CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 124 - Hoje não

Deus Imperador dos Taos (DIT)

Capítulo 124 - Hoje não

Autor: General Xin

“Comandante Fukjyun, o que foi isso?!” Um de seus soldados perguntou apavorado após ouvir o altíssimo estrondo no horizonte. Seu pescoço estava tão torcido na direção do som que parecia algo sobrehumano.

“Deve ser nosso comandante! Ignorem, não há razão para vocês se preocuparem com o Comandante Coumei! Continuem exterminando estes imundos! Gya gya gyaaa!” Fukjyun gargalhou e em seguida abocanhou parte do rosto de um inimigo em sua frente, arrancando-lhe olhos e nariz de uma vez só. “Pff… Tem gosto de merda!” Ela cuspiu no rosto de outro inimigo e agarrou-o pelo pescoço.

Xiansu, a líder das forças da Irmandade Tang Qiu, observava o campo de batalha de longe. Ao ver o clarão nos céus e o terrível som tomar conta de todo o local, sentiu um frio na espinha e diversas hipóteses começaram a surgir em sua mente. “Há outras batalhas acontecendo aqui!” Exclamou ela.

“O que você disse, senhorita Xiansu?” Um homem idoso com um chapéu retangular comprido parou ao seu lado. Ele possuía finas sobrancelhas que se enrolavam nas pontas e um longo bigode branco que se entrelaçava ao ultrapassar a altura do queixo. Seus olhos eram redondos, pequenos e bem profundos, como se ele não dormisse. Além disso, trazia consigo uma série de blocos de notas e apresentava as pontas dos dedos sujas de tinta. Seu corpo magro e frágil, junto de uma coluna torta como uma serpente, evidenciava sua inaptidão para combate físico.

“Esse barulho… Há outras batalhas ocorrendo aqui! O que você acha, estrategista?”

“Que bom que você perguntou, senhorita Xiansu. Bem... É evidente que está sendo travado um outro conflito no horizonte e que este está em um nível acima do que nós podemos lidar. Contudo, isto não é o mais preocupante… Veja só, se analisarmos o comportamento de nossos inimigos podemos perceber a falta de preocupação diante do ocorrido. Isso nos remete a duas possibilidades: ou eles acreditam muito na sua força ou…” O idoso arqueou sua sobrancelha e encarou-a na expectativa de uma resposta.

“Eles têm reforços que permitem que ajam com tranquilidade!” Xiansu arregalou os olhos e puxou as rédeas de seu cavalo, fazendo-o retroceder dois passos. “Merda devem ser seus reforços! Recuar! Eles têm mais soldados! Vamos recuar por ora!” Gritou ela com todo o fôlego que possuía.

Ao ouvir suas ordens, os homens de posição mais elevada as reproduziram ao mesmo tempo em alto e bom som enquanto coordenavam suas forças: “Homens, recuar! O inimigo tem reforços, estamos em desvantagem!” 

Fukjyun urrou em frenesi ao ver o inimigo debandando. Seu coração pedia sangue e ela ansiava por carnificina. “Não deixem que fujam! Sigam eles! Matem todos! Eu quero as cabeças de souvenir!”

Shi Xue, que estava na garupa de Lianjie, virou-se para trás e levou as mãos sobre seu peito. “Irmão Lianjie, será que algo aconteceu com o irmão Yan?”

“Com certeza Yan está bem... ele é um... de nós, será duro vencer… ele.”

Tsss… O som da fumaça se dissipando despertava ansiedade no coração dos espectadores que desejavam descobrir o desfecho desta fatídica resistência.

“Ele… morreu?” Murmurou Coumei.

“Hahahaha! Me cubram, eu vou pegar aqueles corpos!” Horror soltou uma risada maníaca e saiu correndo.

Ao ver o homem de roupas negras avançar, Coumei imediatamente percebeu suas intenções. “Homens, aqueles garotos são um exemplo para todos nós! Não deixarei que estes imundos maculem seus corpos e os transformem em meros fantoches! Sigam e ataquem os mortos negros, eu lidarei com aquele ali!”

“Sim, Comandante!” Diversas vozes responderam ao mesmo tempo.

Coumei bateu na traseira de seu corcel cinzento e avançou contra Horror. Com sua lança apontada para o inimigo, ele gritava palavras de intimidação.

“Ora, você acha que pode me impedir?” Horror levantou as mãos e lanças de raio começaram a cair dos céus.

“Tsc…” Coumei bateu mais forte em sua montaria e a fez acelerar o ritmo. Com a mão esquerda livre, disparou uma flecha gélida cristalina. “Nem pense nisso, seu verme!”

Horror disparou outra de suas lanças elétricas na direção da flecha e as fez colidir. Entretanto, não imaginava que esta última se dividiria em pequenas agulhas de cristal e continuaria a ofensiva. “Oh, maldito!”

Schk, schk, schk, schk! Seu corpo cadavérico foi penetrado por diversas agulhas, tendo sido imobilizado pelo congelamento de seus tendões das pernas.

Horror fez surgir mais um caixão e dele saiu uma jovem moça de cabelos avermelhados e olhos muito esticados. Seu nariz era delicado, pequeno e um pouco largo, já seus lábios eram carnudos. Ela era pequena, mas muito elegante, uma pena ter encontrado seu fim pelas mãos da Seita das Tumbas Sombrias.

“Derrete isso!” Ordenou ele.

Imediatamente ela posicionou as mãos sobre as áreas afetadas e chamas surgiram da palma de suas mãos. Horror foi recuperando os movimentos rapidamente. “Hohoho, agora vá e ataque ele com tudo que tem!”

“Uma menina… Ela deve ter pouco mais que dezoito anos… Para sua sorte você já está morta, minha querida.” Coumei se aproximou dela extremamente rápido e empalou-a. “Descanse em paz.” Ela vomitou um pouco de sangue escuro e fechou os olhos. Em seguida, Coumei arremessou seu corpo na neve e seguiu na direção de Horror.

Puh! Coumei ouviu o som do ar sofrendo uma expansão e ao olhar para trás viu a menina de pé e em chamas. No momento seguinte, ela flutuou alguns metro e explodiu em uma enorme esfera de chamas que engoliu-o.

“Ah!” Seu cavalo se levantou sobre duas patas e o derrubou, saindo assustado em disparada. Ele rapidamente se levantou, pois suas vestes eram grossas e impediram que sua pele fosse queimada de uma forma mais severa. Contudo, havia um enorme círculo de água sob seus pés e suas roupas estavam molhadas.

“Hahaha! Sua selvageria falha quando não deveria! Hahahaha, morra!” Horror colocou suas mãos sobre o solo e uma serpente de raios surgiu delas e rastejou até Coumei.

“Caralho!” Ele cravou sua lança na neve e uma esfera de gelo envolveu-o. Entretanto, o ataque elétrico teve sua força amplificada pelo excesso de água ao redor de Coumei e acabou destruindo sua defesa. “AHHHHH!” Seu sangue fervia enquanto poderosas correntes de eletricidade percorriam todo seu corpo. Seus músculos se contraíam e relaxavam em uma velocidade absurda, provocando uma dor que ele jamais havia sentido. Além disso, queimaduras severas apareciam sem parar sobre sua pele, carbonizando-o lentamente.

Após alguns segundos, Coumei tombou de joelhos. Seus olhos estavam brancos, sem corpo nu e em carne negra exalando fumaça com um forte cheiro de queimado. Foi o seu doloroso fim.

“Talvez se eu tivesse pego mais leve… Ele daria um bom boneco.” Horror levou sua mão direito sob seu queixo e fez uma expressão de descontentamento. “Fui um pouco inconsequente, agora é só um monte de lixo.” Com mais um disparo de lança de relâmpago, terminou por estraçalhar o corpo de seu inimigo. Em seguida, voltou sua atenção a Yan e Xiyue. “Huhuhu, me pergunto o choque que seus amigos sofreriam ao ver os corpos de seus aliados sendo violados. Sem dúvida suas expressões seriam belíssimas! Huhuhu!”

“Cof, cof… Ugh…” Em meio à fumaça, Xiyue acordou de joelhos e sentiu um grande peso sobre ela. Ao levantar seu rosto, enxergou Yan de pé e com os braços abertos e envolvendo-a. Ele estava desmaiado, mas se mantinha firme protegendo-a. Havia uma camada de bronze sobre seu corpo, mas ela estava repleta de rachaduras e pedaços faltando. “Foi tão forte que destruiu sua barreira e sua pele de bronze…” Xiyue imediatamente se deu conta da gravidade da situação. Levantando-se, levou seu dedo indicador até o nariz de Yan. Para sua felicidade, ar quente ainda deixava suas narinas. Ele estava vivo. “Ótimo, vamos dar o fora daqui!” Ela retirou de seu anel espacial um pequeno frasco com líquido e o despejou na boca de Yan. “Você não pode nos deixar, irmão Yan!” Seu corpo delicado se transformou em um corpo gigantesco e musculoso. “Hup!” Xiyue se agachou e pegou o amigo em seu colo. Neste momento a fumaça em sua volta ficou fina e dispersou-se, revelando um homem de preto se aproximando.

“Eles estão… Vivos?!” Horror arregalou os olhos e depois sorriu. “Muito bom! Excelente! Serão ótimos bonecos, talvez até crisálidas!”

“Droga… Esse homem parece ser mais forte do que os outros! Droga, droga, droga!” Xiyue saiu em disparada utilizando toda a energia que tinha.

“Não fuja, minha querida.” Horror sorriu com o canto da boca e disparou uma enorme esfera amarela.

Xiyue pisou forte no chão e da terra surgiram dezenas de mãos rochosas que tentaram conter o ataque. Elas se enrolaram e cobriram-no, neutralizando sua carga.

“Palma do Emissário da Tempestade!” Horror efetuou um golpe e uma mão aberta feita de chi voou na direção da garota.

Quando estava prestes a ser atingida, passou a mão no chão e ergueu uma parede. No momento em que a palma colidiu contra sua proteção, ela explodiu e produziu uma onda de impacto que jogou-a dezenas de metros para frente.

Tchk! O corpo desacordado de Yan fugiu de seus braços e caiu.

“Cof, cof! Argh!” Sangue vívido saía de sua boca e narinas, indicando um ferimento interno grave. Xiyue mordeu forte sua língua, se reergueu e pegou Yan outra vez.

“Não tente fugir, o fim já está óbvio!” Gritou Horror de longe.

Irrirrirrr! Um som equino invadiu os ouvidos da garota e roubou sua atenção. Era um corcel cinzento de seis patas que estava apenas alguma dezenas de metros de distância. A única chance de sobrevivência.

Os olhos de Xiyue brilharam e um enorme sorriso se abriu. Com um suspiro aliviado, ela encarou Horror e mostrou-lhe a língua. “Hoje não!” Em seguida, pisou duas vezes no solo e quatro mãos de pedra emergiram sob as patas do cavalo e imobilizaram-no. Ela então correu o mais rápido que pôde, colocou Yan sobre o traseiro do animal, montou e partiu na direção de Lianjie.

Por General Xin | 06/07/18 às 02:57 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Sobrenatural, Xianxia, Romance, Brasileira, Magia, Poder, Maduro, Drama