CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
22º Mito - Arte Secreta dos Deuses

Epopeia do Fim (EDF)

22º Mito - Arte Secreta dos Deuses

Autor: Sora

— Dessa vez eu vou com tudo! – Damon murmurou para si e então partiu para cima de Zeus. – Lilith, me dê cobertura. 

— Sim!

Enquanto Damon atacava de frente, Lilith deu a volta correndo. Zeus abriu a guarda aceitando o desafio e foi em direção à Damon. As espadas se chocaram e provocaram um tremor gigantesco. A onda de choque foi enorme e até empurrou Daisy para trás. Lilith só pôde observar isso, de olhos totalmente arregalados.

— Incrível... – E, por mais incrível que fosse, a espada de Zeus se partiu no meio.

— Oh! – Daisy disse, espantada.

— Nada mau, meu filho.

“Eu realmente achei que fosse a Blade of Olympus, mas era só uma lâmina qualquer!”, pensou Damon.

Quer dizer que a pressão de uma lâmina normal foi aquela?! Inacreditável. Mas para Zeus, isso era como seu café da manhã. E o deus continuou.

— Mas isso nem é o começ-. – Antes de terminar de falar, pilares de fogo saindo pelo chão envolveram Zeus que desapareceu sobre elas.

— Chamas Polivalentes! – Era a magia de Lilith, agora mais forte e refinada que antes.

— Esse ataque foi bom.

Lilith olhou para cima e viu Zeus ao ar. Ele levantou sua mão direita e um raio amarelo apareceu por cima de sua palma. Lilith arregalou os olhos. O deus então, o jogou em cima de Lilith que esquivou para trás. Uma fumaça densa se criou ali no meio com o impacto e Zeus caiu, parando de pé no chão, olhando para os lados. Damon então apareceu por trás e o atacou de surpresa. Zeus esquivou e por um momento singelo, sentiu seu braço arder um pouco. Ele olhou e viu uma gota de sangue escorrer em um pequeno corte horizontal.

— Linhas do Inferno! – As linhas invisíveis de Lilith encurralaram Zeus. Foi quando ela esquivou, com certeza...

— HA!

Zeus provocou uma onda de pressão com o abrir dos braços e fez as Linhas do Inferno de Lilith perderem efeito e sumirem de uma vez.

— Mentira! – Ela exclamou, abismada.

— Isso foi bem pensado. Agora é minha vez. 

— Ainda não! – A voz veio de longe. Mas de repente estava perto. Damon apareceu na frente de Zeus pela fumaça formada e surpreendeu o Rei dos Deuses – Corte dos Mil Pássaros!

Os golpes ultrarrápidos acertaram Zeus, que reagiu e pulou para trás. A fumaça ainda não tinha se desfeito por completo. De repente, Lilith estava atrás dele e o acertou com a sua foice. Zeus voou e parou no chão. Ele estava sendo pressionado. E eles não paravam. Os dois derrubaram o Rei dos Deuses. Ele ainda assim, se levantou tranquilamente.

— Vejo que não vou poder me segurar...

Ele abriu a mão e tirou uma nova espada grande e brilhante de cor azul. Essa era a real. A verdadeira Blade of Olympus! Damon e Lilith ficaram impressionados com tamanha majestosidade, mas nem por isso pararam.

— Finalmente resolveu se mostrar... – Ele sorriu – Então vamos lá, de novo!

Damon foi para cima sem medo. Ele e Zeus começaram a trocar golpes com suas espadas. O deus mudou para a ofensiva um pouco, o que deu um pouco de dificuldade para Damon. Mesmo assim ele acompanhava o movimento da espada de Zeus como ninguém. Estavam de igual para igual.

De repente, Zeus cambaleou, por um segundo tão rápido, que ninguém pôde perceber. Mas Damon percebeu.

“Agora!”, Damon exclamou. Ele preparou sua espada em uma posição diferente. Ela estava com a ponta voltada para trás. O que era isso?

A força do reiki intenso e agressivo de Damon começou a ficar maior ainda, alcançando o Nível Gama. Zeus observou, em silêncio. “Ele dominou”, pensou o Rei dos Deuses.

E agora estava pronto para soltar! Lilith e Daisy sentiram o intenso reiki de Damon. E então, de repente, a Ryūken começou a brilhar em azul. E as próximas palavras de Damon, fizeram subir um calafrio na espinha de Lilith e Daisy.

Arte Secreta dos Deuses...

Arte Secreta dos Deuses. Como o próprio nome diz, é uma magia absoluta, que apenas os deuses podem dominar. Mesmo que só deuses a dominem, Damon disse essas palavras... Lilith e Daisy não piscavam. Era intenso. Era eletrizante. Uma luta esplêndida. Ao ouvir as palavras de Damon, tanto as duas como Zeus arregalaram os olhos. Até mesmo o Rei dos Deuses. Então ele deu um leve sorriso. O reiki de Damon estava ao ápice para o ataque que vinha. Seus olhos azuis tinham um brilho intenso, como sua espada. Só restou a Zeus, aceitar...

 Stellar Burst!!!

Era como se o corte de Damon, trouxesse uma galáxia em explosão para cima de Zeus. Foi um golpe muito forte, que fez com que a energia se condensasse ali mesmo, provocando uma explosão gigantesca. E então, não dava para ver mais nada...

 Uma explosão, de fato. A cortina de fumaça negra permaneceu no local, até que algum tempo depois, se esvaiu lentamente. Lilith e Daisy estavam paralisadas. A luta foi incrível. A magia divina que Damon usou foi incrível. A fumaça lentamente se desfez e Damon apareceu, ele estava ofegante.

— Arf... Arf...

Lilith não pisca a quantos minutos? Ela não desgrudava os olhares de Damon. Ele então, caiu no chão, largando a Ryūken. Zeus apareceu, conforme a fumaça foi se esvaindo.

— Muito bom, meu filho. Faz tempo que não uso bastante minha força. – Damon estava sentado olhando para Zeus. Ele então olhou para a lâmina em sua mão e então percebeu.

— Agora eu entendo... – Disse suspirando, enquanto sorria de forma fraca – Essa sim é a real Blade of Olympus. A Arma Divina suprema dos deuses. 

— Você venceria se eu não decidisse usar meu poder no fim. Me impressionou que você pode usar a Arte Secreta dos Deuses. – Ele fez uma pausa e olhou para os arredores. E também a mão direita de Damon, que parecia ferida – Mas parece que sua técnica está incompleta. 

“Incompleta!?!”. Foi isso que Lilith pensou na hora que ouviu. Se incompleta já tem essa força... Imagina completa!

— Sim, eu sei. – Ele olhou para a mão direita. E então, Lilith e Daisy também perceberam. Ela realmente estava ferida, chegando a sangrar – Pensei que conseguiria usar perfeitamente pelo calor do momento. Então fiz uma tentativa. 

— Isso foi... Incrível! – Lilith finalmente conseguiu pôr para fora. Ela e Daisy se aproximaram de Zeus e Damon. A primeira andando, a segunda correndo.

— Você também foi muito bem, Lilith! – Ele olhou para Lilith, levantando o polegar esquerdo – Se não fosse você eu não conseguiria nem a metade do que consegui hoje. – As palavras de Damon fizeram Lilith ficar toda vermelha.

— N-Não precisa agradecer...! – Falou com vergonha, desviando o olhar.

— Irmão! Você foi demais! Lili também! Vocês realmente formam uma ótima dupla! 

— É, dessa vez vou ter que concordar com você. – Damon sorriu. Lilith seguia vermelha. Ela apenas sorriu, sem falar nada.

— Mas, sua mão...

— Ah, isso aqui? Não se preocupe! – Ele acariciou a cabeça de Daisy.

— Vocês ficaram mais fortes. Agora sinto que podem lutar contra os Imperadores da Escuridão de igual para igual. Meus parabéns. – Zeus guardou sua espada – Declaro os treinamentos de ambos, completo.

— Isso! – Os dois falaram ao mesmo tempo tocaram os punhos, sorrindo. Acabou. Finalmente eles conseguiram.

Mas ainda havia algo. Sim, Lilith ficou curiosa, sobre o último ataque de Damon...

— Ei, Damon. Essa Arte Secreta dos Deuses... – Entendendo sobre o que Lilith queria, Damon respondeu.

— Ah, eu aprendi sozinho! – Ele disse, sem sorrir, porém de forma séria.

— Sozinho!?! – Lilith ficou boquiaberta, sem acreditar.

— Sim, é bem complicado, e ainda nem está completa. – Disse Damon, olhando para a mão castigada. Lilith então sentiu, que também podia aprender. Seria um grande trunfo. Uma nova evolução...

— Talvez minha mãe saiba disso... – Ela murmurou, olhando para suas mãos.

— Sim, seu pai também! Mas isso é algo que você irá descobrir por si mesma. Tem muita coisa envolvida aí, como o reiki e a Arma Divina... Mas você consegue!

De repente, Lilith pensou em algo que a incomodava faz dias. Ela lembrou de quando foi atacada por Keith. Quando uma voz estranha pareceu a alertar. Uma voz, como um sussurro. Ela relembrou aquilo e resolveu falar.

— Damon... Você por acaso... não tem notado algo estranho?

— Hã? Como assim ‘estranho’?

— Não sei, como se alguém falasse com você. Ou como se você por um segundo agisse de forma estranha...

A pergunta de Lilith, também fez Damon ter uma pequena lembrança. Sim, não foi mostrado aqui. Mas em um dia em que treinava com Zeus, ele teve uma ação estranha e peculiar. Ele dava um sorriso grotesco como de Keith e atacava de forma agressiva. Mas foi só por um momento, quando Zeus o nocauteou. Damon também ficou se perguntando o que era aquilo. Era como se alguém pegasse o controle. Ele também ouve as vezes vozes estranhas.

Enfureça.

Destrua.

São algumas das pequenas palavras estranhas que ele escuta. E agora que Lilith falou, ele percebeu que isso podia ser algo sério... E que poderia se tornar algo perigoso no futuro.

— Lilith, você-.

— Pequeno Zeus?

Antes de completar o que iria falar, uma voz angelical percorreu a sala. Damon já havia sentido isso várias vezes, mas agora, ele conseguiu controlar seu desejo masculino. Sim, essa voz era da Deusa do Amor, Afrodite.

— Afrodite... O que deseja? – Zeus perguntou. Afrodite olhou para Damon, Lilith e Daisy.

— Olá, garotos!

— Afrodite... – Disse Damon, surpreso ao ver a deusa. Lilith olhou para ele.

— Bem, serei breve. Eu quero pedir algo para os Dez Apóstolos. Como já tem dois deles aqui, fica mais fácil.

— Para nós?! – Damon perguntou – O que seria?

— Eu quero que vocês façam um trabalho para mim. Pode ser? – Afrodite deu um sorriso que encantou Damon. Lilith o olhou novamente, dessa vez franzindo a testa.

— E sobre o que seria esse trabalho? – Agora foi Zeus quem perguntou, andando até os quatro.

— Bom, é sobre as Górgonas. – Afrodite disse, sem desfazer o sorriso.

— As Górgonas? Aquelas que petrificam com o olhar?! – Damon apontou seus dedos indicadores e do meio para seus olhos e para os olhos de Afrodite repetidamente.

— Sim. E elas estão causando muitos problemas...

— Onde elas estão atualmente? – Zeus perguntou, assim que chegou até os quatro.

— Se não me engano, mandei as três para a Criméia.

— Criméia? – Perguntou Damon, sem saber.

— Hm. O País da Noite Eterna... – Falou Lilith, colocando a mão sob o queixo.

— Hã?! Você conhece?!

— É um lugar que fica mais para o ocidente. Foi lá que as Górgonas se esconderam quando Atena as transformou. Elas eram muito belas, como sua mãe. Só que eram muito desregradas. Isso irritou os deuses e principalmente a minha prima e irmã, Atena. Ela deformou-as pois não queria que criaturas tão belas fossem malignas.

— Você sabe demais...

— O que você tem com isso, hein!?! – O clima amigável dos dois após a luta sumiu completamente e voltou ao original.

— Então, o que precisamos fazer? – Damon olhou para Afrodite e cruzou os braços.

— Como estão mais fortes agora, podem derrotá-las sem muitos problemas. O único problema é... – Afrodite deu uma pequena pausa.

— Hm?

— Vocês já devem saber, não é?

— Sim... Vai ser complica-.

— Desculpe, eu ainda não entendi. – Damon falou, descontraído, antes de Lilith terminar. Ela então começou a chutar Damon no chão, de forma engraçada.

— Como assim não entendeu!?! Você mesmo falou que o simples olhar delas vai nos petrificar!! Você é burro por acaso!?!

— Desculpa, eu esqueci desse detalhe! Não precisa ficar nervosa! – Disse Damon, como se suplicasse para Lilith parar.

— Hmpf! – Ela olhou para o lado e cruzou os braços.

— Então, eu vou passar o recado para os outros. Isso é pra quando? – Damon perguntou para Afrodite, que ficou um pouco mais séria dessa vez.

— Quanto mais rápido melhor. Criméia vai sucumbir se não agirmos.

— Ok! Vamos tentar reunir todos hoje. Vamos lá Lilith! – Damon foi rápido e direto, como sempre.

— Ok. Hmpf!

— Ah... – Damon fez uma expressão de nojo ao ver que Lilith ainda estava zangada – Daisy, fique aqui com o papai, ok?

— Sim! Tenha cuidado irmão! – Disse Daisy, sorrindo.

— Eu só vou chamar o pessoal, não precisa se preocupar. Ah, Afrodite, Arthur já sabe?

— Sim. Não precisa se preocupar. Arthur, Brandt e Meade já sabem e estarão vindo em breve! 

— Então resta Julie, Chloe, Silver, Grey e Elaine. Ok, até mais!

Após Damon terminar, ele e Lilith saíram pela porta rapidamente. Os dois chegaram até a borda do Monte Olimpo. Daisy, Zeus e Afrodite ficaram na sala.

— Julie e Chloe é com você. – Damon disse para Lilith – Eu vou até Elaine e Grey. Assim que acabar aqui vou até Silver.

— Tá, tá!

Lilith apenas respondeu isso e pulou diretamente para o Submundo. Damon seguiu até a casa de Apolo e Ártemis, ali perto, o Panteão do Sol e da Lua. E assim, o sol acabou se pondo totalmente...

 

***

 

A lua estava totalmente cheia agora. Lilith desceu até o Submundo rapidamente e correu para a sala de treinamento de seu pai. Ela chegou lá e viu Julie e Chloe ofegantes no chão. Chloe estava mais ofegante que sua irmã. Julie estava em pé enquanto Chloe estava de joelhos.

— Mas o que... – Lilith tentava entender o que tinha acontecido. As duas olharam para ela ao mesmo tempo.

— Oh, Lilith... Hehe... – Chloe fechou os olhos e se deitou, de braços abertos no chão.

— O que houve com vocês?! Estão bem?! – Ela procurou seu pai, Hades, mas ele não estava mais ali. E ainda por cima, a sala de treinamento estava parcialmente destruída – Vocês...

— Resposta: Nós completamos... – Disse Julie, já com folego recuperado.

— Completaram?! O que?!

— A nossa nova técnica...! Nosso treinamento está completo! – Chloe falava bastante feliz, mas também bastante cansada, respirando com dificuldade. E dava para ver, elas não estavam completas, estava com alguns ferimentos até.

— Oooh! Incrível! Meus parabéns! – Lilith se aproximou mais das duas, sorrindo.

— E você? – Chloe olhou para ela e perguntou.

— Ah, eu e Damon já completamos também! Mais importante, a Afrodite pediu para reunirmos todos os Dez Apóstolos. – As duas escutaram em silêncio – Temos uma nova missão.

— Que bom. Assim podemos testar as novas habilidades! – Chloe deu um sorriso. Julie acenou positivamente com a cabeça.

— É... Faz sentido. – Lilith falou, olhando para o lado.

 Enquanto isso, Damon chegou ao Panteão do Sol e da Lua. Não demorou muito, pois não era tão longe assim. Ele andou pelo pequeno campo até Elaine e Grey, que estavam sentados se hidratando, em frente a porta de entrada do panteão. Aparentemente também haviam acabado de treinar.

— Yo! – Damon acenou com os dedos indicador e do meio juntos, na testa.

— Oh, olha só quem apareceu.

— Boa noite, Damon! – Os três se encontraram. Damon parou à frente deles, com um pé em cima de um pequeno degrau para a porta.

— Parece que treinaram bastante, hein? Como estão?

— Ótimos, para falar a verdade! Melhoramos bastante. Parece que você também... – Disse Grey, animado e olhando para a mão direita de Damon, que ainda estava ferida, agora com o sangue seco. Mas ainda um pouco dolorida.

— Claro que sim! Bom, acho que não é bem a hora apropriada, mas preciso de vocês.

— O que foi? Uma missão? – Grey matou a charada na hora, voltando seu olhar para Damon.

— Essa foi rápida! 

— Nem tanto, foram uma semana e meia, praticamente duas treinando. Rápidos foram vocês descobrindo o que eu queria. Vocês já concluíram? – Damon perguntou, se referindo ao treinamento.

— Sim! – Os dois falaram em coro, levantando suas garrafas de água para frente, piscando um olho cada. Damon deu uma risada de leve.

— Entendi, entendi. Então só falta o Silver agora. Vou avisar a ele. Vão até o Olimpo assim que puderem.

— Tranquilo!

— Pode deixar. – Disseram os dois, ao mesmo tempo. E então, ele se foi – Viu a mão dele?

— Sim. Parece que não foi fácil pra ele também! – Grey respondeu Elaine, olhando para a lua cheia. Ela o acompanhou – Isso vai ficar bem interessante agora! – Ele deu um sorriso.

Damon então foi buscar Silver em seguida. Algum tempo depois ele chegou ao Mar Egeu, e entrou no reino de Poseidon. Ele bateu na porta da casa de Silver e quem o atendeu foi a mãe dele, Anfitrite.

— Oh, você é o Damon, amigo do Silver não é? – Ela o recebeu. Seu longo cabelo de cor azul-claro estava amarrado como um pequeno rabo-de-cavalo.

— Olá, tia! Sim, sou eu. O Silver está?

— Sim, mas não sei se pode se mover. – As palavras de Anfitrite deixaram Damon curioso. “Não pode se mover?”

Ela deixou Damon entrar sem delongas. Ela o mostrou onde era seu quarto e ele foi até lá. A porta do quarto de Silver estava fechada. E estava muito quieto. Assim que ele se preparou para bater nela...

— Oh, Damon. O que há de fazer aqui? – Poseidon, o Deus dos Mares apareceu, ao seu lado.

— Tio Poseidon?!

— Sim. O que você deseja? Você quer... – Poseidon disse, tentando entender pelo que via.

— Desculpa, é porque que precisamos do Silver! Temos uma nova missão requisitada. – Damon respondeu se virando para o deus. Poseidon olhou por um tempo, pensando. Ele então, se tornou a falar:

— Hm... Infelizmente Silver não pode ir agora. – Damon ficou surpreso e preocupado. Ele lembrou sobre Anfitrite falar que ele “não podia se mover”.

— O que houve com ele?

— Ele finalmente conseguiu dominar minha técnica e concluiu seu treinamento. Porém isso fez com que ele gastasse muita energia e força. Ele vai ficar, no máximo, dois dias sem poder ir à uma missão.

— Entendo... – Damon ficou pensativo por um momento, porém aliviado por não ser nada grave – Tudo bem, espero que ele melhore logo! Assim que ele puder, peça para ir ao Olimpo. Deixarei um recado lá. 

— Está bem. Boa sorte com a missão, filho de Zeus.

— Aham! Até mais, tio!

Damon então foi embora e voltou ao Olimpo. Já passavam de 20h da noite. Ao chegar lá, Lilith, Chloe e Julie estavam com Daisy, Zeus, Atena e Afrodite no hall principal.

— Voltei! – Damon disse, assim que subiu ao Olimpo, todos o olharam.

— Bem-vindo de volta, irmão! – Disse Daisy, correndo até ele e o abraçando com força, como sempre.

— E então, como foi? – Lilith perguntou.

— Grey e Elaine virão. Silver não virá. – Ele respondeu de forma direta, olhando para ela. 

— Por que?!

— Tio Poseidon disse que ele precisa descansar por causa do intenso treinamento. Ele ficará incapacitado por, no máximo, dois dias...

— Conclusão: Então teremos que ir com nove pessoas dessa vez. – Julie afirmou, olhando para eles.

— Bom... – Afrodite disse com um tom estranho. Todos olharam para ela em seguida – Brandt, Meade e Arthur também não irão com vocês.

BAM! A cara de todos caiu. Agora não eram mais nove, eram seis! Os Seis Apóstolos!?!

— Mas, você disse que...! – Damon tentou falar algo, mas não conseguia.

— Eles falaram que vão precisar de mais um pouco de tempo. Talvez um dia será o suficiente.

— Então apenas seis de nós... – Chloe pensou alto, olhando para Julie.

— Bem, dois pra cada Górgona já está de bom tamanho não é? – Damon já perguntou, antecipando as coisas.

— Ah, com certeza!

A voz veio de longe e mal deu para ouvir. Ao olharem para o lado, viram Grey e Elaine, que chegaram ao topo do Olimpo. Agora, todos estavam ali. “Todos”. Vocês entenderam. Todos que vão para a Criméia.

— Yo, pessoal!

— Bom, agora estamos todos aqui. – Falou Damon – Tipo, ‘TOOOODOS’. – Eu avisei.

— De acordo. A missão de vocês é acabar de uma vez com as atrocidades das Górgonas. Pelo bem da Criméia e também do Olimpo. – Disse Afrodite, para os seis que ali estavam.

— Okay! Então, vamos agora?!

— Se quiserem podem esperar até amanhã. Vocês estão cansados, não? – Afrodite perguntou.

— Mas você não disse que precisava ser o mais rápido possível!?! – Damon perguntou, em prantos.

— Eu posso cuidar disso.

Todos olharam para Atena que se aproximava com uma bandeja contendo alguns vidros.  Eram doze no total, ou seja, duas para cada. Os vidros continham um líquido de coloração dourada, que chegava até a brilhar.

— Irmã, o que é isso?

— Poções feitas por mim para aumentar o vigor de vocês, tanto físico, como mágico. Assim não irão se preocupar com o cansaço para a missão. – Cada um pegou dois dos pequenos frascos e observaram os mesmos – Tomem uma agora e deixem a outra para depois. – Eles guardaram um e tomaram outro vidro da poção.

— Oh, realmente me sinto menos cansada agora! – Disse Lilith, enquanto Grey deu alguns pulos e três socos no ar.

— É! Está muito melhor agora!

— Então, estamos indo. – Damon falou com Afrodite, Zeus e Atena e depois olhou para os outros. – Iremos com certeza completar essa missão. Vamos lá!

— Sim! – Todos os cinco responderam em coro. E agora, a missão da Criméia estava oficialmente iniciada!

Por Sora | 19/01/18 às 14:21 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen