CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
18º Mito - Diferença Esmagadora

Epopeia do Fim (EDF)

18º Mito - Diferença Esmagadora

Autor: Sora

Damon parou no chão após o golpe fatal na Hidra. Como esperado, aquela história de que mais cabeças nasciam nela era apenas lenda mesmo. Ele fez o sinal da vitória, o ‘v’ com as mãos sorrindo, deixando todos aliviados. E então, de repente, pareceu que suas forças finalmente se esvaíram por completo e ele caiu, pondo a mão no braço esquerdo, ofegante.

— Damon! – Todos correram até ele – Você está bem?! – Perguntou Lilith, o ajudando. 

— Sim, não se preocupe... – Damon guardou sua espada em suas costas – Você perguntou antes sobre o que houve na Floresta Negra... – Ele falou repentinamente para Silver, que reagiu.

— Sim... 

— Como eu disse, eu enfrentei o líder deles. – Damon, como sempre, foi direto – O nome dele era Keith. E perdi completamente.

Todos os outros cinco, com exceção de Arthur ficaram assustados com o que o filho de Zeus acabará de contar para eles. E o mesmo olhou para a esquerda, desviando a atenção dos demais.

— O reiki dele era Nível Gama, um nível acima do nosso. Mas o assustador nem é isso e sim que eles são apenas humanos normais... – Afirmou Chloe ao que um calafrio percorreu a espinha de todos.

— Humanos normais com um reiki de semideuses? Inacreditável...! – Exclamou Silver, completamente impressionado.

— Não foi só ele, depois mais dois membros apareceram. Deviam ser os mesmos que lutaram comigo e com o Arthur.

— ... – Arthur respondeu apenas com o silêncio...

— Acho que se aqueles dois não interferissem, nós... – Damon não falou o resto da frase, mas todos entenderam o significado do que ele iria dizer.

— Aqui também encontramos uma, mas não lutamos. Ela simplesmente foi embora por causa da chuva. – Elaine comentou em seguida.

— Chuva?! – O filho de Zeus perguntou, sem entender o significado daquilo.

— Ela foi a que me atacou junto com o Grey naquela noite com mais uma pessoa, a que me fez desmaiar. O nome dela é Bluebell... – Completou a filha de Ártemis. 

— Então era sobre isso que vocês estavam falando mais cedo? – Perguntou Chloe, com uma cara preocupada.

— Se isso continuar, pode ser perigoso... – Lilith também comentou, cabisbaixa. Damon suspirou após um tempo.

— Ah, se ela fugiu, não importa. O que importa é que... – Ele fez uma pausa e olhou para todos – Não podemos lutar contra eles no nosso atual estado. – Todos pensaram em silêncio. A situação realmente não era boa.

— Ele também quase matou Lilith e os outros. Eu fui precipitado. – O garoto prosseguiu. – Queria pedir me desculpar com vocês. Por favor, me desculpem. 

Todos ficaram abismados com essa ação dele. Damon estava diferente depois da derrota completa que sofreu. Teria isso afetado seu estado emocional, ou...

— C-Como assim, Damon?! – Elaine perguntou, ainda sem acreditar.

— Não precisa se desculpar, Damon. Mesmo se quiséssemos evitar a luta, ele iria força-la. Nossa sorte foi que aqueles dois apareceram. – Chloe tentou amenizar seu sentimento de culpa.

— Mas eu...  – Damon ouviu as palavras dela e tentou se explicar, mas Lilith deu um tapinha na cabeça dele. 

— Você não ouviu a Chloe, idiota?! Você só precisa se controlar mais da próxima vez! – Ela deu a bronca nele, fazendo bico.

— Lilith... – Ele olhou para ela e depois para seus amigos que sorriam. Damon então deu um sorriso também – Obrigado, pessoal, mas uma coisa é certa. Temos que ficar mais fortes...

— Isso é claro! Não podemos perder pra eles quando dermos as caras novamente! – Disse Grey, batendo os punhos. 

— Bom, vamos para casa. Temos que reportar as missões. – E então, como mágica assim que Damon falou, a chuva no Mar Egeu novamente cessou os trabalhos.

— Oh, olha só. 

— A chuva foi embora de novo. – Após notar isso, Elaine então pensou em algo. E...

— Quem disse que vocês vão voltar tão facilmente assim? – A voz de uma garota, já conhecida, fez todos olharam rapidamente para o lado e a viram com o mesmo sorriso no rosto.

— Mas o que...?! – Silver nem completou. Já dava para ver que a garota a frente deles era...

— Tchan-Tcharaaaan. – Bluebell abriu os braços e fez como se estivesse ressurgido como um toque de mágica – Bluebell voltou!!

— Você de novo?! – Elaine exclamou. Chloe notou instantaneamente que o reiki dela também era mesmo do Nível Gama.

— Parece que a chuva foi embora! Ufa! Agora não há mais nada para me atrapalhar! 

A garota de cabelo rosa, com coques nas laterais que caíam como marias-chiquinhas e olhos da mesma cor sorriu. Um sorriso amedrontador...

— Ah! – Ela juntou as mãos, como uma prece – Agora estão todos os dez aqui! Isso vai deixar as coisas mais divertidas! – Alargou o sorriso.

— Quem é ela, Silver? – Damon perguntou.

— Ela é aquela garota que Elaine falou.  Bluebell, desse grupo aí, como é o nome mesmo?

— Imperadores da Escuridão. – Respondeu Chloe, rapidamente.

— É, isso mesmo. – E o filho de Poseidon complementou.

— Ah... Um problema atrás do outro. Ela com certeza não vai nos deixar passar daqui. Teremos que passar na força. Ugh! 

Damon seguia debilitado pela luta com Keith na Floresta Negra. Ele não tinha força o suficiente para lutar outra vez, principalmente com alguém com o mesmo nível de reiki que Keith. Mas ele sabia que teria que fazer, pois era a única escapatória.

— Não se esforce. Deixe que cuidamos disso! – Disse Grey, preparando as Luvas do Sol que já estavam em suas mãos como sempre.

— Não, eu também vo-!

— Você realmente não se enxerga, não é? Fique parado aí! – Lilith interrompeu Damon, que apenas ouviu. Ele sabia que eles estavam certos – Vocês tentam atacar ela. Eu fico na retaguarda protegendo o Damon!

— Entendido. – Meade respondeu pelo grupo. Todos pegaram as suas armas e ficaram em posição de batalha.

— Haha! Finalmente vocês resolveram levar a sério! – Bluebell fechou os olhos com o mesmo sorriso.

“Ela continua sorrindo... Está tão confiante assim?”, Silver se questionou mentalmente. “São oito contra um”, o filho de Poseidon pensava enquanto fitava o local. 

“Se conseguirmos pelo menos atrasá-la...”, também pensou Grey, mas...

— Luz... – Todos seguiram a voz sem emoções e olharam para a esquerda. Julie já estava carregando a magia com seu Arco Celestial.

— Espere, Julie! – Chloe tentou impedir sua irmã, mas já era tarde.

— ... da Morte.

 Julie atacou com sua magia, a Luz da Morte. Bluebell não se mexeu nenhum centímetro e as flechas se chocaram contra ela, produzindo a forte luz e a explosão. Julie arregalou os olhos. Raridade ela demonstrar alguma expressão, mas era plausível até para ela já que Bluebell sequer tentou desviar de sua magia.

— Ela não desviou. Será que...? – Grey, também impressionado, perguntou-se.

— Ainda não... – Damon murmurou para si mesmo. A fumaça grossa se dissipou e Bluebell não estava mais ali, em seguida Chloe então sentiu algo estranho vindo...

—Em cima! – Ela gritou, todos olharam para o alto e viram Bluebell que estava em pleno ar, quando começou a entrar em queda livre.

— Hahaha! Minha vez! 

A garota dos Imperadores da Escuridão estalou os dedos da mão direita uma única vez. Todos então foram repentinamente pressionados contra o chão com uma força estupenda e esmagadora. Bluebell então, parou de pé, à frente dos dez, olhando para todos que estavam sendo esmagados por uma força invisível, sorrindo.

— O... que...?! – Com olhos arregalados, Grey perguntou. 

— Não, consigo... me mo...ver! – Todos tinham dificuldades para falar no estado em que se encontravam.

— Parece que... tem alguma... coi...sa... Puxando meu corpo... para bai...xo! – E realmente tinha, como Chloe falou.

— Força da gravidade. – Bluebell respondeu a dúvida da garota e dos demais, ainda sorrindo – Essa é minha linda magia! 

— Gravi...dade?!– Damon perguntou impressionado. Magia de gravidade era apelativo demais, esse era o poder dos Imperadores da Escuridão...

“Então foi por isso que ela foi embora quando começou a chover...!”, pensou Silver. “Com essa magia, seria como se as gotas de chuva se tornassem esferas de aço. O ponto fraco dela...!”

— O que foi? Vocês são fracos mesmo. Isso não é nem o nível 3! – Bluebell falava como se fosse algo normal.

— Ela es...tá... tirando sarro da... gente. Ugh! Droga! – Silver mal conseguia falar, assim como os outros, sequer usar sua magia. Apenas Arthur e Brandt seguiam de joelhos, mas não se mexiam enquanto os outros estava deitados.

— Hahahahaha! Que legal! Vocês estão se di-ver-tin-do?! – A garota, em tom debochado e irônico, falou pausadamente a última palavra da pergunta, quando ao mesmo tempo estalou os dedos novamente. A gravidade aumentou bruscamente e todos foram esmagados mais ainda – Esse é o nível 5!

Era como se os ossos de todos ali estivessem se partindo em migalhas, seus órgãos sendo esmagados por uma tora de aço de 1000Kg e seus cérebros explodindo. Era o inferno, o purgatório. E ninguém conseguia aguentar. Arthur e Brandt seguiam de joelhos apenas, porém já tocando com a mão no solo.

— Droga...! – Damon exclamou. Alguns mal conseguiam abrir os olhos.

— Não fiquem desapontados. Ele vai até o 15! – Após as palavras de Bluebell, todos ficaram abismados. Não era possível. 

“Tamanha força... Para um humano normal!”, pensou mentalmente a filha de Ártemis, Elaine. O desespero só aumentava. 

“Há jeito de vencer? Será que a derrota é o único caminho?”, se perguntou Chloe.

“Do jeito que está, vamos morrer se ela aumentar ainda mais a gravidade!”, pensou Damon. “Tenho que pegar a Ryūken senão...”, e seu pensamento foi interrompido.

— Chuva... Torrencial! – Silver conseguiu usar, de alguma forma, sua Haumi. 

Gotas de chuva extremamente fortes e cortantes caíram na direção de Bluebell que desviou de todas assim que olhou. Porém, ela acabou perdendo a concentração com isso e a gravidade voltou ao normal, além de que ela a desativou para evitar que as gotas de tornassem 'esferas de aço' e a acertassem.

— Droga, meu ponto fraco...! – A garota reclamou, indo para trás.

— Dança da Samambaia! – E isso deu a brecha para Meade usar os Fios da Redenção.

Eles se enrolaram em Bluebell, que ficou olhando para elas. Arthur e Brandt levantaram ao mesmo tempo também.

— Que fios bonitos você tem. 

— Ainda está brincando?! – Meade apertou as mãos e os fios começaram a pegar pressão e esmagar Bluebell.

— GAAAAAAAAAAAA-, brincadeira! 

Ela sorriu e se livrou das cordas com o poder da gravidade de volta. Todos ficaram chocados, principalmente Meade. Brandt e Arthur tentaram usar a velocidade para atacar, mas Bluebell foi mais rápida e desviou.

— Posso levar à sério agora? – Ela parou de frente para os dois e começou a concentrar seu poder vital em volta de si. A energia era completamente visível – Venha. Minha Arma: Kanadzumi. 

A garota levantou sua mão direita, com a palma estendida para cima e um martelo gigante, de cor marrom veio até as mãos de Bluebell. Era maior que a foice de Arthur ou o machado de Brandt. Ambos paralisaram e ficaram abismados com o nível de poder que Bluebell alcançou ao pegar na arma.

Kanadzumi, do japonês, a união das palavras ‘Kanadzuchi’ (Martelo) e ‘Itami’ (Dor). O Martelo da Dor.

Todos ficaram paralisados. Afinal, era impossível deter os Imperadores da Escuridão?

“Isso é impossível!” , exclamou Elaine, com o olhar trêmulo.

“A diferença é tão grande assim?!” , também assustado, perguntou Grey.

Bluebell prendeu uma leve risadinha maquiavélica e girou seu martelo em sentido horário duas vezes, o parando em suas costas enquanto o segurava com sua mão direita.

— Então, vamos aniquilar vocês e-!

Uma vibração e um som alto pararam a frase da garota de cabelo rosa que olhou para o lado com uma expressão séria. Ela se distanciou um pouco ao ver o que vinha; grandes cavalos marinhos puxando um espaçoso e azul assento se aproximaram. E quando todos viram, era o Deus dos Mares, Poseidon.

— Pai! – Exclamou Silver, aliviado com a chegada do deus, seu pai. Poseidon olhou para eles, tomando a frente de todos, ficando entre os Dez Apóstolos e Bluebell.

— Deus dos Mares, Poseidon? Parece que não posso mais brincar aqui. – Bluebell comentou, aflita. Era a primeira vez que se mostrava assim até agora, mas ainda assim sorria forçadamente.

— Ousa lutar contra mim, megera? – Os dois trocaram olhares penetrantes e desafiadores. Bluebell então guardou sua arma e deu um sorriso mais leve.

— Não, eu passo! As ordens são apenas para os Dez Apóstolos e não para os deuses do Olimpo... por enquanto. 

Todos arregalaram os olhos. 

“Por enquanto’? Então o que Keith disse era verdade?”, se perguntou Damon. Enquanto todos estavam atônitos com as palavras da garota, Poseidon apenas fechou mais os olhos.

— Isso seria uma declaração de guerra? – O deus, exalando sua aura poderosa, perguntou.

— Entenda como quiser. Não será algo direto, sabemos que é impossível derrotarmos vocês... – Bluebell guardou seu martelo e olhou de forma cortante para Poseidon – Mas nosso plano logo entrará em ação Até mais gente! Espero que nos vejamos de novo em breve! 

Bluebell então foi embora. A gravidade, sua magia, já havia sido anulada. Todos os que estavam ainda caídos, levantaram, com algumas dificuldades. Poseidon levantou de seu assento e desceu ao chão. Ele caminhou até os Dez Apóstolos, completamente derrotados. O Deus dos Mares olhou por um momento.

— Vamos para casa. – Ele falou de forma simples. Arthur e Brandt estavam furiosos por não conseguirem acertar ela. Ou talvez só pelo fato de terem sido salvos pelo deus...

— Pai, eu... A gente-. 

— Não desperdice palavras sem sentido. – Ele interrompeu Silver – Ela apenas era mais forte e vocês estavam bastante exaustos. Não é motivo para ficar cabisbaixo. 

Todos estavam abalados. É claro, eles foram humilhados. Primeiro por Keith e agora por Bluebell. Não tiveram uma chance sequer. O orgulho de cada um estava mais ferido que qualquer outra coisa. Todos olhavam para baixo, duvidosos de suas próprias capacidades. 

— Ele está certo. – Damon falou, também se levantando. – Temos que levantar a cabeça e ter certeza de que vamos devolver o favor na próxima. 

As palavras de Damon acalmaram a todos, parcialmente. Os olhares de quem foi derrotado que possuíam, se tornaram olhares confiantes por um momento. Afinal, ele foi o que mais perdeu ali... 

Poseidon fechou os olhos e deu um leve sorriso. Damon seguia debilitado pela luta com Keith e quase caiu novamente. Lilith apoiou seu amigo em seu ombro e o segurou.

— Podia se preocupar um pouco mais com você, idiota. – Disse Lilith, com um tom de irmã mais velha até. Damon deu um sorriso.

— Desculpe. – A sinceridade de Damon fez Lilith ficar corada. Ela olhou para frente, quieta.

— Muito bem, a missão foi completa! Vamos retornar para casa juntos! – Silver disse para todos, tomando a parte de Damon, que ainda estava debilitado.

— Sim! – E os companheiros responderam em coro.

Eles então começaram a voltar para o Olimpo com Poseidon...


[Uma derrota dolorida...]


Por Sora | 15/01/18 às 14:24 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen