida e Atlas foi arremessado longe.

No entanto, quando o público percebeu o que realmente aconteceu, ficaram chocados. Não é que Atlas tenha sido arremessado longe, na verdade, ele usou o impacto para se reposicionar e se aproximar do príncipe.

Usando o poder do impacto, Atlas foi voando diretamente na direção do príncipe, e antes que o príncipe pudesse fazer qualquer coisa, outra Garra do Corvo Negro desceu golpeando-o diretamente no peito. Boom!

Ughh - Após o impacto o príncipe cuspiu uma grande quantidade de sangue, enquanto se ajoelhava sob um joelho.

― É uma honra ter sua alteza se curvando diante de mim... ― Comentou Atlas calmamente.

― Desgraçado! Você vai morrer hoje! ― Gritou ferozmente o príncipe enquanto cuspia sangue.

Augusto percebendo que tinha cometido um 'erro' antes, se posicionou melhor para que o mesmo não aconteça novamente.

Enquanto o príncipe se levantava, Atlas e Augusto estavam trocando vários golpes. O mais impressionante é que Atlas não foi forçado nem uma vez para trás, mesmo o machado sendo tirânico, Atlas parecia cada vez mais demoníaco e poderoso.

As pessoas não conseguiam perceber, mas uma energia estranha e negra estava por todo o corpo de Atlas, percorrendo cada parte dele através de suas veias, quanto mais a batalha ficava intensa, mais Atlas se sentia poderoso. A sensação que ele estava tendo neste momento, é que com este tipo de batalha ainda é impossível 'despertar' este poder.

E isto o deixou ainda mais curioso, o que exatamente é esse poder que ele sente percorrendo cada parte do seu corpo...

Boom; Boom; ― Venha! ― Gritou Atlas para Augusto.

Avançando na direção dele, eles trocaram mais uma sequência de golpes na qual Augusto estava começando a ser empurrado. O príncipe entrou no combate, ficando ao lado de Augusto e revezando ataques para encontrar uma abertura na defesa de Atlas. Mas Atlas estava cada vez mais feroz...

Quando Augusto desceu o machado, Atlas não se chocou contra ele como esperado por Augusto, na verdade, ele avançou reduzindo ainda mais a distância entre eles, impossibilitando Augusto de se defender. Por estar de armadura, ele tinha se tornado relaxado ao notar que Atlas estava se chocando sempre contra os seus golpes, mas agora, ele se viu desesperado, percebeu que cometeu um grave erro.

Quando Atlas que estava extremamente perto, olhou de canto de olho para Augusto, tudo o que ele conseguia ver era um medo sem fim. Augusto estava com os olhos arregalados, quase implorando por misericórdia.

Com um movimento rápido, Atlas avançou sua espada cravando-a por baixo da axila de Augusto que se contorceu com o impacto, com um movimento simples Atlas passou para as costas de Augusto e executou a Garra do Corvo Negro esmagando a cabeça do mesmo.

Tump! - Após o impacto da técnica, Augusto caiu na arena completamente sem vida.

Assim que o barulho do corpo caindo soou, a arena ficou em silêncio, todos estavam olhando para o jovem de pé, que exalava uma presença estranha e estava com os olhos levemente cinzas.

Levantando levemente a espada, Atlas apontou para o príncipe. ― É a sua vez!

 

------------------------------------------------

Não se esqueça de curtir a página!

Link - https://goo.gl/aLHwB3

Por Keven Alves | 30/07/18 às 16:09 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo