CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
26º Mito - As Fases da Lua

Epopeia do Fim (EDF)

26º Mito - As Fases da Lua

Autor: Sora

Fumaça para todos os lados...

Já estava de noite, portanto não era possível enxergar quase nada. Alguns segundos se passaram após o colapso total do templo. E então, Damon e os outros saíram debaixo dos escombros, sem maiores arranhões.

— Vocês estão bem?! – Sim todos estavam, nem foi preciso responder ao olhar para eles. Mas esse não era o problema.

Os olhos de todos estavam arregalados e imóveis – exceto os de Julie, que só demonstrava algo com sua boca um pouco aberta.

— Mentira... isso é mentira não é?!

Diante de tal cena, todos ficaram sem reação. Damon e Grey eram os que mais estavam controlados, algo bem estranho, pois Grey estava quase que avançando em Bluebell. Bluebell que, então, apareceu diante de todos. Ela parou e olhou para os olhares chocados dos outros cinco.

— Que pena... uma já foi! Agora vamos com os outros cinco restantes! – Disse ela, com uma voz confiante.

Damon então a encarou seriamente. Ninguém conseguia olhar nos olhos de Bluebell como ele. Mas a próxima reação, faria todos ficarem sem entender nada.

— Hmmm. Melhor não. – Damon se sentou, tranquilamente, cruzando os braços. Todos olharam para ele, com espanto.

— Hã?! O QUE?! – Bluebell ficou surpresa com a resposta e a reação de Damon, mas seus amigos ficaram mais ainda.

Como ele podia, diante do que acabou de acontecer...? Mas Damon, ao invés de contrariar sua última resposta, continuou.

— Não estou afim de lutar contra você. 

...

Silêncio total. Ninguém entendia, tanto que ficaram até boquiabertos com a situação.

— COMO ASSIM NÃO!?!

Bluebell estava indignada. O que foi isso? O que era isso?! Mas a expressão de Bluebell, antes com um sorriso, agora mostrava uma garota com sede de matança.

— Então eu vou te matar mesmo assim! – Diante da situação, Damon estava bem calmo. Mas não era só ele – Por ter tirado sarro de mim... terá o mesmo destino daquela garota, e-!

— Ei, garota. – Grey chamou, totalmente calmo, assim como Damon, a interrompendo. Porém, com um sorriso no rosto. Bluebell o olhou – É melhor você prestar mais atenção ao seu redor.

— O que?!

Foi como uma reação instantânea. Ela sentiu um ar frio por trás. E foi totalmente surpreendida ao ver Elaine, viva, a atacando pelas costas. Chloe e Lilith arregalaram ainda mais do que podiam seus olhos.

Bluebell usou todo seu reflexo para esquivar por pouco, mas mesmo assim, não evitou um pequeno para médio corte no braço esquerdo, que fez até cair umas gotas de sangue no chão.

— M-MAS COMO?! – Bluebell ficara mais indignada ainda.

— Elaine?! Mas...

— Era tudo plano dela. – Damon falou como se fosse brincadeira e Chloe o olhou, espantada.

— Como?! – Ela esperava explicações de Damon, mas quem tomou essa parte foi Grey, ao seu lado.

— Ao ser pega pela Queda de Gravidade, ela se viu em um beco sem saída. Mas ao ver que Bluebell falou sobre ir até o nível 50, ela pensou na possibilidade de a pressão ser tão forte que faria tudo desmoronar...

— ...então isso me daria espaço para lutar melhor e não ser pega por sua magia de gravidade de novo. Afinal, eu sabia que estava de noite, pois consigo sentir a presença da lua conforme sua fase. Isso me rendeu alguns ferimentos, mas graças a você agora posso lutar a sério. – Elaine completou o raciocínio de Grey por sua conta, como se os dois falassem juntos e de forma interligada.

Isso mesmo. Grey, naquele momento, pensou que Elaine morreria, mas ele viu ela sorrindo, por menos de um segundo... Foi isso que o fez mudar e ficar mais calmo e tranquilo. Damon antes disse “confie na Elaine”. Ele sabia que devia confiar nela. Sim, ele sabia que ela planejava algo para escapar. Com sucesso.

E não só isso, Elaine conseguiu estudar Bluebell detalhadamente com base no encontro do Mar Egeu e em seu encontro há alguns minutos, aqui na Criméia. E então, palavras proferidas por Elaine há minutos atrás, chacoalharam na cabeça de Bluebell.

 

— Você tem o péssimo hábito de subestimar as pessoas. Isso pode te prejudicar uma hora.

 

Talvez não tenha sido intencional. Talvez, em sua cabeça, ela não estava a subestimando. Mas mesmo assim, com uma visão de vitória garantida, Bluebell deixou-se aliviar automaticamente, algo quase como uma ação do seu próprio subconsciente. Elaine apostou nisso e venceu. As chances eram médias, mas no fim deu certo.

Apostar algo pela vitória. Talvez essa fosse a chave. Mas então, Bluebell deixou uma risada sair.

— Hahahahahahaha! Realmente, você acaba de superar Hazel em me deixar irritada!!

Bluebell segurava sua barriga ao rir e dizer essas palavras. E agora, novamente, seu clima e ar mudou. Ela encarou Elaine com um olhar cortante. Mas sua resposta acabou deixando Bluebell hesitante...

— Ainda não acabou...  

— Hm?! – Elaine olhou para cima. Para a lua cheia e brilhante, como a neve, que acabava de retomar sua luz após a nuvem sair de sua frente.

— Tem uma coisa que essa Bluebell não sabe... – Grey murmurou, enquanto Elaine seguia olhando para a lua cheia – É que a Elaine luta muito melhor à noite!

— S-Sério...? – Damon e as garotas olharam para Grey, surpreendidos.

— VOCÊS NÃO SABIAM?! – E enquanto ambos estavam surpresos e Grey estava abismado, Elaine deu um sorriso enquanto olhava para o brilhante satélite natural...

— A lua hoje está tão linda... não precisarei fazer uma réplica.

Oi, tudo bom? Do que ela estava falando? Nem seus companheiros e amigos entendiam. Até a expressão calma de Damon foi quebrada. Mas Grey imaginava uma hipótese. E sim, era o que ele pensava. Elaine começou a andar para a direita. Bluebell a acompanhou com o olhar apenas.

— Réplica?! Do que está falando?! – Era o que todos queriam saber.

— Eu vou te mostrar agora...!

Elaine respondeu Bluebell imediatamente, como se esperasse a tal pergunta. Ela parou exatamente embaixo da lua que a iluminava. Todos olhavam com olhares brilhando para a garota de cabelo azul. Nem Bluebell resistiu. Era uma cena digna de aplauso divino. Em contraste com a lua brilhante, seus olhos se abriram, e era como só se pudessem ver eles, com o corpo e o rosto de Elaine mais escuros. E então, ela completou:

— A minha magia mais forte... que minha mãe Ártemis me ensinou!

Todos arregalaram os olhos e Grey teve sua confirmação. Ela estava falando sobre aquela magia.

— Elaine?! Mas ela está...! – Grey tentou dizer algo, mas Elaine o respondeu rapidamente.

— Está tudo bem, Grey. Eu vou conseguir! – Ela olhou para ele, sorrindo. Grey então, deixou de ficar toda hora e confiou nela.

— Até parece que vou deixar...! – Quando Bluebell começou a girar seu martelo, Elaine fincou a Hatsuki no chão...

E então, memórias começaram a percorrer sua mente enquanto ela fechava seus olhos castanhos suavemente...

 

***

 

Alguns dias atrás.

Era uma noite de lua cheia, assim como era no meio da batalha de Elaine contra Bluebell. Era o mesmo local no qual ela estava com os animais selvagens treinando, era a floresta próxima ao Panteão do Sol e da Lua.

