CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 24 - O que você fez?

Fallen Angels (FA)

Capítulo 24 - O que você fez?

No Brasil, Alice preparava as tropas para o combate, em Gobi.

— Vamos, rápido, não temos muito tempo. — Alice deu as ordens, através do comunicador, enquanto seguia para o pátio das naves.

Pelo que disse, Urata pode ser pega, em questão de segundos. Não chegaremos a tempo — disse Rafael.

— Os generais devem usar as naves barkarians, chegaremos no máximo em vinte minutos, os demais seguem nas naves terráqueas.

Eu disse, segundos, Alice, essa missão não vai...

Rafael, faça o que Alice disse. Mesmo que não cheguemos à tempo de evitar a captura de Urata, tentaremos resgatá-la, a qualquer custo. — Bruno falou. — Agora vamos, rápido! — As equipes embarcaram nas naves e seguiram para Gobi.

No palácio de Tyran, uma grande movimentação de soldados fez o local parecer um campo de guerra. O Comandante Supremo seguia em direção à sua nave, na companhia de Zuron.

— Tem certeza que ela está na caverna?

— Absoluta.

— Urata desenvolveu habilidades de comandante, logo, ela pode voar e utilizar a energia cósmica, como arma. — Os dois subiram a rampa, que dava acesso à entrada da pequena nave.

— Não se preocupe, ela não vai fugir.

— E também não pode morrer. — Tyran encarou Zuron. — Perderíamos uma chance rara, de capturar Megara.

— Eu sei. — Zuron disse e apertou o passo.

 

— Não, esse plano não vai dar certo... — comentou um dos soldados da equipe de Urata, na caverna. — Precisamos encontrar uma forma de ter acesso ao Palácio.

— Talvez nossos contatos... — O soldado olhou para Urata.

— Esqueçam... Não há como entrar em contato com eles — respondeu a general.

— E se Órion ajudasse?

— Não consigo conversar com Órion quando quero, é sempre ele quem faz a ligação.

— O jeito é voltarmos pra Fortaleza e trazer reforços, então.

— Doraka, Urana e os outros não têm tanto tempo, assim. Vamos seguir o plano inicial, vamos roubar alguns drones e tentar encontrar alguma brecha, talvez os esgotos estejam vulneráveis. — Urata disse.

— Sim, talvez, mas... — Uma explosão interrompeu o soldado.

— Maldito, Tyran! — Urata disse, com ódio. — Fiquem aqui, sou eu que eles querem. — Urata se levantou e criou um campo de energia ao redor dos soldados, depois fechou a entrada da galeria e eles ficaram presos, na caverna. A general correu, como um foguete, e atravessou os escombros na entrada, causados pela explosão. Ao sair, ela viu Tyran e Zuron, levitando, perto de algumas pequenas naves. Em segundos, vários drones cercaram a general.

— É melhor se render, Urata, você não tem a menor chance de sair viva, se resistir. — Tyran falou, com um sorriso sarcástico, Urata ficou com muito ódio.

 

Dez naves barkarians se aproximavam da caverna, em Gobi, eram os generais da GDM, liderados por Bruno.

— Os drones enviaram informação de que há barkarians naquela caverna. Vamos torcer pra que seja Urata e seus soldados — informou Alice.

Ok! Você e Rafael descem, os demais ficam comigo, dando cobertura pelo ar. — Bruno disse, pelo comunicador.

Alice, Rafael e alguns soldados, todos armados, atravessaram os escombros da entrada da caverna, três drones seguiram à frente, enviando imagens do interior do lugar.

— Eles estão naquela galeria, à esquerda, vamos!

— Urata está com eles? — Bruno perguntou, Alice suspirou e seguiu em frente.

Os soldados, da equipe de Urata, estavam tentando retirar os escombros, para sair da galeria.

— Ei, escutou isso? — Um dos soldados perguntou, todos ficaram atentos.

— Parece... — O soldado olhou, assustado, para o resto do grupo. — Se afastem, rápido! — Todos os soldados correram, se afastando dos escombros.

— Eles se afastaram, podem avançar. — Do outro lado, Alice acompanhava a movimentação dos soldados, através de informações enviadas pelos drones, que utilizavam infravermelho. O grupo causou pequenas explosões, que liberaram a passagem, na galeria.

— Todos estão bem? — Rafael perguntou, ao passar pelos escombros, Alice seguia atrás dele.

— Sim, mas vocês nos assustaram. — Todos riram.

— Onde está Urata? — Rafael perguntou, após observar que a general não estava entre os soldados, que se olharam e então contaram tudo que viram.

— Bruno, Urata já foi capturada, mas não deve estar muito longe, daqui, envie os drones. — Alice disse, através do comunicador, após ouvir o relato dos barkarians.

Ok!

— Vamos para a nave, por terra não há muito o que fazer, aqui — disse Rafael.

Tyran solicitou que a Via Doloris fosse fechada, para os turistas, e preparou um esquema de tortura, exclusivo, para Urata. Drogada e presa a uma cruz de energia, a general gritava de dor. As naves de defesa, da tropa de Tyran, aguardavam, em alerta, a certa distância.

— Megara está demorando. — Zuron não aguentava mais ver a general barkarian ser torturada.

— Então, vamos para o clímax. — Tyran levitou até Urata, que já estava fraca. Ele ficou de frente para a general, então um drone se aproximou. Tyran pegou, do drone, um equipamento, parecido com um arco de metal, e colocou na cabeça da general. O drone acionou o equipamento, que era um dispositivo de realidade virtual, e Urata teve visões muito vivas. Ela viu Megara chegando para salvá-la, viu a comandante lutando contra Zuron e vencendo, mas Tyran a matou. A cena fez Urata entrar em total desespero e ela gritou tão forte que fez tremer o chão. Nesse momento, sua intensa ligação psíquica com Megara fez a comandante despertar, na Fortaleza.

 

Uma forte explosão foi ouvida, nos arredores da pirâmide branca, na Fortaleza. Órion e Alfai correram para os aposentos de Megara. Quando chegaram ao local, os dois ficaram em estado de choque.

— O que aconteceu aqui? — Alfai perguntou, ao ver a câmara de criogenia destruída, assim como a parede, de frente para ela.

— De alguma forma, Megara despertou e foi cumprir o seu destino. — Órion respondeu, incrédulo, Alfai o olhou com ódio e saiu do aposento.

— Todos em alerta, Megara não pode sair da Fortaleza. — Alfai deu a ordem através de seu comunicador, enquanto seguia para a saída da pirâmide. Vários drones e naves se dirigiram para o local onde se abre o portal dimensional.

Adam estava cuidando de seu jardim, quando olhou para cima e viu Megara riscando o céu, como um foguete. Ele observou o sol, que já se preparava para partir. Uma lágrima escorreu em seu rosto.

Megara atravessou o portal, sem dificuldade. Na Ilha de Marajó, a velha, que acolheu a comandante no início da invasão, viu um risco no céu e ela sentiu que era sua protegida, que seguia rumo a um destino incerto. A velha fechou os olhos e suspirou, depois seguiu para a mata. Perto de uma árvore antiga, ela cavou o chão, com as mãos, e pegou um amuleto, igual ao que entregou à Megara, antes dela partir. De posse do amuleto, a velha começou um ritual.

Em poucos minutos, Megara chegou em Gobi. Do alto, ela viu Urata presa à cruz de energia, na Via Doloris.

— Ela chegou. — Zuron disse, olhando para o alto. Megara desceu como um meteoro, mas o comandante se aproximou de Tyran, que estava perto da cruz de energia, abriu os braços e Megara se chocou com uma grande cúpula de energia, que a jogou longe.

— Muito bem, Zuron! — Tyran estava eufórico, Zuron diminuiu o raio do campo, para que Megara pudesse se aproximar e conversar com o Comandante Supremo.

Megara se levantou logo, do chão, e correu em direção à cúpula. Alice recebeu uma mensagem dos drones, informando a localização de Urata.

— Encontramos ela, vamos, rápido! — Alice informou os generais, através do comunicador.

 Diante da impossibilidade de atravessar o campo de energia, Megara começou a bater forte, nele, com muito ódio, sem que ele sofresse qualquer alteração.

— MALDITO! — Megara gritava, enquanto esmurrava o campo protetor, Tyran se aproximou, dela.

— Não gaste energia em vão, você sabe que não conseguirá atravessar esse campo, a menos que Zuron o desative. — O comandante olhou para Zuron, que permanecia concentrado, de braços abertos. Megara olhou para o alto da cruz e viu Urata inerte, com a cabeça tombada, isso deixou a comandante angustiada. — Não fique triste, ela está bem, só está desacordada. 

— Eu vou te matar, Tyran... EU VOU TE MATAR! — Megara se afastou um pouco e golpeou o campo, com uma rajada forte, de energia, Tyran aproveitou a distração da comandante e enviou ordem a três drones, que estavam escondidos entre as flores que cercavam a Via Doloris. Dois drones chegaram atirando, mas Megara conseguiu se defender, nesse momento, várias naves, da segurança de Gobi, se aproximaram, pois o sistema alertou que naves não identificadas seguiam naquela direção. A aproximação das naves distraiu Megara, novamente, e o terceiro drone acertou um tiro a laser, pelas costas da comandante, que atravessou seu coração. As naves dos comandantes da GDM chegaram e começou uma guerra, acima do campo de energia. Zuron olhava, incrédulo, para o corpo de Megara, no chão.

— Xeque-mate! — Tyran olhou para sua oponente caída e sentiu uma felicidade tão grande, que parecia que seu peito iria explodir, ele só percebeu que o campo de energia foi desativado, quando um drone caiu do seu lado.

— O QUE VOCÊ FEZ? — Zuron perguntou, ao se aproximar de Tyran, com muita raiva.

— Me poupe do seu sermão, santo, Zuron. — Agora vamos embora, deixe que os soldados cuidem desses rebeldes inúteis. — Tyran voou até sua nave, Zuron olhou para o corpo de Megara, depois para Urata, na cruz de energia, que ele pensou em desativar, mas uma pequena nave caiu, perto dele, que teve que levitar, para se desviar, então o comandante seguiu para a nave de Tyran, com um sentimento de culpa muito forte.

As tropas já estão chegando. — Bruno informou aos comandantes, pelo comunicador.

— Bem a tempo! — Alice comemorou. Várias naves e drones se confrontaram, no ar.

Alice, Urata está em uma cruz de energia, perto da Via Doloris. — Bruno disse, pelo comunicador.

— Já vi, vou descer pra pegar ela.

Ok! Rafael vai te dar cobertura.

 Alice desceu, em uma pequena nave, unitária. Vários drones a acompanharam, protegendo a general. Ela desceu perto da cruz.

— Desativar campo. — Alice deu a ordem a um dos drones, que desativou, lentamente, os quatro geradores do instrumento de tortura. Urata, desacordada, desceu, lentamente, até o chão, Alice se abaixou e aplicou uma injeção na general, que reagiu quase instantaneamente.

— Ei! — Alice disse, Urata sorriu. — Consegue andar?

— Acho que sim. — Urata se levantou e deu alguns passos, então o efeito do medicamento se intensificou e ela pode andar, normalmente.

— Megara? — Urata se lembrou de ter visto a comandante morrer.

— Ela não está aqui, está na Forta... — Urata não esperou Alice terminar a frase, ela entrou em choque, ao ver o corpo de Megara, no chão, a poucos metros, dali. Ela seguiu correndo para perto da comandante. Alice se virou e não conseguia acreditar no que estava vendo, seu coração quase parou.

Alice observava a cena, de Urata sentada no chão, chorando, abraçada ao corpo de Megara. A jovem general sentiu suas pernas pesarem, ao tentar se aproximar de Urata. Aquela cena não fazia sentido algum, para a mente de Alice.

De pé, olhando para o corpo de Megara, abaixo, Alice não conseguiu chorar. Rafael chegou, desesperado, falando sem parar, mas a geneal não entendia uma palavra, sequer. Outros soldados se aproximaram e carregaram o corpo de Megara, enquanto dois soldados arrastavam Urata, para uma nave. Ao ver o estado de Alice, Rafael a levou pelo braço, até sua nave.

A situação havia se agravado, a segurança de Gobi foi reforçada e muitas naves da GDM foram abatidas. Bruno solicitou que as tropas batessem em retirada.

Por FranHDC | 01/11/19 às 23:23 | Ação, Fantasia, Ficção Cientifica