CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 18 - Família

Legado dos Deuses (LDD)

Capítulo 18 - Família

Autor: Amnésia

Sem dizer nada, sem avisar ninguém, sem ao menos contatar sua família, Fukai atravessou o portão da grande família Ferio.

Parado um passo do lado de dentro, ele respirou fundo com os olhos fechados. Aquele cheiro de madeira bruta tirada das árvores da floresta Ferio ainda estava no ar, era o cheiro que o fazia realmente se sentir calmo.

Ele demorou cerca de quase 10 horas de viagem a pé para voltar para sua casa, e só de estar ali e ouvir as vozes normais, a angustia o tomou conta, seu sangue circulava mais rápido e sua profunda energia estava cada vez mais desordenada.

- Você vai explodir assim! - Razam berrou.

Apertando os dois punhos, Fukai tentou se tranquilizar, respirou fundos várias vezes e levou a mão ao peito. Quando tudo se acalmou, ele deu seu segundo passo.

Uma voz o interceptou na hora.

- Ora, ora, o fedelho Fukai voltou para casa depois de tentar seu máximo no instituto. - Um jovem alto apareceu da esquerda com seus braços cruzados com um sorriso medonho no rosto. - Parece que você não conseguiu passar, não foi?

Fukai continuou quieto vendo a figura se aproximar.

- Não vai dizer nada para seu irmão Aner? - Ele se referiu a si mesmo. - Isso é uma tragédia, você que saiu faz tanto tempo agora nem mesmo quer cumprimentar seu irmão, o quão arrogante uma peste como você virou, não é?

Permanecendo calmo, Fukai balançou a cabeça.

- Você não é meu irmão.

Aner rangeu os dentes com raiva, e o segurou pelo colarinho.

- Como ousa dizer isso, seu verme? Eu sou irmão do seu irmão, e isso me faz parte de sua família.

Mesmo sendo segurado, Fukai não deixou de revelar desdém, e ainda riu de Aner.

- Meu irmão pode achar que você é alguém bom, mas nos meus olhos, nenhum tipo de parentesco vem na minha mente.

Aner girou seu corpo e o arremessou diretamente no chão, durante uma semana até aquele dia havia chovido, Fukai foi arremessado na lama e toda a sua roupa se sujou.

As pessoas que estavam a volta pararam seus afazeres para assistir aquilo.

Fukai havia retornado, e nenhuma mensagem de que fora ele quem tinha ganhado o titulo no Instituto Darey Mason, pelo que parecia estava tomando uma surra por não ter passado.

Aner Ferio era considerado irmão de juramento por France Ferio, mesmo suas raízes não sendo muito iguais, France via Aner como um irmão de verdade, e todos sabiam disso.

Fukai não o considerar de sua família era como zombar e cuspir na cara de Aner, era um ato desonroso e humilhante, era para perder a face completamente.

- Um pivete que nem conhece o mundo dizendo que não considera alguém que seu próprio irmão aceitou como um igual, está pedindo que eu te dê uma surra aqui mesmo. - Aner se aproximou tirando a bainha do coldre no quadril e retirou a espada do suporte. - Vamos, se levante, eu mesmo vou te fazer pedir perdão.

Ninguém a sua volta disse nada, além de sua própria mãe, nenhum outro membro dos Ferio gostava de Fukai. Por ele ser pequeno, fraco e nunca aceitar nada dos outros de cabeça abaixada, era como dar um tapa na cara de qualquer um.

Durante o tempo que Fukai esteve em casa, a diversão que tinham era ver Fukai apanhando do lado de fora de casa sem que ninguém intervisse.

- Um pedaço de lixo tentando ser grande. - Um homem suspirou virando seu rosto. - Não posso ver essa cena de novo.

- A mãe desse garoto, ela deve ficar decepcionada por ele estar desse jeito. - Uma mulher falou com nojo de Fukai.

Sendo uma das grandes famílias da seita Calto, as principais famílias que protegiam a seita era os Salto, Sá, Quito e Menbey. Os Ferio nada eram mais do que o suporte para essas famílias, e seu ódio há muito tempo difundido por eles.

Fukai deitado na lama todo sujo, nada fez.

Os presentes que ele deu para as famílias era para assegurar que as ações anteriores dos Ferio contra eles fossem vingadas. Sua mãe estava ali presente, e sua irmã mais nova também, se algo acontecesse com elas, Fukai não saberia o que fazer.

E mesmo se toda a família Ferio descarregasse toda a sua raiva neles, então assim seria feito.

Ele era maltratado desde quando tinha 9 anos, desde que seu irmão saiu de casa, e até hoje, o brilho ferrosos dos olhos de cada um dos moradores dos Ferio não era pouco, e sempre que podiam, era descarregado nele.

Tudo para sua irmã e mãe, tudo para elas.

Aner puxou a espada da bainha e apontou diretamente para o pescoço de Fukai rindo.

- Está com medo?

Fukai piscou seus olhos calmamente, e negou.

- Nem se tivesse dez de você.

As vozes se levantaram atrás dele.

- Que audácia.

- E pensar que a família do antigo protetor fosse tão irresponsável e criou um filho tão besta.

Fukai girou sua cabeça como uma fera para a pessoa que tinha dito aquilo, seus olhos cheios de intenção assassina, com um frio correndo pelos ossos, a pessoa retraiu seu olhar com medo.

Aner o arremessou no chão de novo e ergueu o braço para cima, a lâmina brilhou fracamente.

- Para que você aprenda o seu lugar, pedaço de lixo imundo.

A lâmina desceu...

Uma segunda espada bloqueou o golpe, a pessoa de pé ao lado de Fukai caído e seu rosto estava muito sério.

A pessoa usava um roupão escuro cortado no meio, um rabo de cavalo preso e segurava uma espada com tamanha força que era até impossível de calcular sua força. Aner tremeu recuando, seu corpo foi atingido por um frio capaz de atormentar até mesmo os demônios de gelo.

A pessoa era Ana Ferio, um dos pilares da geração de France Ferio, irmão de Fukai.

Ela era linda, cabelos lisos presos com o rabo de cavalo, um rosto fino parecido ter sido esculpido e tinha uma beleza ardente, os fios de cabelos soltos aos lados voavam a frente seus olhos azuis e sua pele era bronzeada.

Atualmente, era ela quem comandava a movimentação de transporte dos Ferio para a Seita Calto.

Com uma das representantes e também uma amiga muito íntima de France, no momento que ouviu que Fukai havia voltado, seu corpo se aqueceu em alegria, Fukai Ferio era a cara de seu melhor amigo, e também seu esposo, France Ferio.

Carregando aquela aura dominante, ela deixou todos perplexos.

- Ana atingiu o sétimo nível do Reino Terrestre. - Muitas bocas se abriram em descrença.

- Agora ela está três níveis acima de Jin Xau da família Sá.

- Agora nossa família finalmente pode ser chamada de família anciã.

Esquecendo completamente do ocorrido com Fukai ainda caído, as vozes se elevaram ao redor da única mulher que conseguia ser o pilar mais próximo da perfeição.

Tendo apenas 21 anos, ela conseguiu atingir o marco do sétimo nível Terrestre. Para uma família grande isso era bom, as outras famílias não conseguiam criar alguém até o quinto nível no Terrestre até que completasse 25 anos.

Para os Ferio isso era algo esplendido.

Mas Ana, ela ainda estava com o rosto fechado completamente para os demais a sua volta, nenhum agradecimento, nenhuma palavra de retorno, apenas aquele rosto belo e carrancudo encarando Aner.

- Me diga, o que você acha que está fazendo? - Sua voz saiu com um tom ameaçador.

Aner tremeu na presença dela, era claro a diferença de forças e popularidade, mas, ainda assim, em sua visão, ele tinha a razão.

- Esse fedelho, ele afirmou que eu não era o irmão de juramento de France. - Aner afirmou ainda segurando sua espada nervoso. - Não acha que ele deveria tomar uma surra ao dizer essas palavras de seu esposo?

Ana arqueou as sobrancelhas.

- France pode te aceitar como quiser, mas quem decide que você é irmão de Fukai? - Ana falou com autoridade fazendo os demais a sua volta ficarem um pouco atordoado. - Ninguém é obrigado a te aceitar como parente só por querer, Aner.

- Isso é ridículo, por que defender alguém tão fraco como ele que nem mesmo retruca? - Aner olhou para Fukai que estava se levantando. - É necessário que uma mulher esteja na sua frente para te proteger, Fukai?

Ana ergueu seu braço a frente e apontou para Aner.

- Você sabe o que ele fez? Ele foi daqui ao Instituto Darey Mason a pé ficando quase que 2 dias andando sem saber o caminho, sem uma espada, sem um pingo de responsabilidade de passar naquela prova, e voltou depois de quase uma semana.

Ana olhou para os demais a sua volta.

- Ele passou em primeiro lugar cumprindo uma promessa que fez para seu irmão, meu esposo, há quase 7 anos atrás, e é assim que vocês tratam uma pessoa que passou pelo inferno para trazer a glória a nossa família?

Fukai nem se importou com o que ela havia dito, bateu nas suas roupas tirando a lama, mas não conseguindo a deixar limpa.

- Isso é realmente verdade?

- Alguém com um nível tão fraco conseguiu passar naquele instituto? Então as pessoas deviam ser tão fracas quanto ele, hahaha.

Mesmo Ana dizendo aquelas palavras, um pouco de zombaria ecoou das pessoas.

- Uma pessoa passou isso tudo por vocês, e ainda assim vocês estão paradas sem abaixar suas cabeças? - Outra voz veio de longe, dessa vez era tão alta que quase explodiu o tímpano dos demais que estavam no pátio do lado de fora.

Suas cabeças se direcionaram para cima onde uma pessoa estava flutuando alguns metros acima do chão, carregava uma aura tão pesada e autoritária que era até mesmo difícil suportar a pressão.

As gargantas de todos os que antes estavam calmos e zombaram de Ana e Fukai tiveram uma pequena gota de saliva descendo e rasgando suas gargantas completamente.

Suas caras ficaram feias.

- Patriarca Mu Ferio.

- É o Patriarca.

Os demais abaixaram a cabeça ao saudá-lo, o respeito que tinham por aquele homem era algo difícil de explicar.

A pessoa que fez com que a família Ferio saísse da miséria e fosse colocada como uma das grandes famílias foi Mu Ferio. Com um poder de selamento totalmente inovador, Mu Ferio foi capaz de atingir o oitavo nível do Reino Sol Nascente.

Era uma figura onipotente que ninguém ousava desafiar.

E também, pai de Ana Ferio, sogro de France Ferio.

Aner que antes não ligava para o aparecimento de Ana, quase se mijou quando viu o Patriarca voando no céu de braços cruzados.

Como ele saberia que o Patriarca não estaria preso em sua cultivação de portas fechadas? Que azar, isso era tudo culpa de Fukai, esse pivete.

- Hoje, um garoto cumpriu uma das nossas principais razões para nos tornarmos uma grande potência na Seita Calto, alguém cujo poder desafiou muitos outros além, bem-vindo de volta a casa, Fukai Ferio.

Fukai cuspiu no chão.

- Casa? - Ele falou baixo. - Esse lugar podre cheio de gente podre.

Mesmo que ele falasse baixo, o Patriarca que tinha uma audição acima do comum o ouviu, mas nada disse.

- Algo errado, jovem? - Mu Ferio perguntou.

Fukai ergueu sua cabeça para Mu Ferio e abaixou a cabeça.

- Agradeço as palavras do Patriarca da família Ferio, atualmente desejo ver minha mãe antes de assumir qualquer compromisso com o senhor e também os grandes Elders.

Mu Ferio acenou com a mão para o lado.

- Você deve ir para sua casa então, prometo a você que ninguém te perturbará enquanto estiver lá.

Sem respondeu, Fukai bufou para o lado e seguiu o caminho para a esquerda totalmente desrespeitoso, não deu face alguma para as pessoas a sua volta, e nem mesmo para Ana.

Ele simplesmente seguiu para fora dos arredores até entrar em uma ruela, as casas eram todas muito juntas, mas com apenas viradas em algumas esquinas, as pessoas poderiam o perder de vista.

Parando a frente de uma das casas, o coração de Ferio se acalmou.

- Por que deixou aquele homem te arremessar no chão daquela maneira? - Razam perguntou curioso. - Com sua força e a minha espada poderia ter o derrubado completamente no chão, até mesmo matá-lo seria fácil.

Fukai riu.

- E não acha que eu queria fazer isso? O único problema é a ganância dessas pessoas, se soubessem que carrego uma lâmina curvada, logo eles tirariam de mim com a desculpa de que eu sou fraco demais para a empunhar.

- Então mate todos eles. - Razam deu uma simples dica. - Tire todos eles do caminho, você nem mesmo os considera como família, tire todos os obstáculos da frente.

- Ah, eu vou fazer isso, mas não agora, não agora, mestre!

Por Amnésia | 25/12/17 às 17:03 | Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Brasileira, Poder, Adulto, Elementos de Cultivo, Ação