CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 7.3 - GDM

Fallen Angels (FA)

Capítulo 7.3 - GDM

— Já está tudo pronto, Tyran! Os jornalistas já estão a postos para registrar a sua chegada triunfal. — Disse Zuron, enquanto andava ao lado de Tyran, pelo corredor da nave de reconhecimento. Eles estavam a caminho da praia, o litoral mais próximo da localização da nave mãe de Liruia, no Espírito Santo. Ao chegarem à sala de controle, os operadores da nave ficaram eufóricos e assustados.

— PUTA QUE PARIU! — gritou um dos operadores.

— O que é isso? — Tyran se irritou.

— Me desculpe... tenho andado muito com os terráqueos.

— Não me importa seu linguajar, o que é isso que estou vendo na tela?

— É a nave de Liruia.

— Você quer dizer, era a nave de Liruia, certo? — Zuron disse, de forma debochada. Tyran ficou furioso.

— Seus idiotas, o que quero saber é por que essa maldita nave está explodindo!

O operador não teve tempo para responder, uma imagem de Megara apareceu em todas as telas holográficas das naves Barkarians. Ela levitava, bem alto, sobre a areia no litoral, tendo, ao fundo, a nave explodindo.

Caro comandante Tyran! Espero que tenha gostado do meu presentinho. Estamos resgatando os prisioneiros da nave de Liruia e, em breve, libertaremos toda a Terra e todos os barkarians que você oprime, hoje...

— Ela não tinha morrido? — perguntou o operador.

— Cala a boca. — Zuron deu um tapa na cabeça do homem.

— .... espero te ver novamente, Tyran, e espero que seja a última vez, pois pretendo libertar sua consciência desse corpo físico, pra sempre.

Em um ataque de ódio, Tyran liberou tanta energia que derrubou todos ao seu redor, exceto Zuron.

— Como Megara conseguiu se desligar da nossa conexão psíquica? — Zuron perguntou.

— Do que isso importa, agora? Quero matar essa mulher e todos que se aliaram a ela.

Megara, na verdade, só queria distrair a atenção de Tyran, ela sabia que, com ódio, ele enviaria as tropas para a praia, onde ela estava. Enquanto Tyran fazia essa movimentação, as naves de resgate tiveram tempo para chegar até o local indicado por Alfai.

— Estamos chegando ao local informado, mas não há nada ali. — O piloto de uma das naves de resgate disse ao general barkarian, que o acompanhava na missão. Eles estavam se aproximando do Monte Roraima, na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.

— Pois olhe novamente. — O general disse, enquanto passava os dedos sobre seu bigode ruivo.

— Pela Galáxia! É um portal magnético, gigante! — O piloto ficou assustado, ao ver o portal se abrindo.

— Sim, e é pra lá que iremos.

As naves atravessaram o portal, que se fechou rapidamente, após a travessia da última delas. Do outro lado, Alfai esperava pelos novos residentes da Fortaleza, que foi preparada, por anos, para a chegada deles.

 

Quando Alfai tinha quinze anos, em 2013, seu pai, um engenheiro da área de tecnologia, o levou em uma viagem que fez ao Vale do Silício, na Califórnia. O pai de Alfai foi convidado para participar de um grande evento, na região, e comentou com um amigo americano que seu filho era um prodígio da informática. O amigo solicitou que Alfai fosse levado ao evento, para que pudessem conversar.

No Vale, muitos se impressionaram com as habilidades de Alfai, que parecia dominar a linguagem das máquinas.

Em uma conversa privada, em seu escritório, um dos investidores do Vale gravou uma entrevista com o rapaz, mas, no meio da entrevista, o jovem passou mal e entrou em transe. O homem ficou apreensivo, mas antes que pudesse chamar por alguém, Alfai começou a dizer coisas estranhas, que chamaram a atenção dele. Foi nesse transe que Alfai, inconsciente, revelou o futuro da humanidade.

O tal investidor ficou perplexo e, após uns dias refletindo sobre o que ouviu, e assistindo várias vezes a gravação do transe, decidiu contar tudo para três amigos, também grandes empresários do Vale, e eles fizeram um pacto para não contar essa história a ninguém.

Durante o transe, Alfai revelou a forma como se deveria abrir um portal sobre o Monte Roraima e ele era peça fundamental, nisso. Os quatro empresários do Vale decidiram levar Alfai até o local, seguindo as instruções indicadas, e então puderam atravessar o portal dimensional pela primeira vez. A partir disso, os quatro se emprenharam na construção da Fortaleza, na outra dimensão. Eles utilizaram vários drones, robôs de diversas formas e a tecnologia de inteligência artificial, que foi aperfeiçoada por Alfai.

Em 2025, Alfai se mudou, definitivamente, para a Fortaleza, junto dos quatro empresários, para que o segredo deles não fosse revelado a ninguém. Nessa época, Alfai já se comunicava telepaticamente com algumas pessoas, dentre elas o Bruno. E assim ele guiou os líderes das células da GDM, que cresceu com a promessa de libertar a humanidade da tirania, só não mencionou que essa tirania viria do Espaço.

 

Megara esperou pelo líder barkarian, na praia, pronta para um combate, mas quando um soldado avisou Tyran, que as naves de resgate haviam desaparecido, no norte do Brasil, o líder barkarian percebeu o embuste e deu ordens para que as tropas batessem em retirada.

— Nunca entendi isso... — Bruno comentou, ao ver Megara retornar ao solo.

— O quê?

— Por que vocês usam naves, aqui na Terra, se conseguem voar?

— Nas naves estamos mais seguros e, para voar, temos que processar muita energia cósmica; isso causa um desgaste em nosso organismo, por isso não podemos abusar dessa habilidade. Toda vez que utilizamos a energia cósmica para alguma coisa, como um ataque, manipulação da matéria ou levitar, ficamos vulneráveis.

— Entendi... — Bruno olhou para o céu, para as tropas de Tyran, em retirada. — Então não haverá um combate?

— Provavelmente ele já descobriu que as naves desapareceram.

— O que você acha que ele fará, agora?

— Acredito que vai tentar barganhar com a minha tripulação. — Megara disse, séria, olhando para o Bruno.

 

— Me escute, ao menos uma vez... Destrua logo, a nave de Megara. Eles já estão com mais de quinhentos barkarians do lado deles, aqui na Terra... se conseguirem contato com Utar...

— Besteira! — Tyran interrompeu Zuron. — Preciso da nave daquela maldita, para usar como isca. Ela vai se entregar em troca da tripulação. Sem um comandante barkarian, os rebeldes, aqui na Terra, não farão muita coisa.

— Isso é um grande erro, Tyran. Mais um, pra sua coleção. — Zuron disse e se afastou do líder barkarian, seguindo, furioso, pelo corredor da nave. Tyran deu ordens para que a vigilância fosse redobrada, perto da nave de Megara, na Antártida.

Por FranHDC | 16/06/19 às 09:56 | Ação, Fantasia, Ficção Cientifica