CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
28º Mito - Interlúdio

Epopeia do Fim (EDF)

28º Mito - Interlúdio

Autor: Sora

Monte Olimpo – Um dia após a batalha, por volta de 18h30.

Elaine venceu Bluebell, um dos Imperadores da Escuridão em uma batalha insana na Criméia, o que acabou ofuscando o sucesso da missão sobre as Górgonas. Só que isso... não precisava ser desse jeito.

Lilith se aproximou de Damon, que estava sentado na beirada do Olimpo vendo o bonito pôr do sol. Ela então, ficou ao lado dele. A expressão de Damon era uma expressão triste, ele estava bastante pensativo e talvez por isso, Lilith teve dificuldade para falar alguma coisa. Porém, ela respirou fundo e disse:

— Você está bem? – A pergunta de Lilith foi séria e conformativa, mas a resposta de Damon foi totalmente inesperada.

— Você perguntando se eu estou bem?! Alguém te chantageou pra você fazer essa pergunta? – Lilith sentiu uma vontade monstruosa de espancar Damon, mas se segurou.

— B-Bom, apesar de tudo somos amigos não somos? – Damon olhou em silencio para baixo, por um momento.

— É. Somos... – Lilith viu que tinha algo errado ali. Esse não era o Damon que ela conhecia, pelo menos não o que falou assim agora.

— Você parece cabisbaixo. O que houve com aquela empolgação toda?!

— Eu só estava... – Damon olhou para frente, em direção ao sol que iluminou seu rosto – Lembrando de tudo que aconteceu...

— Foi bem complicado. Mas conseguimos passar o desafio.

— Sim... – Foi só então, que Lilith percebeu.

— Ei. Não me diga que você está se culpando pelo que aconteceu.

Damon seguia olhando por horizonte. Seu olhar demonstrava seriedade. Ela ficou sem a resposta por alguns segundos, quando Damon disparou.

— Eu não sirvo como líder.

Lilith sentiu seu corpo gelar ouvindo palavras tão martirizantes, quanto frias. Damon então prosseguiu:

— Se eu fosse um líder de verdade, não teria permitido que ela lutasse sozinha e isso não teria acontecido... – Mas agora, foi a vez da resposta de Lilith ser inesperada.

— Ei, Damon... Você está virando idiota?!

— O qu-?!

Lilith levantou e segurou em seu rosto com as duas mãos, olhando profundamente em seus olhos. Damon ficou um pouco vermelho, os dois estavam pertos. Dava para ele sentir sua respiração. Mas lilith estava furiosa e ele percebeu isso

— Li-Lilit-?!

— Escuta aqui! Ninguém vai ter coragem de seguir um líder assim como você está agora! Entendeu?!

— Mas-...

— Sem, "mas"! Somos amigos. Você sabe que ninguém pensa assim de você. Todos achamos você um grande líder! Então faça o favor e continue assim!

Lilith falava com força e Damon abriu seus olhos com isso. Era isso que a amizade – não só dos dois, mas de todos – podia fazer. Era isso que significava. Era essa a resposta.

— Lilith... – Lilith ficou vermelha. Os dois ficaram parados, de perto, olhando um no fundo dos olhos do outro.

— Ah. Estou atrapalhando?

CRASH

O clima foi completamente quebrado por Atena, que com um sorriso cínico estavam atrás dos dois. Ambos os dois olharam para a deusa rapidamente. Lilith ficou totalmente vermelha e socou Damon que voou no chão.

— GAH!

— Não é o que está pensando! Só estou tentando enfiar bom senso na cabeça dele!!

— Ah sim. – Atena confirmou, ainda que de forma sarcástica – Bom, não é nada demais, só vim dizer que ela quer ver vocês.

— Hã?! – Atena foi bem direta, mas Damon e Lilith pensaram por um momento e entenderam.

— Ei, Atena. E o amuleto?

— Ah, não se preocupem. Eu já o deixei bem guardado para evitar futuros problemas. Em breve começarei a estuda-lo. – A deusa respondeu, fazendo Damon e Lilith se entreolharem.

Minutos depois, os dois seguiram ela até um quarto no monte. Eles chegaram até a entrada e viram Elaine sentada em uma pequena cama, olhando para o lado de fora. A brisa leve do fim da tarde batia, passando pela janela e fazendo as cortinas levitarem ao ar. Damon então, se aproximou lentamente. Lilith e Atena seguiram paradas.

— Elaine... 

Elaine ouviu Damon e virou o rosto, olhando para ele. Ela estava com algumas faixas no corpo, em cima de seus ferimentos da batalha e um tapa-olho no seu olho esquerdo. Mesmo com o tapa-olho, ainda era possível ver as extremidades de cima e de baixo da profunda cicatriz que ficou ali. Ela então deu um sorriso.

— Vocês vieram... – Ela disse, sorrindo.

— Vou deixar vocês a sós. Qualquer coisa, me chamem. – Atena então foi embora na hora. Lilith se aproximou e ficou ao lado de Damon.

— Você está melhor? – A filha de Hades perguntou, com um leve sorriso.

— Sim! Os ferimentos não foram profundos e preciso de alguns dias de descanso apenas. Amanhã Grey e minha mãe irão vir me buscar. 

— E falando nela...

— Ela ficou surpresa e triste é claro, mas orgulhosa por minha vitória! Afinal eu consegui cumprir minha promessa... – Elaine deu uma olhada de canto.

— Entendo. Estaremos te esperando! Trate de melhorar logo!

Elaine respondeu com um sorriso. Lilith olhou para Damon e cutucou seu braço com um cotovelo, fazendo um gesto com a cabeça. Ele tentava achar as melhores palavras, até que:

— Elaine... Err, como está seu olho?

“Mas é um imbecil mesmo”, pensou Lilith, se segurando para não espancar ele até a morte mesmo! Mas Elaine seguiu a conversa normalmente.

— Ah, isso? – Ela pôs a mão no tapa-olho – Parece que não vou poder fazer algo quanto a isso. Acho que vou ficar com esse tapa olho, a não ser que a tia Atena consiga criar alguma coisa que faça minha visão voltar.

Damon e Lilith apenas escutaram em silêncio. O cabelo de Damon tampava seus olhos. Ela olhou preocupada paa ele.

— Entendo... Eu-...

— Não fique triste. – Elaine interrompeu Damon, que provavelmente já iria se culpar. Ele arregalou os olhos e olhou para ela, que seguia sorrindo – Foi uma escolha minha. E não me arrependo disso. Eu finalmente consegui o poder para proteger meus amigos. Isso é tudo que eu mais desejava!

Lágrimas então caíram do rosto de Damon, algo muito raro, muito raro mesmo. Ele, porém, parecia não ter percebido que estava chorando, ao menos até aquele momento. Lilith ficou impressionada com aquilo.

Afinal, quando crianças, ele tinha feito uma promessa. De que nunca mais iria chorar. E agora ele...

 — Então, não precisa chorar, Damon. Sempre seremos amigos, independente do que acontecer!

Lágrimas também caíram do olho direito de Elaine. Porém, seu sorriso nunca saía de seu rosto. Era uma dor enorme, insuportável. Não era um sonho ou um conto heroico. Elaine perdeu seu olho esquerdo para sempre...

Não, Elaine não era fraca como achava que era. Ela era forte até demais. Para suportar isso, esse fardo que terá de carregar daqui para frente.

— Eu prometo! Nunca mais vou deixar isso acontecer com ninguém! Como líder dos Dez Apóstolos e como amigo de vocês. Eu prometo! 

— Sim!

Com a emocionante cena, Lilith quase chorou também. Ela sorriu e depois olhou para fora. O sol já tinha se esvaído no horizonte e a noite havia chegado...

 

 

***

 

 

Dia seguinte – Monte Olimpo: 11h30 da manhã.

— Olá?! – Damon entrou na sala de Zeus. Não havia ninguém nela – Hmmm. Onde está o velhote?!

Ele olhou por toda a sala e não encontrou nada. Do lado de fora fazia um bonito dia de sol, diferente dos últimos dias que esteve parcialmente nublado. O céu azul estava totalmente limpo, quase que sem nuvem alguma.

— Cacete, onde ele está agora?!

Damon vasculhou toda a sala de seu pai e nada encontrou. Ele então suspirou profundamente quando:

— Olá, irmão!

A voz angelical de uma garotinha fez Damon olhar para o lado. Quem estava ali era sua irmã mais nova de apenas 11 anos de idade, a sumida desde o capítulo 7.2 (eu sei que estavam com saudades dela), Daisy!!

— Você está melhor?! – Ela perguntou, sorrindo, com as mãos atrás das costas.

— Melhor?! Eu sempre estive bem, viu?! – Damon disse sorrindo, batendo no peito com orgulho.

— Mas você ontem estava triste e também tinha chorado! – As palavras de Daisy quebraram Damon.

Afinal, ela podia sentir o que Damon estava passando melhor do que ninguém. Ele não podia mentir para ela, pois ela iria descobrir que era mentira. Foi assim após a missão do Mar Egeu e da Floresta Negra também.

— Tá bom, só esquece isso! – Ele despistou, balançando os braços.

— Sim! – Daisy respondeu, ainda sorrindo. Seria algo curioso?

— Enfim, irmãzinha, onde está o velho, você o viu?

— Não, por que? – Daisy inclinou a cabeça para a esquerda, com dúvida, mas ainda sorrindo.

— Não sei. Ele me chamou para vir aqui tão de repente e não está. Só pode estar me zoando, e-. – Ele mesmo se interrompeu olhando para ela – Ei, por que tá sorrindo tanto assim?

— Mas, na verdade não foi ele que te chamou aqui! – Daisy falou com bastante calma e convicção. Ele então olhou fixamente para ela.

— Como assim não foi ele? Então quem foi?!

— Fui eu! – Damon congelou com o sorriso de Daisy. Na verdade, tudo pareceu congelar.

— Espera aí, por que me chamou para cá então?! Seu treino termina só mais tarde. Então, por que?!

— Irmão, você é bobo mesmo! – Ela alargou o sorriso e fechou as mãos à frente de seu corpo.

— Que...?

— Irmão, eu te desafio! Lute comigo!

O silêncio pairou sobre a sala do trono de Zeus. E a contagem de 3 até 1 foi feita mentalmente por Damon, que ficou alguns segundos olhando para Daisy, até que caiu a ficha.

— Hein? O QUEEEEEEEEEEEEE!?!

Seu grito pôde ser escutado por toda a Cidade de Olímpia. Daisy deu apenas um novo sorriso feliz. Seu pedido foi inesperado. Ela chamou seu irmão mais velho para uma luta!

E a única coisa que Damon pôde fazer, foi tentar não acreditar no que havia escutado. Mas era inevitável, era a mais pura verdade.

— Hihi!

Daisy sorriu com os dentes. Com certeza o pedido mais inusitado de todos os tempos!

Por Sora | 24/01/18 às 16:50 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen