CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
39º Mito - O Fim das Estrelas

Epopeia do Fim (EDF)

39º Mito - O Fim das Estrelas

Autor: Sora

Rule Breaker.

E então, a flecha tomou o caminho de Iris ao mesmo tempo que as duas esferas de energia vieram na direção de Julie. Iris tentou se esquivar, mas não era necessário.

A flecha explodiu no meio do caminho e liberou ondas eletromagnéticas invisíveis a olho nu. Quando Iris viu, suas esferas de energia haviam sumido de repente, como mágica. Ela abriu a boca e arregalou os olhos, incrédula.

— Hã?! O que foi isso!?!

— Julie...?! – Nem mesmo Chloe pôde entender o que havia acontecido ali. Julie seguia inexpressiva, olhando para Iris, enquanto seu cabelo se mexia pela brisa de vento que batia ali.

Iris estalou sua língua.

— Você conseguiu parar duas ao mesmo tempo, mas não impooorta. Agora você vai veeeer!!

Iris atirou para o lado. Porém a esfera de energia não mudou o seu curso da forma que tinha acontecido, como consequência, ela foi reta e explodiu em uma árvore

— O que...!?! – Ela não conseguia acreditar, seus olhos tremulavam...

— Dúvida: Você ainda não percebeu? Rule Breaker. – Julie disse – Explicação: Quando a flecha explode e as ondas eletromagnéticas acertam sua arma, sua magia é anulada por um longo período de tempo. Resumindo: Você não pode usar mais.

— Como...?!

— Agora eu entendo. Miragem. Essa é sua magia. – Chloe entendeu, acompanhando e alinhando seus pensamentos com os de sua irmã. Exatamente como duas em um.

— Afirmação: Exato, não era nenhum truque que você usava para atirar em direções aleatórias e as esferas de energia virem por outro lugar. Você simplesmente usou uma ilusão de ótica. Enquanto observávamos você na nossa frente, você se deslocava para nosso lado ou para nossas costas, até mesmo em cima, em uma velocidade surpreendente – A explicação dela matou toda a charada. Porém...

Não é possível que só com inteligência e analise...

— Negação: Ainda não acabei. De fato, seria impossível definir isso apenas com analise no calor da batalha. Porém, tem um fato que comprova isso e te desmascara. – Iris apenas observava, tremendo o olhar – Você vinha por cima, por trás, esquerda e direita... mas nunca ficou por baixo.

— !! – Iris parecia não ter palavras. Foi totalmente descoberta, arregalando ainda mais seus olhos – Sua...! – E Julie prosseguiu:

— Conclusão: Foi isso que me fez ter a resposta final. Foi isso que me fez arriscar. Se você não estivesse no alcance de minha explosão, ainda estaríamos nesse ciclo vicioso. E eu só posso usar isso, por enquanto, uma vez em cinco horas. Ou seja, minha jogada arriscada foi correta.

Julie explicou tudo e acabou com a magia irritante de Iris em um só instante, como sempre, sem demonstrar emoções. Como esperado de uma das filhas da Deusa da Sabedoria. Chloe apenas pôde suspirar de alívio, com orgulho de sua irmã.

Porém...

— Haha! E daaaí?! O que vocês vão fazer depois de tudo isso, heeein?! Não pensem que vencerem só por causa diiisso!

Iris pegou uma outra chave dourada e girou no canhão. E então, uma ventania mais forte, um tufão começou a se transformar de novo. Mas desta vez era diferente...

— EU VOU ACABAR COM VOCÊS AQUI E AGOOOORA! – Ela apontou o canhão para as duas irmãs. E então, uma enorme esfera de energia se formou, sendo carregada.

— Pergunta: O que é aquilo?

— Eu não sei! O poder é enorme! É totalmente diferente das outras! – Chloe podia sentir o reiki de Iris entrando em ebulição com o gigantesco poder de sua magia.

— É o fim da linha para vooocês! Plasma Cannooon!

A enorme esfera de plasma, três vezes maior que as normais, foi disparada em direção às filhas de Atena. Uma explosão enorme engoliu as árvores da floresta ao redor delas.

Foi uma explosão tão grande e de largo alcance, que ela foi vista pelos dois grupos – o de Damon e o de Meade.

— O que foi isso!?! – Perguntou Elaine, assustada, com o clarão visto.

— Veio de onde Chloe e Julie estão. Vamos até lá!

