CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
48ª Mentira - Significado de Justiça

Lied (LD)

48ª Mentira - Significado de Justiça

Autor: Mitsuaki Seiji | Revisão: HebiTantei

Esta é uma história que remonta a um tempo em que os frutos do caos ainda estão sendo formados, os cruéis destinos a serem revelados.

Em mais um volume da jornada pelo Submundo, o “Herdeiro de Adão” travará memoráveis batalhas que lhe farão questionar sobre o seu papel neste conto, assim como conhecerá pessoas que lhe poderão dar as respostas que ele tanto procura.

Origens, convicções e deveres. Tudo será, mais uma vez, colocado à prova...

 

As memórias do passado levam Lied à identidade da Cobra Louca: Hitoshi Yasahiro, um órfão que viveu no mesmo orfanato do Herdeiro de Adão. O que é que isto significa?!

– Por quê…? Por que está aqui… Hito?!

– “Hito”…

– O que é que aconteceu contigo?

– D-DEVOOORAAAR!

Hitoshi tenta raciocinar por momentos, mas o inconsciente selvagem rapidamente o domina e cobras assaltam Lied à distância. O Príncipe Perdido é colocado contra a parede, os membros imobilizados, enquanto Hito se aproxima para finalizá-lo.

O príncipe faz uso da propriedade Expansibilidade e liberta o prana do corpo numa explosão que destrói as cobras, como fizera na segunda provação. A Cobra Louca não quer deixar a presa escapar e dá um soco que é bloqueado pela Anima Sancta, uma disputa de força.

– Para! Eu não quero lutar contra ti! – Lied apela.

– RAAAAAH!

Na outra luta que ocorre ao mesmo tempo, Susumu e Blasius travam um duelo com as suas armas de fogo espirituais, a habilidade no manuseio da pistola de agentes com formação.

– Ao me derrotar, pretende provar a legitimidade dos teus princípios. Todavia, tal nobre atitude é somente o espelho da arrogância própria – Blasius discursa.

– O que quer dizer? – Susumu pede explicações.

– Mais do que provar, você tenta forçar esses ideais nos outros, negando perspetivas diferentes e tomando a tua perspetiva como a única correta. Exatamente o que está fazendo comigo agora.

– Errado!

– Sendo assim, permita-me perguntar: o que é a “justiça”? Ou melhor, qual é o seu significado?

– O significado de justiça…? É óbvio que se trata de fazer o bem, agindo em conformidade com o direito!

– Hipócrita. Essa não é nada mais do que a sua visão pessoal. O significado é relativo, a aceção varia de indivíduo para indivíduo. Se a justiça que defende é uma prática que rejeita a liberdade de opinião, então não passa daquilo que tanto despreza, um narcisista corrupto, envolto na pior bolha de corrupção que é o ego humano!

– …Calúnias! Eu sou justo!

– E quem é que te deu o direito de decidir o que é, e o que não é, justo? Pensa que é Deus?!

– Não… esse é apenas… o meu dever…

– …Não tenho tempo para perder com pseudo-justiceiros.

As palavras de Blasius surtem efeito e Susumu entra em descontrole emocional. O detetive chega perto do asteca, o revólver do último esbarrando com a Justitia Progressus do humano.

– Você matou os seus próprios companheiros! Não há como isso ser JUSTIÇA!

– Eu nunca os considerei meus “companheiros”.

– MALDITO…!

A razão conjuga-se com a raiva. Zosimus, percebendo que a derrota podia estar iminente por conta dessa exaltação de Susumu, oferece a sua ajuda, mas…

– Não se meta, Zosimus! Esta luta… é MINHA!

– Susumu… – o Homem das Correntes somente murmura.

 

“Prove a sua justiça, com as suas próprias mãos!”

 

[FIM DO CAPÍTULO]

Por Mitsuaki Seiji | 07/06/19 às 21:20 | Ação, Aventura, Fantasia, Drama, Romance, Portuguesa, Mistério