CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 66 - Resultados de sacrifícios

Legado dos Deuses (LDD)

Capítulo 66 - Resultados de sacrifícios

Autor: Yuri Cavalier | Revisão: Paragon

As vozes gritavam, gritos de dores, lástimas e xingamentos de diversas pessoas ao mesmo tempo, todas elas bem pertos entrando nos ouvidos do garoto.

Era o som de vozes femininas, vozes masculinas, todas elas falando rapidamente como se discutissem algo, não dava para entender todas ao mesmo tempo, mas aos poucos começou a clarear.

O mundo escuro ainda permanecia escuro, estava frio, não tinha um pingo de calor.

Calor… Fukai não gostava mais disso, o mundo frio agora não era tão ruim quanto antes.

O mundo escuro frio agora era tão familiar e integrante de si que sequer pensaria em trocá-lo por um mundo cheio de raios de sol.

Nesse mundo escuro, duas figuras azuis sentadas muito longe dos olhos do garoto. Eles estavam de frente, dois homens de olhos fechados, sentados eretos em forma de lótus, e levavam a mão para perto do peito.

Estavam meditando.

Um deles tinha a parte de suas pernas marcadas por ferro quente, estava amostra, era repleta de marcas e arranhões do que pareciam ter sido resultado de uma grande queimadura antiga.

Fukai deu um passo para trás com medo, a marca, ele a reconhecia. A dor expressada em seu rosto era o resultado de como ele estava em relação a Razam.

O espírito parecia estar em paz, seu rosto quadrado, os olhos fechados em tranquilidade, mas sua boca, ela estava para baixa, triste, receoso e dolorido.

Ele tentava buscar a paz no seu interior para que a dor não mais pudesse fazer parte dele.

Mas enquanto Fukai estivesse ali, parado o encarando com dor por ter ferido um dos seus espíritos, essa sua paz não poderia ser encontrada.

E Reynold, sua expressão era simples, focada e bem moderada, mas Fukai podia ver sua Energia pela metade, seu corpo mais fraco do que o normal, todo a sua vitalidade roubada por alguma ação.

Estando interligada por meios vitais, Fukai pôde observar o que havia acontecido do lado de fora enquanto esteve meio apagado. Os flashes de imagens dos movimentos de Rey e sua força de vontade a materializar sua mão para que pudesse cortar a ligação do Caçador com Lingot.

Ele se feriu, quase que na mesma medida que Razam, sua força vital e Profunda Energia piores do que já era, antes ele estava no Reino Guardião, agora tinha caído para o Reino Elementar.

Razam havia se ferido ao ponto de que não poderia usar sua Energia nem mesmo para se materializar, o seu estado era o pior, todas as suas veias que transportavam Profunda Energia estavam enegrecidas e quase que extintas.

Ele era um espírito cadáver por dentro.

Fukai recuou mais passos ao vê-los daquela forma, era uma dor que emergiu do seu peito com força, era a mesma dor que sentiu quando viu seu irmão partir, quando viu sua mãe doente e irmã mais nova irem embora.

Uma dor de ter sido fraco e não ter o que fazer.

A confiança que havia reunido por incontáveis dias começou a desmoronar ali.

Reino Verminiano, esse era o fator, ele não tinha nada ainda, não era forte, não era nada além de um verme que não tinha força para sequer proteger dois espíritos que confiavam nele.

O garoto se ajoelhou em fraqueza, colocou a mão na frente de seus olhos e bateu a testa no chão se curvando.

Ele lastimou por incontáveis horas por ser fracos. Por dias, por ser um verme. Por uma semana, por ser alguém que não pode proteger os demais.

Fukai Ferio havia perdido metade de sua Energia de Alma pelo fato de que Razam havia se ferido, e recuperar isso era quase que impossível.

Esse era mais um atraso que o deixava distante do seu objetivo, que era levar Razam e agora Reynold de volta para o Plano Celestial.

Sua força não era nada além de lixo.

Fukai Ferio era o lixo que todos gostavam de humilhar, e agora ele parecia aceitar isso.

Com o tempo passado, suas lástimas e seus desejos revogados começaram a perder o som com sua garganta que não mais podiam produzir sons. Ele tinha se distanciado dos dois espíritos ao ponto de somente ver duas chamas azuis numa distância de quilômetros de distâncias.

Ele berrou todo aquele tempo para si mesmo o quanto era fraco e aceitou isso de uma vez por todas.

Essa aceitação deu lugar a sua mente começar a trabalhar, aos poucos estava começando a ficar escura, estava perdendo sua mentalidade, estava caindo nas armadilhas mentais que nunca pensou.

Ele estava se colocando inferior a todos os demais a sua volta.

Para Pin, ele era a pior escolha. Para Garp e Melina, ele não era nada além de alguém que interesseiro que usou a sua relação para melhorar a condição sociável de sua família.

Para Razam e para Reynold, ele não devia ser a pessoa que andava com suas espadas em mãos.

De testa virada para o chão, ele apenas sofria agora em silêncio, por não ter nada o que fazer.

Nenhum pio, nenhum som. O mundo Escuro era parecido com sua mente naquele momento, nem um pingo de ação, ele estava começando a se fechar novamente, exatamente quando esteve nas minas de carvão junto de seu irmão.

O mundo fechado e escuro que a mina era. Sem ar, sem esperança para se tornar forte, ele só se via confiante na presença das pessoas.

O mundo escuro sumiu…

Fukai abriu seus olhos, o teto cinza cheio de vigas de madeira sustentando a parte de folhas no alto foi a primeira coisa que viu. Ele piscou duas vezes, sua mente ainda estava presente em lembranças curtas da luta que teve contra o Caçador.

Sem se interessar por onde estava, ele continuou observando o teto.

Mas um vulto usando roupas brancas se levantou na diagonal do seu olhar, passou correndo para fora do que parecia ser um cômodo e desapareceu.

Dai a pouco, duas outras pessoas entraram correndo apressados, seus rostos meio chocados e um pouco nervosos.

- Ele acordou mesmo, não é? - A voz de uma senhora foi fraca, ela entrou logo depois dessas duas pessoas e passou por eles ficando de frente para os olhos de Fukai que somente olhavam para o teto a ignorando. - Olhos cinzas, era o esperado.

A velha com uma bengala na mão esticou sua mão para trás e uma cadeira foi puxada por um dos que estavam dentro do quarto, ela se sentou ao lado do garoto deitado e continuou a observá-lo.

O homem que estava com ela ficou ao seu lado e perguntou um pouco medroso:

- Devo chamar o Segundo Comando, senhora Avallon?

- Sim, sim. - Ela respondeu sem desviar a sua atenção. - Ele vai querer saber que o garoto que o salvou está vivo.

O homem concordou agora deixando um pouco de alegria tomar seu rosto e saiu rapidamente do quarto.

A outra pessoa agora foi a que chegou ao lado da senhora.

- Senhora Avallon, o que devo fazer?

- Vá pegar água morna e um pouco de aveia, a situação dessa criança ainda é bem horrenda. - Ela disse novamente sem tirar sua atenção do garoto. - E chame Gallo, por favor, ele deve vir junto de Tulio para ver essa criança.

A mulher concordou em respeito se curvando e saiu apressada do quarto.

Avallon, agora sozinha, revelou um suspiro longo de cansaço.

- Pois bem, criança. - A mulher inclinou sua cabeça para frente e perguntou. - O que aconteceu com sua alma para ter sido arrancada de maneira tão miserável?

Fukai que só ficava olhando para o teto, mexeu suas pupilas na direção da senhora. Seu rosto estava pálido, sua boca ressecada foi aberta para responder, mas nenhuma voz saiu.

Sua garganta parecia danificada.

- Foi uma pergunta retórica. - Ela disse se inclinando de volta para trás. - Tulio e Gallo me contaram o que aconteceu na floresta, um Ferio querendo dar a planta de toda a sua casa por uma técnica e um estilo de luta.

Avallon riu dele achando graça.

- É a primeira vez que vejo isso. - Ela disse como se conversasse com Fukai e pudesse ouvir ele falando, mas a boca do garoto estava fechada. - Deve estar desesperado demais, não é?

A cabeça de Fukai não mexeu, mas seus olhos desviaram da senhora.

- Não se preocupe, desespero às vezes é bom, faz com que nós sempre estejamos atentos a perigos e armadilhas. - Ela respondeu refletindo o desvio de olhar de Fukai. Ela esticou a mão para uma prateleira não muito longe e uma fruta veio voando e ela a pegou. - Mas o homem que estava o atacando, ele é uma pessoa na qual devia estar bem furioso.

Fukai voltou a olhar para a mulher curioso, ele não tinha visto nada depois que Reynold perdeu sua visão e desmaiou.

- Ah, você quer saber sobre isso? - Ela riu. - Bem, eu posso te contar, mas os outros não queriam deixar que soubesse sobre isso, poderia afetar muitas vidas daqui pra frente.

A mulher sorriu com um pouco de mistério e se aproximou do ouvido de Fukai.

- O homem que estava querendo te matar, ele foi contratado por duas pessoas, o Segundo Elder dos Ferio e mais uma pessoa, essa pessoa é Lau Gaufeng…

Os olhos de Fukai se arregalaram…  WTF?

Por Amnésia | 03/03/18 às 12:51 | Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Brasileira, Poder, Adulto, Elementos de Cultivo, Ação