CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 145 - Huo Yongti

Deus Imperador dos Taos (DIT)

Capítulo 145 - Huo Yongti

Autor: General Xin

Buow! Buow! Uma montanha era engolida por nuvens negras que traziam uma forte tempestade. O vento estava tão feroz que quando colidia contra as paredes da montanha produzia um som similar a um poderoso tambor.

Tching! Um grupo de doze homens cobertos por mantos negros e vestindo doulis subia a montanha pelas laterais. Para evitar que fossem levados pelo vento, cravavam suas armas no solo. No entanto, havia um deles que se movimentava livremente, pois conseguia cravar seus pés nas rochas.

“Maldito lugar para se erguer uma seita, ãh?”

“Rajada de vento pela esquerda!”

Thump, schk, boom! O homem que se movia sem o auxílio de ferramentas pisou forte no chão e deslizou seu pé esquerdo como se desenhasse uma meia lua para frente, terminando com este pé cruzado em frente ao direito. De repente, um paredão de pedra se ergueu, evitando que os homens fossem esmagados pela terrível rajada.

“Obrigado, mestre!”

“Vamos, apenas continuem…” Respondeu ele.

“Olhem, um relâmpago na nossa direção!”

“Uh… Ha!” Um tufão violento chocou-se contra seu corpo, balançando o manto que o cobria e revelando a ausência de um braço. Seu douli foi arremessado para longe, deixando à mostra seus cabelos brancos da idade, olhos profundos, cansados e sua expressão quase apática. De repente, fragmentos de rocha voaram até o ombro que não possuía nada além dele mesmo e formaram um braço de pedra. Maciço, poderoso e violento, ele utilizou-o para desferir um soco contra o relâmpago.

Boom! Tssss… O som da fumaça e pequenas pedras caindo como chuva podia ser ouvido. O idoso havia contido a expressão feroz da natureza com seu braço artificial.

Após isso, como se não fosse importante, cobriu novamente seu corpo com o manto e seguiu em direção ao pico da montanha. Seus homens, embora quietos, conversavam através do olhar. Eles nutriam considerável admiração por este senhor.

Algumas horas trilhando o tortuoso caminho e finalmente haviam chegado no seu destino. No alto da montanha havia uma mansão enorme rodeada por muros negros e altos. Do lado de fora era possível ver somente o topo da construção da mansão.

Blam, blam, blam! O idoso bateu três vezes em um portão vermelho vivo que separava a propriedade do mundo externo. Não demorou muito e ele se abriu. O rangido alto denunciava que ele não era muito usado.

“Ora, ora! Alguém utilizou o Portão Carmesim! Visitantes que vieram através do Caminho do Dragão Álgido, a Seita da Montanha Nebulosa os recebe com as mais sinceras honrarias.” Vestindo um robe chinês com desenhos de rosas vermelho vivo, um idoso de olhar frio, longos cabelo e barba brancos acenou para o grupo entrar no local. Em suas costas havia uma espada mediana enrolada em panos.

“Muito obrigado. Eu venho de longe, preciso falar com seu Patriarca.” Disse o idoso capaz de derrotar o relâmpago.

“Hm… Você cheira a pólvora e em suas roupas há crina de cavalo marrom. Certamente são dos garanhões dos rebeldes pelo cheiro de artemísia roxa impregnado.” Ele sorriu e coçou seu nariz fino e pontudo. Seus olhos similares aos de uma águia percorreram por todo o corpo do idoso e então continuou: “Eu sei quem é você, mas… Acho que você acabou ficando mais forte ultimamente. Não? Você está atrasado Jinglian, meu mestre o espera.”

“Sem dúvidas a fama de vocês precede. Posso saber seu nome? Sinto que você é tão forte quanto eu.” Respondeu Jinglian, curvando-se levemente em respeito ao homem.

“Eu abdiquei de meu nome há muitos anos, mas todos por aqui me chamam de Huojian.”

“É um nome imponente, espero que faça jus a ele.” Amigavelmente Jinglian abriu um sorriso, acenou com a cabeça e seguiu pela direção indicada por Huojian.

“Espero que nunca precise saber.” Respondeu ele.

A propriedade da Seita da Montanha Nebulosa era extensa, haviam dezenas de casas espalhadas que variavam de tamanho de acordo com o poder e influência da família subsidiária, uma grande biblioteca e um pátio central onde se localizava a mansão do patriarca que também era a mansão onde residia a família principal e os anciões de cada família subsidiária. Todas as construções eram feitas com tijolos negros. Segundo Huojian, era um material capaz de resistir ao frio e purificar a densa energia sagrada que restava sobre a montanha que acreditava-se ser a cova de um poderoso dragão de gelo. Além disso, os telhados de madeira de um tipo de mogno eram delicadamente trabalhados, tendo em cada extremidade um entalhe de dragão, nuvem, sol, lágrima ou rosa vermelha. Estes símbolos também eram entalhados variadamente em todas as janelas; com exceção da biblioteca e da mansão do patriarca.

“O que são estes símbolos?” Perguntou Jinglian. Seu olhos não paravam de olhar para os lados e admirar o magnífico trabalho em madeira.

“São os símbolos das famílias que compõem a Seita da Montanha Nebulosa.”

“Até as casas menores?”

“Sim, são as casas reservadas aos discípulos que chegam aqui através do Portão Carmesim. As cinco famílias escolhem seus discípulos e eles passam a residir nas casas da passagem. Eles se tornam parte de uma família subsidiária da subsidiária.”

“Oh, entendi… Mas por que parecem estar vazias?”

“Ora, você deve saber bem. Esta guerra nos trouxe muitos ônus. Vez ou outra levas de jovens se aventuravam pelo Caminho do Dragão Álgido, mas agora os homens do rei vão aos seus vilarejos e os convocam forçosamente. Sabe-se lá quantos jovens prodígios morreram…” Huojian suspirou profundamente. Uma densa nuvem de vapor deixou sua boca. “Chegamos. O Patriarca o espera lá dentro.”

“Grato pelas explicações, Huojian.”

Ao adentrarem na mansão, o primeiro cômodo era um longo salão onde um homem repousava sobre um grande trono vermelho. Na sua esquerda havia três tronos, na direita mais três, porém estes eram menores. Cinco estavam ocupados, somente um estava vago.

O salão era decorado com robustas e elegantes pilastras de mármore, já as paredes ostentavam uma infinidade de armas penduradas. Vasos de porcelana de aparência extremamente ancestral estavam por todos os lados, assim como esculturas de seres humanóides feitas de ouro e bronze.

“Ora, ora! O general rebelde Jinglian vem à minha casa! Devo admitir, estou surpreso.” De pernas cruzadas, o homem encarava Jinglian com um sorriso esquisito no rosto. Seus cabelos eram longos e muito negros, seus olhos eram tão bem delineados que pareciam uma pintura. Aliás, era difícil saber o que era mais vivo naquele local: seus olhos carmesins, seu trono ou as paredes repletas de pinturas de alto nível.

“É uma honra estar na presença do espadachim negro, Yongti.” Jingliang se curvou e assim seus homens também o fizeram.

Yongti se levantou e caminhou até Jinglian. Suas vestes completamente negras feitas de seda davam-no uma aparência nobre, mas ao mesmo tempo assustadora. Era como se um ceifador do inferno caminhasse lentamente na sua direção, sua pressão era tamanha que até mesmo o ato de respirar se tornava uma árdua tarefa. Ele era tão forte quanto Zhanluan.

Ao chegar na frente do idoso, colocou uma espada negra embainhada sob seu queixo indicando para que este se levantasse. “Vamos, me mostre seu olhar.”

Quando ele se levantou, encarou diretamente Yongti. Embora seu rosto sofrera com a ação do tempo, seu olhar ardia mais do que nunca, era como se pudessem gritar.

“Hoho, excelente! Você passa mais vida nesse seu olhar do que este bando de velhos decrépitos que preferem passar o resto de suas vidas estudando caligrafia e balançando armas sem um propósito.” Yongti deu as costas para Jinglian e se virou para os cinco homens que sentavam ao seu lado. “Aprendam, por mais que um tigre seja assolado pela idade, a sua natureza jamais mudará. Um fera será uma fera até seus últimos dias.”

“Eu fico muito honrado pelos seus elogios, Patriarca Yongti.” Jinglian se curvou levemente para o homem e continuou: “Nós não tempos muito tempo, então serei bem direto: venho pedir auxílio para subjugar os exércitos do norte. Suas técnicas são esquisitas e nossos homens estão sendo ridiculamente exterminados por eles. Até ontem éramos um bando de simples trabalhadores, embora tenhamos adquirido força com o passar dos anos, ainda somos incapazes de vencê-los.” Sua voz passava toda ansiedade que sentia, era como se ele estivesse correndo contra o tempo.

“Você está nervoso… Está com pressa… Sabe, eu ouvi dizer que finalmente descobriram sua identidade. Também ouvi sobre os feitos de seu neto. Eles dizem que você é um fervoroso defensor de Zhanluan, mas eu vejo… Seus olhos não me enganam, você é um tigre protegendo sua prole. Esse é o real motivo, você não vê a hora de vencer para poder salvar seu Liu Yan. Você já sabe que eles estão atrás dele.”

Jinglian abaixou sua cabeça e suspirou, seus ombros pareciam carregar toneladas. “Sim, eu quero proteger meu neto. Eu quero que ele e os jovens da sua geração possam viver suas vidas sem essa limitação imposta por aquele rei maldito.”

“Eu sei o que você sente. Você deve saber que seu neto é amigo de meu filho, pelas minhas contas eles e aquele tal de Lianjie são irmãos jurados. Algo raro hoje em dia.” Yongti novamente se aproximou de Jinglian, mas desta vez estendeu sua mão e entregou-lhe três pergaminhos que surgiram nela. “Veja.”

Jinglian imediatamente os abriu e o pior se confirmou diante de suas vistas. “São pergaminhos de recompensa… Filhos da puta! Eles estão esperando meu neto na Cidade da Brisa Gentil! Eu vou destruir aquele lugar!”

“Acalme-se, eu recebi essa informação antes que chegasse lá. Nesse momento meus homens estão indo avisá-los do perigo que os espera lá. Eles estão em Qinyue e eu tenho contatos que poderão matriculá-los nas escolas de lá. Eles estão em zona neutra e protegida por aqueles monges. Por ora não há o que temer.”

“Isso não é o bastante! Eles têm legiões de assassinos poderosos!” Jinglian estava visivelmente alterado. Uma veia saliente pulsava no centro de sua testa.

“Como eu disse, a cidade é guardada pelos monges. Ninguém que não tenha ultrapassado o estágio espiritual se atreveria a enfrentá-los. Nem mesmo eu sou páreo para eles.” Yongti colocou sua mão direita sobre o ombro de Jinglian e sorriu. “Você é um homem de honra, uma espada que luta pela família, que luta por amor, tem o poder para dividir os céus. É nisto que acredito, é isto que descobri com Yuanjia.” Yongti cruzou as mãos sobre as costas e começou a caminhar em círculos. “No passado eu fui um jovem imprudente, vivi pela espada e pelos combates. Viajei o mundo, tive muitas mulheres, mas minha ambição e mentalidade sempre me fizeram crer que o amor era uma besteira. Até que há alguns anos uma linda mulher veio me visitar, ela desceu dos céus vestida de branco e seus cabelos negros brilhavam mais que as estrelas. Ela me prometeu alcançar um novo nível na espada e me conduziu até o pico desta montanha. Lá eu encontrei uma criança sadia e forte, de olhos abertos como se estivesse esperando alguém. Era Yuanjia.”

A espada negra de Yongti surgiu mais uma vez em suas mãos e ele apontou-a para Jinglian. “Eu, que fui amaldiçoado com um corpo incapaz de produzir um herdeiro, havia sido presenteado pelos céus ou quem quer que fosse aquela mulher. No momento em que ele me viu, não chorou, somente abriu os braços como se soubesse que era seu destino ser meu filho. Quando o peguei no colo, senti pela primeira vez algo estranho no peito e, ao mesmo tempo, percebi o quanto minha espada era fraca, o quanto eu era deficiente. Eu o trouxe para casa, o alimentei e aos seis meses o peguei me imitando com uma faca nas mãos. Quando completou dois anos passei a treiná-lo e aí nosso vínculo ficou cada vez mais forte. Eu descobri que o amava e queria protegê-lo.”

A expressão de Yongti mudou, de repente era como se ele estivesse furioso. "Ele veio até mim em um berço feito de um metal único e muito quente que foi capaz de protegê-lo até a minha chegada. Desse metal eu fiz esta espada. Eu levei dez anos para terminá-la e jurei desembainhá-la toda vez que meu filho estivesse em perigo.” Yongti removeu a bainha lentamente, revelando uma lâmina tão negra que não refletia e nem brilhava.

“Jinglian, eu irei te ajudar.”

Por General Xin | 18/12/18 às 12:54 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Artes Marciais, Xianxia, Romance, Brasileira, Magia, Poder, Drama, Maduro