CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 7.7 – Guerra das Deusas (parte 3)

Dungeon ni Deai o Motomeru no wa Machigatte Iru Darou ka (DanMachi)

Capítulo 7.7 – Guerra das Deusas (parte 3)

Tradução: Rodrigon | Revisão: Hazel | QC: Sir

Outro choque de metal contra metal soou em direção ao céu azul escuro.

Duas figuras colidiram em toldos, telhados e na parede externa do palácio, destruindo tudo ao longo do caminho.

Um grande machado de batalha cortou o ar até que seu impulso foi parado por uma espada larga. Uma explosão de faíscas surgia todas às vezes as armas se chocavam.

"Gwah!!"

"NuRAAH!!"

O duelo de Bell e Phryne havia chegado ao ponto mais alto de Belit Babili. Não havia nada entre sua batalha e o céu acima.

Ishtar decorou o ponto mais alto de sua fortaleza com muitas plantas exóticas e uma fonte extravagante de água. Era sem dúvida um espaço digno de uma deusa. Seus aposentos ficavam no meio de um espaço que rivalizava em tamanho com o Coliseu. Agora não era nada mais do que o olho da tempestade enquanto a batalha se desenrolava ao seu redor.

Bell absorveu outro golpe do machado e o guiou com segurança para o lado com sua espada. Preparando os músculos para suportar o impacto, ele girou em direção a sua oponente e levou a lâmina de volta em direção ao peito dela.

Phryne facilmente tirou a arma do caminho e balançou a sua. A espada de Bell voltou à posição a tempo de bloquear o contra ataque.

"GE-GE-GE-GE-GE-GEH! Dance para mimmmmm!"

O corte em sua bochecha se abriu um pouco mais enquanto um sorriso enlouquecido crescia em seus lábios. Os olhos de Phryne não piscavam.

Com raiva correndo por suas veias, a enorme Amazona se moveu para outro ataque com uma sede de sangue alegre em seus olhos.

"Não é maravilhoso!? A feitiçaria de Haruhime?"

Graças a Magia dela, <Martelo da Fortuna>, Bell foi capaz de lutar com Phryne. A Amazona estava certa, o aumento de nível de Haruhime concedia um poder incrível.

No entanto, não era perfeito. Enquanto a velocidade de Bell estava no mesmo nível que o dela, ela ainda tinha todos os outros pontos como vantagem.

Mesmo com a ajuda de um encantamento que deveria ser ilegal, Bell não conseguiu superar a barreira que o separava dos aventureiros de primeira classe.

Bell rangeu os dentes enquanto tentava desesperadamente usar seu Status elevado para conter a chuva de ataques vindos de uma das mais fortes lutadoras de Orario.

"Com esse tipo de poder, o Nível 6 não significa nada!! Faz a <Princesa da Espada> parecer uma mera garota!"

"!"

Apenas a rápida combinação de movimentos de Bell permitiu que ele se protegesse dos ataques de Phryne. Fervendo de frustração, a Amazona continuou a lançar seu discurso inflamado.

"Aquela bonequinha de pano, a mais linda aventureira de Orario? Para o inferno com ela!"

"...!"

"A maneira como você luta está me irritando mais e mais a cada segundo! A sombra dela está em cada esquiva sua!" Rodrigon: ou seja, o estilo de luta dele é muito parecido com o de Aiz.

Assim como Ishtar guardava rancor de Freya, Phryne tinha o mesmo tipo de rancor feroz em relação à mais forte cavaleira de Orario.

A raiva dentro dela tinha duas fontes: o cabelo loiro e os olhos dourados que poderiam passar por aqueles de uma divindade, e o fato de que a insignificante humana tinha chegado ao Nível 6 antes dela. Não foi nenhuma surpresa que ela pudesse ver os efeitos dos ensinamentos de Aiz nos movimentos de Bell. O ciúme de Phryne alimentou sua fúria ao ponto de ebulição.

"Com esse poder, eu poderia ESMAGAR AQUELA VERME!!"

Agarrando seu machado com as duas mãos, Phryne lançou o golpe com a intenção de esmagar a imagem de Aiz — junto com Bell.

Ele saltou para o lado no último segundo, e destroços de pedra explodiram do local onde o machado caiu. Ignorando o novo buraco no chão, Bell olhou para sua oponente.

A garota que ele gostava, sua ídolo, acabara de ser insultada. Um novo fogo brilhou dentro de Bell enquanto ele gritava a plenos pulmões, atacando sua inimiga com a lâmina.

"UWWAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!"

"Nuh!"

A onda crescente de ataques de Bell forçou Phryne a uma posição defensiva pela primeira vez.

Ela ergueu o machado para se proteger contra a arma que a atingia de todos os ângulos imagináveis ​​entre os pontos de luz que cercavam o menino. Seu grande corpo tremia toda vez que suas lâminas colidiam.

Bell concentrou toda sua força em um corte diagonal para infligir o máximo de dano possível. Uma Phryne de olhos arregalados saiu do caminho no último segundo, mas perdeu o equilíbrio quando uma onda de destroços caiu sobre ela.

"— Não fique convencido!"

"!"

Ela tirou o ataque subsequente de Bell do caminho. No momento seguinte, seu corpo se tornou um borrão.

Com sua arma acima da cabeça, o peito de Bell estava completamente exposto. Phryne enterrou o pé nas costelas dele com um poderoso chute frontal.

"GaWAH!"

Apesar de levantar o joelho a tempo de evitar um golpe fatal, Bell foi lançado através da grade de ferro que cercava o jardim privado de Ishtar. A barreira desmoronou com a força do impacto. Com nada para amortecer sua queda, Bell caiu da borda em direção ao distante solo abaixo.

"GE-GE-GE-GE-GE-GE-GE-GE-GEH!"

Uma risada rouca encheu o ar. Phryne estava pronta para pular atrás dele e desferir o golpe final.

O som de alguém chamando por ela chegou a seus ouvidos pouco antes dela conseguir.

"Ph-Phryne! Lady Ishtar está com problemas — salve-a!"

"... A-AhhNNN?"

A Amazona deu meia-volta no momento em que duas Berberas surgiram no telhado por uma escada.

Sem fôlego, as duas Amazonas em pânico correram para o lado dela. Bufando pelo nariz, Phryne as ignorou. Virando-se de costas, ela pegou um vislumbre do Quarteirão do Prazer pela primeira vez e congelou no lugar.

"O que diabos está acontecendo...?"

Muitas colunas de fumaça emergindo da cidade refletiram em seus olhos esbugalhados enquanto ela, de alguma forma, controlava sua raiva.

Phryne finalmente percebeu que algo muito ruim estava acontecendo ao redor de sua casa.

"Aí está você! Onde você esteve?"

"Cuidado com suas palavras, verme. Agora me diga — o que é tudo isso?"

"O nosso território, o Quarteirão do Prazer, foi invadido...!"

Phryne ouviu em descrença enquanto as duas Amazonas a atualizavam da situação.

Elas ficaram em silêncio quando todas as três mulheres sentiram a presença de outra pessoa na cobertura.

"...?"

Veio do lado oposto do jardim. As Berberas estavam no lado leste do telhado, o recém-chegado surgiu no lado oeste.

Com o luar bloqueado por nuvens passageiras, o recém-chegado estava envolto em trevas.

"— Então este é o ponto mais alto."

Uma voz masculina e baixa veio de um corpo enorme. Ele tinha mais de dois metros de altura. As três Amazonas observaram o recém-chegado caminhar silenciosamente pelo jardim fortemente danificado.

Julgando pelo contorno da sombra... ele era um homem fera.

"Droga, droga...!"

"Ha-HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!"

Phryne o observou com desconfiança. As Berberas, porém, se lançaram contra o recém-chegado em desespero. Seja pelo sangue de Amazona em suas veias ou a terrível situação em que se encontravam, as duas guerreiras avançaram com velocidade.

A sombra musculosa observou as duas aventureiras armadas correndo em sua direção e balançou o punho direito com calma.

"—"

BANG!

O punho atingiu a primeira Berbera com a força de uma explosão, seu corpo inconsciente voou pelo ar.

Caindo no chão de pedra como uma bala de canhão, ela não parou até que suas costas bateram na fonte de água. Mesmo Phryne não viu o golpe. Ela só pôde ficar parada e observar com olhos trêmulos quando o recém-chegado estendeu a mão esquerda e agarrou o rosto da segunda Berbera.

Sorrindo de orelha a orelha, a figura a ergueu antes de jogá-la no chão.

"KAH —"

Uma cratera com a forma de seu corpo apareceu na superfície da pedra. Todos os quatro membros caíram moles a seu lado. Água choveu do céu um momento depois, encharcando a área. Ela veio da fonte, o impacto fez com que a água subisse vários metros no ar e voltasse como chuva.

Phryne ficou boquiaberta quando as nuvens se separaram, revelando a identidade do invasor.

Seus olhos quase saltaram das órbitas quando o senhor da guerra ficou visível.

"Ot-Ottar?!"

Pelo curto com cor de ferrugem e orelhas de javali.

Ossos sólidos como ferro, com um corpo imponente cheio de músculos.

Ele se virou em direção à Amazona, um olhar destemido colado em seu rosto.

"Phryne Jamil... a última."

A voz monótona de Ottar encheu o ar.

Os dedos de Phryne tremeram. Parte disso era admiração, mas principalmente medo.

"Po-por que você está aqui?!"

O tom de sua voz aumentou quando ela compreendeu a gravidade da situação.

A <Família Freya> não esperou que a <Família Ishtar> declarasse guerra, eles atacaram primeiro.

Gotas frias de suor escorreram por suas bochechas gordas. Ela lutou para limpar sua garganta.

Isso era inevitável — brigar com a <Família Freya> significava que eles eventualmente teriam que lidar com Ottar. Portanto, eles já tinham um plano em andamento.

Phryne e as Berberas de maior nível, impulsionadas por fragmentos da <Pedra da Morte>, usariam vários tipos de Magia anti-status e maldições para torná-lo fisicamente mais fraco. Tentar enfrentar este homem em combate sem fazer isso era o mesmo que suicídio. Elas não tinham chance contra ele em sua força máxima.

Mesmo que o aumento de nível lhe desse a força para superar a <Princesa da Espada>, Aiz Wallenstein, isso faria pouco para protegê-la contra o <Rei>.

Ele não usava armadura e não carregava nenhuma arma, mas ainda assim dominava seus oponentes com sua mera presença.

O topo da <Família Freya>.

O aventureiro mais forte de Orario.

A primeira e única Cidade Labirinto — Nível 7.

O auge.

Oujya "Rei" Ottar.

"Guh... gahhh... ge-gih...!"

Seu poder era sufocante. Phryne agarrou o cabo do machado em terror, seu corpo encharcado de suor.

Era a mesma sensação de estar na frente de um chefe de andar nos níveis mais profundos da Dungeon.

Ela sabia que no momento em que mostrasse as costas, estaria tudo acabado.

A única opção para a Nível 5 Phryne Jamil era seguir em frente.

"GEH-OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO! "

Uivando com todas as suas forças, Phryne levou a luta até o inimigo.

Erguendo o grande machado de batalha bem alto em sua mão direita, ela decidiu usar toda a sua força para acertar o ombro dele com a arma.

"..."

Ottar sabia exatamente porque ela recebeu o título de <Androctonus, a Assassina de Homens>, enquanto milhares de aventureiros do sexo masculino caíram diante de sua lâmina. A mesma lâmina que estava indo para ele neste exato momento.

Mas ele silenciosamente estendeu o braço esquerdo.

"?!"

Ele parou o ataque — agarrando a mão direita de Phryne.

Proteção completa. A lâmina de prata do machado não chegou nem perto de sua pele. A mão de Ottar envolveu completamente o punho carnudo de sua oponente.

Quanto à força do ataque, uma ligeira curvatura no cotovelo foi suficiente para absorvê-la sem que seus pés se movessem nem um pouco. O ataque de Phryne parou abruptamente.

Com os olhos cor de ferrugem se estreitando, Ottar apertou os músculos de sua mão esquerda.

"GIEE — GYAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!"

Muitos sons de estalo saíram do aperto de Ottar. O cabo da arma quebrou, junto com a maioria dos ossos da mão da Amazona.

Seu grito perfurou o ar da noite. Phryne se curvou para trás com dor no momento em que o poderoso homem a soltou.

A lâmina do grande machado de batalha atingiu o chão a seus pés com um baque. Ao mesmo tempo, Ottar deu um passo para trás de Phryne.

"—!"

A Amazona estava segurando sua mão desfigurada quando o Boaz enganchou o braço dele sob seu ombro e a jogou no chão. O corpo dela caiu e rolou pelas pilhas de pedra na superfície do chão. A poeira subiu, formando uma pequena nuvem quando ela parou na base da fonte.

Contorcendo-se de dor, Phryne teve um vislumbre de seu reflexo na água.

Sua pele bronzeada estava coberta com centenas de cortes, a maioria sangrando.

Seu rosto, inigualável em todo o mundo, estava coberto de sangue e poeira.

"Meu... Meu lindo... MEU LINDO ROSTO!"

Ela uivou para o céu, os olhos ficando profundamente vermelhos. Seu cabelo molhado estava colado em sua pele. Com a fúria liberada mais uma vez, ela se lançou sobre Ottar.

Seu alvo: a garganta. Ambas as mãos, intactas ou não, estavam bem abertas e ansiando por espremer a vida dele.

"MORRA! MORRAAAAAAAAAAAAAAAAA!"

Mais ladrilhos de pedra quebraram sob seus pés enquanto a Amazona corria. Ottar empurrou seu braço esquerdo para o lado.

"Muito barulho."

Então ele dirigiu seu punho diretamente para frente.

"GeHEE!"

Atingindo o meio de seu rosto, o soco de Ottar lançou Phryne em direção ao céu.

O grande corpo da Amazona se arqueou para fora do jardim e em direção ao solo.

"GIHEEE...!"

Tomando o impacto da aterrissagem com seu ombro, Phryne rolou até parar no jardim da frente.

Apesar de cair mais de quarenta andares, sua defesa de Nível 5, que era muito mais forte do que a maioria dos monstros da Dungeon, a manteve viva. O sangue jorrava de seu nariz quebrado e manchava seu equipamento de vermelho escuro.

Phryne agarrou o rosto com a mão boa, as lágrimas escorrendo pelas bochechas.

"Uh — uHEE! "

O guerreiro javali a seguiu.

Pulando pelo exterior do palácio, ele saltou algumas vezes antes que seus pés quebrassem o chão de pedra do jardim da frente com o impacto.

Phryne ainda estava sentada e tentou desesperadamente se arrastar para trás — mas os dois não estavam sozinhos.

De frente, de lado, de todas as direções...

Oito figuras unidas. Um homem-gato, um elfo, um elfo negro e quatro Pallums apareceram.

Olhando para os rostos dos aventureiros que a cercavam, toda a cor foi drenada da pele de Phryne.

"<Vana Freya>, Hegni e Hedin, e até mesmo os Irmãos Gulliver, Bringar...!"

Toda a vontade de lutar que restava nela desapareceu em um instante com o conhecimento de que os membros mais poderosos da <Família Freya> estavam se aproximando dela por todos os lados.

Depois de completar sua missão de incapacitar os aventureiros inimigos, o grupo havia se reunido para enfrentar o membro mais formidável da <Família Ishtar>.

Ottar estava bem na frente dela, seu círculo de aliados a impedindo de escapar.

"HYEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE! M-ME POUMPEMMMMM!"

Apoiando a cabeça com o braço, ela olhou para cada uma das pessoas e começou a implorar por sua vida.

"O que eu fiz para vocês? Certamente nada que merecesse issooooo."

"O fato de você ainda estar respirando é pecado o suficiente", veio uma réplica do homem-gato, mas Phryne não a ouviu.

"Eu farei qualquer coisa! Qualquer coisa para quem me poupar! O-OH! É ISSO AÍ! Meu corpo, vou pagar com meu corpo! Eu vou deitar com vocês, então por favor ME DEIXEM IRRRR!"

"UGH!" veio uma onda de repulsa unificada dos aventureiros de primeira classe.

"Nenhuma mulher pode rivalizar comigo! NINGUÉM! Até deusas não conseguem lidar com a minha beleza! E vocês podem fazer o que quiserem comigo!"

Cada um dos aventureiros de primeira classe a encaravam com olhares mortais, mas Phryne estava concentrada demais em seu discurso para perceber.

Ottar estalou o pescoço antes de olhar para a Amazona a seus pés.

Então — um sorriso sinistro cresceu nos lábios de Phryne quando ela fez sua última oferta.

"Até Freya parece feia perto de mim!"

Com isso...

O javali ergueu os olhos.


"UOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!"


Ottar perdeu o controle.

"GHEE!"

"Você manchou o nome da deusa mais sagrada!"

Uma luz vermelha brilhou em seus olhos enquanto ele rugia com fúria.

Allen e os outros estavam com olhares semelhantes de indignação, cada um fervendo com raiva enquanto as veias latejavam e os músculos se contraiam.

"Só existe um destino digno para gente como você."

"Morte, morte, morte!"

A voz de Ottar cresceu enquanto seus aliados falavam ao seu redor.

O rosto de Phryne ficou branco. O anel de aventureiros estava se fechando, passo a passo.



Ignorando cada apelo, oito sombras escuras caíram sobre a grande Amazona.

"UW — UWAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!"

Um grito arrepiante ecoou pelos céus esfumaçados do Quarteirão do Prazer.


Por Rodrigon | 01/05/21 às 11:23 | Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Poder, Ecchi, Shounen, Mitologia, Japonesa, Elementos de MMO