CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 4.7 - Yin e Yang

Habitantes do Cosmos (HDC)

Capítulo 4.7 - Yin e Yang

Autor: Francélia Pereira

Artemísia e Hikari estão abraçados. Ela chora no peito dele. A relíquia na Espada vibra e Afrodite aparece. A deusa observa o casal, que não a vê.

Hikari afaga os cabelos negros de Artemísia. Afrodite se aproxima da guerreira e, atrás dela, impõe suas mãos sobre sua cabeça. A venusiana sente um fogo intenso tomando conta de todo o seu ser. A promessa feita à deusa Ártemis pôde ser quebrada e seu coração bate forte novamente.

Afrodite sussurra algumas palavras no ouvido esquerdo de Artemísia; ela para de chorar e olha para o rosto de Hikari, que agora parece iluminado. Os dois se olham profundamente nos olhos.

— Você está pronta... Agora já sabe por que não pude ser seu mestre. — Hikari diz sorrindo.

— Você me ama! — Artemísia sorri também.

— Já te amava mesmo antes de te conhecer nesta existência.

— E por que me afastou, então?

— Sempre lutei contra o amor do tipo Eros. Depois que decidi seguir o caminho dos sábios, jurei a mim mesmo que nunca mais viveria um grande amor; mas você apareceu e tudo mudou... Quando percebi que você também lutava contra esse tipo de ligação, julguei que o correto seria me afastar. Isso fez com que eu compreendesse que existem certos tipos de ligações que são eternas, pois, mesmo distante fisicamente, você estava sempre comigo, de alguma forma. Assim, um dia nasceu uma menina linda, que parecia um raio de Sol. Ela não era uma guerreira, era uma artista; mas não sei bem porque, aquela alma me fazia lembrar você, só que o coração dela não havia endurecido. Então experimentei o amor novamente. Mas ela não era o meu par; e a separação foi inevitável. — Artemísia lembra-se de Arûara.

— Também me permiti viver esse tipo de ligação... e a separação também foi inevitável.

— Não se lamente por isso e tão pouco se entristeça. Tudo que vivemos foi necessário para estarmos aqui, neste momento único no presente. Somos o resultado de nossas vidas; e o momento presente é a manifestação de todas as escolhas que fizemos pelo caminho.

Afrodite põe sua mão direita sobre a cabeça de Hikari e sua mão esquerda sobre a cabeça de Artemísia. Os dois fecham os olhos e respiram profundamente. A deusa sorri. Os dois abrem os olhos e se olham por um instante, em silêncio.

Artemísia tira, do pescoço, o cordão com o Muiraquitã e o coloca no pescoço de Hikari.

— Ele não poderia ser de outro... — Os dois se olham nos olhos, sorrindo.

Îasy aparece e toca o amuleto no peito de Hikari. A pedra verde brilha e o sábio agora também se torna eterno. Seus olhos faíscam por alguns segundos. Todas as deusas observam e abençoam a união de Yin e Yang. O casal se beija, apaixonadamente, gerando um campo intenso de luz ao redor.

O campo de batalha com os cadáveres desaparece. Agora o casal está em um lugar iluminado, cheio de Amor. Enquanto Hikari e Artemísia se beijam, centenas de deuses e deusas estão ao redor deles. Ao fim do beijo, os deuses se fundem em Hikari e as deusas se tornam uma só, através de Artemísia.

O casal se olha, os dois sentem que não são mais humanos; todas as feridas foram curadas. Agora, o Amor que mantém tudo unido no Universo se torna a essência de Artemísia e Hikari, eles compreendem o Arandu Arakuaa e se preparam para existir no novo panteão de divindades, que acaba de surgir.



 

EPÍLOGO

 

 

Quando se aplaca um grande rancor,

ainda resta algum ressentimento.

Como considerar isso um bem?

Por isso o Sábio cumpre o seu dever

E nada exige dos outros.

 

Por isso quem tem Vida

Cumpre o seu dever;

Quem não tem Vida

agarra-se ao seu direito.

Lao -Tzu — Tao -Te King

 

O que está por trás de uma ideologia? Até que ponto ressentimentos pessoais podem chegar?

Geralmente, quando temos problemas pessoais, que não conseguimos compreender muito bem, tendemos buscar as respostas no mundo exterior e, assim, saímos à procura de pessoas que buscam as mesmas respostas. Isso justifica a criação de grupos e esses grupos, geralmente, defendem algum tipo de ideologia. Mas ao fazer parte de um grupo, as pessoas não estão lutando por justiça ou por causas altruístas, estão na verdade tentando encontrar uma cura para algum tipo de angústia pessoal; algo arraigado na alma que não se consegue identificar sem a ajuda do outro.

Todos nós seguimos uma jornada aparentemente solitária na vida; mas é uma solidão ilusória, pois tudo que existe está conectado. Essa conexão é um fato; já comprovado pela ciência, ao observar o movimento dos átomos, esses minúsculos Universos que interagem para constituir a existência. Tudo é Energia; muitos sábios em várias gerações, em praticamente todas as culturas, vêm repetindo esse pequeno mantra há milênios, sem que a maioria consiga perceber que essa é a chave mestra que abre a porta para que se possa solucionar todos os grandes mistérios que envolvem a existência. Povos que nossa sociedade considera primitivos são capazes de compreender esse mistério e colocar em prática no dia a dia toda a sabedoria que a consciência desse conceito carrega. Esse conceito nos leva a um maior conhecimento sobre quem realmente somos, e é o conhecimento de si mesmo que leva ao conhecimento de tudo que existe; é o que quebra a Ilusão e torna os conflitos sociais sem sentido.

Habitantes do Cosmos – Artemísia aborda questões que envolvem conflitos de gênero, mas não se limita a esse tema. É uma obra que nos faz refletir sobre os reais interesses que sustentam ideologias que excluem e oprimem os semelhantes. É uma obra que tenta voltar nosso olhar para dentro de nós e nos fazer analisar as verdadeiras intenções de nossos atos.

 

Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”.

Por FranHDC | 20/02/18 às 13:51 | Brasileira, Ação, Aventura, Fantasia, Protagonismo Feminino