CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
68º Mito - Zodíaco

Epopeia do Fim (EDF)

68º Mito - Zodíaco

Autor: Sora | QC: Amnésia

Então... – Murmurou Damon, com um sorriso amargo – Nos decidimos e vamos fazer o desafio agora.

Certeza? – Maia perguntou, olhando para ele. Ela tinha um ar mais sombrio e sério do que Electra e Taigete.

Todos concordaram. E Daisy já pode lutar normalmente.

Por falar nisso, que desafios são esses? – Meade questionou o que ninguém havia feito antes.

Ah.

As outras cinco se levantaram e foram até Electra, ao mesmo tempo. As sete então, sem nenhuma cerimônia especial, deram as mãos, reuniram seus reikis e as estenderam a mão direita para frente.

O que significa isso do nada...? – Lilith murmurou, com uma expressão engraçada.

De repente, um tremor começou e abalou o Stellarium. Foi quando doze grandes espécies de portais apareceram saindo do chão, lentamente.

Cada um portava um símbolo na parte superior. Damon e os outros ficaram impressionados, boquiabertos, de olhos arregalados. Os portais pararam e ficaram atrás das sete.

O que...?!

Eles são os Desafios do Zodíaco! – Electra abriu seus olhos e deu um sorriso...

Desafios do Zodíaco?! – Lilith perguntou, impressionada.

Sim! Vocês são doze, então o número bate perfeitamente! – Taigete respondeu com um sorriso.

Vocês vão entrar em um portal e completar um desafio aleatório. Só assim a passagem para as Irmãs será revelada.

Desafio aleatório. Resumindo, nem mesmo as Plêiades sabem o conteúdo dos desafios. Portanto, era um jogo de sorte para os doze.

Os desafios, como Electra disse, são aleatórios, ou seja, ninguém sabe sobre o que vão ser. Luta, jogo, e assim por diante, pode ser qualquer coisa.

Mas, uma coisa era certa. Os desafios tinham ligação com o Zodíaco. Resumindo, o momento de nascimento de ambos os doze, enquanto a Terra girasse em volta de uma das Constelações Zodiacais ali determinariam o desafio, não que isso fosse realmente importante.

Os famosos Signos.

E como vamos saber se passamos do desafio? – Damon fez a pergunta.

Vocês irão retornar aqui quando o desafio terminar. Mas só vocês vão saber se conseguiram ou não. – Electra respondeu novamente.

Apenas eles saberiam se iriam passar ou perder, ou seja: as Plêiades não podiam interferir.

Todos se entreolharam. Damon deu um sorriso.

Entendi. Então, vamos lá?

Sim! – Todos disseram, confiantes.

Estou pronta! – Daisy disse.

Ok, ok! – Taigete prosseguiu – Fiquem na frente de um portal de sua escolha!

E então, como a Silvânide pediu, cada um dos doze andaram e ficaram na frente de um portal.

Então uma luz apareceu e os envolveu de forma rápida e corriqueira. E, agora, a luz começou a se espalhar pela sala inteira, engolindo a todos.

O que é isso...?

Essa sensação...

Lilith, Brandt e Damon sentiram algo estranho quando a luz os envolveu. Não, até mesmo todos ali sentiram a mesma coisa. E Damon já tinha ideia do que era...

“Essa sensação... não me diga que-!”, antes que Damon pudesse completar seu pensamento, Electra deu um sorriso estranho de canto...

Que os Desafios comecem!! – Taigete levantou sua mão bradando a frase, e então, tudo ali sumiu...


***


Eles entraram! Os desafios começaram!

Templo dos Destinos, Câmara de Tecer. Ali estavam as três Irmãs do Destino como sempre, trabalhando e acompanhando a caminhada dos Dez Apóstolos.

Láquesis, aquela que fia os fios e determina o destino dos seres vivos do planeta, inclusive o dos deuses. Ela usa um vestido florido de cor rosa e tem um cabelo volumoso, cortado em ‘ondas’ para as laterais de cor ruiva.

Átropos, aquela que corta os fios e determina o fim da vida dos seres vivos do planeta. Ela usa um capuz negro que cobre seus olhos azuis. Seu cabelo é liso e caí até a cintura, também de cor ruiva.

Cloto, aquela que tece os fios e cria a vida e o destino dos seres vivos do planeta. Ela usa um quimono japonês florido de cor rosa, com uma faixa branca na cintura. Seu cabelo é curtinho, até o pescoço de cor ruiva.

Doze desafios. Doze pessoas. A probabilidade de ser bem-sucedido é de 60%. Levando em consideração que não sabemos sobre o que os desafios se passam. – Disse Átropos, enquanto cortava alguns fios.

Poderíamos saber se quiséssemos. Mas o inesperado é a melhor coisa! Por isso vamos observar como se fosse algo novo.

Você também, Cloto?

Não posso me preocupar com isso agora, estou dando um jeito nos fios aqui. Aconteceu algum problema... – Falou para si mesma – Ah, mas eu já posso ver o final.

Disse retomando a atenção para suas Irmãs enquanto dava um jeito nos Fios do Destino, entrelaçados e pendurados ao ar.

Aaaaaah, assim não tem graça!

Não se preocupe irmã. Eu, assim como vocês, ainda não sei o que vai acontecer. Decidimos que vamos acompanhar eles, sem alterar seus destinos, já que eles estão conseguindo vencer eles.

Sim. Deixamos o destino deles em suas próprias mãos. Não iremos interferir de agora em diante, é inútil. Mas isso deixaria as coisas mais divertidas!

Eu não sei o que vai acontecer, mas eu posso ter uma ideia. Uma ideia já sobreposta vagamente... E que com certeza se concretizará... – Disse Cloto, dando um sorriso amargo, já sabendo sobre o que as Plêiades buscavam com isso. E era...


***




INICIADO: OS DESAFIOS DO ZODÍACO.

A luz dos portais sugou os doze para dentro, como um portal de vórtice temporal, os transportando para um local desconhecido. O primeiro a abrir os olhos foi Damon, que se viu em um espaço totalmente branco, sem nada nem ninguém.

Parece que eu entrei no portal...

O garoto de cabelo escuro olhou para os dois lados, para cima, para baixo, para frente e para trás. Não havia exatamente ninguém e nem nada, além dele ali mesmo...

Ok, e agora? Cadê o tal do desafio? – De repente, Damon sentiu uma hostilidade vindo de seu lado e uma pessoa o atacou. Ele percebeu antes e conseguiu desviar – O que?!

Ele parou e olhou para o garoto que estava de costas, com uma pequena lâmina negra na mão esquerda. E, assim que ela se virou, Damon arregalou os olhos, já sabendo mais ou menos quem era essa pessoa...

Yo, camarada.

O garoto que estava ali tinha um cabelo bagunçado de pontas laterais cuneiformes, igual ao de Damon. Porém, a cor de seu cabelo era todo vermelho-sangue e a cor de seus olhos também...

Impossível...! – Damon ficou paralisado diante dessa sensação que se alastrava por seu corpo. Ele estava frente a frente com ele mesmo!

E o mesmo aconteceu com Lilith, em outro portal. Ela viu uma garota igual a ela, mas seu cabelo era solto e tinha uma cor de roxo-escuro, igual a cor de seus olhos, também roxos.

Impossível mesmo...!

No portal de Silver, a mesma coisa. A frente dele havia um garoto igual a ele, com cabelo espetado, porém com uma cor dourada. Seus olhos tinham uma cor verde-escuro.

O que significa isso...?!

E consequentemente, o mesmo aconteceu com os outros.

A garota que Elaine encontrou, igual a mesma, tinha o mesmo cabelo curto com dois giros atrás. Sua cor era lilás-claro e seu tapa-olho estava no olho contrário ao de Elaine, no direito. E a cor de seu olho esquerdo, amostra, era cinza.

Você... sou eu?!

O de Julie e Chloe tinham o mesmo cabelo, porém com as cores cinza e laranja, respectivamente para as duas. Ambas estavam em portais diferentes dessa vez, já que nas situações anteriores elas sempre estiveram juntas. Agora estão separadas...

... – A de Julie tinha olhos azul-claros. Elas se encaravam igualmente sem emoções em suas expressões, entretanto, Julie demonstrava um pouco de surpresa e dúvida.

Você... – Chloe murmurou para sua ‘outra eu’ em sua frente, que sorria com cabelo e olhos de cor laranja vibrante.

O garoto que era igual a Grey estava sorrindo à sua frente, com o mesmo cabelo espetado com cor verde-escuro e olhos de cor azul, a expressão do filho de Apolo era a mesma dos demais.

No portal onde Meade estava, a pessoa de frente para ele também tinha mesmo formato de cabelo, liso que caí com pontas inferiores. Sua cor era amarela, com cor dos olhos marrom-escuro.

Arthur, também estava de frente com seu outro ‘eu’. Esse tinha mesmo cabelo liso e volumoso com uma franja que cobre parcialmente os olhos. Diferente da cor dourada de Arthur, a cor do cabelo desse outro era castanho-escuro, com cor dos olhos lilás-claro.

A garota que era igual a Bluebell, tinha também mesmo cabelo grande com dois coques laterais. Ela tinha cor ciano, com cor dos olhos de mel, contrastando com a cor rosa vibrante da garota.

No portal de Brandt, também a mesma situação, com seu ‘outro eu’ idêntico a ele em sua frente. A cor de seu cabelo espetado nas laterais inferiores de trás era preto com olhos radiantes vermelhos, trazendo um ar sombriamente assustador.

E por fim...

Olá, Daisy. Finalmente nos encontramos...!

De frente para Daisy, que estava acuada, uma garota também totalmente igual a ela estava. Seu cabelo grande e volumoso com franjas que também cobriam parcialmente seus olhos de cor dourada, tinha cor branca, contrastando com a cor de vinho-escuro de Daisy...

Você é igual a mim...! – A garotinha murmurou, ainda sem saber o que fazer.

É mesmo. Não acreditei que seríamos tão idênticas assim. – O tom da garota na frente de Daisy era menos ‘infantil’. Porém, ela seguia sorrindo como uma criança.

Q-Quem é você...?!

Hmmm. Podemos dizer que eu, nesse momento, sou você. Mas, o certo a se dizer, é que sou sua personificação.

Minha... personificação?! – Daisy perguntou, ainda hesitante.

Isso mesmo, Daisy. Eu sou sua .

A personificação de Daisy, autointitulada a . Assim que ela disse isso, um símbolo se formou e brilho no dorso da mão dominante – direita – das duas. O brilho foi forte, de uma cor azul-claro e tomou quase que o corpo das mesmas.

Daisy e a garota autoproclamada ‘Fé’ da mesma, olharam para o formato e a luz que emanava do dorso da mão direita das duas. Elas tinham o símbolo do zodíaco de ‘Peixes’.

As Doze Constelações do Zodíaco. Esse é o desafio imposto pelas Plêiades... – Explicou Cloto, enquanto ainda mexia nos Fios do Destino.

Mas, e essas personificações? – Láquesis perguntou, sem entender.

Ira, Inveja, Gula, Luxuria, Ganância, Orgulho e Preguiça. – Cloto respondeu, mas Láquesis ainda não entendia.

Os Sete Pecados Capitais...?

Mas não é apenas isso. São doze ali, e não sete.

Então...

Sim, há mais cinco fora os Pecados Capitais. Melancolia, Harmonia, Arrogância, Dor e Fé. Essas são as personificações de cada um dos doze ali.

Cloto fez em sua mente uma imagem com cada um dos doze ali, encaixado em um quadrado com sua personificação em cima.

Damon era a Ira.

Silver a Inveja.

Elaine a Gula.

Lilith a Luxúria.

Grey a Ganância.

Arthur o Orgulho.

Meade a Preguiça.

Julie a Melancolia.

Chloe a Harmonia.

Brandt a Arrogância.

Bluebell a Dor.

Daisy a .

Lembra de quando Damon e até mesmo Brandt perderam o controle?

Não me diga que...

Sim. Esse era o motivo. – Cloto respondeu, dando um sorriso. Mas as coisas ainda não estavam muito claras, o que ainda fazia Láquesis e até Átropos terem dúvidas – Esse não é um desafio normal. As Plêiades simplesmente os fizeram pensar que era um portal dimensional sendo que agora é como se eles estivessem em seus próprios subconscientes...

Isso então... – Láquesis e Átropos já estavam totalmente perdidas nas palavras de Cloto.

Isso foi proposital, com certeza. Aquilo que estava dentro deles, e que eles não faziam ideia... agora terão suas respostas, por enquanto.

Por enquanto?!

Você pergunta demais, Láquesis... só posso dizer que, mesmo que consigam essa resposta, eles sairão dali com mais perguntas do que respostas, com certeza...

Então é isso que quis dizer quando disse que já tinha uma vaga ideia? – Átropos foi quem perguntou dessa vez.

Mais ou menos... agora o resto é com eles. Eles precisam vencer a si mesmos, para passarem esse desafio...

Retornando aos desafios...

[Desafio do Zodíaco de Escorpião]

A constelação de Escorpião, esse era o portal de Grey. Ele estava de frente com seu próprio ‘eu’, que na verdade, e já foi revelado por Cloto, era sua personificação. Grey olhou para todos os lados e só viu branco em tudo. Não tinha nada ali, além dele e essa cópia malfeita – segundo ele próprio – dele.

Os dois se encaravam, sérios, porém sua ‘cópia’ dava um leve sorriso.

E por que você é igual a mim...? – Grey perguntou, com um ar duvidoso.

Não sei. Eu que queria saber o motivo disso – Disse o ‘outro’ Grey, a sua personificação.

É mesmo? Que interessante... – Respondeu o ‘original’ dando um sorriso – Qual o seu nome?

Eu não tenho nome. – Grey franziu a testa com essa resposta – Mas, posso dizer que sou sua ‘ganância’.

Minha ganância...?!

Sim. Pode me chamar de Απληστία, fica mais fácil.

Απληστία (se pronuncia ‘Aplístia’), do grego, Ganância, sorria descontraído. E isso fez Grey tirar um sorriso de seu rosto também. Mesmo que não parecesse, os nomes Aplístia e Grey são bem parecidos, e isso os animava.

Desse momento em diante, apresentaremos os nomes na escrita grega, porém daremos seguimentos com eles na forma de pronunciamento para um maior entendimento sempre.

E então, o que será esse desafio?

Como sou chato com essas coisas, vamos fazer algo bem divertido. Afinal, faz tempo que não tenho essa chance.

“Tempo...?!”, Grey se perguntou, sem entender aquilo...

Vamos fazer um ‘jogo de captura’. – Aplístia levantou sua mão direita com a palma aberta para cima e uma luz apareceu no dorso dela e na de Grey.

Ele olhou e viu o símbolo da constelação de ‘Escorpião’ brilhando em azul-claro. Grey voltou a olhar para Aplístia, que seguia sorrindo. Foi quando tudo ficou branco novamente e Grey foi forçado a fechar seus olhos por um breve momento.

Quando ele abriu de novo, se viu em uma base em meio a uma montanha de neve, que lembra bastante o mapa Summit do game Call of Duty: Black Ops.

O local era cheio de instalações de aço e metal, parecendo estar bem à frente do tempo em que estavam. Grey arregalou os olhos quando se deparou com aquilo. Ele olhou para todos os lados e, quando olhou para trás, viu uma bandeira amarela brilhante, parecendo um holograma, fincada ao chão.

E então, informações preencheram sua mente em um milésimo de segundo.


CAPTURA DE BANDEIRA:

Regra #1 – Não é permitido sair da base montanhosa, para fugir ou para benefício próprio. Quem sair dessa delimitação, será considerado como ‘derrotado’ automaticamente.

Regra #2 – Os participantes não podem usar nenhum outro tipo de armas que não sejam as suas próprias.

Regra #3 – O uso de magia é limitado. As fontes de reconexão de magia ficarão espalhadas aleatoriamente por pequenas caixas ao redor da base.

Regra #4 – Luta corpo-a-corpo é permitida.

Regra #5 – O tempo limite desse desafio é de 20 minutos.

Regra #6 – Seguindo as últimas regras, o desafio se dá por encerrado quando a bandeira de uma base for levada em segurança até a outra base.


Que merda é essa, afinal...?! – Antes que Grey pudesse se perguntar, outra informação veio em sua mente com uma velocidade incrível.

A delimitação da área dessa base é de 300m². Caso saia dessa delimitação por algum motivo, seja proposital ou não, será desclassificado de forma automática.

Trezentos metros quadrados é bastante coisa, não?! – Grey olhou para a sua bandeira e pensou em alguma coisa – Bom, parece que esse desafio já começou, né? Interessante isso!

Ele deu um sorriso e analisou a sua base. Ele não podia deixar Aplístia tomar sua bandeira e tinha 20 minutos para tomar a dele e ainda retornar com ela a salvo. Um confronto até que divertido, levando em conta as últimas batalhas insanas que tiveram...

Então, Aplístia! Vamos nessa!

........................................


[O mistério revelado?! Começam os desafios!!]

[As Personificações são apresentadas e as respostas começam a chegar!! A primeira barreira a ser superada é no desafio de Escorpião com Grey e sua 'ganância'!!!]

Por Sora | 01/04/18 às 15:49 | Ação, Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Brasileira, Magia, Drama, Comédia, Shounen