CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 12 - Hukinin Menbey

Legado dos Deuses (LDD)

Capítulo 12 - Hukinin Menbey

Autor: Amnésia

- Já registramos duas horas e dez minutos, diretor. - Juiz principal falou com a mão na têmpora esperando dar o recado para seus subordinados nas Costa.

Merer concordou se sentando depois de entrar na sala, e respondeu.

- Pode começar a enviar a mensagem, o processo dos sete alunos começará agora.

Garp estava ajoelhado respirando calmamente, sua arma deitada a sua frente recebia a luz do início da manha, o sol nascente do horizonte era bonito, ele gostava de ficar exposto ao fraco calor por deixá-lo mais energizado.

Com um pulo de joelho, ele se levantou já pegando o porrete e começar a andar. Não se passou muito tempo desde que esteve ali, mas pela quantidade de tempo já era para ter se acabado esse lugar cheio de areia.

Para todos os lados só havia dunas do seu tamanho, e bestas, isso estava cada vez mais irritante, e Garp mais impaciente.

Caminhando ainda a frente, Garp parou de andar quando seus olhos estreitaram, sua mão apertou o pequeno cabo do porrete esperando obter a resposta. Um ruído de 'Clock Clock' não muito a direita o perturbava mais e mais.

Com uma personalidade um pouco um tanto explosiva, Garp levantou o porrete e gritando com toda a sua força, ele bateu contra o solo.

Boooom!!

As dunas todas foram jogadas para muito longe, tanto que nenhuma das bestas Trarou ousou ir para cima dele direto, ficaram com medo, temendo a força destrutiva que um simples humano conseguia produzir.

Garp riu com orgulho levando o porrete acima do ombro, mas esse sorriso foi cortado no instante que sentiu o tremor abaixo do solo.

Ele caiu de bunda para trás com o tremor, era muito forte para ser um terremoto normal na costa. Engolindo o seco, Garp tentou ao máximo circular sua profunda energia a fim de se proteger dessa tremedeira.

Como ele poderia fazer isso estando no chão e sendo perturbado? Nem mesmo um especialista conseguiria ficar de pé com aquilo.

E do nada, ele parou, não havia tremor, não havia bestas, não havia dunas nem areia.. Garp pela primeira vez ali se sentiu totalmente solitário.

Aquele tremor foi capaz de mexer com toda a terra, o que realmente estava acontecendo?

Costa do Leste...

Melina encarou a quantidade de quase trezentas Traros correndo em sua direção, algumas subindo até mesmo em cima da outra, estavam desesperadas para atacar, golpeavam até mesmo as suas próprias aliadas para chegar mais perto.

Parecia que um número como trezentas era pouco, mas para uma quantidade de apenas 3 pessoas em seu grupo, aquilo era mais do que suficiente para os dizimas antes de conseguirem abater 30 delas.

Ela estalou a linha indignada, a quantidade de inimigos era muito grande para que tomasse conta sozinha.

- Irmã Melina, o que vamos fazer? - Angelina perguntou estando atrás de suas costas. - São tantos deles.

- Pelo visto teremos que lutar para ver quem ficará até o final.

O terceiro e último membro estava sentado no chão mais de 13 metros das duas e encarava aquela onda de bestas com desprezo, ele respirou fundo balançando a cabeça e se levantou.  

Sua figura era um tanto peculiar, ele tinha quatro brincos em cada orelha, um cabelo vermelho arrepiado de maneira explosiva, uma pulseira em cada braço e três anéis em cada mão. Essa era a figura de alguém que carregava uma espada lisa de cor azul.

Espadas lisas eram armas com corte tão fino quanto um papel, estando um nível abaixo das profundas espadas, essas eram as suas rivais desde o começo e as únicas a conseguir se manter em segundo lugar.

Ele se aproximou das duas com passos curtos e arrastados, parou as chamando atenção e apontou para si.

- Sou Hakunim Menbey. - Ele falou de forma casual. - Posso me juntar a vocês?

Melina o olhou e bufou se virando para frente.

- O número é grande demais para que combatemos todos elas, mesmo que se junte a nós, perderá sua colocação ficando conosco. - Ela foi fria, mas verdadeira, a desvantagem era grande demais.

Hakunin riu.

- Me chamem de Haku, por favor. - Ele disse colocando a mão na bainha de sua espada e passando a frente das duas com passos lentos. - Seu eu dividi-las eu dois grupos, vocês conseguem cortar algumas?

- Irmão Haku, o que vai fazer? - Angelina deu um passo para o lado curiosa.

Haku deu um sorriso bobo e mostrou a língua, e foi a frente.

Melina continuou olhando para o garoto que continuava indo a frente de forma tão simples, e ainda assim emitia para seus sentidos um perigo grotesco.

Melina nunca perdeu o faro de perigo, e a aura que emanava desse garoto era o mesmo quando enfrentou especialistas de artes marciais em sua casa.

Familia Menbey, uma família que herdou as técnicas das chamas amarelas, uma família inteira que era capaz de controlar chamas de diversos tipos, eram perigosos, uma das famílias mais responsáveis e tinham dois jovens patriarcas que lutavam entre si para o futuro cargo de Mestre da família.

Essa era a família com um poder de influência gigante..

Melina os conhecia por serem bem próximos da sua própria família, ela mesmo trocou golpes algumas vezes golpes com os juniores dos Menbey, mas esse cara, ela nunca tinha ouvido falar.

Hakunin Membey levou a mão esquerda a bainha de sua espada enquanto a outra segurava o cabo mirado para frente. Sua expressão calma, uma respiração estável e uma sensação de conforto o preenchia.

Concentrando toda sua profunda energia em sua mão, a palma antes pouco pálida se transformou em um dourado flamejante, as chamas se criaram quando os dois anéis de seus dedos se encontraram, a faísca foi o suficiente para gerar as chamas.

Haku riu estourando novamente os dois anéis entre si formando mais chamas, e quando fez a terceira vez, ele parou de andar.

O horizonte preenchido antes de preto continuou surgindo com uma onda, os Traros subiam uns em cima dos outros como se fossem surfar, e a altura quase que tomava 4 metros.

A espada de Haku se mexeu a frente, ele nem chegou a sacar a espada, metade da lâmina ficou para fora fazendo um barulho fino de metal batendo contra metal, e ele recuou a espada para a bainha, ele respirou fundo fazendo as chamas douradas desaparecerem e virou de costas voltando.

Ele retornou para perto de Melina e Angelina que nada entenderam, apenas o viram sacar metade da lâmina e voltar, sua expressão cansada parecia mais cansada ainda depois daquilo, e então ele se sentou ao lado das duas garotas bocejando.

A onda não parou, continuou seguindo e aumentando.

- Mas que diabos? - Melina irritada por toda aquela encenação berrou para ele. - Isso tudo para nada?

Haku a ouviu e sorriu levando o dedo anelar a boca pedindo silêncio.

- Espere, por favor!

Já impaciente com aquilo tudo, Melina resmungou olhando para aquele montado de bestas emergindo, quando finalmente eles chegaram onde Haku havia sacado sua espada.

Foi em um momento, um único momento possível que uma chama dourada emergia do chão com uma lâmina gigante de quase 30 metros e cortou o ar para frente com um único golpe dividindo, queimando, incinerando e fazendo tudo a sua frente.

Um único golpe, uma chama tão dourada e mais de 60 Traros mortos rapidamente.

Ahhhhhh!

O grito de agonia dos Traros queimando, um ataque tão poderoso projetado por um único jovem no Reino Verminiano.

Melina assustada, perplexa e chocada se virou para Haku que sorria casualmente como se nada espetacular tivesse acontecido.

- Isso foi o Voo Flamejante?

Haku sorriu..

- Hoho, eu nunca pensaria que alguém conseguisse adivinhar apenas vendo. - Ele falou se levantando, suas chamas eram destrutivas, mas não eram infinitas, com o tempo elas foram se apagando. - Temos um tempo de 2 minutos para que elas cheguem pelos lados.

Melina concordou.

- E o que quer fazer?

- Correr para longe. - Ele falou rindo. - Tenho preguiça de combater esse monstros malucos, e estou cansado.

Melina continuou o observando sem dizer nada, sua aparência não condizia com sua personalidade, eram coisas totalmente opostas, por fora um rebelde com uma expressão agressiva, por dentro simpático e bem simples.

E sua aura, a inexplicável sensação de perigo vindo dele, Melina não podia explicar isso.

- Irmão Haku, temos que dar o nosso melhor para combater essas bestas. - Angelina chegou ao lado de Melina e disse com ternura, mas preocupada. - Se o irmão Haku não combater, como ficará em primeiro colocado?

- Primeiro colocado? - Haku deixou de sorrir, por um segundo a expressão sombria apareceu em seu rosto, mas voltou ao normal. - Não me preocupo com isso.

Melina congelou, aquela expressão sombria de um único segundo a deixou apavorada. Suas pupilas se contraria enquanto abaixava a cabeça, sua respiração estava anormal.

Havia apenas uma pessoa que conseguia transmitir essa sensação nela, quem era esse?

Quem era a pessoa que conseguia colocar tanto medo nela com apenas uma expressão?

- Tudo bem, Melina Salto?

Melina engoliu o seco, sua respiração mais e mais desregulada, o suor das suas costas encharcaram o vestido vermelho que usava, seus joelhos fraquejaram por um segundo tendo a lembrança na sua cabeça.

- Long Weras. - Aquele nome ressoou na sua cabeça como uma flecha.

Melina perdeu toda a sua força caindo no chão e desmaiando, seu corpo não aguentou o choque de lembrar da pessoa que uma vez tirou a vida do seu irmão mais velho...

A expressão sombria que emanava em Haku, era exatamente idêntica a que seu inimigo jurado exalava, Long Wares era o único nome que fazia seu coração apertar, e por esse nome ela caiu no chão desmaiada.

Haku a segurou antes que ela batesse com a cabeça no chão e gentilmente a deitou.

Angelina com a mão na boca sem entender nada, ficou ali imóvel, sem se mexer, ela olhou para Haku que tinha uma expressão indiferente.

- Ela parece ter sofrido de falta de energia. - Ele explicou para Angelina. - Parece que se acumulou durante as horas inteiras.

- E quanto a nós? - Angelina perguntou. - Deixaremos a irmã Melina aqui?

Haku levantou o seu olhar para Angelina.. Ele mentiu para a garota a sua frente sobre a causa do desmaio de Melina para não a assustar mais. Batimentos altos, uma expressão dolorosa, perda de foco antes de cair.

Era uma lembrança horrível que deve ter tido, ele confirmou para si.

Uma lembrança do tamanho de um pesadelo, suportar isso para si era realmente um fardo, e pelo que parece algo carregar algo assim consigo a levou a ter um distúrbio justamente ali.

Simplesmente imprevisível.

Haku se levantou e suspirou.

- Acho que seremos só nós dois, Angelina.

- S..Sim..

O garoto foi a frente suspirando com cansaço.

- Não queria usar isso agora, mas parece que não tenho escolha...

Mais da metade da lâmina foi sacada e voltou para dentro da bainha em um único suspiro, Haku foi encharcado de suor e se ajoelhou se apoiando levando a mão no peito enquanto gemia de dor.

- Voo... da Águia!

Booom...

Boom...

O chão abaixo da dividida onda de Traros explodiu para todos os lados, as explosões cresceram com chamas vermelhas para o ar enquanto o som de uma águia se formou no ar, cada chama que saiu do chão foi para o céu formando a imagem da águia.

Os corpos dos Traros foi convertido em cinzas que se amontoaram nas dunas que também se converteram a cinzas, tudo isso queimado pelas chamas vermelhas, uma cena linda de um jovem que convocou o rei dos céus a fim de queimar tudo.

A águia, por fim, balançou suas asas criando uma brisa forte, Angelina caiu sentada ao ser atingida pelos ventos, ela teve que colocar a mão a frente dos olhos para que a areia e também as cinzas não atingissem seus olhos.

Quando ela os abriu e viu a cena a seguir, seu corpo tremeu.

- Tudo.. Sumiu?!

As dunas, as cinzas, tudo... foi embora..

Haku ajoelhado riu de si mesmo.

- E achar que eu gastaria energia para nada, esse teste idiota de força...

Com um último suspiro, ele caiu de peito no chão antes de desmaiar.

Haku Menbey, o futuro ainda tinha seus caminhos já traçados para ele.

Por Amnésia | 25/12/17 às 14:02 | Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Brasileira, Poder, Adulto, Elementos de Cultivo, Ação