— Sim! – Os cinco então, ao comando de Meade pegaram Brandt e Leon, desacordados, e foram às pressas até onde Julie e Chloe estavam lutando contra Iris.

— Que explosão...!

Lilith estava de olhos arregalados, nos Corcéis do Tempo. A visão da explosão foi repentinamente encoberta por um minotauro que a atacou e ela se esquivou rapidamente, no reflexo. Daisy e Grey também lutavam contra mais minotauros que apareceram ali, invocados por Teseu.

— Quem diria que as coisas começariam assim! – Grey disse enquanto socava com força um dos minotauros – E não é só isso...!

Grey olhou para Damon e Teseu, frente a frente, se encarando. O ódio no olhar dos dois era extremamente visível. Mas Damon parecia preocupado com outra coisa...

— Vocês realmente trouxeram incômodo para a Ilha das Irmãs. – Disse Teseu olhando para a enorme bola de fogo formada pela explosão de instantes atrás.

“Isso não é bom... O que será que está acontecendo lá?”, Damon se questionou.

Além do problema de estar enfrentando um semideus e herói renomado na Grécia, ele ainda estava preocupado com seus amigos que estavam enfrentando os Imperadores da Escuridão. 

“Não posso demorar aqui”, complementou. Ele então respirou fundo, se concentrando.

— Preste atenção na luta.

Damon atacou Teseu rapidamente. Então, lançou uma sequência veloz de golpes com a Ryūken. Um corte, porém, se abriu em seu rosto. A armadura do semideus era um problema para Damon na luta.

— Isso é tudo!?! – Teseu pulou e lançou uma chama azul com sua lança, na direção de Damon. Ele rolou para o lado e brandiu sua espada na sequência.

— Onda de Choque!

Teseu foi jogado para trás com força. Ele caiu de costas no chão e sua armadura dourada teve uma leve rachadura no peito. Teseu rangeu seus dentes. Damon se aproximou dele e apontou a Ryūken.

 — Não fique se achando, herói falido.

— De novo me chamando de herói falido... – Murmurou para si mesmo – EU VOU TE ENSINAR A TER BONS MODOS, PIRRALHO!

Teseu balançou sua lança e invocou mais dois minotauros. Eles foram para cima de Damon no momento que saíram dos portais ao chão. Na mesma hora, Daisy e Lilith perceberam, mas não tinham tempo de ir até lá. Elas estavam cercadas por outros minotauros.

— Damon!

— Irmão! – Gritaram em coro.

Damon apenas suspirou. Com um simples e único ataque, ele cortou os dois minotauros ao meio! Teseu ficou assustado. O olhar de Damon era assustador e o semideus deu um passo para trás, acuando-se.

— O que foi, herói falido? Vai continuar falando merda em meus ouvidos?! – Teseu hesitou, era amedrontador. Damon deu um sorriso estranho.

Lilith observou Damon, vendo e sentindo sua mudança de forma de agir. Daisy, que era muito mais sensitiva a isso, notou na hora também. Sua expressão era de preocupação com seu irmão.

— Por que? Por que não consigo...?! – Teseu mal conseguia falar.

— Muito bem. É hora de acabar com isso.

Damon preparou sua espada, com um sorriso insano e assustador no rosto. Então, Lilith e Daisy arregalaram os seus olhos ao notar que o olho esquerdo de Damon estava começando a ser tingido pela cor vermelha...

 

***

 

Voltando ao lugar da explosão de Iris, a fumaça ia sumindo. De pouco em pouco, a devastação estava ficando mais visível. Iris estava em cima de uma árvore que seguiu de pé, um pouco machucada pela sua própria explosão. Foi tão rápido e repentino que ela nem teve tempo de tomar as devidas precauções para não ser pega no ataque poderoso de seu canhão.

— Isso me feriu um pouco, mas não é nada demais. Eu venci... só isso impooorta... – Iris levantou a cabeça e olhou para o céu azul, sem nuvens – O céu está lindo hoooje...  

Porém, algo tenebroso a fez arregalar totalmente seus olhos.

De repente, em um piscar de olhos, o céu ficou escuro, como se fosse uma doença que se alastrava rapidamente. Estrelas, planetas, galáxias, nebulosas...

De repente tudo surgiu no céu. Iris olhou para frente e viu o que parecia ser uma dimensão alternativa. Tudo estava cercado pelo... Cosmos! Mas os únicos que podiam alcançar o cosmos eram os Deuses do Olimpo e os Deuses Primordiais, pensou ela. O que estava acontecendo ali? Onde ela estava?

 Ao observar melhor à sua frente, ela viu duas pessoas, unidas, de mãos dadas e olhos fechados. Ela apertou seus olhos para melhorar sua visão e logo percebeu. Eram elas... as filhas de Atena. Julie e Chloe estavam vivas! E estavam fazendo algo...

“Mas como?!”, Iris se questionou, incrédula. Ela então, começou a escutar as duas falarem, como uma prece para Deus.

(As frases a seguir foram mantidas em inglês para uma melhor expressão e também para dar um clima melhor e mais ‘épico’ ao momento. Entre parênteses ao lado, sua tradução)

By the starlight, i will guide me... (À luz das estrelas, eu vou me guiar...)

— O que elas estão falando?! – Iris não entendia nada.

Nos Corcéis do Tempo e onde Damon e os outros estavam... Todos presenciavam o cosmos diante de seus próprios olhos!

— O que... é isso?! – Perguntou Lilith, abalada.

— Várias estrelas... onde estamos?! – Daisy brilhava seus olhos com a linda e assustadora visão. Damon olhava para cima, com uma expressão séria agora.

“Sorte que isso apareceu. Eu já estava, de novo...”

Damon sabia que estava novamente perdendo seu controle de forma estranha. Ele rangeu seus dentes e se acalmou ao olhar o céu cheio de estrelas. Seu olho esquerdo estava azul, normal. Lilith percebeu e ficou mais calma. Mesmo assim, era algo a tomar cautela.

— O que...?! – Elaine estava impressionada, ela estava indo até Chloe e Julie com Meade, Silver e Arthur, mas ambos pararam após o aparecimento repentino do cosmos.

— Isso é... 

— Projeção de realidade? Não... Isso é real! – Disse Meade, completando o murmúrio de Silver.

Julie e Chloe fizeram o Cosmos aparecer diante de todos. Era um poder imenso. O reiki de ambas as duas, nesse exato momento, estava ultrapassando o nível Gama e Ômega!

The light of truth. In life and death... (A luz da verdade. Na vida e na morte...) – As duas seguiram sua prece. Iris começou a se irritar.

— Suas... malditaaas! – Ela girou a chave no canhão de novo. Uma nova esfera de plasma começou a se formar – VOCÊS VÃO MORRER AGORA!

Ela atirou. Porém, a esfera foi absorvida pelas duas de forma inexplicável! Iris ficou boquiaberta e com os olhos mais arregalados ainda, seguidos de um grito:

— O QUE!?!

Forever here i will be on my own way. Take the light to your soul, and oblitere all the shadows... (Para sempre, eu estarei em meu próprio caminho. Leve a luz à sua alma,e oblitere todas as sombras...)

— POR QUE NÃO MORREM DE UMA VEEEZ?! – Iris novamente atirou, mas não adiantava. Novamente a esfera foi absorvida, como se ali tivesse um campo invisível de proteção – Não é possível...!

The darkness don't afraid me. And the light still will save me. And then i cry, she will be born and destroy everything! (A escuridão não me assusta. E a luz ainda me salvará. E então eu clamo, e ela nascerá e destruirá tudo!)

 Julie e Chloe abriram os olhos simultaneamente como duas deusas. Uma enorme onda de energia fez Iris ficar de joelhos! Era reiki puro!

A garota de cabelo creme claro e olhos de cor azul-céu só pôde ficar de joelhos, como uma serva das duas irmãs. Ela não reagia mais. Sabia que nada poderia fazer.

— Acabou, Iris! – As filhas de Atena bradaram em coro, chegando ao ápice de sua magia final!

“Por que?! Essas duas...”, Iris pensou, totalmente chocada.

Arte Secreta dos Deuses...

“Tão...” 

SUPERNOVA! 

“...perfeitas...” 

 Iris deu um leve sorriso. E tudo que estava ali, ficou branco, foi engolido...

E desapareceu...

 

***

 

A visão que Iris teve foi a mesma que todos ali tiveram. A luta contra Teseu seguia nos corcéis. Meade, Silver, Arthur e Elaine junto com Brandt e Leon – desacordados – chegaram ao local da batalha entre Julie e Chloe contra Iris, alguns minutos depois que o cosmos se desfez no céu.

Tudo estava completamente devastado. A paisagem havia sido alterada drasticamente, graças a enorme explosão que Iris, Chloe e Julie causaram. Eles chegaram e começaram a procurar pelas três rapidamente.

— Onde elas estão!?! Chloe! Julie! – Elaine chamou pelas duas que não responderam.

— Que batalha insana foi essa? Foi pior que a do Brandt...! – Silver expressou-se, de olhos arregalados.

— É certo que estamos lidando com os Imperadores da Escuridão. Mas isso que aconteceu agora... O que foi aquilo? – Meade se lembrou de minutos atrás, quando viu o cosmos e sentiu o monstruoso reiki de Chloe e Julie.

— Pessoal! Achei!

Elaine acenou com o braço esticado. Julie e Chloe estavam dormindo sentadas, encostadas em uma árvore que havia sobrevivido à incrível e insana batalha, encostadas uma na outra. As duas não estavam muito feridas, mas estavam totalmente exaustas.

O reiki das irmãs estava muito fraco. Foi então, que Meade abriu seus olhos e percebeu, obtendo uma resposta surpreendente.

— Não me diga que o que aconteceu agora pouco foi obra dessas duas...

— Parece que elas estão bem. Só precisam descansar. – Elaine disse, analisando as irmãs em seu sono.

— Olhem só... – Silver pegou Iris pelo ombro – Essa aqui está acabada. – Já Iris estava bastante ferida pela magia super-poderosa de Julie e Chloe.

— Vamos até os outros. Precisamos cuidar deles.

— Sim...

Arthur pegou Chloe e Elaine pegou Julie e as colocaram em suas costas. E então, raios alaranjados iluminaram o local. O sol começava a se pôr.

 

***

 

Nós Corcéis do Tempo. Damon e Teseu seguiam lutando. O herói e guardião dos corcéis estava tremendo. Damon matava todos os minotauros que ele invocava com extrema facilidade.

— Por que não vem pra cima? Vai ficar só invocando esses minotauros?

— Cale a boca! – Teseu então, levado por sua fúria incessante, invocou cinco minotauros de uma vez. Eles cercaram Damon rapidamente – Agora eu quero ver, filho de Zeus!

Damon apenas fechou os olhos, em dois sentidos. Um, para concentração. O outro, para um profundo lamento...

— Nunca aprende... – Murmurou para si mesmo. Ele então, abriu os olhos e, com um movimento rápido, cortou os cinco minotauros ao meio. Teseu já estava prestes a sair correndo, chorando para sua mãe. Mas ele era um herói. Não só isso, era um semideus também!

Ele não podia perder ali... podia. Damon destruiu sua armadura dourada e quebrou sua lança ao meio, rapidamente, sem dar ao menos a chance de Teseu conseguir ver. Ele apontou a Ryūken para o semideus, que já estava caído, sentado no chão, totalmente impotente.

— Espere! Espere! Eu me rendo! – Os minotauros em volta de Lilith, Grey e Daisy sumiram nesse momento – Eu deixo vocês passarem! Apenas me poupe!

Damon olhou para ele por um tempo, pensando no que fazer. As atitudes de Teseu foram infantis e eram imperdoáveis, mas não foi para isso que Damon e seus amigos foram até a Ilha da Criação.

— Bom... – Disse enquanto guardava a Espada do Dragão – É o que poderíamos esperar de um herói falido. – Porém, assim que Damon se virou, Teseu sorriu de orelha a orelha, mostrando seus dentes amarelos.

— VOCÊ SE SUPERESTIMA MUITO FÁCIL, PIRRALHO!

E mais uma vez – a terceira, não é? – Teseu tentou usar um truque sujo para abater Damon. Porém Daisy, rápida como a luz, parou Teseu com a Soraken. Ela fincou a espada na mão direita do semideus que tentava alcançar seu irmão, fazendo sangue jorrar ao chão.

— GAAAAAH! – Teseu se remoeu de dor. Daisy estava com uma expressão séria, tal qual a de seu irmão mais velho, ainda de costas.

— Meu irmão te deixou ir e mesmo assim você insiste em uma luta que você não pode vencer, com truques sujos e golpes baixos... realmente é um herói falido. – Disse a garota de olhos azuis, sem compaixão alguma. Parecia até ele.

— O que?! Por que uma pirralha como voc-?!

Antes de terminar a frase, Daisy saiu da frente de Teseu, retirando a sua lâmina dourada da mão do herói, que ficou inoperante. Ele só conseguiu ver Damon, que ergue e brandiu a Ryūken de cima para baixo, com um olhar cortante.

— Onda de Choque!

A rajada de vento fortíssima fez Teseu ser jogado dos Corcéis do Tempo sem dó. Ele caiu e caiu até o enorme oceano em baixo dos corcéis, gritando e suplicando pela sua vida medíocre naquele momento. Damon finalmente guardou a Ryūken. O herói falido já devia ter dado o seu mergulho.

— Não precisava disso, Daisy. – Damon disse, olhando para sua pequena irmã.

— Meu corpo se moveu sozinho. – E ela deu um sorriso, guardando sua Lâmina do Céu em sua dimensão, a fazendo desaparecer novamente.

— Então... – Damon e Daisy olharam para a esquerda. Grey e Lilith vieram andando até os dois – O que faremos agora?

— Devemos voltar e ver como os outros estão? 

— Hm... – Damon olhou para o horizonte. O sol estava se pondo – Isso é uma questão complicada... 

— Mesmo que escureça, eu posso guiar eles. Talvez eu deva voltar.

Lilith tinha, afinal, a visão super-aguçada na escuridão. O pôr do sol já estava sendo visto pelos raios alaranjados e o céu cor de rosa que estava se fazendo no fim daquela tarde complicada. Talvez a mais cansativa e difícil da vida de todos eles. Mas só iria piorar daqui para frente, e todos sabiam bem disso.

Esse era só o aperitivo para o prato principal.

— Não se preocupem. Eles estão se aproximando daqui. – Daisy disse, sentindo o reiki dos outros companheiros que vinham até os Corcéis do Tempo.

— Ufa! Então, vamos esperar aqui! – Damon suspirou, olhando para cima.

Um pouco depois, todos chegaram até onde Damon, Lilith, Grey e Daisy estavam.

Já estava quase de noite agora, o céu escurecia mais e mais. E então, o outro grupo chegou com sucesso com Brandt, Leon, Iris, Julie e Chloe, ambos desacordados.

— Conseguimos... – Falou Meade, aliviado, ofegante, totalmente preguiçoso.

— O que houve com eles!?!

— Não se preocupem. Elaine fez Brandt dormir, Julie e Chloe estão pouco feridas, mas estão bastante exaustas. 

— O reiki das duas está em um nível baixíssimo.

— Então foram elas duas que fizeram aquilo... – Damon se referiu ao ataque que o fez ver o cosmos no céu – E esses dois?

Damon olhou para Leon e Iris, dois dos Imperadores da Escuridão. Eles estavam bastante feridos. Leon estava mais, dada a derrota e quase morte sofrida por Brandt.

— Ele está em pior condição. Se não fizermos algo... – Todos assentiram quietos. Grey então se aproximou.

— Deixe-me tentar algo!

Ele se ajoelhou e estendeu sua mão sobre o peito de Leon. Grey fechou os olhos e reuniu suas forças. Uma luz cintilante e forte, de cor amarela, começou a se concentrar em volta dele e depois em sua mão.

Seu reiki estava intenso e brilhante como sol.

— Se afastem um pouco pessoal. Ele vai usar aquilo. – Elaine alertou, com um sorriso.

— “Aquilo”?

— Luz da Cura!

E então, uma luz amarela pairou sobre Leon e Iris. Todos olharam impressionados com a nova magia de Grey, a qual Elaine se referiu mais cedo à Meade.

E então, as enormes e profundas feridas de Leon e as feridas mais trabalhosas de Iris começaram a ser curadas!

— Quando você aprendeu isso?!

— Foi bem antes dessa missão, hehe! – Grey prosseguiu por mais um tempo, enquanto todas as feridas de Leon e Iris cicatrizavam de forma quase que mágica. E o restante dos Dez Apóstolos observaram atentamente – Vamos aproveitar o momento...

Após falar isso, Grey aproveitou e também curou as pequenas feridas de Brandt, Chloe e Julie, que também ficaram machucados pelas batalhas anteriores. Terminada a situação, ambos seguiram desacordados mesmo após serem curados.

— Eles não vão acordar agora, mas estão a salvo. – Após falar isso, Brandt abriu levemente seus olhos e se levantou, ele foi o primeiro.

— Yo, Brandt. – Meade disse, acenando com sua mão esquerda, com um sorriso amargo. O filho de Ares fitou o escuro local, olhando para os lados. Ele se sentiu estranho, pois não estava ali antes.

— Onde estamos?

— Estamos nos Corcéis do Tempo. – Respondeu Damon. Brandt olhou para o lado e viu Leon caído, já totalmente curado, porém ainda desacordado. Ele relembrou vagamente das cenas e do momento em que perdeu toda sua sanidade, quase o matando.

— Eu perdi de novo o controle... – Ele bufou consigo mesmo.

— Ei, falando nisso, como assim “perdeu o controle”? – Damon perguntou, curioso. E isso atraiu a atenção de todos ali, inclusive de Daisy e Lilith.

— Foi estranho. Era como se alguém me possuísse, ou algo assim. – As palavras de Brandt deixaram Damon e Lilith gelados. Mas o que ele disse depois, congelou completamente suas espinhas – Uma voz...

Os dois arregalaram os olhos, mesmo que essa frase tenha sido dita de forma vaga. Elaine também ficou intrigada, pois tinha passado repentinamente por uma situação parecida; a de escutar uma voz estranha falando com ela.

— Uma voz?! – E Lilith foi quem perguntou, atônita.

— Por aí... não sei bem o que era.

— O que ela dizia?

— Hm... – Brandt tentou resgatar do fundo de sua memória, mas... – Realmente eu não me lembro.

— Ah... – A filha de Hades suspirou. Mesmo assim, era muito estranho. Não só Damon e Lilith, até Elaine, mas Brandt também. Com certeza não era alguma coisa normal, era algo sério.

— Não ligue para isso. – Meade estendeu a mão, ainda sorrindo. Brandt a segurou e levantou completamente do chão. Ele então, prosseguiu – E o que faremos com esses dois?

— Que tal jogarmos eles no mar? – Daisy, sim, Daisy falou isso, fazendo todos congelarem olhando para ela – Oi?

— M-Melhor deixarmos eles escondidos aqui nos corcéis, irmãzinha... – Seu irmão falou, com uma expressão amedrontada. Daisy apenas piscou.

Os Dez Apóstolos + Daisy então foram até mais próximo da Ilha da Criação. Eles deixaram Leon e Iris, dormindo, em uma das portas dos Corcéis do Tempo, onde ninguém poderia encontra-los, graças a escuridão do local com a chegada da noite.

Os onze seguiram em frente. A lua apareceu mais brilhante que nunca na pálida noite de outono. E, após atravessarem a gigantesca corrente que ligava as duas partes da ilha, eles finalmente pisaram na verdadeira Ilha da Criação. Julie e Chloe seguiam dormindo. Julie estava nas costas de Brandt enquanto Chloe dormia nas costas de Arthur...

— Então, chegamos... – Disse Lilith, tomando a frente dos dez, ativando sua impecável visão noturna. Seus olhos vermelho-rubi brilharam intensamente, em contraste com seu corpo, envolto pelas sombras.

— Daqui para frente, é onde tudo começa de verdade. Nossa missão é ir até o mais próximo dos Hecatônquiros e encontrar as Plêiades. Elas irão revelar a passagem para as Irmãs do Destino.

— Os Hecatônquiros!?! – Elaine perguntou.

— Sim, foi o que minha irmã Atena falou. É o único caminho, até porque os Hecatônquiros bloqueiam a passagem para as Plêiades por tomarem quase parte da ilha inteira nessa área. Ou seja, precisaremos passar pelos dois. – Damon disse, com um tom sério, fazendo todos terem um calafrio na espinha, exceto por Arthur e Brandt.

— Mas não é lá que...?

— Sim. O lugar onde apenas quatro dos inúmeros deuses colocaram os pés em toda a história. O lugar de domínio... das Fúrias.

Damon olhou para todos, que engoliram seco e suavam nervosos. A missão mais improvável e impossível. Essa era essa nova missão que ambos os dez, mais Daisy, recebiam após apenas quatro duras missões. Como dito, aquelas batalhas anteriores foram só o aperitivo mesmo.

Agora começava o banquete real...


[O fim das estrelas marca a vitória!! Leon e Iris derrotados!!]

[Após a surpreendente Arte Secreta dos Deuses de Julie e Chloe, os Dez Apóstolos agora tem caminho aberto para a verdadeira Ilha da Criação!!]


Continua no capítulo 40: "O Caminho para as Irmãs"

Por Sora | 07/02/18 às 16:07 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen