CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Reporte de sessão IX - Parte II - O fim do

Heróis Improváveis (HI)

Reporte de sessão IX - Parte II - O fim do

Autor: Henrique Zimmerer

Aron chegou à entrada do túnel, viu a parede de tijolos ser girada, mas não havia ninguém lá. Sem entender, ele ouviu gritos e sons de luta mais à frente, correu até o grupo.

No túnel, Bolton começava a se desesperar vendo o Mantor atacando sem parar. Olhou para Kuoth.

— Desintegre esse bicho, por favor, meu caro Kuoth!

O halfling não entendeu o porquê, mas os olhos do qareen brilharam, Kuoth sorriu e conjurou seus misseis mais uma vez, eles atingiram o Mantor com força, causando uma explosão. A criatura deu um grito horripilante e caiu morto no chão.

Faltando apenas os morcegos, Bolton e o Paladino partiram para terminar o serviço.

— Najla ainda na câmara. — Zanshow disse, logo depois de cortar um dos morcegos.

Os que estavam ali se assustaram com o orc surgindo do nada.

— Sir Gylas. Precisamos ajudar nossa amiga! — Bolton se virou para o paladino.

— Quantos deles há lá? — O paladino perguntou.

— Eram 40, aumentou para 20, mas Zanshow viu bem e eram 89! Quase 6! — disse, com segurança.

O halfling e Sir. Gylas olharam um para o outro. Bolton sorriu, sem graça, o orc não era conhecido pela sua inteligência.

— Ele não é muito bom com números...

O homem supirou e balançou a cabeça.

— Bem, teremos que voltar para buscar reforços. Lamento por sua amiga, mas deve estar morta neste momento.

— Entendo.

Por mais que lhe doesse, Bolton sabia que aquilo era verdade, não tinham como entrar ali no estado em que estavam. Precisavam de ajuda. Apertou o cabo da espada e a guardou. Bateu nos flancos de Meirelles e acompanhou os outros que já corriam para fora dalí.

 

***

 

Najla estava cercada, era atacada e atacava de volta ao mesmo tempo em que tentava se curar, recitando orações para a Deusa das trevas, Tenebra. Por fim, caiu de joelhos, sem energia, sem forças para se manter em pé. Suava e ofegava.

O ancião se aproximou.

— Você se rende?

— Sim...

— Você é uma cria de Megalokk. Por que está do lado deles? Deveria estar do nosso! Não pretende entrar no culto?

— Sempre pretendi! — Seu olhar mostrava uma sinceridade absurda, ninguém nunca poderia dizer que ela estava mentindo.

— Bem, se quer entrar para o culto, Megalokk lhe dará uma grande dádiva.

Um mantor ficou próximo a eles, flutuando no ar.

— Aceite-o, alimente-o, e ganhe poder. Do contrário, ele se alimentará de você.

Vendo várias oportunidades naquele presente e nenhuma saída, Najla abaixou a cabeça.

Aceitou.

 

***

 

Finalmente, fora dos esgotos, e agora visíveis, Héere e Earwen caminhavam pela cidade.

— Muito bem, agora irei realizar o ritual com o sangue que peguei do líder.

— Quanto tempo até ficar pronto?

— Três dias.

— Tudo bem. Me encontre daqui três dias então. Fechado?

— Sim.

Com um aperto de mãos, os dois se separaram e Earwen saiu saltitando e sorrindo.

Chegando a uma taverna no centro de Thanagard, ele pediu as bebidas mais caras, as mulheres mais lindas, e teve a melhor noite da sua vida, mesmo ficando muito mais pobre... caramba, depois daquilo tudo ele estava vivo!

 

***

 

Depois de deixar Aron, que estava passando mal, no albergue. Bolton, Kuoth e Zanshow foram ao templo de Khalmyr conversar com Sir Gylas. Estavam abatidos pela perda de Najla, mas planejavam se vingar.

— Vendo aquele bicho, creio que seja ele que estava atacando as pessoas da cidade, Sir Bolton. — Tocou o ombro do halfling. — Vocês foram de muita ajuda, senhores. Agora temos que conseguir reforços para enfrentar aquelas criaturas.

— Sir Gylas, o lefou disse fazer ritual com sangue de chefe. O que pensar, o senhor? — Zanshow perguntou.

— Não deixem! Dividam-se! Guardem as entradas dos esgotos! Achem o demônio! Por que vocês estavam andando com ele?

— Ele pareceu querer ajudar, Sir Gylas. — Bolton interrompeu.

— Ajudar? Aquilo é uma coisa ruim. Vocês não podem confiar nele. Um bicho daquele nunca é bom.

— Receio discordar, senhor. Tínhamos uma amiga como ele.

— Deveria ser má também!

Desistindo de argumentar, Bolton apenas acompanhou o paladino, enquanto ele arrumava suas coisas e ia para a porta do templo pegar um cavalo.

— Reunirei cavaleiros para a empreitada, ficarei fora por algum tempo. Até mais, amigos.

 

***

 

Três dias se passaram e o grupo havia decidido levar Aron até um templo para ser cuidado, sua doença não melhorava e ele continuava fraco. No caminho, Zanshow puxou Earwen.

— Onde está lefou?

— Deve estar voltando, ele disse que demoraria três dias para o ritual ficar pronto... por que pergunta, Parede?

— Parede? Parede não, Zanshow. Olha. — O orc tirou o elmo e apontou para o rosto.

— Sim, sim, eu percebi. — O homem levou uma mão ao rosto e balançou a cabeça.

—Ótimo. Nós precisamos achar lefou, lefou pode ser mau, onde lefou está?

— Tinha ido para uma montanha... nunca o acharíamos.

Zanshow saiu batendo o pé com raiva e resmungando.

— Eu hein. — Earwen levantou uma sobrancelha.

Chegando ao templo, deixaram Aron aos cuidados de uma clériga gentil, que os recebeu com biscoitos. Tentaram não abusar muito e saíram logo, para que o meio-elfo fosse tratado.

Estavam na porta, quando Najla apareceu.

— Naj-najla... viva. — Zanshow arregalou os olhos.

— Não graças a vocês, não é? — Ela cruzou os braços.

— Buuuuaaaaaaaaaaahhhhhhhh — O orc correu, abraçou a medusa e tirou-a do chão. — Zanshow promete matar todos aqueles bichos maus! — dizia, fungando.

— Tá bom, tá bom. Tá perdoado. Só me põe no chão!

O orc obedeceu. Fungava, enquanto o resto do grupo tinha a chance de dar as boas-vindas a companheira.

Ela vestia um manto negro com capuz, diferente do que usava antes, mas ninguém quis perguntar muito sobre o que tinha acontecido. Provavelmente a amiga ainda estava traumatizada.

No caminho, ficando um pouco para trás, Earwen foi puxado para um beco escuro por Héere.

— Está pronto.

— Acabou? Quer dizer que deu certo então? Salvamos a cidade?

— Em breve o líder do culto receberá um presentinho.

O lefou deu um sorriso perverso e se foi, deixando o humano confuso e apreensivo.

Por Eastar | 20/09/18 às 15:00 | Aventura, Fantasia, RPG, Comédia, Ação