CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 74 - Golpe de resistência

Legado dos Deuses (LDD)

Capítulo 74 - Golpe de resistência

Autor: Yuri Cavalier | Revisão: Paragon

Os ataques do lado Leste estavam sendo contidos completamente pelos Anciões, por outro lado, o lado Norte estava tendo muita dificuldade de lidar com a vantagem numérica, a cada inimigo derrotado ou morto mais 10 deles apareciam.

Mesmo que fossem apenas do Reino Terrestre, um único humano não podia se comparar contra dez ao mesmo tempo.  

Havia se passado cerca de 1 hora desde que a batalha de Gallo e seu pelotão começou. O negro ordenava para que suas tropas fossem todas colocadas em uma muralha para que os inimigos não passassem.

Ele estava contando com a ajuda de Juno que deveria ter se juntado ao lado esquerdo da batalha por trás das árvores. Ela seria o reforço que dominaria completamente esse confronto, se ela aparecesse, seria a vitória certa.

Mas a mulher sequer parecia existir. Nem mesmo a presença de seu pelotão estava a vista.

Gallo buscou ajuda de todos os lados com um rosto ensanguentado, os seus homens começaram a cair um por um, a resistência que havia montado por tanto tempo estava começando a ceder, se fosse agora, então que a morte o abraçasse de bom grado.

O homem, em vez de recuar, foi a frente.

- Não vai ser agora que vou recuar por um bando de ratos insignificantes. - Ele juntou toda a sua Profunda Energia, fazia tempos que utilizava outra coisa a não ser suas próprias habilidades, ele riu desse momento. - Tufão Demolidor…

Ele fechou o punho socando o ar a sua frente fazendo seu duelo entre os elementos fogo e vento colidirem com mais força. Ele moldava o ar a sua volta e o atirava com toda força para frente fazendo a terra e pedregulhos também serem mergulhados no caos.

As chamas começaram rapidamente a se fundir com o vento e crescer mais e mais forte.

Gallo praguejou aumentando mais sua pressão e liberando toda a sua Energia, esse seria o teste de resistência que tanto propôs para si mesmo.

- Tufão Demolidor…

Um segundo soldado apareceu do seu lado socando o ar e lançando uma segunda remessa de um tufão extremamente forte para cima das chamas.

Os dois Elementos se colidiram e expandiram mais uma vez, as chamas cresceram queimando e transformando em cinzas todas as árvores e arbustos a sua volta.

Os homens que faziam suas chamas serem liberadas estavam sendo pressionados para trás pela ventania. Suas pernas estavam fincadas no chão e ainda assim a pressão do ar os conduziu a voltar.

Aos poucos, homens começaram a se juntar de ambos os lados tentando golpear contra seu adversário. As chamas queimavam tudo por curtos segundos e as fortes ventanias apagavam e levavam o pó e cinzas para longe.

A guerra de resistência já havia começado e a primeira pessoa que tinha criado isso ainda lutava para que seus homens pudessem ser retirados do campo da morte.

Gallo berrava para os seus homens que ficaram esgotados para que criassem escudos e resgatassem seus companheiros que foram feridos nas batalhas anteriores.

Ainda que sua força não fosse comparada com seus inimigos, Gallo estava dando tudo de si para que não houvesse tantas baixas quanto previa.

Mas com os poucos números ao seu lado, eles começaram a perder espaço.

As chamas começaram a dominar completamente o campo do lado de fora e os homens que usavam armaduras de ferro bronzeada e atiravam chamas pelas mãos se aproximavam com facilidade por todos os lados.

Gallo só tinha a opção de recuar agora.

- Voltem… - Ele gritou unindo suas duas mãos para perto do peito e puxando o restante da sua Profunda Energia. - Está na hora.

Os que haviam ficado do lado de fora começaram a voltar com toda a pressa que podiam, mas Gallo não tinha mais nada o que fazer.

Um dos homens segurou seu ombro o puxando para dentro do portão, Gallo berrou ao ter toda a sua Energia dissipada, mas o que mais lhe perturbou foi o fato de mais de 20 homens foram pegos pelas chamas e cremados na mesma hora.

Gallo gritou tentando voltar para salvar seus colegas, mas o homem que o segurava era o próprio General Gum balançando sua cabeça.

- Não temos o que fazer agora. - Gum falou para ele triste. - Não tem nada que você faça agora, Gallo.

- Mas, senhor… - Gallo caiu de joelhos olhando para seu General. - Eles foram levados…

- Se recomponha, soldado. - Gum berrou para Gallo, mas valeu para todos a sua volta. - O sacrifício deles não vai ser em vão, vamos retomar a parte de fora e golpear contra os inimigos.

Gallo abaixou a cabeça, e continuou ouvindo seu geral berrar para todos a sua volta.

- Sabe, filho... - Gum falou baixo se ajoelhando e falando do lado do ouvido dele. - Eu sei que as vidas que carrega no ombro são todas preciosas, então vingue-as agora.

Gallo levantou sua cabeça lentamente observando Gum, mas seus olhos foram para trás dele onde Fukai, todo ensanguentado, segurava a cabeça de um dos homens que havia derrotado, era Guter.

- O que é isso? - Gallo levantou rapidamente voltando ao seu estado forte e determinado. - Pensei que essa peste já tinha ido embora.

- Está falando de mim? - Fukai riu zombando dele, jogou o corpo do Guter no chão e o chutou nas costelas o fazendo gemer. - Diga para ele, fale o que disse para mim.

- Que vocês vão para o inferno, todos vocês, os Ferio vão matar todos vocês, assim que esse portão cair, tudo vai ser demolido, todo o Império Quilin será nosso. - Guter gemeu e riu. - Não precisam se esconder, a morte de vocês será só um passo para um bem maior e unificado.

Gallo encarou Fukai e depois o homem.

- Desgraçado… - Ele acertou um chute bem no rosto do homem o fazendo desacordar. - Onde o achou, garoto?

- Estava prestes a assassinar o General Gum e começar um ataque pelas suas costas. - Fukai explicou. - Tem mais dois grupos que esperam o sinal desse homem para que comecem o ataque, e sei onde estão.

Gallo puxou sua lança das costas ansioso.

- Onde eles estão?

Fukai riu.

- Esperam atrás da sala de guerra por dois alvos. - Fukai pisou em cima do corpo do homem e apertou seu rosto contra a terra. - São dois Anciões importantes, eles tinham que tirar o único homem que podia ajudar em eficácia e depois atacar em conjunto os pilares da Seita.

Gallo concordou rapidamente e olhou para seu General. Limpou seu rosto tirando o acúmulo de suor de cima da testa e esticou o braço.

- Quero que tome conta do portão, senhor. - Ele falou sério. - E quero que procure por Juno, ela foi liderada por mim para pegar os flancos do lado esquerdo dos inimigos, mas não obtive respostas dela.

General Gum segurou o antebraço de Gallo e concordou.

- Não se preocupe, Fukai irá nos flancos ver o que está acontecendo, um único homem consegue passar pelas linhas de frente sem que os outros o vejam. - O General prometeu a Gallo. - Ela voltará bem, eu aposto minhas fichas em Fukai.

Gallo encarou Fukai de cima a baixo, mesmo conseguindo capturar o homem, Fukai ainda não tinha conquistado a confiança do negro por nada.

- Espero que a traga de volta.

- Espero que capture o líder, é um homem alto com cabelos curtos e uma cicatriz na boca. - Fukai respondeu. - Se acabar com ele, acaba com o plano inicial deles. - E riu. - Não se preocupe comigo, sei me virar.

Gallo levantou a sobrancelha e riu.

- Quero que essas malditas palavras sejam todas verdades, se Juno não voltar inteira, eu acabo com você.

Fukai chutou o corpo do homem no chão o fazendo gemer mais alto.

- Tem a minha palavra que os inimigos vão sofrer.

- A minha também. - Gallo disse antes de partir levando a sua lança para o alto. - Comigo, homens. Temos presas para caçar hoje.  

 

Por Amnésia | 13/03/18 às 21:54 | Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Brasileira, Poder, Adulto, Elementos de Cultivo, Ação