CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
32º Mito - Poder Explosivo

Epopeia do Fim (EDF)

32º Mito - Poder Explosivo

Autor: Sora

Uma pequena gota de sangue carmesim pingou no chão. Todos prenderam a respiração ao ver de onde essa gota de sangue saiu. E Damon, que até então declarava vitória, com a Ryūken apoiada ao ombro, sentiu um corte leve em seu rosto. Ele ficou assustado. O que tinha acontecido?!

— A bochecha do Damon...

— Cortada?! – Elaine e Chloe se perguntaram em coro. E então, Chloe sentiu que o reiki de Daisy estava em atividade, mesmo após o ataque

— Ainda não acabou... – Ela confirmou, enquanto Silver, Meade e Grey estavam espantados. Até Brandt se viu com os olhos mais abertos.

A cortina de fumaça então se desfez rapidamente e Daisy estava envolta a uma poderosa e brilhante esfera dourada... o que fez Damon semicerrar seus olhos azuis. Ela estava de cabeça baixa, e então...

— Defesa Absoluta. – Disse Daisy, erguendo seu olhar para seu irmão mais velho, com um sorriso. A batalha não havia acabado!

— Eu já imaginava. Naquela hora, por um momento... – Damon lembrou do que fez ele abrir os olhos na hora do ataque final. Por um breve momento... – Você deu um sorriso.

Ninguém falou nada. Todos ficaram perplexos. A esfera dourada se desfez, Daisy estava bem e apta para continuar a luta, apesar de mesmo que tenha usado a sua magia, tenha ganhado um pouco de dano, mas nada demais. Sua Defesa Absoluta era tão poderosa que conseguiu parar o Corte dos Mil Pássaros de Damon!

— Francamente... você realmente é minha irmãzinha...! – Ele disse, sorrindo. Por que? Porque o que ela fez, era o mesmo que ele faria...

— Obrigada irmão. Você realmente está dando tudo de si, eu posso ver e sentir isso. E agora... É minha vez...! – Disse Daisy, ao mesmo tempo que a esfera dourada se desfez em pedaços.

Damon sabia que ela tinha algo planejado por seu sorriso confiante. Ele era o mesmo. Era o que ele também faria... E então, algo inusitado aconteceu.

Daisy mudou sua lâmina de mão. Da esquerda, agora ela segurava a Soraken com a mão direita. Damon não entendeu bem o porquê disso.

— Ela passou a lâmina para a mão direita... Por que?! – Lilith perguntou o que era a pergunta de todos.

— Isso é... – Atena meio que sentia a mudança no clima. Chloe também. Seria isso...?

— Isso foi surpreendente. Não posso mais te subestimar...!

— Fico triste ao saber que estava me subestimando, irmão...!

— Minhas sinceras desculpas... Então, venha!

— Com prazer...!

As palavras de Daisy eram iguais às de Damon, em tudo. E então, de repente, o garoto sentiu algo estanho dentro de si, como se fosse um tremor...

— Ugh! – E pelo jeito, só Daisy notou. Ela olhou, preocupada enquanto seu irmão olhava para baixo, tremendo.

— O que aconteceu?!

— Damon...?

Ele apertou seu peito com força com a mão esquerda. Dentro de sua mente, uma voz estranha falava...

“Ira...”

Damon estava de olhos arregalados. Chloe sentiu seu reiki oscilar de forma totalmente estranha e olhou bem para ele, boquiaberta.

“Isso de novo...”

Era o que Lilith tinha falado para ele, antes da missão das Górgonas. Seu sangue estava fervendo, Damon estava muito animado. E era nesses momentos de seu ápice de animação e euforia, que isso acontecia. Porém, Damon esqueceu isso tudo. Ele respirou fundo e voltou sua atenção para Daisy.

— O que foi isso? Damon ficou estranho por um momento... – Curiosa, Atena murmurou. Zeus também notou. Era como se existisse outro Damon, dentro dele. A deusa sentiu isso...

— Não atrapalhe... Essa luta! – Damon disse, ou melhor, gritou, fazendo todos ficarem perplexos. Com quem ele estava falando?

— Irmão...?!

— Vamos, Daisy! Você não disse que é sua vez?! – A expressão preocupada de Daisy se foi e seu sorriso voltou. Damon parecia fazer um pouco de força. E estava, por dentro...

“Eu não sei o que é isso, mas não vou deixar que me atrapalhe! Durma!”

— Sim! – Ela respondeu, voltando a batalha. Damon retomou o sorriso e Daisy se preparou.

 Ela pegou impulso e partiu para cima com uma velocidade muito elevada. Os dois começaram a trocar golpes, chocando suas espadas em ritmos alucinantes. Daisy estava mais forte e Damon sentiu isso.

Em um golpe dela em diagonal, ele cambaleou e voltou rapidamente à posição. Em contragolpe, ele acertou um golpe que fez Daisy ir para trás. Ela foi rápida, girou e acertou Damon, que apesar de conseguir defender, sentiu o golpe e também foi para trás, arrastando os pés no chão.

— Agora! – Daisy murmurou, fazendo Damon arregalar seus olhos. Ela posicionou a Lâmina do Céu em posição horizontal, apontada para frente, como Damon faz no Corte dos Mil Pássaros!

— Corte...

— O que?! – O movimento da lâmina de Daisy foi peculiar e mais rápido ainda que a magia de seu irmão. De repente, Damon viu...

— ...dos Dragões Gêmeos!

Pareciam duas lâminas simultâneas atacando Damon, da direita e da esquerda, sem brechas. Ele tentou defender com sua arma, o impacto foi sentido em toda a sala e Damon escapou por pouco. Uma explosão enorme fez uma cortina de fumaça ainda maior subir mais uma vez.

— Daisy está dominando...!

— I-Incrível! – Todos estavam surpresos.

“A anomalia do reiki de Damon se foi, mas teve uma leve queda graças a esse fator, enquanto o de Daisy está mais aceso”, pensou Chloe. O reiki da pequena garota ia crescendo conforme a batalha se estendia. Era impressionante.

— Agora é o momento decisivo. Mostre os resultados de seu treino, Daisy. – Zeus, de braços cruzados, murmurou.

— Sim...! – E ela, como se tivesse escutado, também murmurou. Ao se dissipar a fumaça, Daisy estava flutuando.

Ninguém conseguia desprender os olhos dela. Suas bocas estavam quase caindo ao chão, de tão abertas que estavam. Porém, Damon só conseguiu sorrir.

— Então isso foi seu treino secreto...? Daisy! – Daisy fechou os olhos, em pleno ar, e posicionou a Soraken na sua frente, em posição vertical. E então...

— Respondam minha Prece e venham até mim. Fogo, Água, Terra, Ar. Unidos os quatros elementos, formando o nascimento de tudo e todos!

As palavras de Daisy pareciam uma reza à Deus. O impacto que começou a se formar a sua volta era de proporções inimagináveis. Uma técnica fora do comum estava prestes a ser lançada. Uma magia poderosíssima! E ela era...

“Que poder... Espere, não é possível!” 

E não era, mas estava acontecendo ali e agora! Todos sentiram o poder imenso que Daisy tinha, e ficaram arrepiados.

Arte Secreta dos Deuses! – Daisy abriu os olhos. Eles estavam com uma coloração de âmbar, diferente do azul claro original. Era como...

— Um... anjo... – Atena, suando, tremulou sua voz.

— Até isso você dominou em tão pouco tempo? – Damon disse, sorrindo.

— Ela pode usar a Arte Secreta dos Deuses!?! – Lilith estava espantada, assim como todos, exceto vocês sabem quem

Daisy então, levantou a Lâmina do Céu para o alto. Ela começou a brilhar de forma intensa, fazendo com que os que observavam, protegessem seus olhos com os braços. E...

BIG BANG! – Seguido do grito, Daisy cortou o ar em dois com um golpe fatal de cima para baixo.

E então tudo ficou claro na sala. Do lado de fora de repente, ficou nublado. E começou uma chuva forte. A explosão criada por Daisy destruiu a sala de treino e o tremor pôde ser sentido por toda a Cidade de Olímpia. O céu, que antes estava aberto, fechou de repente e a chuva começou a cair lá.

A densa fumaça começou a se extinguir. Todos estavam caídos, menos Zeus que seguia em seu trono. Uma barreira de espinhos e flores se envolveu em todos que acompanhavam rapidamente, na hora do golpe dela. Quem fez isso foi a deusa Perséfone, protegendo todos.

E, após o Big Bang, a proteção gigantesca foi se desfazendo.

— O que foi isso?!

— Esse poder foi...

— Assustador! – Todos se levantaram, tentando enxergar onde os dois estavam no campo de batalha.

Daisy estava de joelhos no chão, ofegante. Suas forças e seu reiki praticamente se esgotaram completamente após o último ataque.

— Daisy.... Venceu?! – Atena se perguntou, incrédula.

— Isso é...

Para surpresa de todos e de Daisy, uma silhueta apareceu ainda de pé atrás dela. Mas ele estava ferido pela técnica insana de sua irmã. Todos olharam, mais assustados ainda.

— Você realmente é incrível, irmãzinha... – Daisy congelou e arregalou os olhos ao ouvir a voz – Nunca iria imaginar que você até dominaria a Arte Secreta dos Deuses. Eu choraria de alegria se isso não fosse contra mim....

Ela tentou ataca-lo mas viu sua lâmina voar e parar fincada no chão, bem distante dela. Damon colocou a Espada do Dragão em seu pescoço. Todos observaram, sem expressar um ruído de palavras. Daisy olhou para cima.

— Foi mal, Daisy. Eu venci. – Damon deu um sorriso. A batalha estava acabada, agora sim, com a vitória do irmão mais velho.

— Acabou. Agora acabou... – Atena falou, suspirando. Daisy então, deu um sorriso.

— Perdi completamente. – Ela deu um leve suspiro. Damon estendeu sua mão e Daisy a segurou. Ela ainda estava fraca, então ele a apoiou.

— I-Incrível... – Disse Silver, boaquiaberto, assim como a maioria ali.

Atena relembrou a parte em que Daisy usava o Big Bang por um breve momento. Ela conseguiu ver Damon em um modo de concentração total. Mesmo que por um parco momento, ela – Daisy – conseguiu fazer Damon usar seus poderes a sério. Era incrível.

— Ohoho! Parece que alguém perdeu certo desafio...! – O clima foi quebrado com as palavras de Grey, cheia de confiança, para as garotas.

— Ei, v-vocês estavam falando sério sobre aquilo...? – Lilith perguntou, tremendo. Silver, Meade e Grey estavam parecendo três demônios. Seus olhos brilhavam de forma sinistra.

— Aaaah... muito sério! – Os três falaram ao mesmo tempo. Lilith, Chloe e Elaine ficaram com medo da atitude dos três e recuaram.

— Realmente não posso te vencer ainda. – Daisy disse para Damon, sorrindo, enquanto os outros seis se digladiavam na plateia.

Ela então, olhou para a Soraken por alguns segundos e a guardou em sua dimensão própria. A lâmina sumiu, deixando pequeninas partículas mágicas douradas ao ar. Até mesmo, agora, seu irmão ficou surpreendido e soltou um assobio.

— Não fique assim. Eu venci porque decidi usar tudo que tenho no fim. Na verdade, você me ganhou! – Damon acariciou a cabeça de Daisy que sorriu como um gatinho – Mas sabe, guardar armas em uma dimensão própria é bem complicado. Como aprendeu isso?!

— Hihihi! Segredinho! – Daisy deu um sorriso maior, mostrando seus dentes.

E não era só isso, a Arte Secreta dos Deuses também. Damon ficou pensativo e lembrou do momento em que aquilo aconteceu novamente. Ele olhou para sua própria mão e pensou, “o que era aquilo afinal?”. Será que era algo de sua mente, ou então existia realmente alguém dentro dele...?

CLAP CLAP

— Huhuhuuuum – Palmas misturadas com um riso irônico de um homem chamou a atenção de todos que estavam ali – Que batalha exemplar. Parabéns para vocês!!

— Como sempre você chegou cedo... Meu filho problemático. – Zeus fechou os olhos e falou com um tom de impaciência.

Atena ficou com um semblante mais sério de repente. Damon e Daisy, assim como os Dez Apóstolos olhavam para ele. Afrodite e Perséfone também. Quem estava ali, usava um chíton branco e botas douradas, com asas nas laterais. Seu cabelo parecia pegar fogo, mas era apenas de uma cor branco-avermelhada. Ele sorria, sarcasticamente, enquanto olhava superior a todos ali. O homem, não, o deus era Hermes, o próprio Mensageiro dos Deuses.

— Não fale assim de mim, papai. Afinal não sou o único que é conhecido assim! – Ele andou até o trono no qual Zeus estava sentado e fitou as pessoas ao seu lado – Mas olha só se não é a Atena! Um prazer revê-la... – Hermes se curvou, em reverência. Mas isso era...

— Sempre sarcástico, não é, Hermes...? Quem te dá o direito de pronunciar-se assim perante a vosso pai?!

— Oh, não quero discutir minha irmã. Afinal estamos na frente de vosso pai, como você disse, não é mesmo?  – Falou dando uma olhada periférica, com um tom musical.

— Se você está aqui, coisa boa não é. Meu pai, pretende fazer uma reunião agora?! – Atena se virou para Zeus. Hermes, Afrodite e Perséfone a acompanharam.

— Isso mesmo. Chamei todos meus filhos, filhas, irmãos e irmãs aqui. – Zeus disse, preponderante. Ele com certeza já havia antecipado isso dias atrás, fazendo Atena engolir seco.

“Para o pai fazer essa reunião com todos logo hoje... então realmente...”

— Oh, como esperado da favorita d-!

Antes que Hermes pudesse terminar de falar, Atena interrompeu seu pensamento preocupado e destruiu o chão com um ataque rápido com sua fina espada de bronze. Todos ficaram assustados, inclusive Chloe e Daisy. Hermes foi mais rápido e desviou para trás.

— Ahahahaaha! Você errou, que pena!  

— É melhor você calar a boca, Hermes... Se não acabo com você agora mesmo...!

O clima era pesado demais com esses dois soltando faíscas por todos os lados. Atena estava furiosa de um jeito nunca visto, nem por suas filhas Chloe e Julie. E a primeira sentia o reiki de sua mãe começar a ferver, algo que também ela jamais havia contemplado.

— E-Eu nunca vi a irmã desse jeito... – Daisy tremulava o olhar, assustada.

— Você tem razão. – Damon também parecia surpreso.

— Hm?! – Hermes se virou para os demais adolescentes na plateia – Então esses são os prodígios dos deuses?! Dez Apóstolos, não é?

Ele passou o olhar semicerrado por cada um que estava ali, chegando a se surpreender com Arthur e Brandt, que estavam com olhares cortantes. Até que ele se virou para Damon e Daisy. Ele então, deixou escapar uma risada presa. Damon percebeu, mas então, Hermes não conseguiu segurar.

— Hahahahahahahahaha! Que piada!!

— O que?! – Silver parou Lilith, que provavelmente faria algo, ameaçando ir para cima do deus – Silver?!

— Não caia em sua provocação. Ele é bem conhecido por esse modo de agir, meu pai me contou sobre isso. – Silver disse, mantendo a calma e a frieza.

— O que foi?! Papai se rebaixou tanto assim?! Esses lixos nem prestam para fazer um serviço descente! Desde quando-?

— Desde quando você teve permissão para dirigir sua palavra? – Damon interrompeu Hermes, com um tom sério e de forma que ninguém nunca escutou antes. Mas não foram só com palavras.

— Hã?!

Hermes se assustou e pulou de repente. O ataque de Damon com a Ryūken foi rápido e abriu um leve corte em sua bochecha esquerda. Hermes parou de pé e olhou para frente. Ele passou sua mão no corte, que sangrava um pouco, e até mesmo fitou ele.

— Ei, ei, o que foi isso, hein...?!

— Se não quer problemas maiores, é melhor ficar calado...! – O olhar de Damon estava completamente enfurecido, algo bem assustador até. Mesmo Lilith e seus companheiros ficaram acuados.

— Perfeito, perfeito! Você acha que pode me vencer pirralho?! – Hermes limpou o sangue com seu polegar e o lambeu. Damon estava nervoso ao extremo ali. Todos sentiam a pressão que o local tomava. E então...

“Isso mesmo. Se enfureça mais. E me alimente!”

Damon arregalou os olhos e cambaleou para a esquerda. Ele parou apoiado em sua espada, que acabara de ser fincada no chão pelo mesmo.

“De novo isso?! Dessa vez foi mais forte!”

— Que engraçado! Falou tudo aquilo, mas parece que alguém está-!

— Já chega os dois!

Zeus, como um trovão furioso, interrompeu os dois, parando ao meio deles. Hermes recuou assustado, enquanto Damon recobrou a consciência com as palavras que fizeram o Olimpo tremer e ficou mais calmo.

— Ok, ok. Desculpe minha indolência...! ♫ – Hermes se curvou perante seu pai, mostrando reverência de novo, dessa vez de forma séria.

Damon estava mais calmo, mas seguia de olhos arregalados, tentando entender mais uma vez o que foi aquilo. Porém, diferente das últimas vezes, foi mais intenso... porque ele estava irritado...?

— Damon estava bem sério agora. – Disse Grey, agora de forma mais séria, mas ainda assustado.

— Acho que isso despertou a fúria dele de uma forma nunca vista. Mas... – O tom de Elaine era preocupante.

E Lilith sabia. Ela reconheceu a forma como Damon agiu agora. Foi igual na hora da batalha com Daisy, pouco depois que ela usou a Defesa Absoluta.

“Damon, isso foi...”

“O que é isso, afinal?”, Damon se perguntou, colocando a mão sobre a cabeça. Ele estalou a língua e guardou a Ryūken. Daisy olhava para seu irmão.

Todos então desceram até onde Damon e Daisy estavam.

— Essa batalha foi incrível pra cacete caras! – Grey disse, animado. Ele engravatou Damon no pescoço.

— E-Ei!

— Graças a você agora as garotas farão tudo que pedirmos por um dia! Demais!

— Vocês apostaram isso mesmo...?

— Foram elas que começaram. Na verdade, a Lilith quem propôs isso! – Silver disse, sorrindo de olhos fechados.

— E-Era b-brincadeira!!!

— Não, não! Aposta é aposta, queridinha! E vocês perderam! – Grey mostrou a língua.

— E agora, o que fazemos, Julie?! – Chloe sussurrou para sua irmã.

— Crítica: Eu não apostei nada. Foi só você, Elaine e Lilith.

— O que!?! Vai me deixar nessa sozinha!?!

— Avaliação: Mas irmã, você não está sozinha. Você tem elas duas, não? – Julie pôs sua mão no ombro de Chloe.

— Ah, obrigada, Julie... – Respondeu Chloe, cabisbaixa.

— Onde estão os outros, Hermes? – Zeus peguntou, retornando aos dois.

— Hm? Parece que já estão chegando!

— Muito bom... – Zeus foi até Damon e os outros, andando a passos curtos. Damon e os Dez Apóstolos olharam para o Rei dos Deuses, que disse – Por enquanto, podem voltar para suas casas. Damon e Daisy fiquem aqui. 

— Hein? Por que?!

— Vocês saberão mais tarde...

E foi apenas isso. Damon e Daisy se entreolharam por um instante. Não tinham escolha. E parecia algo bem sério.

Atena olhou para Damon, lembrando das anomalias anteriores e com a de Hermes. Isso não era algo para ser deixado de lado. A chuva então, foi estiando, e o céu começou a ficar escuro com a noite chegando.




 

Por Sora | 26/01/18 às 19:05 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen