CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
63º Mito - Os Novos Dotes da Irmã mais Nova

Epopeia do Fim (EDF)

63º Mito - Os Novos Dotes da Irmã mais Nova

Autor: Sora | QC: Amnésia

— Ela não fala nada... – Lilith murmurou, com olhos trêmulos pelo que presenciava, ainda sentada no chão.

— Foi o mesmo quando me enfrentou. Ela fica extremamente concentrada no que faz e isso é um dos pontos positivos que levam a Daisy a evoluir de forma grotesca... – Damon disse dando um sorriso torto, como se apenas visse um monstro em sua frente. E realmente, ele via.

Essa era a Daisy atual, que fazia até seu irmão ficar desse jeito e arrepiava quem a observava batalhar. Tudo isso para uma criança de apenas 11 anos de idade.

— Vamos ver se você consegue escapar disso então!! – Hazel se repôs de pé e começou a rodar o chicote para cima, em espiral, de forma rápida – Tornado Colossal!

Após rodar diversas vezes até fazer o chicote parecer simplesmente uma roda completa, Hazel o colidiu com o chão com toda sua força e formou um gigantesco tornado escuro que foi na direção de Daisy a fazendo tomar a defensiva pela primeira vez e recuar.

— Que tornado incrível! – Exclamou Lilith, assustada. Quase todos ali arregalaram os olhos e precisaram se concentrar para não serem engolidos por aquilo.

— Daisinha! – Gritou Elaine, nervosa, enquanto ficava de joelhos para aguentar a pressão do tornado, que parecia crescer mais.

— Defesa Absoluta!

Daisy finalmente abriu a boca para falar e conjurou a densa esfera dourada em volta de si. O tornado colidiu com ela e produziu ondas de choque e até mesmo trovões assustadores, iniciando a disputa entre a magia de Hazel e a dela.

— I-Inacreditável...! – Todos ali pareciam... não, todos estavam incrédulos com a incrível disputa. Mas...

— Muito fraca...! Desapareça!!

— Ugh! – A defesa aguentou o máximo que pôde, mas não foi suficiente para a magia de Hazel. Ela se quebrou lentamente e Daisy foi sugada pelo tornado consequentemente.

— Daisy!  

“Essa não!”, Damon também arregalou os olhos e ficou tenso com a situação inusitada. Hazel venceu a Defesa Absoluta, que nem ele mesmo conseguiu. O que aconteceria depois...?

— Damon, o que fazemos?! A Daisy vai...! – Lilith parou ao ver Damon ranger os dentes, se segurando enquanto cerrava os punhos – Ei!

— Hahahahahaahhahahaha! Coma terra, pirralha!

O tornado permaneceu por mais alguns segundos, até que Hazel estalou o dedo e ele se dissipou. Daisy saiu de lá quase que totalmente ferida, suas roupas estavam rasgadas, quase que a despindo. A garotinha tinha feridas por todo o corpo e mal conseguia abrir o olho direito, que estava com um corte no supercílio, fazendo o sangue descer pelo mesmo.

Seja lá o que tinha naquele tornado, era definitivamente terrível. Daisy se estapeou ao chão, toda ferida e todos arregalaram os olhos, mais ainda, assustados.

— Ah...! – Lilith e Elaine colocaram suas mãos em frente a boca, desesperadas, enquanto os outros ficaram totalmente sem reação.

— Droga!

— Esperem...!

— Hã?! – Daisy levantou a mão e parou o avanço de Damon e dos outros. Ela então, começou a se levantar lentamente e com dificuldades.

— Eu ainda... não acabei! – A garota de 11 anos apenas, voltou a ficar de pé mais uma vez. O supercílio dela seguia sangrando, assim como alguns cortes leves pelas pernas e braços.

— Ainda vai continuar?! – Hazel cerrou os olhos, sem sorrir.

— Ei... sabe por que... – Daisy começou a murmurar, enquanto se mantinha de pé – Nós não lutamos juntos contra vocês... apenas no um contra um?!

— Daisy...?!

— É porquê... – Hazel arregalou os olhos, quando viu Daisy sorrindo para ela – Seria fácil... demais...!

— Ah, é...? – Hazel agora, do ânimo, mudou para o desprezo, com um olhar trevoso e cortante – Então, não se arrependa depois. – A garota fez um movimento e os chicotes se multiplicaram, ficando em volta de Daisy, que olhou para eles.

— ?!

— Morra. – Um só movimento e os chicotes que formavam um círculo se atraíram e se entrelaçaram em Daisy, a amarrando e esmagando com a força imposta por Hazel.

— AAAAAAAAAAH!!!!!

— O que foi? Você não ia continuar, hein?  Não disse que seria fácil demais com todos juntos? – Hazel prensou mais ainda e Daisy sentiu seus ossos quebrarem de pouco em pouco. Ela foi começando a ficar sem ar também – Então me diga... está doendo?!

— Precisamos parar isso agora! Hazel realmente vai matá-la! – Bluebell gritou, virando-se para Damon, que mordeu seu lábio a ponto de faze-lo sangrar.

E então, Hazel desfez os chicotes que voltaram a ser um só, deixando Daisy à deriva no ar. Mas, enquanto ela ainda caía sem forças, Hazel tomou impulso e pegou no pescoço dela, a deixando ainda suspensa, com sua mão esquerda.

— GAH!

— DAISY!

Essa era Hazel, cruel e impiedosa, a tirania em pessoa. Ela estrangulava Daisy, a levantando do chão, deixando a garota ao ar, balançando suas pernas em desespero. Damon perdeu de vez a paciência ao ver essa cena e começou a ser tomado pela... ira.

— Não se mexam ou eu estrangulo ela. 

— Sua...! – Lilith sentiu a aura maligna emanando pelo corpo de Damon e arregalou seus olhos ao olhar para ele.

— Eu posso te deixar viva se você implorar, que tal? – Ela então, apertou mais o pescoço dela.

— Ir...mão...! – Daisy mal conseguia falar e nem abria os olhos.

“O que eu faço? O que eu faço?!” 

Me deixe tomar o controle. Eu posso salvar sua irmãzinha...

“Não. Fique aí, seja lá quem for!”

Você queria confirmar duas coisas com essa batalha. Você realmente é muito idiota. Ela é apenas uma criança

“Cala a boca...!”

Sua irmã vai acabar morrendo pela sua fraqueza e teimosia. Você realmente quer isso?

“CALA A BOCA!”

Lilith notou que Damon estava suando, tremendo de forma estranha. E seu olho esquerdo estava parcialmente tomado pela cor vermelha, enquanto ele ainda estava assim.

— Damon?! – Ela o chamou, mas ele não ouviu. Daisy abriu os olhos e ergueu a mão esquerda com dificuldade, enquanto Hazel ainda a suspendia no ar, com sua mão a estrangulando.

— Hm? O que foi?! – Ela perguntou com um sorriso irônico.

“Eu queria que isso fosse uma surpresa para meu irmão. Mas não posso mais guardar isso. Já sei o que vou fazer. Vou acabar com isso agora!” 

Um raio dourado, semelhante ao de Zeus se formou na mão de Daisy naquele exato momento.

— O que?! Isso é-! – Todos pararam e olharam para aquilo. Damon conseguiu se controlar, olhando para onde todos olhavam.

Raio Celestial!

— Ei, isso é o que eu estou pensando...? – Meade se perguntou, com os olhos arregalados e um sorriso torto.

— Como ela...?! – Já normal novamente, Damon murmurou, sem acreditar no que via.

Daisy jogou o raio no chão com toda sua força e ele explodiu com violência, produzindo um som estridente. Hazel foi rápida no seu raciocínio, soltou a garota no último instante e pulou para trás. Com isso, ela conseguiu evita rum dano maior, porém sua mão direita ficou ferida e a filha de Zeus caiu no chão.

— Sua pirralha...! Ainda quer lutar?!

Sem responder, Daisy se levantou, e pegou na Espada do Céu com as duas mãos. Ela então sorriu com aquilo, voltando a fazer todos ficarem atônitos.

— Você vai... – Damon murmurou novamente, olhando para sua irmã mais nova. Parecia até que... suas costas haviam crescido mais que a dele.

 

***

 

— Daisy lutando contra um dos Imperadores da Escuridão... – Murmurou Atena, de frente para a Piscina da Vidência, no Monte Olimpo – E ela está perdendo...

— O que mais me impressiona é o fato de eles conseguirem liberar a verdadeira forma de suas Armas Divinas. – Retrucou Zeus, com uma voz séria que fez Atena engolir seco, relembrando a mesma conversa de antes.

— Isso também foi inesperado. Silver e Lilith já liberaram as suas. 

— Mas eles ainda não conseguem controlar bem o poder... por isso ficaram exaustos. Mas fizeram um bom trabalho em derrotar as Fúrias.

Ele amenizou. Mas Atena sabia que estava furioso e queria saber quem tirou o selo que ele próprio impôs nas armas. Mas, logo ele disse algo que deixou Atena mais aliviada:

— Bom, não sei como romperam o selo. Mas está bem assim...

“Ufa”, Atena pensou mentalmente enquanto perdia a tensão grande em seus ombros. Entretanto, ela ficou duvidosa sobre tal afirmação de seu pai.

— Eu também não imaginava que minha irmã Ártemis falava sério em mandar Bluebell até lá... – Atena mudou rapidamente de assunto. E então, ela se lembrou de algumas horas atrás.

 

...........................

 

— Você quer mandar ela?!

— Sim, já decidimos isso, nós duas. – Ártemis respondeu sorrindo.

Bluebell e a deusa contaram tudo que precisavam contar, resumindo, tudo que a garota contou para a Deusa da Lua no panteão, para Atena e Zeus assim que chegaram ao Olimpo, com objetivo de que Ártemis requisitasse isso ao Rei dos Deuses que só observava atentamente em silêncio.

— Tem certeza? Ela... – Atena a olhou, hesitando. Com certeza ela lembrou do que houve à Elaine, própria filha de Ártemis que estava tão complacente e confiante com a mesma.

— Não se preocupe. – Respondeu Bluebell, olhando para a deusa – Sei que não posso pagar pelas coisas que fiz. Mas eu ficaria grata se pudesse ajudar ela...

— Ela? – Atena perguntou, como se não soubesse a resposta.

— Elaine. – Ártemis respondeu por Bluebell, a fazendo corar. A Deusa da Sabedoria observou em silêncio.

“Ela lutou com Elaine e perdeu. Mas, ainda assim, conseguiu tirar a visão de seu olho esquerdo.”

Atena lembrou de cuidar da ferida irreversível do olho esquerdo de Elaine logo após que os seis chegaram da Criméia, junto com Bluebell desacordada. Foi quando Lilith contou tudo com detalhes, Afrodite agradeceu por eles terem posto um fim nas Górgonas e deixou seus pêsames.

— Sim... – Bluebell respondeu, chamando Atena de volta para a realidade – Eu nunca tive amigos...

— ...

— Keith era o único, assim como todos nós. Mas algo o fez enlouquecer e fazer isso tudo. Eu quero salva-lo! Por favor! Eu lhe imploro...

Bluebell se curvou perante ao Pai dos Céus, que a observou com olhares cerrados. Normalmente, ninguém aceitaria esse tipo de pedido, mas Zeus achou mais interessante dar de ombros e deixar seguir...

— Está bem, vejo que o que você fala é verdade. Sua ajuda será muito bem-vinda. – Disse o Rei dos Deuses, com seu veredito final. Bluebell se levantou e deu um sorriso, nunca visto antes...

— Obrigada! 

Atena apenas olhou para Zeus, depois para Ártemis e depois para Bluebell, sem proferir uma palavra.

...........................

 

— Deu para ver que ela não é mais do mal. Precisamos julgar mais com cuidado as pessoas. – Após relembrar, a deusa sorriu e murmurou essas apalvras.

— Olhe só isso.

Zeus interrompeu os pensamentos de Atena e a mesma voltou a sua atenção para a Piscina da Vidência. A cena que era refletida mostrava Daisy com as duas mãos na Soraken.

— Ei, ei, não me diga que ela vai...

Atena arregalou os olhos, já esperando pelo movimento da filha mais nova de Zeus, que também observava aquela cena impressionante que estava prestes a acontecer com seus próprios olhos.

E então, a garotinha de apenas 11 anos, cabelo grande que caía até a cintura de cor escura, com parca tonalidade vinho, que tinha franjas que cobriam parcialmente seus olhos azuis-claros, gritou a plenos pulmões, fazendo todos terem um calafrio na espinha ao mesmo tempo...

GENKAI!

 

***

 

A mesma explosão que Lilith e Silver tiveram ao ativarem o Genkai, ocorreu igualmente com Daisy. A única diferença também era a da cor dessa luz que se alastrou. A de Lilith foi vermelha, a de Silver azul-claro. Já a de Daisy era puramente dourada.

Ao se dissipar lentamente a forte luz dourada, a Soraken de Daisy estava maior e de cor azul metálico brilhante, com duas asas brancas e de tamanho médio no apoio do cabo. Dela também saía pequenos raios azuis de energia.

A forma divina da Soraken foi revelada pela primeira vez...

— Essa é a verdadeira espada de Daisy... – Atena murmurou impressionada do Olimpo – A arma suprema divina, que ganhou a benção até mesmo dos anjos. A Espada Celestial, Tentaiken!

— A arma dela mudou. Mas não foi tão drástico como a daquele garoto e a da outra... – Hazel disse para si mesma – No máximo mudou de cor e criou asinhas bonitinhas. Ela é só uma criança, não vai-!

Daisy em um impulso magnífico que ninguém pôde acompanhar, apareceu nas costas de Hazel e apenas brandiu a sua lâmina, não só a interrompendo, como a fazendo arregalar seus olhos de surpresa total. Uma onda azul fortíssima pegou em suas costas e a fez sair voando, sem ao menos dar ter tempo de a garota.

“Mas o que?!”, Hazel perguntou enquanto dava cambalhotas no ar.

Daisy foi para cima dela novamente com um impulso grotesco que fazia as leis da física parecerem idiotas e deu um soco fortíssimo com o punho esquerdo no rosto de Hazel que caiu como um meteoro e afundou o chão, abrindo uma cratera gigante.

— ...

Apenas o silêncio. Era só isso que era escutado pelos outros que observavam essa batalha insana. Daisy quebrou as leis da física com esses últimos dois ataques incríveis. Ninguém ali, exceto Arthur e, por muito pouco, Chloe e Damon conseguiram ver. Foi como ela simplesmente sumisse e aparecesse atrás e na frente de Hazel em um milésimo de segundo, mais rápido que um piscar de olhos!

— Daisinha... – A primeira a conseguir falar algo foi Elaine, completamente abismada.

— I-Incrível!

Daisy parou no chão e Hazel se levantou, bastante ferida após os dois golpes supersônicos da garotinha. Ela mesmo não acreditava e seu sorriso havia desaparecido de sua face. As feridas de Daisy seguiam abertas, mas ainda assim, o poder incrível de seu Genkai parecia inibir as dores.

Era como se ela e espada estivessem, de alguma forma, totalmente conectadas.

— Parece que te subestimei bastante...! Agora você vai ver!!

Daisy apenas a observava, seus olhos azuis-claros, da cor do céu mais limpo da Grécia, brilhavam vividamente, como duas pérolas de diamante.

Hazel então pôs as mãos no chão com seu Chicote da Terra abaixo. Ela então, gritou:

MEGA TERREMOTO!

Um tremor inigualável abalou os Hecatônquiros demolidos. O chão começou a quebrar, subir e descer aleatoriamente e algumas partes do mesmo chão chegaram a começar a flutuar. Parecia um pouco até com a magia Gravidade Total de Bluebell. Porém, só o chão flutuava e não os demais que ali estavam.

— Isso é insano! – Exclamava Damon, enquanto pulava pelas plataformas flutuantes que chacoalhavam sucessivamente.

Foi quando uma sombra cobriu o local e se deleitou acima de todos os doze presentes. Eles paralisaram e olharam para cima, com olhares trêmulos... isso porque...

— O que... é isso!?!  

Em cima, um grande meteoro surgiu, adentrando na atmosfera do planeta e caindo violentamente na direção de ambos. Parecia enorme visto dali, mas, tinha tamanho considerável apenas para erradicar todos junto com os Hecatônquiros dali. Um mega-terremoto e um mega-meteoro, o qual fazia parte da magia de Hazel também. De fato, uma monstruosidade.

— A PORRA DE UM METEORO GIGANTE!?! – Damon perguntou, ou melhor, gritou sem acreditar no que olhava. Todos tremiam os olhos, mas deixaram isso de lado e se prepararam.

— Esse é o trunfo de Hazel, que nem eu fui capaz de ver! – Disse Bluebell, assustada – Essa é a primeira vez...!

— Um terremoto seguido de um meteoro?! O alvo dela são todos aqui!!

— Isso mesmo! Eu vou acabar com todos vocês de uma vez!! – Hazel respondeu as palavras de Silver, com um sorriso amargo.

— SE PREPAREM! – Damon deu outro grito para que todos deixassem de ficarem assustados e se preparassem. Arthur e Brandt já pensavam na mesma coisa, junto de Damon: destruir o meteoro com suas magias.

— Não vou deixar! – Daisy surpreendeu a todos, avançando, interrompendo Damon e os outros que começavam a unir reiki ao máximo para destruir o astro que caía.

— O QUE?! – Hazel não acreditou, ficando mais irritada ainda. Daisy pegou impulso flexionando suas pernas ao mesmo momento em que corria e executou um pulo estratosférico, quebrando novamente as leis da física como se fosse brincadeira de criança, e avançou em direção ao meteoro.

— Daisy?!

Daisy preparou a Espada Celestial, Tentaiken que começou a brilhar em um azul claro e límpido. Ela reuniu todo o seu reiki em um só ponto de sua Arma Divina liberada e preparou para o seu grande trunfo.

Arte Secreta dos Deuses!

— Daisy! Isso é muito...! – Damon indagou, sem poder completar a frase de elogio, enquanto sorria.

Afinal, sua pequena irmãzinha, sua razão de viver de quem ele tanto se orgulha, ultrapassou tudo e todos naquele exato instante, naquele exato momento...

BIG BANG!

Tudo ficou preto e branco e assim permaneceu por alguns segundos, um degradê espetacular que pintava o céu da Ilha da Criação. A magia mais forte de Daisy, fundida com a Arma Divina em modo divino, se chocou com a magia mais forte de Hazel.

Terremotos e ciclones se formaram apenas com a onda de choque desprovida da colisão do Big Bang com o gigantesco e monstruoso meteoro que cobria todo o céu.

E então tudo, como um piscar mágico de olhos, tudo ali desapareceu...


[O poder de Daisy explode mais uma vez!!]

[Em uma luta perigosa, a filha mais nova do Rei dos Deuses mostra suas cartas na manga e seu poder exuberante frente Hazel!!]


Continua no 64º Mito - "Desbotado: Parte 1"

Por Sora | 26/03/18 às 20:35 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen