CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 7.3 – Agonia da raposa e do coelho (parte 4)

Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatte Iru Darou ka (DanMachi)

Capítulo 7.3 – Agonia da raposa e do coelho (parte 4)

Tradução: Rodrigon | Revisão: Hazel | QC: Sir

Uma lua amarela-dourada pairava alta no céu noturno.

Haruhime olhou para ela do seu lugar na galeria.

Ela olhou para a luz irradiando, traçando seu caminho até os outros bordéis no Distrito da Luz Vermelha. Esta noite estava tão cheia quanto à da última noite.

Sentadas ao lado dela estava um grande grupo de humanas e outras semi-humanas, todas vestindo quimonos vermelhos. Os olhos de muitos clientes em potencial passaram sobre elas.

No entanto, nessa noite Haruhime se sentou de joelhos com as costas eretas e olhou através da multidão de homens.

— Ele está ali, ele está ali?

Ela estava procurando a cabeça branca do garoto que conheceu na noite passada.

Sua cauda espessa e dourada balançava para frente e para trás cada vez que um novo rosto aparecia à vista.

A noite passada foi verdadeiramente...

Divertida. Foi como um sonho.

Ela não experimentava nada assim desde os tempos antigos em que seus amigos vinham e a tiravam da mansão em sua cidade natal.

Sua bondade e calor tiveram um efeito profundo em Haruhime.

E seus olhos vermelhos rubi eram incrivelmente bonitos.

Eles eram tão puros que ela podia ver claramente em seu coração.

Ela não pôde deixar de sorrir toda vez que se lembrava de qualquer uma das histórias que ele falara. Seu peito se aquecia sempre que ela pensava na voz dele.

"Meeestre!"

Uma das mulheres sentadas em frente à Haruhime na fila chamou um homem que passava, sua voz sensual cheia de excitação.

Houve uma vez em que uma mulher que trabalhou ao lado de Haruhime desenvolveu sentimentos por um cliente.

Foi uma pessoa animal como ela, Haruhime ainda se lembrava do olhar triunfante em seus olhos quando ela declarou: "Você não entenderia."

"Somente quando você se apaixonar, você saberá." Essas foram as palavras dela.

Isso, ou algo próximo, pode ser o que ela estava sentindo agora.

Era exatamente como naquelas histórias que ela lera em sua juventude. Um herói apareceria de repente e a levaria para outro mundo, salvando-a de uma vida vazia.

Se... se aquele garoto...

O poder de sua imaginação se deteriorou substancialmente desde sua infância. Mas agora ele foi revigorado.

Embora em número reduzido, ela conhecia algumas prostitutas que tinham sido "resgatadas" por um aventureiro e deixaram o Quarteirão do Prazer para sempre.  Rodrigo: ou seja, elas foram compradas por eles // Hazel: na real.. esse arco ta me dando raiva...

A maioria delas, no entanto, estava mais uma vez sozinha após o aventureiro falhar em voltar da Dungeon, e elas caírem em tempos difíceis... Algumas deixaram Orario para trás, viajando pelo mundo juntas como parceiras.

Se esse sonho se tornasse realidade para ela — a linha de pensamento de Haruhime chegou a um ponto de parada fatal.

Era apenas a imaginação dela, mas ela não podia acreditar que deixou tal ideia frívola se conectar com o menino.

As prostitutas não mereciam esse tipo de oportunidade. Ela não poderia fazer nada, e portanto, não tinha valor.

Mas mais importante, Lady Ishtar nunca me deixaria sair.

"..."

Haruhime passou os dedos pelo colar preto em volta de sua garganta. Ela deixou a cabeça cair, resignando-se ao seu destino.

Apesar de estar cercada pelas outras prostitutas no vibrante Quarteirão do Prazer, ela nunca se sentiu tão sozinha.

Havia uma grande demanda por elas em Orario.

A maneira mais rápida de alguém ganhar dinheiro na cidade, além de se tornar um aventureiro, era vender o corpo no Quarteirão do Prazer. Uma vez que elas ganham notoriedade — desenvolvendo conexões com aventureiros famosos e famílias influentes — elas poderiam exercer um pouco de poder.

Com uma forte família em seu apoio, Haruhime foi informada que o sentimento rivaliza com o de se tornar uma rainha.

Há muitas prostitutas que ouviram histórias disso e vieram para Orario por vontade própria. Mesmo sem uma Bênção, elas foram capazes de usar esse poder para criar seus próprios estabelecimentos.

Assim como para os aventureiros, tornar-se conhecida na Cidade Labirinto significava que uma pessoa também adquirira influência. A promessa do poder tinha atraído a maioria das prostitutas que ela conhecia. Muitas poucas compartilhavam um passado como o dela.

A única razão pela qual ela tinha valor como prostituta era por causa de sua raça. Pessoas-raposas eram extremamente raras e atraíam muitos clientes.

… Eu…

Poderia ter sido mais fácil para ela gritar: "Por que eu estava condenada a esse destino?"

Ou ela poderia ter dirigido toda a sua raiva ao Pallum que criou essa bagunça em primeiro lugar.

Mas ela não tinha coragem de gritar e estava com muito medo de odiar outra pessoa.

Haruhime sabia disso sobre si mesma.

"Não esse rosto novamente. Mostre um sorriso."

A prostituta mais experiente sentada ao lado dela repreendeu silenciosamente Haruhime por parecer deprimida.

A cabeça e os ombros se ergueram em um reflexo. O rosto dela surgiu acima da primeira fila da galeria, revelando-a a todos os homens em pé fora do bordel que servia como sua prisão.

Ela tinha muito orgulho de seus cabelos dourados quando criança, vivendo na mansão. Mas agora, eles eram sua característica menos favorita.

Suas orelhas e cabelos dourados a faziam se sobressair. Cada um dos homens do lado de fora olhou instantaneamente para ela.

Era o mesmo de sempre.

Uma expressão sonhadora dominou um magro Chienthrope quando seus olhos se encontraram.

Nunca desvie o olhar de um cliente, mesmo que ele não seja o seu tipo — a voz de sua superior sacudiu em sua mente. Ela manteve contato visual com a pessoa-cachorro e fez o possível para sorrir como uma boneca.

Ela podia ver as rodas girando em sua cabeça, a coragem que ele estava tentando construir. A pessoa-cachorro manteve os olhos nela enquanto corria para a entrada do bordel conectada à galeria.

É isso mesmo, o garoto ficou um tanto surpreso...

Com o encontro casual da noite passada se repetindo em sua mente, parecia que ela estaria se vendendo mais uma vez hoje à noite.

O rosto dela permaneceu tão sem emoção quanto o de uma boneca sorridente, mas as outras prostitutas na fila viram algo interessante lá fora.

"Ei, garanhão!"

"Oi bonitão, por que você não me contrata hoje à noite?"

Um novo rosto apareceu do lado de fora da cerca de madeira — um jovem humano com feições graciosas. As trabalhadoras o cumprimentaram imediatamente com entusiasmo.

Ele estava olhando para cada uma das prostitutas, até que finalmente seu olhar pousou em Haruhime.

Seus olhos se abriram quando o jovem pulou para frente e se agarrou a cerca de madeira com todas as suas forças.

"Lady Haruhime?! Sou eu — Mikoto!"

Haruhime parou de respirar.

A voz e o olhar sério nos olhos do humano foram suficientes para ela saber que "ele" estava dizendo a verdade.

Era sua amiga de infância que deveria estar longe daqui — Mikoto, disfarçada de homem.

Haruhime não pôde testemunhar os Jogos de Guerra porque nenhum Espelho Divino havia sido aberto no Distrito da Luz Vermelha. Ela não tinha como saber que alguém de seu passado estava morando na mesma cidade. Confusão e pânico agora ameaçavam dominá-la.

Congelada no lugar, seu corpo começou a tremer tanto que um pequeno anel em seu colar começou a fazer barulho.

— Por que aqui, por que agora?!

Não era a reunião alegre que ela imaginara, mas o mais profundo poço de seu desespero.

O sonho final que ela manteve de retornar à sua terra natal e felizmente abraçar os amigos que tinham significado tanto para ela se foi, despedaçado. Seu eu passado que viveu em suas memórias foi completamente destruído, agora que eles sabiam o que havia acontecido com ela.

Tão embaraçoso!! Tão humilhante!! Tão absolutamente humilhante!!

A vergonha que ela possuía incendiou seu corpo por dentro. Ela queria gritar: "Não olhe para mim!" o mais alto que pudesse. Ela teria dado qualquer coisa para ter uma faca para cortar a roupa suja de seu corpo, para que ela pudesse rasgá-la em pedaços.

Por quê…

Por que agora? Por que ela tinha que vir agora?

Se esse dia tivesse chegado alguns dias depois, ela nunca precisaria enfrentar esta reunião vergonhosa.

As outras mulheres seguiram a linha de visão de Mikoto; agora todo mundo estava olhando para Haruhime. Tremendo da cabeça à cauda, ​​ela abriu a boca para falar.

"... Você deve ter me confundido com outra pessoa. Eu não conheço você…"

As lágrimas começaram a brotar por trás dos olhos arregalados e sem piscar de Mikoto.

Uma mulher apareceu na porta que dava para a recepção.

Percebendo o momento, ela levantou a voz.

"Haruhime, você tem um cliente."

"Já estou indo…"

Desejando que seu corpo permanecesse quieto, a pessoa-raposa se levantou.

Mikoto se pressionou contra a cerca e gritou desesperadamente para Haruhime antes que ela desaparecesse de vista.

"Espere, por favor, espere, Lady Haruhime!"

Desviando o olhar da amiga de infância, Haruhime saiu da galeria.

"Não se faça de boba hoje."

Haruhime passou por uma Amazona particularmente bronzeada no corredor. Ela não disse nada em resposta às instruções bruscas da outra mulher.

"Sim, senhora", ela finalmente disse, sua mente retornando por um breve momento da escuridão que a havia dominado. A Amazona continuou seu caminho, deixando Haruhime sozinha com seus pensamentos enquanto caminhava para o quarto onde um homem provavelmente estava esperando por ela.


https://lh3.googleusercontent.com/TnO8zVSGmxKqviRvrady4ziO9-xBSePmvO6W0E03XjJqZ1IpH4xv812PYZRVDk8f0Onn4u9KngUftRCon5WySTwRGIb0cua64UHQZLVXv_6sjxE8gSBJb4PdCQ-MhHWSVI9IvDKE

Por Rodrigon | 13/01/21 às 20:04 | Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Poder, Ecchi, Shounen, Mitologia, Japonesa, Elementos de MMO