CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 30 - O talento de Palito

Corvo Negro (CN)

Capítulo 30 - O talento de Palito

Autor: Keven Alves

Enquanto Palito e os dois jovens se movimentavam de um lado para o outro, Atlas e Rebeca estavam sentados em um canto observando todo o processo.

Rebeca tinha seus olhos brilhando enquanto observava tudo.

Olhando para a reação dela, Atlas comentou silenciosamente em seu coração. ― Essa garota é realmente apaixonada por ele...

Percebendo que Atlas estava olhando para ela, Rebeca comentou. ― É a primeira vez que eu vejo ele forjar...

Atlas assentiu silenciosamente. Enquanto ouvia Rebeca continuar. ― Você pode não entender agora, mas vai entender no futuro.

Tam; Tam; Tum;

Barulhos constantes atraiu a atenção dos dois. Se virando, Atlas viu Palito martelando sem parar enquanto utilizava sua energia no martelo de forja.

Luzes brilhavam com diferentes tipos de intensidade enquanto os jovens entregavam os materiais e Palito ia fazendo os ajustes necessários.

Quanto mais ele batia, ajustava e modelava, maior era o gasto de energia. Não muito tempo depois, os materiais começaram a tomar a forma de uma foice, neste momento, o terceiro jovem veio correndo com um núcleo na mão.

Assim que chegou, ele ficou ao lado esperando silenciosamente. Palito continuou trabalhando na forja enquanto seu corpo ficava cada vez mais repleto de suor.

Com um grito alto ele sinalizou para o jovem. ― Agora!

O jovem não atrasou por nem um milésimo de segundo, jogando diretamente o núcleo dentro do forno de forja.

Assim que o núcleo entrou em contato com o interior do forno, ele se partiu e uma energia gigantesca caiu sobre a foice. Palito que já estava preparado, começou a martelar com ainda mais intensidade e com uma velocidade ainda maior.

Tam; Tam; Tam; Tam; Tam;

Enquanto ele martelava, a foice começou a mudar de cor ao absorver a energia do núcleo, o que fez com que não muito tempo depois, a foice ficasse com uma tonalidade negra.

Assim que toda energia do núcleo foi absorvida, Palito reuniu uma grande quantidade de energia e deu um último golpe.

TUM!

Depois deste golpe, ele se sentou pesadamente no chão enquanto ofegava.

Arf; Arf; - Todos ficaram em silencio enquanto o som da respiração de Palito permeava todo o local.

Atlas e Rebeca estavam sentados no mesmo lugar, encantados e abismado com o processo de forja. Neste momento, uma jovem veio caminhando em direção a Palito com uma bandeja em mãos.

― Jovem mestre, aqui tem água e uma pílula de nutrição. ― Comentou a jovem em um tom suave e gentil.

― Obrigado. ― Palito agradeceu-a enquanto engolia a pílula e tomava toda a garrafa d’água praticamente em um único gole.

Levantando-se, ele pegou a foice e revelou um sorriso feliz. ― Nada mal. ― Virando-se para Atlas, ele esticou a mão. ― Pegue! Agora falta você me elogiar até a morte. Hahaha

Quando Atlas segurou a grande e imponente foice negra, sentiu que toda a energia no seu corpo estava rugindo como se fosse possível realizar uma conexão flexível e suave com a arma.

― Incrível. ― Murmurou Atlas. Olhando para Palito ele continuou. ― Você é realmente um gênio!

― Só isso? ― Questionou Palito com as sobrancelhas franzidas.

― O Lord Palito, tu és magnifico na arte da forja. Um gênio incomparável em todos os eons. ― Afirmou Atlas com gestos exagerados em um tom de zombaria.

― Eu pensei que eu era cara de pau. Mas você certamente está no páreo! ― Zombou Palito.

― Foi o tempo de convivência. ― Respondeu Atlas seriamente.

Logo, todos estavam rindo ruidosamente. Já os jovens ajudantes, estavam se esforçando para controlar o riso.

― Essa arma me proporciona uma sensação estranha... ― Comentou Atlas em voz baixa, praticamente falando sozinho. ― Parece ser capaz de absorver meu poder e aumentá-lo.

― Você nunca usou uma arma celestial antes? ― Perguntou Palito.

― Você conhece minha origem, como eu poderia ter usado uma arma celestial? ― Respondeu Atlas.

― Vou te explicar. ― Afirmou Palito. ― Essa arma é uma arma celestial Rank prata de alto nível. ― Comentou calmamente.

― Alto nível! ― Gritou Rebeca.

Atlas olhou para Rebeca assustado. ‘Por que todo esse alvoroço?’

Percebendo o olhar de Atlas, Rebeca explicou. ― As armas celestiais podem ser divididas em três níveis, inferior, médio e superior.

― Exatamente. ― Afirmou Palito. ― Um cultivador no reino do refinamento corporal, só pode forjar uma arma celestial de rank bronze. No reino da energia só pode forjar uma arma celestial de rank prata. No reino da terra, pode forjar uma arma celestial de rank ouro, e assim por diante.

― Isso significa que você, que acabou de chegar no reino da energia e forjou uma arma rank prata de nível superior é um gênio demoníaco? ― Perguntou Atlas.

― Lógico! ― Gritou Palito. ― A maioria dos ferreiros só podem forjar armas abaixo do seu nível, ou seja, um cultivador do reino da energia só consegue forjar uma arma celestial de rank bronze nível superior.

― Incrível. ― Atlas o elogiou, enquanto apertava fortemente suas mãos e murmurava em seu coração. ‘Na capital tem todo o tipo de pessoas. Foi como o meu pai disse, pode parecer muito bom eu ter um espírito marcial de rank ouro. Mas não significa que não vai ter pessoas melhores do que eu.’

― Na verdade, se meu corpo fosse capaz de suportar eu poderia forjar uma arma celestial de rank ouro de baixo nível. ― Comentou Palito. ― Isto graças ao meu espírito marcial que é rank ouro. Ele permite que eu me conecte com a energia de rank ouro, mesmo estando no reino da energia.

Ouvindo isso, Atlas percebeu que o rank do espírito marcial proporcionava ‘vantagens’ em todas as áreas e não apenas nas técnicas marciais.

― O que era aquele núcleo de besta demoníaca? ― Perguntou Rebeca que estava extremamente curiosa e empolgada.

― Oh... Aquele era um núcleo do camaleão de Cristal!

― Camaleão de Cristal! ― Gritou Rebeca.

Atlas olhando para ela, parecia até uma repetição do que aconteceu anteriormente. Ele não possui conhecimento sobre muitas coisas, então só pode humildemente escutar a explicação dos outros e memorizar para usos futuros.

Percebendo o olhar de Atlas, Rebeca explicou calmamente. ― O cameleão de Cristal não é uma besta demoníaca muito poderosa. No geral eles só chegam até o nível máximo do reino da energia, mas, eles possuem cristais por baixo de sua pele que os torna muito desejados. ― Fazendo uma pausa ela continuou com sua explicação de maneira empolgada. ― Esses cristais refletem diferentes tipos de luzes, fazendo com que o cameleão mude totalmente de cor, se tornando ‘invisível.’

― Verdade. ― Comentou Palito. ― Isto significa, que se você tiver sorte, sua foice pode se ‘camuflar’ enquanto você ataca.

― Assustador. ― Murmurou Atlas. ― Armas celestiais são realmente muito poderosas... Como um inimigo vai se defender se não enxergar minha foice?

― Exatamente! ― Exclamou Palito enquanto ria.

Fuu! – Soltando um longo suspiro, Atlas pegou a foice e guardou no anel de armazenamento. Olhando para Palito, ele agradeceu de forma sincera. ― Muito obrigado!

― Basta me chamar de Lord Palito toda vez que me ver e, vou considerar como pago!

― Claro! ― Afirmou Atlas com um tom zombador.

***

Último andar da Casa das armas, em um quarto extremamente luxuoso. Um homem de meia idade, com aparência oriental estava sentado no assento principal, na sua frente uma jovem muito bonita estava silenciosamente esperando.

― Nie, descobriu quem é o jovem?

― Reportando ao patriarca. O jovem é chamado Atlas Guerra.

― Atlas guerra? ― Murmurou o homem como se tivesse se lembrando de algo.

― Sim! ― Confirmou Nie. ― Boatos dizem que ele veio de uma cidade de escravos, chamada cidade Cinza. Além disto, seu pai é Júlio Guerra.

― Júlio guerra! ― Comentou o homem em um tom alto.

Movendo a mão, ele comentou levemente. ― Pode sair.

― Sim senhor! ― Respondeu Nie ao se curvar respeitosamente e sair.

Após Nie sair da sala, o homem se levantou do assento e caminhou até a janela que proporciona uma vista direta para todo o local de forja. ― Filho de Júlio Guerra... ― Murmurou ele.

***

Em pouco tempo, a notícia de Jozu Nagi forjando uma arma celestial rank prata de alto nível, se espalhou como fogo por toda capital real.

Em uma tenda, um grupo de homens estavam conversando alegremente. ― Você ouviu que o filho do patriarca do clã Nagi forjou uma obra prima?

― Como não ouvir...― Comentou o outro. ― Todos estão falando sobre isso.

― A família Nagi vai para novas alturas! ― Afirmou um velho que estava junto com o grupo.

― É realmente para tanto alarde? ― Questionou um jovem.

― O que você sabe? ― Resmungou o velho. ― Só existe uma pessoa capaz de forjar uma arma celestial de rank ouro no país do Sol. E ele é o patriarca da família Nagi!

― Agora imagina uma ‘criança’ que quase forjou uma arma celestial de rank ouro... ― Comentou o velho. ― Me diga, é para muito alarde ou não?

― É, claro que é! ― Afirmou o jovem que ficou assustado com o peso desta notícia.

Em todo canto da cidade, havia pessoas comentando sobre o ocorrido e, teorizando sobre o possível futuro de Palito.

Dentro da academia Corvo Negro, em uma área deserta, Atlas estava de frente para Palito.

― Tem certeza que deseja fazer isto? ― Perguntou Atlas.

Palito retirou duas espadas curtas e apontou uma para Atlas.

Vendo essa cena, Atlas retirou a Foice, girou e apontou para Palito.

― Venha! ― Gritou Atlas.

 

Por Keven Alves | 06/08/18 às 16:19 | Ação, Aventura, Fantasia, Elementos de Cultivo, Romance, Maduro, Guerra, Cultivo