CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
61º Mito - Virada de Jogo

Epopeia do Fim (EDF)

61º Mito - Virada de Jogo

Autor: Sora | QC: Amnésia

Arte Secreta dos Deuses: Portal das Almas!!! – Gritou Lilith, à plenos pulmões.

Assim que ela esbravejou, duas mãos enormes e esqueléticas apareceram como se fosse por um leve vortex no ar e forçaram uma abertura para os lados. Então um portal tridimensional se abriu, como se rasgasse o tempo-espaço! Do portal, duas outras mãos gigantes e quase que invisíveis saíram e foram de encontro com os gigantes.

Elas forçaram, agarraram na cabeça dos gigantes e começaram a puxar suas almas para dentro do portal!

— O QUÊ?! – As Fúrias ficaram incrédulas com o que acontecia. Junto do portal, das mãos e de outras pequenas almas que também saíam em conjunto e ajudavam a roubar a alma dos Hecatônquiros, um vento incrivelmente forte começou a arrastar todos que estavam ali para trás.

— Agora! Vão! – Mais almas saíam. Eram pequenas almas, como aquelas almas perdidas que vagavam pelo Rio das Almas em direção ao Submundo,

— Lili... isso é... – Daisy murmurou, assustada com o que via.

“Eu sei disso...! Eu nunca, jamais cogitaria usar uma magia tão suja e pesada...!”, Lilith lutava não só contra os gigantes, mas também contra si mesma. “Eu odeio a origem dessa magia! Eu odeio, tenho nojo dessa magia! Por mim eu nunca usaria! Mas... se for para proteger meus amigos...”

— ENTÃO VOU USAR SEM TEMER MAIS NADA!!!!

As mãos e as almas agarraram as três faces dos Hecatônquiros com suas garras e começaram a puxar a alma deles para dentro do Portal das Almas. De fato, uma magia assustadora, com as raízes do Submundo enfatizadas nela. O sangue de Hades e sua simbologia. Mesmo que fosse algo de seu pai, Lilith detestava isso. Era uma magia pesada demais para seus ombros...

— Irei dar uma mãozinha...!

Meade derrubou o semblante de medo e terror de Daisy e dos que mais estavam assim e concentrou seu reiki todo em seus fios, os Fios da Redenção, Shōkito. Eles gradualmente começaram a brilhar e a se unir no ar, formando uma espiral.

— Cara... ele também...?! – Grey olhou abismado para cima, ao ver a enorme sombra redonda que os envolveu.

Arte Secreta dos Deuses: Girassol!

Os Fios da Redenção ficaram dourados e se uniram em uma grande espiral no ar. O reiki de Meade se reuniu todo em um único ponto e a espiral começou a girar de forma circular em uma velocidade frenética.

O reiki se tornou denso com a rápida velocidade, sendo fundido com o aço e retransmitido pelo canal central da forma física da Arma Divina de Meade, o que produziu luz e calor.

Em consequência, um laser enorme de cor dourada surgiu e foi disparado na direção dos Hecatônquiros que não puderam se defender por estarem batalhando contra as almas de Lilith. O gigantesco laser os atingiu em cheio com um poder grotesco.

— Quem diria que o Meade podia fazer isso...! – Silver observou, impressionado, agora de joelhos. O laser fez tudo ficar escuro abaixo deles, graças a forte produção de luz em um único ponto.

— Obrigada... Meade! – Isso ajudou Lilith, que concentrou mais reiki e acelerou o processo de extração das almas dos gigantes para o Portal das Almas.

— Esses pirralhos...! Impossível! – Gritou Megera, enquanto observava incrédula. Alecto e Tisífone foram juntas para atacar Lilith, que seguia com sua atenção para a extração das almas dos gigantes.

— Vocês não vão atrapalhar! – Grey veio na direção de Alecto com as Luvas do Sol, Taiyukuro – Punhos do Sol!

O soco explosivo do sol de Grey fez Alecto e Tisífone recuarem automaticamente e abortarem o ataque surpresa e fulminante. Grey parou olhando para elas e logo em seguida Chloe e Julie apareceram por trás dele, pulando.

— Luz da Morte. – Com o arco já carregado e um olhar seco e sem emoções, Julie soltou o tiro que foi na direção das duas com uma velocidade absurda.

A explosão foi forte e acertou elas em cheio, sem chances de uma reação mesmo que fosse no reflexo, graças a distração que Grey ganhou.

E também, Chloe que pulou e não atacou foi fundamental. Alecto e Tisífone se concentraram subconscientemente em cada uma, mas só Julie atacou as duas, o que causou o efeito surpresa e as deixou vulneráveis a Luz da Morte. Um plano perfeito, orquestrado pelas gêmeas da Deusa da Sabedoria.

As duas Fúrias saíram do meio da explosão de luz um pouco feridas.

— Vocês não vão atrapalhar a Lilith e nem o Meade! – Exclamou Chloe, sorrindo.

— Convicção: A derrota de vocês é garantida. – Julie também respondeu, segurando seu arco enquanto o vento chacoalhava seus longos cabelos.

— Hehe, todos estão animados, não é?! – Grey deu um sorriso confiante, indo à frente das duas e batendo seu punho na palma de sua mão esquerda.

— SAIAM DA FRENTE, PIRRALHOS! – Dessa vez, foi Megera quem apareceu e com um impulso foi na direção dos três com seus quatro tentáculos gigantes abertos.

— Pergunta: Ela é idiota?

— Parece que sim. – Chloe sorriu torta – Por isso...

— ESPERE, MEGERA! É UMA ARMAD-!

Antes que Alecto terminasse de gritar, a própria Fúria percebeu e arregalou os olhos, já sem poder mais parar. Brandt apareceu ao seu lado com um pulo e preparou o Machado do Holocausto, Enjōno, para o golpe. Ela mal teve tempo de olhar.

— Voe.

Brandt não usou magia, mas concentrou seu reiki explosivo na arma e, com um corte, arrancou dois tentáculos além de provocar um enorme corte em seu latíssimo do dorso esquerdo, fazendo sangue em grande quantidade jorrar ao chão.

E, com o forte impacto, a Fúria voou como um tiro do arco de Julie e caiu abrindo um enorme buraco no chão, fazendo Alecto e Tisífone arregalarem os olhos.

Enquanto isso, a extração das almas dos Hecatônquiros seguia em andamento, porém...

— Minha energia está acabando tão rápido...! Droga! Só mais um pouco...!

Lilith sofria para manter a Arte Secreta dos Deuses junto ao seu Genkai. Era uma quantidade de reiki absurda se esvaindo com muita velocidade, graças ao não costume de manusear sua arma no modo divino. E isso nem era o pior...

“Eu odeio isso!! Eu odeio ter que usar isso!! Droga!!”, ela ainda pensava sobre o quão pesado era usar uma magia tão suja.

— Sua idiota, não tente fazer as coisas sozinha!

E foi a voz dele que a fez abrir os olhos novamente. Damon e Daisy passaram ao lado de Lilith correndo, pularam e atacaram os Hecatônquiros em conjunto.

— Damon?! Daisy?!

— Use o poder ao limite e puxe as almas deles agora! – Lilith apenas olhou, olhos arregalados –Corte dos Mil Pássaros!

— Corte dos Dragões Gêmeos!

As magias de Damon e Daisy atingiram o rosto dos Hecatônquiros ao mesmo tempo e fizeram eles tombarem para trás. Os dois voltaram com suas armas em mãos e pararam à frente de Lilith, que se manteve de pé.

— Eu sei que você está relutante sobre essa magia! Eu sei que ela é suja e pesada! Mas...! – Damon novamente pulou para atacar os Hecatônquiros – ESTAMOS DO SEU LADO! VOCÊ CONSEGUE!

— ... – Ela só pôde escutar aquilo, boquiaberta, sem proferir uma única palavra em resposta.

— LIBERTE TODO SEU PODER! TRANSFORME ESSA MAGIA COM SEU CORAÇÃO! FAÇA ELA SER COMPLETAMENTE SUA E A LIMPE DE DENTRO PARA FORA!!!! – E então, ela deu seu último ataque no gigante colossal e disse pela última vez – AGORA, LILITH!

— Gh! HAAAAAAAAAAAAAAAAH!

A filha de Hades e Perséfone gritou com todas as suas forças, seus olhos ficaram ainda mais vermelhos. Ela foi ao limite de sua magia e, com um último empurrão, conseguiu finalizar o processo e extraiu completamente as almas dos Hecatônquiros para fora. Após isso, as almas enormes dos gigantes foram seladas no Portal das Almas que se fechou.

— Arf...! Arf...! – Após isso tudo, sua respiração ficou ofegante.

“Mudar a magia... de dentro para fora...”, ela pensava consigo mesma, dando um sorriso leve. “Fazer a magia se tornar minha... eu...”

Lilith caiu de joelhos, bastante ofegante. Como efeito direto, os Hecatônquiros enfim caíram e levaram toda a Prisão dos Condenados junto deles. A Kamashī voltou a forma selada, Jigokuma, e Lilith mal podia ficar de pé, assim como aconteceu com Silver.

“Será que eu posso fazer isso...? O Portal das Almas... minha magia...”

— Eu... consegui...! – Ela murmurou sorrindo com os olhos fechados...

— Não é possível...!

— Os Hecatônquiros foram...! – As Fúrias observavam incrédulas a iminente queda dos três gigantes de cem mãos e cinquenta cabeças. Tudo desmoronou para baixo. Damon pegou Lilith e a levou para um local seguro, onde todos também prosseguiram.

— Você está bem?

— Sim... obrigada... Damon... – Lilith deu um sorriso. Até para isso era difícil. Ela chegou ao limite do limite.

— Daisy, cuide dela.

— Está bem! Você foi incrível, Lili!

— Fui...? Que bom... que pude ajudar meus amigos... – Lilith fechou os olhos, cansada e Daisy sorriu em retorno.

Todos estavam reunidos ali. As três Fúrias – Alecto, Megera e Tisífone – ainda incrédulas com o ocorrido e agora feridas, estavam a frente deles.

— Muito bem... – Damon andou até a frente de todos segurando firme sua espada. Ele deu um sorriso para as Fúrias, encurraladas – Parece que o jogo virou, não é mesmo?!

— Grrr! Seu...!

— Vamos acabar com essa festa interminável!

As Fúrias, pela primeira vez em suas vidas, hesitaram. Mas, elas não aceitariam uma derrota assim. Mais do que tudo, iria ferir seu orgulho. De forma alguma isso podia acontecer. Sem tremer, sem temer. Sem medo. Elas não podiam sucumbir à essa humilhação...

— Não vamos perder... NÃO VAMOS DE JEITO NENHUM PERDER PARA PIRRALHOS COMO VOCÊS!

Eis que, por uma fração de segundos, todos baixaram a guarda com o ótimo momento. E, com um impulso monstruoso, Megera apareceu por trás de Lilith e Daisy... preparada para o ataque.

Todos se viraram, mas era tarde. Alecto e Tisífone sorriram e com o baque prepararam para atacar os demais desprotegidos. Daisy tentou sacar a Soraken, mas a Fúria já preparava o golpe nela e em Lilith.

— LILITH! DAISY! – Os gritos de Damon pareciam não alcançar ninguém ali. Eram gritos no vazio...

Megera abriu um sorriso grotesco e arregalou os olhos.

— MORRAM!

Ela preparou o tentáculo e atacou, sem tempo para ninguém ali reagir. Sangue jorrou no chão e no rosto das duas à frente da Fúria.

Todos paralisaram, até mesmo Alecto e Tisífone. E, quando notaram com mais clareza... não era o sangue de Lilith ou de Daisy que jorrou no chão. Era o sangue... da própria Megera.

— Ugh...! O... que...?! – Megera olhou para trás, seguida por todos ali, com os olhos trêmulos.

— Aaaah, não faça essa cara. Isso é apenas parte do plano.

A voz contrastou todos ali. Bluebell reconheceu ela de cara, assim como Damon e o restante dos doze. Ela arregalou os olhos ao ver o cabelo vermelho escuro e radiante em duas fases por trás de Megera, com sua mão direita entrando nas costas da Fúria, que a olhava tremendo os olhos.

Hazel dos Imperadores da Escuridão foi quem "apunhalou" Megera por trás com a própria mão. O sorriso dela era insano, a Fúria sentiu um frio percorrer sua espinha.

— Você...! – Megera murmurou, furiosa, mas sem poder fazer algo. Daisy e Lilith tremiam seus olhos, ainda vendo a cena, chocadas e sem reação, quando Damon e Grey pegaram as duas e recuaram.

— Ela...

— Hazel... – Bluebell completou o murmúrio de Elaine, com o olhar um pouco trêmulo, não pelo medo e sim pela surpresa.

— Yo, Bluebell. Vejo que se aliou a esses degenerados! – Disse Hazel, sorrindo. Bluebell apenas cerrou o olhar.

— Sua... maldita! O que, pensa que... está fazendo?! – Disse Megera, com dificuldades.

— Mas, antes de falarmos mais um pouquinho...

Hazel aprofundou sua mão direita nas costas de Megera e pegou em algo. A Fúria arregalou os olhos e pensou mentalmente: Impossível...

Hazel segurou firme e puxou com força para fora. O que ela arrancou expeliu mais sangue ainda no chão e também em cima dela. Todos ficaram assustados ao ver que a garota arrancou o coração de Megera para fora de seu corpo.

A Fúria caiu já sem vida no chão. O coração dela ainda pulsava na mão direita de Hazel, que olhou para ele com um olhar cortante enquanto lambia parte do sangue da Fúria que jorrou em seu rosto.

— MEGERA! – Alecto gritou.

“Que merda foi essa agora?!”, Damon estava chocado, assim como todos os outros, com exceção de Arthur para variar. Até mesmo Julie e Brandt esboçaram uma reação.

— Que maravilha, não? – Hazel, com um aperto forte, rompeu e destruiu o músculo cardíaco da Fúria. Todos ficaram assustados.

— SUA FILHA DA-! – Alecto pensou em avançar, mas um chicote atacou e fez ela e Tisífone recuarem.

— Sabe que odeio quando sou interrompida, não é?

“Hã?! Como assim?!”

Agora, um novo motivo para arregalar os olhos e ficar boquiaberto. Eles nem viram o chicote de Hazel se estender, passar por eles, atacar as Fúrias e retornar a ela! Mas, o mais impressionante nem era isso.

— Ela matou uma das Fúrias, sem nenhuma dificuldade...! – Lilith murmurou assustada. Hazel a salvou, isso é fato. Mas, mesmo assim era assustador...

— Quem será a próxima, eu me pergunto. – Hazel prosseguiu – Seria muito chato eu acabar com as três sozinha. Então vou deixar vocês duas com eles.

— Hazel!

Ela se virou para Bluebell, que a gritou, e as duas trocaram olhares. Ambas nunca se deram bem, e não seria agora que isso iria mudar. Na verdade, se fosse acontecer algo, agora só iria piorar...

— O que você pretende com isso?! – Ela perguntou, demonstrando nervosismo e hesitação pela primeira vez. Hazel apenas deu de ombros e riu sarcasticamente.

— Só pra deixar claro, você não é mais uma de nós. Não te devo explicações.

— Você sabe da verdade! Então por que continua assim?!

— Ah, quer dizer que a senhora certinha resolveu seguir seus princípios fofos? Me poupe, Bluebell!

— Do que elas estão falando...?! – Elaine se perguntou.

— Não sei. Mas isso deve estar relacionado ao pedido que Bluebell quer fazer para nós.

— Hazel... – Bluebell continuou – Por que continuar assim? Por poder?!

— Haha! Não seja ridícula, Bluebell! Poder eu já tenho de sobra, não preciso de mais! – Hazel abriu mais seus olhos e foi possível ver com mais clareza...

Seus olhos, que originalmente são vermelhos radiantes, estavam com uma leve diferença. Agora, seu olho esquerdo estava com uma tonalidade mais escura.

— Hazel... você também...? – Bluebell murmurou para si mesma. Damon conseguiu escutar isso e cerrou os olhos.

“Eu sabia. É igual o Keith...”

Igual também ao que aconteceu com Brandt e Damon, foi o que ele chegou a cogitar após pensar naquilo. Essa mudança na cor dos olhos e no comportamento não era qualquer coisa, claramente tinha algo ali. Tem algo ali.

Essa não é a verdadeira Hazel.

— CALEM A BOCA! – Alecto gritou, furiosa, interrompendo todos que estavam ali.

A Fúria foi para cima de Hazel, passando por todos os Dez Apóstolos com uma velocidade explosiva absurda, mas não conseguiu golpear Hazel, que pulou em cima de uma pilastra quebrada e parou ali mesmo, olhando para baixo.

— Eu já disse que não gosto de ser interrompida. Devo matar você também, para aprender? – Com seus olhos heterocrômicos, a garota olhou sorrindo para Alecto que estalou a língua.

— Sua...! – Alecto fitou Megera, morta no chão e apertou seus punhos – Megera...!

— Ficarei observando daqui. – Hazel se sentou e balançou suas pernas ao ar na pilastra que dava visão panorâmica do local de batalha em ruínas após a queda dos Hecatônquiros – Tratem de terminar rápido.

— Acha que manda na gente?! – Damon olhou para Hazel, que agia como se eles fossem servos dela, que sorriu.

— Não, nada disso. Só que vocês não têm outra escolha, não é?

Alecto e Tisífone foram as Fúrias que restaram. Hazel matou Megera de forma grotesca, assustadora e impiedosa, o que assustou a todos ali...

Mas isso até que foi bom e pesa bem para o lado dos Dez Apóstolos. Alecto e Tisífone estariam abaladas e cometeriam erros que normalmente não iriam cometer em situações normais após essa intensa virada de jogo.

Damon até agradeceu por isso. Esse era o momento de decidir e pôr um fim nessa longa batalha, a mais longa até agora.

— Daisy, não saia de perto da Lilith. E você, não se atreva a sair daqui por nada, hein!

— Não se preocupe, não posso mais lutar agora. Deixo o resto com vocês então.

Era um milagre? Lilith respondeu o sarcasmo dele de forma normal. Eles ficaram se olhando. Damon depois, se tocou, e ficou corado, seguido pela própria Lilith. Ele então deu um leve sorriso e levantou.

— Obrigado. – Damon murmurou com um sorriso e preparou a Ryūken – Hora de acabar com isso! Julie!

— Resposta: Pode deixar. – Antes mesmo da convocação dele, Julie já tinha o Tenyumi carregado até o limite – Luz da Morte.

As flechas se dividiram em três e foram na direção de Tisífone que se preparou com Daimon, sua águia dourada que estava na forma de uma fênix dourada. Só que...

— Boom. – Fazendo um som de explosão com a boca, como uma criança, Julie estalou os dedos da mão direita e no meio do caminho, as flechas explodiram em uma forte luz branca e cegou a Fúria.

“Ela usou o reiki contido nas flechas para causar uma reação em cadeia e explodir antes de acertar o alvo... interessante”, pensou Hazel.

— Droga! – Quando Tisífone tentou abrir os olhos, Grey aproveitou e apareceu na sua frente.

— Punhos do Sol! – Ele acertou com felicidade na cara de Tisífone, que além de sofrer o impacto da porrada, sofreu com a leve explosão solar em seguida, o que deixou a mesma queimada no lado em que recebeu o golpe.

Tisífone voou rumo ao chão de cabeça para baixo em um encontro direto como um meteoro em colisão com a Terra após entrar em sua atmosfera. Ela não pôde ver nada...

A Fúria se chocou com força no chão, levantando poeira e fumaça e ainda abrindo um buraco de tamanho médio. Ela sentia a queimadura em sua pele, mas não podia fazer nada sobre ela. Grey parou de frente com a mesma após o golpe.

— Seu maldito...! Vou te fazer pagar!

— Ah, não vai ter como não, hein?

— ?!

Tisífone não entendeu, não notou e não ouviu. Apenas sentiu... sentiu Arthur atrás dela, com a Konrama preparada para o golpe. A Fúria ainda tentou olhar no reflexo, mas já era tarde até para uma reação rápida.

Como dito antes, com a morte precoce e absurda de Megera, as duas perderam a razão. E isso a faz cometer mais erros que o normal. E o erro dela, foi abaixar seus sentidos tomada pela fúria e não perceber a armadilha de Grey e Arthur.

— Acabou.

— Seus-!

Tisífone não pôde nem expressar um último xingamento ou lamento. Sem dó nem piedade, Arthur, com um golpe rápido e forte, decepou a Fúria, fazendo seu sangue negro jorrar pelo chão e também um pouco no garoto, que seguiu pleno após aniquilar a segunda Fúria.

— Oh...! – Hazel sorriu, impressionada.

A fênix, Daimon, seguiu viva e os atacou, Arthur apenas olhou para ela. Quando a fênix se aproximou, Brandt pulou na frente e com um golpe de seu Machado do Holocausto, Enjōno tirou suas asas, o que fez a fênix grunhir de dor.

— Dança das Camélias!

Meade foi rápido e após desativar o Girassol, ainda tinha um pouco de reiki restando para uma magia. As lanças formadas pelos Fios da Redenção, Shōkito não tomaram conhecimento da grande fênix. Elas perfuraram todo o seu corpo e a estraçalharam, a fênix então voltou a ser a pequena águia que era antes.

— Esses malditos...! Até a Tisífone?! – Alecto olhou, incrédula ao que acontecia perante seus olhos.

— Que tal olhar para trás?! – Damon pulou e atacou a última Fúria, que o parou com suas garras.

— EU VOU ACABAR COM TODOS VOCÊS!

— Não, você não vai!

Na sequência, Bluebell apareceu sorrateiramente ao lado esquerdo da Fúria e acertou seu martelo em Alecto que foi rápida para se livrar de Damon e defender. Ela foi um pouco para trás com o impulso do golpe mesmo com a defesa. A Fúria estalou a língua, furiosa.

— Está acabado, Alecto. Vocês perderam...

Todos se reuniram e ficaram em volta da Fúria, a única que restava, que olhou para todos os lados os observando. Megera e Tisífone morreram, Hazel sorria após os trair. Não, na verdade... foi Keith que as usou como meros peões em seu joguinho. Foi ele quem saiu por cima nessa história.

“Aquele maldito...! Isso era tudo armação dele desde o início!”, Alecto pensava furiosa, com os olhos arregalados.

— Foi como Keith disse, não foi? ‘Xeque’! – Hazel disse, com a peça do Rei que ele segurava antes, em sua mão – Para alcançar a vitória suprema, o ‘xeque-mate’, é normal ter que sacrificar alguns peões...

Keith era monstruoso. Ele, só com sua lábia e seus planos, conseguiu usar as Fúrias a seu próprio favor com total sucesso. E depois as descartou no fim de tudo. Simples assim, desse modo.

— Hahahahahahahaha! – A Fúria ria de seu desgosto próprio, fazendo todos olharem sem entender – MOIRAAAAAAAAAAAAS!!!!

O grito estremeceu pelos Hecatônquiros caídos e por toda a Ilha da Criação. Um grito de fúria, como sua própria denominação preza.

— QUEM VOCÊS PENSAM QUE SÃO, HEIN?! SÓ PORQUE CONSEGUEM CONTROLAR O DESTINO COMO QUEREM?! NÓS SOMOS AS FÚRIAS! DIVINDADES PRIMORDIAIS ASSIM COMO VOCÊS! EU VOU MATAR TODOS! TODOS, ESTÃO OUVINDO?!

Os doze, treze com Hazel, observaram a loucura e perda total de sanidade de Alecto boquiabertos. Eram palavras fortes que alcançavam até os céus, com certeza eles jamais haviam presenciado algo assim. Damon apenas observou sem dizer nada, com um semblante sério.

— A sua derrota não tem nada a ver com elas. – E após o curto silêncio, ele disparou, fazendo Alecto erguer uma sobrancelha e virar seu pescoço em sua direção.

— Hein?!

— Essa coisa de destino... não se iluda assim. – Ele deu cinco passos com sua espada, indo em direção à Fúria, com uma expressão e um ar totalmente sombrio – Eu vou esmagar essa merda até ela virar pó.

A convicção nas duras palavras de Damon fizeram até Láquesis e Átropos, que observavam juntas a batalha, terem um calafrio na espinha. Cloto apenas sorriu ao escutar as palavras do filho de Zeus, criando os fios.

— Vocês já tinham perdido quando me trouxeram para cá para se divertirem. Se você quer acreditar nessa coisa de ‘destino premeditado’, então aceite quieta. Porque esse foi seu destino. – Alecto ficou em silêncio por um momento, assim que Damon apontou sua espada para a testa da Fúria, muito próximo dela.

Ninguém piscava.

— Quem é você para falar, seu merda...?! CALA ESSA MERDA DESSA SUA BOCA! – Alecto foi tomada pela fúria, tirou a espada de sua testa e foi atacá-lo.

— Você não me ouviu? Vocês já perderam! – Ele desviou do primeiro golpe e moveu sua espada em sua direção.

Ela também desviou e após isso, os dois tomara uma nova distância e partiram para cima um do outro em altíssima velocidade.

E os dois decidiram com esse golpe. As garras negras e afiadas de Alecto e a Ryūken de Damon. O silêncio após o barulho extasiante dos golpes em sequência estremeceu e os dois ficaram de costas. Foi quando Damon se ergueu novamente e litros de sangue negro jorraram de Alecto, como se uma mangueira fosse rompida, que caiu no chão, derrotada...

— Até nunca mais, Fúrias. – Foram suas últimas palavras para elas...

A batalha havia terminado.


[No limite final, eles derrubam o maior dos obstáculos!!]

[Com o grande esforço de Lilith e a surpresa de Hazel, os Apóstolos encontram o caminho da vitória!! As Fúrias caíram aqui...]


Continua no 62º Mito - "Segundo Obstáculo"

Por Sora | 22/03/18 às 20:11 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen