CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
12º Mito - Novo Desafio

Epopeia do Fim (EDF)

12º Mito - Novo Desafio

Autor: Sora

Dia seguinte, Cidade de Atenas, 11h30.

Como previsto, o dia amanheceu nublado, um pouco frio para o outono, a brisa que batia na cidade era tranquila e gelada que acalmava a todos que a sentissem. O pequeno campo que envolvia o Templo de Atena era bem verde e baixo.

Atena olhava para o céu nublado proveniente do outono enquanto Julie e Chloe, suas duas filhas, estavam sentadas em cima de duas pedras uma ao lado da outra, de olhos fechados e totalmente concentradas.

A Deusa da Sabedoria as observava, sorrindo pacientemente. Elas estavam tão concentradas que conseguiam sentir a força da natureza em volta delas.

Muito bem... – Atena murmurou e se levantou lentamente.

Julie e Chloe provavelmente sentiram, mas não esboçaram nenhuma reação. Com isso a deusa pegou duas pedras grandes que estavam ao seu lado em cada mão, se preparou e jogou a primeira na direção de Chloe frontalmente. A garota então abriu rapidamente os olhos, ao mesmo tempo que sacou sua Arma Divina: a lança prateada Sakiyari.

Sakiyari, do japonês, a união das palavras ‘Saki’ (Destino) e ‘Yari’ (Lança). A Lança do Destino.

Ha! – Chloe se levantou e cortou a pedra em dois com apenas um corte de sua lança, sem dificuldades. Era uma grande lança de duas pontas, sendo uma na frente e duas atrás.

Bom, bom. E agora...

 Atena se preparou e lançou a segunda pedra, dessa vez, para bem longe dali. Julie foi quem agiu de forma instantânea dessa vez, abrindo seus olhos já com seu arco e flecha armados. Ela mirou na pedra, sem pressa e sem afobamento, até mesmo sem nem olhar praticamente com seu jeito frio e calculado.

Então, sem esboçar absolutamente nada, soltou a grossa corda do arco e a flecha foi à toda velocidade, quase quebrando a barreira do som, com um brilho prateado em sua volta de forma certeira.

A pedra se destruiu com o tiro super preciso de Julie, que descansou seus braços após o disparo perfeito. Atena bateu palmas três vezes e suas filhas a olharam.

Como esperado, conseguiram! – A deusa sorria enquanto andava até as duas

Pergunta: Como fomos?

Foram ótimas, perfeitas, impecáveis, maravilhosas, e-!

— Já entendemos, mãe... – Murmurou Chloe, com uma expressão caída.

Atena estava feliz com o progresso de suas filhas e discípulas, por que não? Apesar de que nem foi lá um grande treino, mas para a deusa era extremamente necessário para as irmãs gêmeas. Ser calculista e preciso, com frieza; esse era o treinamento da Deusa da Sabedoria para com elas.

Já estão dominando seus poderes com melhor perfeição e além disso também conseguiram evoluir a sensibilidade de vocês. Estão progredindo mais rápido que o esperado!!

Suposição: Se não fosse assim, esse treinamento não seria para nada.Disse Julie, como sempre inexpressiva.

Olha a boca! – Chloe retrucou guardando a Sakiyari em sua cintura.

Crítica: Eu não falei nada demais. Suposição: Você deve estar ouvindo coisas, irmã. – Julie também guardou o arco, Tenyumi, no porta-arco em suas costas.

Você entendeu o que eu disse!

Dúvida: Na verdade, não.

Nnnngh! Fica se achando assim só porque comeu o docinho de morango que eu guardava ontem...! – Chloe murmurou, cruzando os braços e olhando para o lado.

— Negação: Irmã, você perdeu para mim no par ou ímpar, não há embasamento para suas reclamações. – Julie deu de ombros e apontou o polegar para a garota que corou e quase explodiu.

Muito bem, crianças! Vamos almoçar agora?! – Atena interrompeu as duas, perguntando enquanto dava um grande sorriso.

Crianças!?! – Julie e Chloe perguntaram em coro, uma quase chorando; a outra sem expressões como sempre.

 

***

 

Monte Olimpo, um pouco mais tarde naquele mesmo dia. Damon e Daisy chegaram andando até os pés da montanha mais alta do mundo após saírem de casa por algum tempo. O garoto de cabelo preto e olhos azuis deu uma breve olhada para cima antes de decidir começar a subir.

Damon? – Uma voz conhecida chamou por ele – E Daisy também... – Era uma garota.           

Os dois olharam para trás e viram que Lilith estava ali, atrás de ambos um pouco ofegante e suada, aparentemente por ter corrido atrás deles ou algo assim. Daisy abriu um sorriso surpresa, enquanto Lilith os olhava atentamente tentando retomar o fôlego.

Lili!! – A garotinha exclamou ao ir até a filha de Hades – Quanto tempo!!

Você também, Daisy...! Quanto tempo...! – Ela deu um leve sorriso, ainda ofegante.

O que aconteceu? Por acaso estava fugindo de seu pai? – Damon cutucou a garota, também se aproximando.

Meu pai...?

Lilith demorou para entender a ironia na pergunta de Damon, que chegou até a sorrir sarcasticamente ao fazê-la. Se a garota tinha defeitos, esse era um deles.

Talvez nem possa ser considerado um defeito mesmo, mas sim um déficit; ela era muito ruim para entender certas ironias e sarcasmos vindo dos outros, principalmente de Damon que era bom em omitir isso.

E-Ei!Depois de bastante tempo, ela percebeu. Damon olhou para o lado, prendendo o risoMeu pai não sairia de seu reino para isso! E não, eu não corri de ninguém!!

Ah, desculpe... Não consegui perder a piada, guhuhu! – Ele seguiu prendendo o riso e Lilith fez beiço.

Seu...! E então?! Vai me dizer o que quer aqui!?! – A garota de twintails vermelhos cruzou os braços, irritada, ao mesmo tempo que virou o rosto fechando os olhos.

Acho que porque meu pai mora aqui né, inteligência. – Damon respondeu, colocando a mão direita sobre a testa.

Hmpf! Sei...

Então, até mais. Vamos, Daisy!

Sim! – Damon pegou rapidamente sua irmãzinha no colo quando Lilith abriu um dos olhos e viu o garoto se agachar, preparando o pulo e sua irmãzinha sorrindo e dando lentamente ‘tchau’ para a garota.

E-Ei! Espe-!

Damon não deu ouvidos à Lilith e nem a deixando terminar, sumindo do chão ao pular com Daisy para o alto, enquanto a filha de Hades apenas olhou incrédula para cima.

Não era a primeira vez que ela presenciava Damon subir o Monte Olimpo desse jeito, todavia ela tinha ficado incrédula desse jeito pois foi ignorada completamente pelo mesmo.

DAMON SEU IDIOTAAAAAA!!!!

Ele e sua irmãzinha chegaram no topo da montanha com bastante facilidade e velocidade. Damon a colocou de pé no chão e olhou para baixo para ver se Lilith ainda estava ali, só que a montanha era enorme, as nuvens tampavam a vista do chão.

Ele suspirou e voltou a olhar para sua irmã, que estava estranha e o fez abrir mais os olhos.

Daisy?

H-Hã? – Ela parecia meio desnorteada, fora de si...

Ei, você está bem? – Damon se agachou ficando de frente com Daisy, olhando em seus olhos.

S-Sim, não se preocupe comigo...! – Ela deu um sorriso meio forçado.

Damon notou que havia algo errado, mas não entrou em mais detalhes pois Zeus, Afrodite e Hera, os três deuses do Olimpo apareceram à frente dos irmãos, que olharam juntos.

S-Senhora Afrodite... Senhora Hera. Ah, e o velhote também... – Ele comentou, de forma engraçada, ao olhar para os três.

I-Irmão...! – E Daisy deu uma bronca nele.

Já disse que não necessita essa formalidade, Damon. – Afrodite respondeu, ao que Damon balançou a cabeça e se concentrou.

E o Arthur? Não veio? – Ele perguntou.

Preferiu ficar em casa. Ontem foi um dia bem cansativo para vocês, não foi?

Damon notou sobre o que significava a pergunta da Deusa do Amor, ficando com um semblante sério na hora. Daisy, ao seu lado, deu um bocejo atípico para ela em momentos como esse, mas seu irmão não percebeu e prossegui para falar.

DAMON! – Mas antes de fazê-lo, Lilith gritou o interrompendo. A garota estava mais ofegante ainda por ter subido todo o Monte Olimpo correndo.

Essa é a filha de Hades se não me engano... – Murmurou Hera, ao ouvido de Zeus com uma expressão um pouco diferente.

Arf... Arf... Seu malditooooo! – Ela andou furiosa até Damon, querendo o esganar ali mesmo, mas ele apenas suspirou.

Ei, Lilith. Isso não é hora nem momento... – E olhou levemente para o lado, fazendo a garota seguir sua linha de visão lentamente.

Lilith então notou a presença das Deusas do Casamento e do Amor e do Rei dos Deuses ali. A filha de Hades então ficou nervosa por dentro, com tantos em sua frente, se controlando e ficando lado a lado do garoto, quase prestando continência para os mesmos.

A filha de Hades também. Bom, assim é melhor. – Falou Zeus – Damon, recrute todos os Dez Apóstolos e venha aqui amanhã de tarde. Sua próxima missão será designada nesse dia.

Está bem. – O garoto respondeu.

Irmão...? – Daisy olhou para o garoto.

É, vamos voltar. – Damon simplesmente chegou lá não faz nem um minuto, recebeu a informação de Zeus e, sem nem esse minuto passar direito, ele já iria voltar para casa.

Espera aí! – Indagou Lilith – O que está havendo?! Meu pai também falou sobre isso ontem e eu não entendi nada, ele nem me explicou...!

A garota parecia confusa, e não era nenhum exagero. Damon viu que esconder ou manter isso fora do conhecimento dela não seria nada legal e também não iria dar certo.

Vamos, Lilith. – Damon pegou no braço de Lilith sem avisar e a puxou.

Hein? Damon? – Ele colocou Daisy no colo simultaneamente e pulou com as duas juntas ao seu corpo dali mesmo.

A ficha de Lilith só caiu quando eles estavam ao ar livre após singelos segundos planando. Na sua visão, eles começaram a cair em câmera lenta primeiramente, até que o slow motion foi alterado, e...

UAAAAAAAAAAAAAAH!!!!!

Eu já falei para ele usar as escadas. Dá próxima irei matá-lo. – Zeus comentou furioso, seguido de uma risada de Afrodite.

Enquanto estava se aproximando mais e mais do chão, Damon também colocou Lilith em seu colo, a segurando com a mão esquerda, enquanto segurava Daisy com a direita. O impacto foi mais forte e abriu uma nova cratera mais funda.

Após uns segundos, eles saíram dela e o garoto colocou Daisy no chão. Ele fez o mesmo com Lilith, que tremia e lacrimejava.

Cacete... peso extra, cratera extra... – Damon olhou para a profundidade da cratera, que chegava aproximadamente à dois metros.

V-V-V-VOCÊ ENLOUQUECEEEEU!?!

Não grite! Você não queria saber? Vou contar. – Lilith parou e o olhou para ele – Primeiro vamos para minha casa, acho que Daisy não está muito bem.

 Damon sussurrou ao pé do ouvido de Lilith, vendo que Daisy realmente não parecia bem. O garoto olhou para sua irmã, que estava agora de olhos fechados.

Hã? – Lilith ficou totalmente vermelha após esses segundos.

Hm?

N-N-Nós v-v-v-v-vamos p-p-para... – Ela tremia, toda corada e mal conseguia falar.

Hein?E Damon seguia sem entender.

S-S-S-S-S-S-S-SUA C-C-C-CASA!?!?!?

Ué... O que deu em você...? – Ele semicerrou seus olhos, estranhando a atitude da garota.

O coração de Lilith bateu mais forte. “Ir sozinha para a casa do Damon” é o que ela pensava, sem parar. Mas ainda assim... “Não! É só porque a irmã dele aparenta estar mal!”. Lilith tentava se confortar diante da situação, mas não conseguia.

É que... eu nem lembro da última vez... que fui em sua casa... – Lilith murmurou tão baixo que Damon ficou boquiaberto, com uma expressão surpreendente.

Teve alguma vez?

SÉRIO?! – Lilith esbravejou – Mas seria muito estranho! Nos conhecemos há tanto tempo e... – Ela pausou e ficou corada para prosseguir falando – Nunca fomos... nas casas um do outro...?

Eu não lembro de que alguma vez você ou alguém tenha ido lá – “Tirando o Grey e a Elaine na última noite”, ele pensou – Vamos logo.

S-Sim...!

 

***

 

Depois de alguns minutos, os dois chegaram na casa de Damon e Daisy, na Cidade de Olímpia. A pequena garota foi fazer um chá para eles, seu irmão insistiu em fazer ela descansar, mas a própria alegava que não era nada demais. Damon não teve o que fazer a não ser aceitar...

Essa garotinha... – Ele murmurou, olhando para ela da sala, sentado – Então...

Hm... – Lilith estava apertando as mãos entre as pernas, ao lado dele, olhando para baixo...

O que deu em você, hein?

Fala logo o que houve... – Ela respondeu, ainda insegura e nervosa. Damon, sem entender nada, suspirou e começou.

Então é o seguinte. Grey e Elaine foram atacados por duas pessoas estranhas ontem à noite.

Grey e Elaine!?! – Lilith finalmente olhou para ele, ficando surpresa e esquecendo o nervosismo.

E depois eu e Arthur também. E foi isso que aconteceu, sendo bem direto. – Damon cruzou as duas mãos, as apoiando em seus joelhos e olhando para baixo – Eles são fortes. Não pudemos derrota-los.

Então a próxima missão será sobre isso...? – Lilith perguntou, olhando para o lado perifericamente preocupada.

Aqui está...! – Uma voz interrompeu os dois, que olharam.

Daisy estendeu sua mão com a xícara de chá para Lilith, que olhou e pegou. A garota de cabelos vermelhos bebeu o chá feito pela irmã mais nova de Damon e abriu um sorriso.

Obrigada, Daisy! Está muito bom! – A filha de Hades e Perséfone falou e quem abriu o sorriso foi Daisy após o elogio.

Obrigada!

A filha mais nova de Zeus também pegou uma xícara de chá para ela e para Damon em seguida. Ela se sentou, ainda estranha e seu irmão a observou por um momento, preocupado.

Bom, há mais algo para dizer? – Lilith perguntou, chamando a atenção dele de volta.

Só para tomar cuidado ao andar por aí. – Damon respondeu, tomando um gole do chá.

Hmmmm. Está preocupado comigo, hein...? – Ela fez uma expressão debochada.

Morra.

Os dois ficaram em silêncio por um tempo, ambos haviam terminado suas xícaras de chá rapidamente. Damon então olhou para frente e viu Daisy inclinada para a esquerda, dormindo ali mesmo onde estava sentada. Ele ficou mais preocupado ainda já que a garota não era de fazer isso.

Ela dormiu. – Ela falou, também vendo como ele estava preocupada.

Não fale o óbvio. – Damon se levantou e pegou sua irmã mais nova no colo, sem a acordar. Ele então a levou para seu quarto.

Lilith o acompanhou. Damon a deitou na cama e a cobriu com um pequeno lençol branco que havia ali.

Ela vai ficar bem? – A garota perguntou.

Não se preocupe. Essa garotinha é muito aguerrida. – Damon ajeitou um fio de cabelo que caía pelo rosto de Daisy. Ela respirava um pouco ofegante – Vamos, vou te levar para casa.

Hã? Me levar?

Pode ir sozinha se quiser então. É bom que eu fico para cuidar da Daisy. – Ele retrucou, ainda olhando para sua irmãzinha.

Hmpf! – Lilith resmungou e se dirigiu até o lado de fora – Damon idiota.

Hã? – Ele a seguiu. Os dois estavam na porta de entrada.

Obrigada. Mas sim, é melhor você cuidar da Daisy. Ela claramente não está bem e precisa de você...

Damon ficou até sem jeito da forma que Lilith falava sobre isso. Ele olhou para o lado e depois para ela, com um olhar surpreso.

Você... – Ele murmurou. Lilith olhou para ele, nervosa.

O-O que...? – E então, após alguns segundos se encarando, Damon abriu a boca para fazer a pergunta.

Você é realmente a Lilith?

HÃ!?! ESTÁ ME ZOANDO POR ACASO!?! Hmpf! Vou embora! Até mais!

Lilith deu meia volta e foi andando para sua casa, resmungando alto consigo mesma. Damon ficou incrédulo de forma engraçada e deu um sorriso. Ele esperou a garota ir mais à frente, a observando e após dois minutos foi retornar para dentro de casa, mas...

Yo. Uma voz assombrosa e gélida o chamou. Um garoto misterioso apareceu por trás de Damon, que não se moveu um centímetro.

“Essa aura!”, Damon pensou, nervoso, mas ele se controlou ao máximo. Nesse momento, era importante não reagir de forma descuidada.

Você é...

Não se preocupe, não farei nada demais. – O garoto interrompeu a fala, quando Damon logo percebeu do que se tratava.

“Daisy!”

O filho de Zeus apenas se deixou levar e correu rapidamente até o quarto de sua irmã mais nova, desprezando toda a cautela de antes. Ele abriu a porta com força, seguida de um alto estrondo.

Ela seguia dormindo, na cama e mesmo com o alto barulho feito pelo abrir da porta não despertou. Damon se sentiu aliviado por dentro. Ele então olhou para a entrada. Não estava mais ninguém ali.

Tsc, que merda foi essa?! – Ele se perguntou. O garoto já havia ido embora, supostamente.

“Quem são essas pessoas...?!”

A coisa estava ficando mais séria ainda. Se nada fosse feito rapidamente, algo ruim ocorreria e não ia demorar muito. Damon e os outros estavam sendo constantemente observados e, agora, as ameaças estavam aumentando.

“Até amanhã, não será possível fazer nada”, ele pensou, cerrando os punhos. “Droga...!”

Na Cidade de Olímpia, Lilith ainda voltava para casa andando, mais tranquila agora. Enquanto ela ia, uma pessoa de capuz a observava de longe, pelo alto.

Hm... Ela não faz meu tipo. – Disse a garota de capuz, enquanto sorria. Uma pequena parte de seu cabelo, aparentemente cor de rosa, podia ser visto.

Hm? – Lilith se virou na direção de onde a garota estava. Realmente, estava. – Será que estou sentindo coisas...?

Lilith seguiu andando, sem nenhum alarde. A garota havia saído dali, rapidamente, sem que nem mesmo a filha de Hades e Perséfone percebesse de fato sua presença


[A Escuridão espreita, ainda mais próxima...]

Por Sora | 07/01/18 às 21:45 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen