CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 7.6 – O Desejo de um Herói (parte 12)

Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatte Iru Darou ka (DanMachi)

Capítulo 7.6 – O Desejo de um Herói (parte 12)

Tradução: Rodrigon | Revisão: Hazel | QC: Sir

Ele correu.

No momento em que a explosão se alastrou, ele correu mais rápido do que qualquer um.

Ele ouviu.

As palavras da garota que colocou sua vida em risco, e o desejo dentro dela o alcançou.

Bell saiu de seu esconderijo no instante em que a onda de choque passou por ele e dedicou todos os músculos, todos os tendões, a alcançar o altar o mais rápido possível.

Ele teve que romper a linha das Amazonas em seu caminho.

"!!"

Bell passou tão rapidamente que elas não conseguiram reagir.

Sua velocidade não permitia que ninguém o perseguisse. O coelho branco estava em uma linha reta, direto para o altar. As Berbera pelas quais ele passou não podiam nem seguir seus movimentos, apenas observaram a fumaça girar em seu rastro. Até Aisha não conseguiu se mexer.

Ninguém conseguia acompanhar.

"— GE-GE-GE-GE-GE-GE-GE-GEH!"

Exceto por ela.

"Eu acho que nãooooo!"

"!!"

A Amazona parecida com um sapo entrou de repente na linha de visão de Bell com uma velocidade inacreditável.

Foi uma reação que apenas aventureiros de primeira classe eram capazes de ter.

Ela resistiu à explosão e alcançou Bell a todo vapor. Agora ela estava como uma parede intransponível em seu caminho.

Os cantos dos lábios de Phryne se curvaram quando ela arqueou as costas, puxou seu punho direito para trás e se preparou para o golpe.

"É O FIMMMMMMM!!"

Ela concentrou toda sua força nesse soco.

Menos de um segundo se passou entre a aparição da mulher e a preparação de seu golpe, deixando Bell com pouco tempo para fazer uma escolha importante.

Esquerda, direita ou parar.

Ou talvez para cima.

Bell já podia ver o altar carmesim e a garota acorrentada a ele atrás do obstáculo gigantesco.

Foi o momento da verdade.

Os olhos vermelho-rubi de Bell brilharam.

Ele abaixou o ombro e — seguiu em frente.

"?!"

Mais rápido.

Lascas de pedra saltaram no ar quando seus pés empurraram o chão. Bell estava determinado a atravessar a parede.

Seguindo essa linha simples de pensamento, Bell colidiu com Phryne.

Um ataque direto era a última coisa que a enorme Amazona pensava que iria acontecer. O punho dela mudou de rumo no último instante para se ajustar à trajetória de Bell.

No entanto, Bell conseguiu ficar abaixo da linha do soco excessivamente chamativo e não diminuiu a velocidade mesmo quando o ombro dele colidiu com o flanco exposto dela. WHAM! Girando levemente, seu impulso o jogou no ar com dano mínimo e desequilibrou Phryne.

"GUH!"

Um Bell no ar, uma Phryne no chão.

Ele havia escapado com segurança do ataque mortal.

Phryne grunhiu de surpresa, enquanto Bell pousou diretamente na base do altar.

A Amazona ergueu os olhos de seu lugar no chão e gritou o mais alto que pode:

"Sharay! MATE HARUHIME, AGORAAAAAAAA!!"

O grito de Phryne atingiu a Amazona como uma bola de demolição. Mas ela fez como lhe foi dito e levantou a espada longa no ar.

Lâmina para frente, ela apontou a ponta diretamente para o peito de Haruhime. A lua estava em perfeita posição, o altar agora vermelho pulsando como um coração batendo.

Haruhime ficou imóvel, olhando a brilhante <Pedra da Morte> até se virar para a base do altar no momento em que o garoto a tocou.

Bell fez um pouso estranho. Um pé, depois o outro — e ele pulou.

"AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH!"

Bell se lançou em direção ao céu como uma flecha disparada de um arco.

Um par de olhos verdes sem emoção. A espada longa cerimonial erguida no alto. A ressonante <Pedra da Morte>.

Olhando fixamente para a pedra, Bell retirou a <Faca de Hestia> da bainha.

A Amazona começou a baixar a espada, e então, Bell fez seu movimento.

Uma faixa violeta escura surgiu no ar no momento em que Bell atacou a guarda Amazona por trás.

"YAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!"

A ponta da lâmina preta perfurou a <Pedra da Morte> — e a quebrou.

Pedaços da pedra caíram no chão enquanto os gritos do dono da lâmina encheram a noite.

Haruhime viu tudo se desenrolar em câmera lenta. A queda da Amazona, a lâmina pousando em seus joelhos, o garoto de cabelos brancos voando sobre sua cabeça e diretamente para uma pedra, quebrando-a antes de parar na beira do Jardim Flutuante.

E, finalmente, o último dos cacos de vidro caindo no chão.

A sinistra luz vermelha que enchia o jardim tremeluziu antes de desaparecer.



"Ugh — gahhh...!"

A pele exposta de Bell raspou a superfície da pedra enquanto ele deslizava por todo o caminho até a beira do Jardim Flutuante. Com os joelhos, cotovelos e palmas das mãos sangrando, ele voltou a ficar de pé.

A luz vermelha que antes preenchia o jardim era agora um brilho suave. O altar tinha uma aparência levemente avermelhada devido ao fato de Bell ter derrubado acidentalmente um dos pilares que focavam a luz da lua.

Recuperando o fôlego, Bell retornou à faca para a bainha. Os sons de muitos pés descalços correndo pela pedra ficaram mais altos a cada instante.

Os rostos enfurecidos de mais de cinquenta Amazonas estavam esperando por Bell quando ele finalmente olhou para cima. Ele estava completamente cercado.

Mais precisamente, elas cortaram sua rota de fuga, prendendo-o contra a parede externa.

"Agora você já era..."

Uma enorme Amazona entrou no cerco com tanta força que o chão tremeu sob seus pés.

No final de seu braço carnudo estava Haruhime, puxada à força das correntes.

Phryne tinha um punhado dos cabelos dourados da pessoa-raposa presos em seu poderoso punho, grosseiramente puxando-a para frente. O corpo de Bell entrou em ação, preparando-se para ir em seu auxílio. No entanto, a aura enfurecida do resto das Amazonas seguindo a liderança da comandante o fez pensar duas vezes.

"Pirralho, espere até eu colocar minhas mãos em você...!"

"Ah...!"

Phryne bateu Haruhime no chão pelos cabelos, olhos vermelhos de raiva.

"Senhorita Haruhime!" Bell gritou quando a menina permaneceu no chão. Uma voz baixa e estrondosa o interrompeu.

"Então, como você vai pagar, quebrando a nossa <Pedra da Morte> desse jeito?"

O poder absoluto em sua voz fez Bell se inclinar para trás, arrepios percorrendo sua pele.

A <Pedra da Morte> estava em pedaços. A visão dos estilhaços escurecidos servia apenas para deixar as Amazonas ainda mais furiosas.

Bell arruinou completamente o ritual que elas passaram anos preparando.

Chamas e fumaça ainda subiam do local onde o <Ignis Fatuus> de Mikoto ocorreu, pedaços do pilar que Bell derrubou rolavam lentamente pelo chão. Pelo menos cinquenta Berberas estavam caídas e imóveis, parecendo pouco mais do que cadáveres em uma cena de massacre. Elas não se juntariam a essa luta.

Bell examinou a multidão de Amazonas que o cercava e fez um rápido contato visual com Aisha. Ele não conseguia ler a expressão dela nem um pouco. Desviando o olhar, Bell se virou para Phryne.

"Tudo o que você fez foi nos trazer de volta a estaca zerooo...!"

"..."

Os músculos do rosto de Bell se enrijeceram quando ele encarou o olhar mortal de Phryne.

Era verdade. Todos os seus esforços foram para reiniciar a situação.

Por isso ele não estava comemorando. A <Família Ishtar> poderia adquirir uma nova <Pedra da Morte>.

Assim como Aisha, Bell destruir a pedra apenas atrasou o inevitável.

Isso não acabou.

... Para proteger Haruhime...

Para salvar a garota desmaiada aos pés de Phryne...

Não havia outra opção senão garantir sua liberdade da deusa que a colocou nessa situação.

"... Por favor, libere a senhorita Haruhime."

Superando seu medo, Bell fez um apelo às Amazonas ao seu redor.

Lábios contraídos, punhos cerrados; as Berbera não estavam com vontade de ouvi-lo. Os olhos verdes de Haruhime tremiam quando ela olhou para o garoto por baixo de uma sombra imponente.

A boca de Aisha se estreitou em desaprovação, mas a única resposta audível foi o riso estridente de Phryne.

"GE-GE-GE-GE-GE-GEH! Você é um comediante, Pequeno Novato!"

Os enormes olhos da Amazona de repente emitiram um olhar penetrante de morte para o humano de cabelos brancos.

"Cale a boca, seu pirralho insignificante! Quem você pensa que é?"

"Ahhgh...!"

Ela pegou o cabelo de Haruhime novamente e a levantou. E então, a Amazona parecida com um sapo se inclinou a tal ponto que seu rosto estava ao lado do de sua prisioneira. Phryne abriu a boca para falar.

"Essa aqui é a nossa ferramenta! Uma que usaremos para esmagar Freya em pedaços! Isso não tem nada a ver com você!"

As Amazonas estavam com muita fome de guerra para enfrentar a família mais poderosa da Cidade Labirinto. Elas não deixariam o poder de Haruhime escapar tão facilmente.

Bell não suportava o olhar de dor no rosto de Haruhime e tentou repetir suas exigências, mas Phryne não havia terminado.

"Quem você acha que manteve esse verme vivo — um verme tão inútil que não conseguia nem ganhar dinheiro como prostituta...? É dever dela usar esse corpo para nos pagar!"

"..."

"Não está certo, Haruhimeee? Diga a ele como é."

O corpo de Haruhime tremeu. A Amazona sussurrou em seu ouvido com grosseria.

Momentaneamente liberta do aperto de Phryne, Haruhime fez contato visual com Bell.

"Mestre Cranel..."

As mãos da jovem se juntaram na frente do peito, ainda bem perto da mulher atrás dela. Uma variedade de emoções passou pelos olhos de Haruhime.

"Por favor, vá embora... estou bem..."

"..."

"Deixe-me... eu imploro, não se preocupe mais com a minha situação."

A voz de Haruhime tremia de medo de Ishtar e das Amazonas ao seu redor. Bell observou a pessoa-raposa desviar o olhar enquanto sorrisos ameaçadores apareciam nos lábios de todas as Amazonas em sua linha de visão.

Bell manteve os olhos fixos na garota e abriu a boca para falar.

"Histórias de heróis."

"Eh...?"

"Eu tomei minha decisão com base nos heróis que nós conversamos sobre."

A cabeça de Haruhime se levantou em surpresa. A voz de Bell não vacilou enquanto ele continuava.

"Eu decidi te salvar."

"O que você quer dizer...?"

"Para salvá-la e provar que você está errada... eu me decidi."

— Nenhum herói jamais procuraria alguém tão inferior quanto eu.

— As prostitutas são a ruína dos heróis.

Bell declarou que veio até aqui para refutar as palavras que ela tinha dito naquela noite no Distrito da Luz Vermelha.

Haruhime recuou, mas a confiança de Bell só aumentou.

"Os heróis que você e eu admiramos — eles não são daquele jeito!"

A força na voz de Bell prendeu a atenção de todas. Aisha e Phryne piscaram, as Berbera se mexeram e Haruhime ficou parada em silêncio.

"Uma prostituta, uma causa de ruína — nada disso importaria para um herói!"

"Is-isso não pode ser verdade..."

"Os heróis lutariam, não importa quantos inimigos assustadores e poderosos estivessem em seu caminho!"

"Não pode ser assim..."

"Meus ídolos, os heróis que eu admiro, eles protegeriam você até o fim!"

"!"

Ele havia dito tudo.

Bell lutou contra seu medo, ansiedade e inquietação para dizer exatamente o que ele queria desde aquela noite, com a voz alta o suficiente para todos ouvirem.

Assim como os heróis que os dois admiravam, ele daria um passo em frente e pegaria a mão dela.

Na verdade, ele estava tentando alcançá-la neste exato momento. Com a mão estendida refletida em seus olhos verdes, o corpo de Haruhime tremeu.

"Ge-ge-ge-ge-ge-geh! O pirralho acha que é um heróiiiii!"

Bell ignorou a risada de Phryne enquanto seus olhos ardiam com a determinação que ele sentia em seu coração.

O olhar poderoso do garoto assustou Haruhime. Ela segurou seu próprio corpo e balançou a cabeça para frente e para trás.

"Eu... eu sou uma prostituta!"

Ela falou, declarando o título que tinha se tornado seu destino.

"Eu não quero me tornar seu fardo! Eu sou um ser sujo, não sou digna de nada!"

Bell olhou para a pessoa-raposa.

"Não pense que não podemos fazer nada, que você não vale a pena!"

"—!"

Foi a primeira vez que Haruhime ouviu raiva na voz de Bell. Ele ainda não terminou.

"Ser feita de piada, ser chamada de nomes feios, ser chamada de suja — isso não é vergonhoso!"

Palavras de seu avô.

Elas haviam se enraizado em seu coração. Agora ele as trouxe contra Haruhime.

"A coisa verdadeiramente vergonhosa é ficar parada por não conseguir tomar uma decisão!"

Os olhos da pessoa-raposa se arregalaram.

"Ainda não ouvi o que você quer!"

As palavras de Bell — e sua mão direita — se estenderam ainda mais. Ele gritou:

"Eu quero conhecer você de verdade!"

A voz do garoto cortou através da fumaça restante e das chamas ainda dentro do Jardim Flutuante.

Soou na noite sob a lua cheia. Mesmo quando desapareceu ao longe, todos que estavam acima da fraca nuvem vermelha sentiram uma mudança no vento.

As Amazonas ficaram em silêncio. Haruhime encontrou o olhar de Bell.

Uma lágrima solitária rolou por sua bochecha e caiu pelo queixo.


Por Rodrigon | 10/04/21 às 11:41 | Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Poder, Ecchi, Shounen, Mitologia, Japonesa, Elementos de MMO