Elaine estava de olhos fechados, exercitando a mente, desbravando a noite de luar e os animais silvestres da floresta. Ela podia senti-los, muito mais do que antes. Sim, sua técnica oriunda de sua mãe, a Deus da Lua e também da Vida Selvagem, estava aperfeiçoada. O nível de seu reiki e sua aura entravam em estado de conexão perfeita com o local. Ao abrir lentamente os olhos, ela viu um cervo ao seu lado. Elaine deu carinho ao cervo que ficou feliz.

— Você já dominou...! – Elaine olhou para frente e viu sua mãe, Ártemis, andando em sua direção – Pode se comunicar com os animais e sentir a noite com mais domínio agora.

— Sim, é bem mais fácil agora.

O cervo saiu do lado dela e foi para perto de Ártemis que o acariciou também. Elaine então, olhou para baixo, com as pequeninas franjas de seu cabelo podendo até tampa seus olhos.

— Ei, mãe... – Ela disse com hesitação. E sua mãe percebeu.

— O que foi?

— Eu... eu quero ficar mais forte! Eu quero ajudar e proteger meus amigos! Eu não pude fazer nada contra aquela garota dos Imperadores da Escuridão... – Ártemis observava em silêncio, ainda acariciando o cervo – Enquanto todos lutavam eu fiquei lá. Só assistindo, sem poder fazer nada... Eu...

— Elaine. – Ártemis a interrompeu, um pouco séria.

— S-Sim?

— A lua... ela é composta de fases. – A atenção de Elaine se prendeu em Ártemis. A deusa prosseguiu - Crescente, Nova, Cheia e Minguante. E você é como a lua, Elaine.

— Como... a lua? – Elaine inclinou sua cabeça para a esquerda, tentando entender.

— Sim. Imagine que a fase crescente da lua seja seu amadurecimento. Então, podemos dizer que a fase cheia seria você completamente pronta para qualquer adversidade, totalmente amadurecida.

Elaine começava a vagamente entender o significado das palavras de sua mãe. Ela, porém, notou algo errado nisso.

— Mas espera. A fase de Lua Nova não vem primeiro que a Lua Cheia?! – Sem desfazer o sorriso, Ártemis respondeu.

— Sim, mas estou me referindo a uma simbologia feita por mim! – Ártemis deu um sorriso convencido enquanto falava.

— Você e suas histórias...

Deuses e suas histórias... 

— Você está na fase crescente. Se treinar vai chegar na Lua Cheia bem rápido! – A deusa ignorou e prosseguiu, ainda sorrindo.

— Mas, e a Lua Nova e Minguante? – Elaine bateu na mesma tecla. Ártemis deu um sorriso sem graça.

— Ahehe, vamos desconsiderar a minguante!

— Eu tenho um péssimo pressentimento sobre essa sua risada... – Disse Elaine, de forma cômica e assustada, com um sorriso desconcertante.

— Bem, ela é o oposto da Crescente. No caso a Minguante seria você perdendo vigor e poder, o que não irá acontecer tão cedo por você ser nova ainda. 

— E a Lua Nova?!

— A partir da Lua Cheia, você irá se tornar a Lua Nova com seu próprio esforço. A fase nova significa uma evolução ainda maior de seu amadurecimento. Resumindo, seria uma nova fase de seus poderes.

Elaine arregalou os olhos. Agora sim fazia bastante sentido. Uma simbologia criada pela própria Deusa da Lua, e que dizia tudo sobre ela.

— Entendi... mas mãe.

— Hm? – Elaine ficou em silêncio por um momento e disparou:

— Seu simbolismo é complicado demais.

— GUH! – Ártemis caiu de uma forma engraçada no chão. Elaine então se levantou da pedra na qual estava sentada e se esticou.

— Então eu vou treinar mais. Assim eu posso proteger meus amigos!

— Ah, Elaine, ainda tem uma coisa. – Ártemis disse, já de pé.

— E o que é?

— Além das Fases Crescente, Cheia, Nova e Minguante, a Lua também pode se transformar.

O que Ártemis disse, fez Elaine arregalar novamente os olhos e paralisar. Ela ficou curiosa, mais e mais curiosa. Mesmo que a simbologia criada por Ártemis fosse meio complicada, fazia sentido de sua própria forma. E Elaine ficou presa às últimas palavras de sua mãe.

