CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Reporte de sessão XI - Parte II - Animais estranhos

Heróis Improváveis (HI)

Reporte de sessão XI - Parte II - Animais estranhos

Autor: Henrique Zimmerer

O grupo esperou por um bom tempo. Najla se sentou em uma pedra e Earwen sentou-se ao seu lado. Ia fazer uma pergunta quando um barulho o fez olhar para o lado. Zanshow olhava para os dois com um interesse enorme no rosto.

— O que aconteceu, Parede? — O homem perguntou.

Zanshow continuou olhando. Najla ergueu uma sobrancelha para os dois e virou a cara, empinando o nariz.

— Oi? Tem alguém ai? — O ladino balançou a mão na frente do companheiro. — Zanshow, o que você quer?

— Nada, Zanshow pensando... Zanshow vai cortar orelha do porco.

O orc saiu de perto e o jovem ficou olhando.

— Pobre Bacon... Zanshow tem algum fascínio pela orelha dele — suspirou e se virou para Najla. — Então, minha medusa favorita, como vai?

— Diga logo o que você quer, Earwen.

Ele deu um sorriso amarelo e coçou a nuca.

— Hehe.... Nada de mais, sabe, estava me perguntando se...

Najla olhou para ele de cara fechada e as cobras sibilaram.

— Ok, ok, direto ao ponto. Fiquei sabendo de um outro culto na cidade, um de Tenebra. Você sabe de alguma coisa a respeito? Por que eu tô pensando sinceramente em só cair fora dessa cidade.

— Os portões nunca ficam fechados.

— O quê? Ah, sim... bem... — Ele abaixou a cabeça. — Tá, na verdade eu não abandonaria essa cidade assim.... Ok, voltando ao assunto... Culto?

— Sim, eu sei de algo.

Najla contou a Earwen sobre coisas pelas quais o grupo havia passado naquela cidade antes de ir a Hassenbluff, e sobre o templo de Tenebra nas montanhas. Perto dali, Aron ouvia toda a conversa.

Depois que a medusa terminou de contar sobre a confusão com os sequestradores do filho de Reyny o ladino foi se juntar ao resto do grupo. Ele se escondeu em algum lugar ao redor da clareira, onde o pobre Bacon estava desmaiado e, agora, com a orelha decepada. A clériga continuou sentada na pedra sem se importar com nada.

Earwen ouviu sons perto dele e, quando olhou para o lado, viu nove lobos seguindo em direção a Bacon. Pareciam não tê-lo visto no meio dos arbustos, mas quando chegaram ao centro da clareira, pararam em volta do porco, olhando na direção de todos os membros do grupo. Não era um comportamento normal de lobos.

Aron nem parou para pensar. Sacou seu arco e atirou em um deles. Percebendo que não estava escondido, o ladino fez o mesmo, mas não tiveram resultado.

Zanshow andou até próximo dos lobos, rosnando para eles, mas não se intimidaram. Bolton correu ao lado de Meirelles para atacá-los, mas também sem sucesso. Eles pareciam mais difíceis de acertar que o normal. Earwen correu para perto de Najla.

Kuoth encantou o arco de Najla com chamas e o do homem com raios, depois simplesmente começou a voar, os olhos brilhando de excitação com a matança que iria começar.

— Lá vamos nós de novo. Acertem alguma coisa!

Assim que terminou de falar, ele e Earwen perceberam um urso enorme um pouco fora da clareira.

Ele parecia estar dando risada.

O urso grunhiu algo que Kuoth entendeu como "matem todos". Estranhando o comando a língua silvestre, o qareen repetiu para os companheiros.

— Não precisava traduzir isso. — Earwen reclamou, escondido atrás da medusa.

Ela, de repente, se cobriu totalmente com o manto, parecendo uma sombra densa. Então começou a andar na direção do urso, que foi para cima dela e atacou.

— Como você me viu? — A medusa parecia surpresa e indignada. — O manto deveria me camuflar...

— VOCÊ SAIU ANDANDO PRA CIMA DELE! — O ladino gritou, indignado.

Kuoth riu e esfregou as mãos, se preparando para começar o bombardeio.

Earwen armou o arco e atirou no urso, foi um tiro certeiro na direção do coração do bicho, que se levantava nas duas patas traseiras, mas a flecha, envolta por raios, apenas bateu em sua couraça e caiu. O urso rugiu, mas não pareceu sofrer nada.

— Como imaginei, vocês vão depender de mim de novo. Essas pobres raças... sempre precisando que alguém os salve.

— Nhe, nhe, nhe. Só estoure esse cara logo! — disse Aron, enquanto lutava com dois lobos.

— Isso foi um desejo?

— Aaahh... acho que sim. — O meio-elfo respondeu.

— Ótimo. — O qareen sorriu, os olhos verdes começando a brilhar. 

Estava na hora de acabar com aquelas criaturas.

 

***

 

Na clareira, a batalha se estendia. Bolton, Meirelles, Zanshow e Aron tinham um enorme trabalho com os lobos. O halfling foi mordido e sentiu algo estranho na perna, não era como uma mordida e sim como uma picada, sua perna ardia como o inferno, mas voltou sua atenção para o resto dos animais.

Aron matou um dos lobos e este se transformou num pequeno diabrete. Os outros seguiram com isso e perceberam que não havia nenhum lobo ali.

— Bem, me sinto melhor agora. — Aron disse, com alivio.

— Zanshow não viu Aron reclamar de matar lobos hora nenhuma. — O samurai caçoou com raiva e cambaleando por conta dos ferimentos.

— Porque eu sabia que não eram lobos normais, ora.

— Hum... e se fossem? Grupo vir aqui para caçar lobos.

— Bem... eu...

— Meio-elfo idiota. — O orc cuspiu e saiu mancando, cansado da luta, mas indo ajudar os que combatiam o urso.

No entanto, foi desnecessário. 

 

***

 

Kuoth voava de um lado para o outro, atirando seus misseis mágicos na criatura, que não via como reagir além de atacar Najla.

Esta, no entanto, parecia se recuperar de todos os seus ataques, como se o manto a alimentasse com energia vital e curasse seus ferimentos.

Enquanto o orc se aproximava, o feiticeiro lançou o último míssil. O urso urrou de dor.

E se transformou.

Sua forma verdadeira lembrava um humanoide feito de correntes.

— Isso é um diabo de classe maior! — Najla deu um passo para trás, assustada.

— Vocês vão pagar por isso! Muahah... Hahahahaaa! — Sua gargalhada tomou todo o local e reverberou nos ouvidos dos aventureiros.

Com essas últimas palavras ele se esvaiu em pó.

Kuoth desceu para a pedra, de braços cruzados.

— Vocês estão salvos agora, meus pobres companheiros indefesos.

— Zanshow quer socar menino ruivo de novo.

— Calma, amigo — disse Bolton, dando tapinhas no braço do orc. — Sei que você pode deixar passar essa. Não pode?

Zanshow grunhiu e se afastou, fazendo o halfling suspirar aliviado.



Por Eastar | 26/09/18 às 13:47 | Aventura, Fantasia, RPG, Comédia, Ação