— “Transformar”?! – Falou com cautela, tentando ainda processar a informação. Ártemis aumentou seu sorriso.

— Sim. É como se fosse uma "característica especial". Como uma magia! 

— Então...

— Sim. – Ártemis respondeu como se lesse a mente de Elaine – Minha filha, eu vou te ensinar uma das mais fortes magias que sua mãe criou.

— Uma das mais fortes...? – Elaine apenas repetiu, com os olhos brilhando.

— Isso mesmo. Essa "característica especial" consiste em uma alta produção de luz solar reversa. Porém, como seu tio Apolo e eu somos gêmeos, temos essa característica de conseguir usar uma fração do poder de cada um. E isso foi passado a você e Grey, logicamente.

Exato. Ártemis, a Deusa da Lua, mas que pode usar uma pequena fração de poder solar. Apolo, Deus do Sol, que pode usar uma pequena fração de poder lunar. Afinal, o mesmo sangue corre em suas veias. O genótipo pode não ser exatamente o mesmo, mas ainda tem características um do outro.

— Então, eu posso usar poder solar?!

— Sim, mas não perfeitamente como Grey. Digamos que você possui cerca de 15% de poderes solares em seu reiki. Assim como Grey tem a mesma porcentagem com poderes lunares.

E o mesmo foi passado para seus descendentes, como algo hereditário. Seria mais complicado para eles, mas treino daria a oportunidade de aquilo acontecer.

— Essa magia requer os 15% de poderes solares que você tem. Porém essa é uma técnica difícil de se dominar, então você precisa se esforçar bastante!

Elaine olhou para baixo. Um turbilhão de pensamentos e desejos se acumularam dentro dela. E então, a garota de cabelo azul e olhos castanhos se decidiu.

— Eu vou tentar! Me ensine essa magia, mãe!! – Ela falou convicta, o que fez Ártemis sorrir mais.

— Lembre-se, Elaine. Use-a apenas em prol de seus amigos. Essa técnica só pode ser usada em noite de Lua Cheia. Você pode criar uma artificial também com seus poderes, porém, não vai ter a mesma força que com a própria lua real.

— Então essa magia faz a lua ter essa "transformação" que você falou?!

— Sim! Entender a técnica é o melhor meio de dominar ela!

Elaine olhou para a lua brilhante e arregalou os olhos, como se tivesse decifrado tudo só com essa conversa. Ela finalmente entendeu. O primeiro passo para a grande magia de Ártemis, que a olhou. Elaine estava de boca aberta. A brisa refrescante da floresta bateu nas duas. Ártemis então, fechou seus olhos e sorriu, dizendo as últimas palavras.

— Isso mesmo. Seu nome é...

 

***

 

— Arte Secreta dos Deuses!

As palavras de Elaine fizeram todos ali arregalarem os olhos. E a hipótese de Grey estava mais do que confirmada. Damon também ficou muito impressionado. Afinal a Arte Secreta dos Deuses também foi domada por ele, e ainda não estava completa.

— Hã?! – Bluebell não entendeu nada do que ela disse. Mas sentiu o reiki de Elaine crescer de forma incrível.

— Ela vai usar a sua melhor magia?! – Chloe sabia do que se tratava. Ela aparentemente já tinha uma também. Grey então respondeu, sorrindo.

— Não é uma simples magia. Apenas Elaine e a sua mãe Ártemis podem dominá-la!

Elaine abriu os olhos de forma brusca, os arregalando, e o céu ficou todo avermelhado. Todos olharam para cima e ficaram abismados com a cena. Seus olhos tremiam. A luz, branca como a neve, foi substituída por uma sangrenta luz carmesim no local. Bluebell tremia os olhos ao sentir essa pressão

— O que diabos é isso?!?! – E então, Elaine relembrou uma última vez. As palavras de sua mãe.

 

— Isso mesmo. Seu nome é...

 

Lua de Sangue!

Por Sora | 22/01/18 às 14:30 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen