CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 1.1

Mahouka Koukou no Rettousei (Mahouka)

Capítulo 1.1

Tradução: Eizan | Revisão: Laxuel | QC: Stromkirk

"Não posso aceitar isso."

"Você ainda está falando disso...?"

Era o dia da cerimônia de entrada na escola, duas horas antes do início da cerimônia. Os calouros cujos corações estavam cheios de antecipação pelo futuro que sua nova vida traria, juntamente com seus pais ainda mais exultantes, ainda eram poucos e distantes entre si.

Em frente ao auditório onde a cerimônia de entrada aconteceria, um casal, vestido com novos uniformes, estava, por algum motivo, em um desacordo verbal. Ambos eram do primeiro ano, mas seus uniformes eram estranhamente e distintamente diferentes.

Não estamos falando sobre a diferença entre calças e saia, nem a diferença entre um traje de homem e mulher. Mas sim, no fato de que no peito da estudante feminina estava o desenho de uma flor de oito pétalas, o emblema da 1ª Escola. Esse emblema não estava presente no blazer do estudante masculino.

"Onii-sama, por que você é um reserva? Você não foi o melhor colocado nos exames de admissão? Normalmente falando, você que deveria se tornar o representante do primeiro ano, não eu!"

"Colocando de lado a questão onde você obteve os melhores resultados do exame prático... uma vez que este é uma escola de magia, é óbvio que eles colocariam mais ênfase em habilidades mágicas práticas do que em um teste escrito, certo? Miyuki, você está bem ciente da extensão das minhas habilidades práticas, não é? Me surpreende que eu tenha sido aceito como estudante do Curso 2."

Era uma cena em que o estudante do sexo masculino tentava pacificar a aluna que atacava furiosamente com a língua afiada. Pelo fato de que ela havia chamado o estudante masculino de "Onii-sama", podemos presumir que são irmãos. Também não é improvável que eles sejam parentes próximos. Se eles são irmãos...

Então eles são irmãos que não se assemelham em nada.

De um lado, qualquer um que olhe para a irmã mais nova, sem dúvida, será cativado por ela; dez de dez pessoas, ou mesmo cem de cem pessoas, concordarão que ela é uma linda e adorável garota.

Por outro lado, o irmão mais velho, além de seus olhos perfurantes e costa ereta, nada em sua aparência comum poderia ser considerado atraente.

"Como você pode estar tão inseguro de si mesmo!? Mesmo quando não há ninguém que combine com você em estudos e taijutsu! A verdade é que, mesmo na magia -"

A irmã mais nova repreendeu o irmão mais velho por sua fraca proclamação, mas...

"Miyuki!"

Quando ele gritou seu nome com um tom excepcionalmente forte, Miyuki ficou sóbria e fechou a boca.

"Você entende, certo? Mesmo que você diga isso, nada vai mudar."

"... me desculpe."

"Miyuki..."

Ele colocou a mão em sua cabeça abaixada e lentamente acariciou seus cabelos pretos lustrosos, que não tinham um único frizz. "Agora, o que devo fazer para consertar seu humor..." o jovem que era o irmão mais velho refletiu com um rosto miserável.

"... Estou muito feliz por você se sentir desse jeito. Eu sempre sinto que estou sendo salvo quando você fica brava no meu lugar".

"Mentiroso."

"Eu não estou mentindo."

"Mentiroso. Onii-sama, você sempre briga comigo..."

"Eu não estou mentindo. Mas, eu também mantenho você em meus pensamentos da mesma forma que você me mantém nos seus."

"Onii-sama... 'me mantem em seus pensamentos', você diz..."

(...Huh?)

Por alguma razão, a jovem ruborizou.

Mesmo que o jovem pudesse sentir que uma semente de dissonância que ele não podia ignorar tinha sido semeada, para resolver o problema mais imediato, ele arquivou essa dúvida por enquanto.

"Mesmo que você volte atrás ao dar o endereço das respostas, não há nenhuma maneira de eu ser selecionado como substituto. Se você desistir na última hora, você não poderá evitar uma mancha em sua avaliação. Você entende isso, certo? Miyuki, você é uma garota inteligente."

"Mas..."

"Além disso, Miyuki, estou ansioso por isso. Mostre a este seu grande irmão inútil o momento de gloria de sua linda irmãzinha."

"Onii-sama não é um grande irmão inútil! Mas eu entendo. Por favor, me perdoe por ser teimosa."

"Não há nada para se desculpar. Nunca pensei nisso como teimosia."

"Bem, então, vou me despedir... Por favor me observe, Onii-sama."

"Sim, quebre uma perna*. Estou ansioso pelo o seu desempenho." *Quebre uma perna (break a leg) é uma expressão que significa boa sorte. É dito que a expressão surgiu nos teatros entre os artistas que, conhecidos por crerem em superstições, achavam que desejar boa sorte era algo que na verdade traria azar. Então, é desejado boa sorte expressando de maneira contrária.

"De qualquer forma, até mais tarde."

A jovem se curvou e desapareceu no auditório. Depois de verificar que ela tinha saído, o jovem deu um suspiro de alívio.

(Bem... o que devo fazer agora?)

O jovem que acompanhara sua irmãzinha, que, relutantemente, se tornou a representante do primeiro ano, para a escola antes do início do ensaio de cerimônias, não sabia a forma como deveria passar as duas horas restantes antes do início da cerimônia da escola.


◊ ◊ ◊




O prédio principal, o prédio de práticas e um prédio experimental constituíram três dos edifícios escolares.

Um auditório/ginásio cujo layout interno pode ser alterado através de máquinas de transformação. Uma biblioteca com três níveis acima do solo e dois níveis abaixo. Dois pequenos ginásios. Um edifício de preparação equipado com vestiário, uma casa de banho, uma sala de armazenamento de equipamentos e as salas dos clubes. A cantina, a cafeteria e o departamento de compras estão em outro prédio. E acima de tudo, os vários grandes e pequenos anexos construídos fazem com que o design da 1ª Escola pareça mais como o campus de uma universidade suburbana do que com uma típica escola de ensino médio.

O jovem olhou para a esquerda e para a direita enquanto andava por um caminho pavimentado com uma camada de tijolos, procurando um lugar para descansar até a hora de entrar no auditório.

O cartão de identificação que lhe permitiria usar as instalações da escola só seria distribuído após a cerimônia de entrada da escola ter terminado. A fim de evitar uma cena de caos, o café aberto que era destinado a servir os visitantes também estava fechado hoje.

Após cinco minutos de caminhada seguindo o mapa do campus exibido em seu terminal móvel, além de uma fileira de árvores, que estavam posicionadas de forma que não poderiam escapar e seu campo de visão, ele viu um banco no pátio.

‘Que bom que não está chovendo’, um pensamento frívolo entrou em sua mente quando ele sentou no banco para três pessoas, abriu seu terminal móvel e começou a acessar um portal de livros que ele gostava.

Este pátio parece ser um atalho do edifício de preparação para o auditório. Provavelmente foi delimitado pela administração da cerimônia de entrada para ajudar. Ou seja, os alunos atuais que estavam passando pelo jovem a uma pequena distância, todos eles tinham o mesmo emblema de uma flor de oito pétalas no lado esquerdo de seu peito.

Ao passarem, um rastro de palavras artificiais e mal-intencionadas escapou de suas costas.

“Ele não é uma erva daninha?”

“Ele veio cedo... ele com certeza está entusiasmado para um reserva.”

“No final, ele é apenas uma peça de reposição.”

Uma conversa, que ele realmente não queria ouvir, entrou em seus ouvidos.

O termo “Erva Daninha, se refere a um estudante do Curso 2.

Os alunos que têm o emblema de uma flor de oito pétalas na área do peito do lado esquerdo de seus blazers são chamados de "Flores", enquanto os alunos do Curso 2 que não têm são desprezados e comparados a ervas daninhas.

A cota para os calouros nesta escola é de duzentos. Entre eles, cem deles entram nesta escola como estudantes do Curso 2.

A 1ª Escola, que é afiliada à Universidade Nacional da Magia, é uma instituição estabelecida sob a política nacional, com a finalidade de nutrir técnicos mágicos. Em troca de um orçamento concedido pelo país, tem a obrigação de produzir resultados definitivos.

Todos os anos, está escola produz mais de uma centena de diplomados que entram na Universidade Mágica ou se inscrevem em um Instituto Técnico Mágico de Treinamento Superior Especializado. Embora seja uma pena, o fato é que a educação mágica é uma questão de tentativa e erro. Os acidentes, que vão além do nível de pequenos contratempos, podem acontecer facilmente através dos treinamentos e experimentos mágicos descuidados.

Mesmo os alunos estando conscientes dos perigos envolvidos, alguém ainda apostará seu futuro em seu próprio talento em magia e na possibilidade que existe em si mesmo, seguindo o caminho para se tornar um mágico.

Quando há apenas um punhado que possui tal talento, e esse talento é altamente valorizado pela sociedade, poucos o jogariam fora, ainda mais para os jovens que ainda não atingiram a maturidade individual, os tornando incapazes de perseguir outro caminho além de um "futuro brilhante".

Outro fato, como consequência de tal sistema de crença se fixando dentro deles, muitas crianças foram carregadas de "feridas" desse sistema de crenças. Graças ao acumulo de conhecimento, a maioria dos acidentes que resultam em mortes ou deficiência física foram erradicados.

No entanto, o talento magico pode ser facilmente prejudicado através de um componente psicológico.

Todos os anos, o número de alunos que abandonam os estudos como resultado da incapacidade de usar magia devido ao choque de um acidente não é pequeno.

Os que preenchem esta lacuna são os "alunos do curso 2".

Ao se matricularem nas escolas, eles podem participar de aulas, utilizar as instalações e ter acesso aos dados, mas eles não possuem o componente mais importante em seus estudos, que seria o direito a receber instrução pessoal em habilidades práticas de magia.

Eles só podem aprender por conta própria e mostrar resultados através de seus próprios esforços. Se eles não conseguirem fazer isso, terão que se formar em uma escola secundária normal. Se não se formar em uma escola de magia, não pode estudar na Universidade de Magia.

Dado que o número de pessoas que podem ensinar magia é muito pouco, é inevitável que os mais talentosos recebam prioridade. Desde o início, os alunos do Curso 2 são aceitos sob a condição de que ninguém irá ensina-los.

Publicamente, é proibido chamar os alunos do Curso 2 de "Ervas daninha". No entanto, podemos dizer que este se tornou um termo depreciativo bem conhecido para eles, é um termo que está enraizado mesmo dentro dos próprios alunos do Curso 2. Mesmo os alunos do Curso 2 devem reconhecer que não são mais que peças de reposição.

Era o mesmo para o jovem. Era por isso que não havia necessidade de eles terem falado em voz alta de propósito para ele perceber isso. Ele havia entrado nesta escola enquanto estava plenamente ciente disso.

“Que favor desnecessário da parte deles.”, o jovem pensou quando voltou sua atenção para o portal de livros que havia carregado no seu terminal de dados.


◊ ◊ ◊


No terminal de dados aberto, um relógio foi exibido. Sua consciência, imersa na leitura voltou à realidade. Havia outros trinta minutos até a cerimônia de entrada da escola.

"Você é um aluno novo? É quase a hora da cerimônia."

Ao mesmo tempo, ele estava prestes a se levantar, tendo saído de um dos seus portais de leitura favoritos e fechado seu terminal de dados, uma voz veio de cima dele.

A primeira coisa que veio à vista foi a saia de um uniforme. Depois disso, envolvido no braço esquerdo era uma ampla pulseira. Mais ampla e mais fina que um bracelete normal, foi o último modelo de CAD feito pensando na moda.

CAD (Casting Assistance Device) – Dispositivo Auxiliar de Conjuração. Neste país, também é conhecido como um (Operador Mágico).

Algo que substituiu ferramentas como os cantos de feitiços, talismãs, selos de mão, círculos mágicos, tomos mágicos e outros métodos tradicionais de invocação de magia, é uma ferramenta necessária para qualquer técnico mágico moderno.

Hoje em dia, não há pesquisas sobre o uso de uma única palavra ou uma única frase para invocar magia. Quando usado em conjunto com talismãs e círculos mágicos e outros, a invocação mais curta levará cerca de dez segundos, enquanto os mais longos podem demorar mais de um minuto, dependendo da magia, em contraparte, o CAD pode reduzir para menos de um segundo.

Embora seja possível invocar magia sem CAD, o número de Técnicos Mágicos que não usam CADs, que podem rapidamente acelerar a invocação da magia, equivale a zero. Entre aqueles que se dedicaram à especialização de uma habilidade particular em trazer fenômenos sobrenaturais com apenas a vontade deles, os chamados "Usuários de Poderes Sobrenaturais", aqueles que procuram a velocidade e estabilidade que um sistema de ativação pode trazer se tornaram a multidão dominante que usam e amam os CADs.

No entanto, isso não significa que qualquer pessoa que possua CAD pode usar magia.

O CAD só fornece a sequência de ativação, e é a habilidade do próprio técnico mágico que invoca a magia. Em outras palavras, os CADs são arenques vermelhos* para aqueles que não podem usar magia, e são carregados apenas por aqueles envolvidos com magia. Arenque vermelho (red herring) é uma expressão que significa que “algo é enganoso”, uma “pista falsa”. No caso, refere-se ao engano que usar um CAD dará a habilidade de usar magia.

E então, de acordo com a memória do jovem, os alunos que tinham permissão para carregar persistentemente um CAD dentro dos complexos da escola eram membros executivos do conselho estudantil ou membros de um comitê específico.

"Obrigado, eu vou indo."

Na área esquerda do peito da outra parte, era, claro, o emblema da flor de oito pétalas. A protuberância do peito que estava empurrando o blazer não agitou nenhuma parte de sua consciência.

Ele não escondeu seu peito esquerdo. Ele não fez um ato tão covarde.

Mas, isso não significava que não houvesse nenhum tipo de mal-estar. Ele não podia se imaginar envolvido ativamente com um alto empreendedor que parecia ser um membro executivo do conselho estudantil.

"Estou impressionada. Um tipo de tela?"

No entanto, a outra pessoa parecia pensar o contrário. Ao olhar para a tela do terminal de dados móveis que o jovem dobrou em três com a mão, a pessoa sorriu, como se estivesse encantada com alguma coisa.

Neste momento, o jovem finalmente olhou para o rosto dessa pessoa. O rosto dessa pessoa era de vinte centímetros inferior à altura do jovem que havia se levantado do banco.

A altura do jovem era cento e setenta e cinco centímetros, como tal, mesmo para uma mulher, ela era baixa. Ela estava apenas na altura certa para verificar se ele era um estudante do Curso 2 com sua linha de visão.

Mas seu olhar não tinha a menor sugestão de menosprezo, e, em vez disso, foi preenchido com uma admiração pura e inocente.

"Nossa escola não permite o uso de terminais de exibição virtual. Mas ainda é lamentável que muitos alunos ainda utilizem o tipo de exibição virtual. No entanto, você está usando o tipo de tela mesmo antes de se inscrever na escola."

"O tipo virtual não é adequado para leitura."

Qualquer um poderia dizer que seu terminal era antigo com um olhar, então ela não se preocupou em perguntar mais.

A resposta do jovem que soou como uma desculpa foi fruto de um pensamento cuidadoso, pois, se ele fosse excessivamente contundente, se tornaria uma desvantagem, mais para sua irmã mais nova do que para si mesmo, pois ele estava certo de que sua irmã mais nova, que era a representante do primeiro ano, provavelmente seria escolhida pelo conselho estudantil.

Ao ouvir essa resposta calculada, a colega superior ficou ainda mais impressionada.

"Em vez de assistir animação, você lê, huh? Isso é ainda mais raro. Eu também prefiro informações baseadas em livros do que aquelas baseadas em animação, então eu estou um pouco feliz."

Na verdade, enquanto esta é uma era em que o conteúdo virtual é preferido sobre o conteúdo de texto, os leitores de livros não são realmente tão raros.

De alguma forma, parecia que essa senpai tinha uma personalidade bastante sociável. A julgar por seu tom e discurso, ela parecia estar ficando mais amigável.

"Ahh, peço desculpas. Sou a presidente do conselho estudantil da 1ª, Saegusa Mayumi. Escrito como 'sete ervas (Nanagusa)', lido como Saegusa. Prazer em conhecê-lo."

Mesmo que ela adicionasse uma piscadinha no final, não havia surpresa no tom dela. Com a aparência de uma menina bonita e, juntamente com um corpo bem proporcional, apesar de sua pequena estatura, ela irradiou uma atmosfera tão sedutora que não seria surpreendente se os alunos recém-matriculados do sexo masculino interpretassem erroneamente suas intenções.

Mas ainda assim, ao ouvir sua auto apresentação, o jovem parecia franzir a testa involuntariamente.

‘Um número... e para completar, um 'Saegusa (Seven Grass)'.’

A habilidade de um mago é muito influenciada pela hereditariedade. As qualidades de um mago são muito relacionadas à sua linhagem. E neste país, as casas que possuem uma linhagem de sangue superior em magia carregam um número em seu nome de família por tradição.

Entre as linhagens de magos numeradas que possuem um fator hereditário superior, os Saegusa estão entre as duas casas consideradas mais poderosas neste país. A jovem mulher que era a presidente do conselho estudantil desta escola provavelmente era uma descendente direta. Em outras palavras, ela era uma elite entre elites. Podendo até dizer que ela era exatamente o oposto dele.

Segurando um murmúrio amargo, e de alguma forma conseguindo trazer um sorriso cortês, o jovem retornou seu nome.

"Eu sou, não, meu nome é Shiba Tatsuya".

"Shiba Tatsuya-kun... Eu vejo. Você é aquele Shiba-kun hein..."

Os olhos da presidente do conselho estudantil se arregalaram de surpresa, depois disso, ela assentiu de maneira significativa.

Bem, de qualquer forma, enquanto ele era o irmão mais velho da representante do primeiro ano, a principal estudante de entrada, Shiba Miyuki, ele era um idiota que não podia usar magia. O "aquele" provavelmente se referia a isso.

Pensando nisso, Tatsuya ficou educadamente calado.

"Entre os professores, você tem sido um assunto muito popular."

Mayumi disse depois de um sorriso alegre, parecendo despreocupada com o silêncio de Tatsuya.

Era provavelmente devido a quão raro era ter um par de irmãos que estavam muito longe um do outro, pensou Tatsuya.

No entanto, nenhuma incredulidade ou emoção negativa poderia ser sentida dela. Ele não sentia nenhum sinal de ridículo embutido nesse sorriso. Ele só podia sentir uma positividade amigável que emanava do sorriso de Mayumi.

"De uma centena de pontos, a pontuação média de todas as sete disciplinas no seu exame de admissão foi de noventa e seis. Especialmente, as melhores eram Teoria Mágica e Engenharia Mágica. Mesmo que a nota média daqueles que passaram não fosse mais de setenta, você obteve uma nota perfeita sem problemas para ambos os assuntos que tiveram perguntas baseadas em experimentos. É uma elevação inédita do recorde."

Não era sua imaginação ouvir esses louvores sem reservas, pensou Tatsuya. A razão era porque:

"Esses são apenas resultados do teste escrito. Eles são apenas dados dentro de um sistema de informações."

Na avaliação dos estudantes mágicos do ensino médio, foi dada maior ênfase aos resultados práticos e não aos resultados dos testes escritos.

Enquanto um amargo sorriso delicado surgia em Tatsuya, ele apontou para o próprio peito esquerdo.




Era impossível para a presidente do conselho estudantil não entender as palavras de Tatsuya. No entanto, Mayumi balançou a cabeça para ele enquanto sorria. Não verticalmente, mas para a esquerda e para a direita.

"Esse tipo de pontuação fantástica, no mínimo, não conseguirei reproduzir isso, você sabe? Talvez eu não pareça, mas sou muito mais forte em assuntos baseados em teoria. Se meu exame de entrada tivesse as mesmas perguntas, eu definitivamente não conseguiria marcar uma nota tão alta quanto a sua, Shiba-kun."

"Já está na hora... por favor, me desculpe."

Tatsuya se despediu de Mayumi, que parecia ter algo mais a dizer, e virou as costas para ela sem esperar por sua resposta.

Em algum lugar de seu coração, ele temia o rosto sorridente de Mayumi e o que poderia acontecer se ele continuasse conversando com ela. Mesmo que ele não estivesse consciente do que ele temia.


◊ ◊ ◊


Como resultado da conversa com a presidente do conselho estudantil, quando Tatsuya entrou no auditório, mais da metade dos assentos já estavam preenchidos.

Uma vez que não havia designação de assento, seja a primeira linha, a última linha, bem no centro, ou mesmo na borda, ele estava livre para se sentar em qualquer lugar. Mesmo agora, dependendo da escola, existem escolas que seguem o estilo tradicional de organizar os assentos por classe que serão anunciados antes da cerimônia de entrada, mas, quanto a esta escola, só se pode verificar a sua aula ao receber seu cartão de identidade.

Portanto, os assentos não foram organizados por ordem de classe.

No entanto, havia claramente uma ordem para a distribuição de assentos para os calouros.

A primeira metade da frente seria ocupada pelas Flores. Os alunos que usavam o emblema de uma flor de oito pétalas no peito esquerdo. Os calouros que poderiam receber todos os benefícios do currículo desta escola. A segunda metade na parte de trás seria ocupada pelas Ervas daninha. Os alunos cuja área no peito esquerdo foi deixada em branco. Os calouros que só podiam se matricular nessa escola como reservas.

Mesmo quando eram os mesmos calouros, que estavam se tornando estudantes desta escola no mesmo dia, eles foram divididos de maneira limpa em um grupo com o emblema e um grupo sem ele. E isso não foi algo que foi aplicado.

(As pessoas que eram as mais conscientes da discriminação aceitaram a discriminação, hein...)

Era certamente uma espécie de bom senso para si mesmo. Sem a intenção de ir contra o fluxo abertamente, Tatsuya escolheu a seu critério um assento vazio perto do centro das últimas três fileiras e se sentou.

Ele virou os olhos para o relógio na parede. Mais vinte minutos mais.

Ele não podia acessar nenhum site nesse auditório onde a comunicação eletrônica estava restrita. Os dados salvos em seu terminal também não eram mais novidade para ele e, o mais importante, era proibido abrir um terminal nesse local.

Tatsuya tentou pensar sobre sua irmã, que deveria estar fazendo seu ensaio final neste momento... e sacudiu a cabeça. Essa irmãzinha não ficaria nervosa antes do evento principal.

No final, Tatsuya, que não fez nada, se ajustou, sentou no banco rígido e fechou os olhos. Assim como ele estava prestes a entrar em uma soneca...

"Er, o assento ao seu lado está ocupado?"

Uma voz chamou.

Ele abriu os olhos e, assim como pensou, a voz tinha sido dirigida a ele. Como esperado da voz, era uma estudante.

"Fique à vontade."

Apesar de ter ficado perplexo por ela propositadamente escolher se sentar ao lado de um estudante masculino aleatório, apesar de ainda haver muitos assentos vazios, os assentos aqui são grandes o suficiente  pensando no conforto, uma jovem mulher com uma construção esbelta (note que isso está se referindo ao aspecto horizontal), e assim, Tatsuya não sentiu nenhum mal-estar com ela sentada ao lado dele. Em vez disso, era muito mais confortável do que se um bloco de músculo imundo se sentasse ao lado dele. Pensando nisso, Tatsuya deu um aceno de cortesia.

Agradecendo, a jovem acenou com a cabeça enquanto se sentava. Ao lado dela, outras três jovens se sentaram uma após a outra.

‘Eu vejo’, Tatsuya reconheceu o motivo. Parecia que elas estavam procurando um lugar que pudesse acomodar todas as quatro sentando juntas. Elas são provavelmente amigas, embora seja bastante raro ver quatro amigas entrando numa escola difícil como essa, e acima de tudo estarem juntas no Curso 2, pensou Tatsuya. Não será estranho mesmo que um deles seja um grande empreendedor, ele sentiu - mas não importava para ele de qualquer forma.

"Er..."

A voz chamou novamente a Tatsuya, que se voltou para de frente depois de não ter mais interesse na estudante ao lado.

O que é que ela quer? Claramente, ela não era conhecida, e tampouco bateu contra o cotovelo dela ou no pé.

Se Tatsuya tivesse que dizer sobre si mesmo, ele estava sentado em uma boa postura. Ele não deveria ter feito nada que justificasse uma queixa, mas –

"Eu sou Shibata Mizuki. Muito prazer em conhecê-lo."

Inesperadamente, ela se apresentou, num tom aparentemente tímido para Tatsuya, que inclinou a cabeça. Embora possa ser perigoso julgar alguém pela aparência, ela não parecia ser o tipo que era boa em impressionar os outros. Ela provavelmente se forçou a fazê-lo, julgou Tatsuya. Ela poderia ter feito isso com o pensamento de que eles precisariam se ajudar mutuamente, pois ambos eram estudantes do desfavorecido Curso 2.

"Eu sou Shiba Tatsuya. Muito prazer em conhecê-la também"

Ao retornar uma suave introdução enquanto pensava nisso, os olhos além dessas lentes grandes pareciam aliviados.

Nessa época, era bastante raro que as meninas usassem óculos. Desde meados do século XXI, como consequência da generalização de procedimentos de correção visual, a doença conhecida como miopia se tornou uma coisa do passado neste país. A menos que alguém nascesse com uma forma hereditária de anormalidade na visão em um nível sério ou algo assim, não seria necessário o uso de qualquer ferramenta de correção visual, e mesmo no caso de alguém precisar dela, era mais comum que as pessoas fixassem lentes de contato usadas persistentemente por dez anos e que eram inofensivas para o corpo. Se ela estivesse usando óculos apesar disso, poderia ser porque era seu hobby, um acessório de moda ou devido a - (Sensibilidade excessiva à emissão de partículas espirituais, hein...)

Só de um rápido olhar, ele poderia dizer que não havia grau nas lentes. Pelo menos, ele sabia que não eram usados ​​para a correção a visão.

Por sua impressão desta jovem mulher, ao invés de usá-los para a moda, era mais provável que ela estivesse usando esses óculos por causa de uma necessidade particular, pensou Tatsuya.

"Sensibilidade excessiva à emissão de partículas espirituais" refere-se a uma condição do corpo onde se pode ver a emissão de partículas espirituais sem esforço consciente e não se pode obstruir com esforço consciente, ou seja, um tipo de transtorno em que o controle cognitivo completo não pode ser alcançado. Assim, não era realmente uma doença, nem uma desvantagem. Era uma desordem em que os sentidos de alguém eram excessivamente afiados.

Pushion (partículas espirituais) e Psions (Partículas de pensamentos). Ambas as partículas foram observadas em "Fenômenos Parapsicológicos" - que também incluíam magia - constituídos por entidades não-físicas que não correspondiam ao Férmions, partículas que compõem a composição da matéria, e nem eram similares aos Bósons, que provocam a interação entre matéria. Psion eram manifestações de partículas de intenção e pensamento, enquanto Pushion podia ser interpretado como manifestações de partículas das emoções provocadas pela intenção e pelo pensamento. (É uma pena que isso ainda estivesse em um estágio hipotético).

Normalmente, os Psions eram usados na magia, e nos sistemas de tecnologia da magia moderna, foi dada ênfase ao controle de Psion. Os magos começaram a aprender a manipular Psion. Pessoas que sofreram "excesso de sensibilidade à emissão de partículas espirituais", um transtorno hereditário, mostrou sintomas de sobreposição à emissão de partículas espirituais – uma luz não física gerada dependendo da atividade dos Pushion. Aqueles que estavam visualmente expostos à emissão de partículas espirituais teriam seu estado emocional afetado. Consequentemente, foi feita a hipótese de Pushion`s serem partículas formadas por emoções e, como resultado, uma pessoa que sofria de "excesso de sensibilidade à emissão de partículas espirituais" tendia a ser suscetível à degradação de sua estabilidade mental.

Fundamentalmente, para evitar isso, exigia o controle da sensibilidade de Pushion, e para aqueles que não podiam fazer isso, eles precisariam de ajuda tecnológica. Uma dessas ajudas eram óculos feitos a partir de um tipo especial de lentes conhecidas como "Lentes de revestimento de corte de Aura". Na realidade, para os magos, "excesso de sensibilidade à emissão de partículas espirituais" não era tão estranho como uma condição. Uma vez que a sensibilidade de um mago a Pushion e a sensibilidade a Psion foram mais ou menos diretamente proporcionais, o número de Magos que manipularam conscientemente Psion e ficaram incomodados por serem hipersensíveis à radiação de partículas espirituais pendeu para se tornar maior. Poderíamos até dizer que era algo que não poderia ser ajudado.

No entanto, seria raro ver uma pessoa que a tivesse como um distúrbio, de tal forma que ele ou ela precisasse bloquear constantemente a emissão de partículas espirituais com óculos. Não seria muito preocupante se fosse por uma menor habilidade de manipulação, mas, se fosse devido a uma sensibilidade extremamente alta, então seria uma má notícia para Tatsuya. (Embora seja o contrário para a pessoa em questão).

Tatsuya tinha um segredo. Era um segredo que não podia ser descoberto apenas por sua aparência externa e, como tal, não o preocupava, mas, se ela tivesse aqueles olhos especiais que lhe permitissem sentir Pushion e Psion como se fossem completamente visíveis para ela, seu segredo pode ser descoberto por um momento aleatório.

Ele teria que estar muito mais alerta e agir com cautela sempre que ela estivesse por perto.

"Eu sou Chiba Erika. Muito prazer em conhecê-lo, Shiba-kun."

"Prazer em conhecê-la também."

A voz da jovem sentada ao lado de Mizuki cortou os pensamentos de Tatsuya. Mas foi uma interrupção bem-vinda.

O olhar de Tatsuya se transformara inconscientemente em um olhar fixo, e as tonturas de Mizuki se aproximavam de seu limite, mas tinha passado despercebido por Tatsuya.

"Mas, posso dizer que esta é uma coincidência interessante?"

Diferente de sua amiga, Erika parecia ser uma extrovertida e de um tipo não reservado. Seus cabelos curtos e brilhantes e suas características faciais distintas amplificaram a impressão de que ela era uma menina animada.

"O que?"

"Bem, você sabe, somos Shiba, Shibata e Chiba certo? Não rimam de alguma forma? Embora sejam um pouco diferentes".

"...Entendo."

Ele podia entender o que ela queria dizer com isso.

(Mas ainda, Chiba huh... outra numerada? Eu não sabia que a casa de Chiba tinha uma filha chamada "Erika", mas é possível que ela seja de um ramo...)

Enquanto pensava nisso, ‘Muito interessante’, um riso um pouco fora do lugar escapou dele, mas não foi na medida em que atraiu um olhar frio daqueles ao seu redor.

Depois que as duas estudantes restantes do outro lado de Erika acabaram de se apresentar, Tatsuya sentiu vontade de satisfazer sua curiosidade trivial.

"Foram vocês quatro da mesma escola secundária?"

A resposta de Erika foi inesperada.

"Não, todos nós acabamos de nos conhecer pela primeira vez".

O olhar surpreendido de Tatsuya poderia ter sido estranho, pois Erika começou a rir enquanto ela explicou.

"Eu não sabia onde estava o lugar e eu estava olhando para o quadro de informação. Foi quando Mizuki me chamou".

"...quadro de informações?"

Isso é estranho, pensou Tatsuya. Os dados para a cerimônia de entrada da escola incluíram a localização do local e foram enviados a todos os novos alunos. Ao usar o LPS (Local Positioning System), um recurso padrão em um terminal móvel, mesmo que um novo aluno não leia o quadro de informações, ou esqueça de qualquer informação, não deve se perder no caminho.

"Nós três não trouxemos nossos terminais de dados."

"Bem, os modelos de tela virtual são proibidos e eu tive o guia de entrada da escola armazenado no meu."

"Nós conseguimos entrar nesta escola por sorte, afinal. Não faria sentido ser marcado logo na cerimônia de entrada na escola."

"Eu esqueci o meu na verdade."

"Então essa é a razão para você, hein..."

Ele realmente não podia aceitar isso. É a sua própria cerimônia de entrada na escola; pelo menos, verifique a localização do local antes de chegar, ele pensou honestamente para si mesmo, mas não disse uma palavra.

Não havia necessidade de agitar qualquer problema sem sentido - pensando nisso, Tatsuya se restringiu.


◊ ◊ ◊


O discurso de entrada de Miyuki foi excelente, conforme esperado. Tatsuya nunca teve o menor pensamento de que sua pequena irmã se atrapalharia com algo assim. Mesmo que ela tenha se empolgado e incluiu uma série de frases bastante perigosas como "todos iguais", "como um único corpo", "além da magia" ou "de forma integrada", ela conseguiu configurá-las corretamente e elas não soaram espinhosas.

Sua franqueza, inocência e modéstia, juntamente com sua linda e adorável aparência, capturaram não apenas os corações dos rapazes calouros, mas também dos veteranos.

Miyuki provavelmente ficaria cercada de barulho a partir de amanhã. Isso não era algo incomum. Usando os padrões da sociedade, alguém poderia chamar Tatsuya de um siscon do jeito que ele a mimava. Ele queria elogiá-la imediatamente, mas, infelizmente, o que se seguiu imediatamente após a cerimônia foi a emissão dos cartões de identidade.

Uma vez que os cartões individuais não foram feitos de antemão, o acordo era ter cada pessoa a um determinado lugar para ter pessoalmente seus dados escritos nos cartões destinados a uso nas instalações da escola, de modo que qualquer guichê que eles fossem, o procedimento poderia ser completado, mas aqui, uma parede apareceu naturalmente no coração de Tatsuya.

Miyuki provavelmente, sem dúvida, pulou esse passo; Como representante do primeiro ano, ela provavelmente já havia sido conferida com este cartão. E agora, no meio dos visitantes e da multidão estudantil.

"Shiba-kun, em qual classe você está?"

Erika, com um rosto que não conseguiu esconder sua excitação, perguntou a Tatsuya, que era o último em linha entre o grupo (em outras palavras, ele estava praticando a regra das "senhoras primeiro").

"Classe E."

Ao ouvir a resposta de Tatsuya, "Yay! Estamos na mesma classe." Erika pulou para cima e para baixo alegremente. Ela parecia estar exagerando, mas "eu também estou na mesma classe."

Com apenas a ação de acompanhamento faltando, Mizuki também teve um rosto semelhante, então esta pode ser uma reação natural para os calouros.

"Estou na classe F."

"Eu estou na classe G."

Mesmo assim, não era como se as reações dos dois restantes fossem frias e insensíveis. Afinal, eles estavam com muita vontade de se matricular em uma escola secundária.

Esta escola tem oito classes de cada ano e cada classe tem vinte e cinco alunos. A este respeito, eles eram iguais. Em primeiro lugar, as ervas daninhas que não se esperava que desabrochassem em flores foram colocados nas classes E a H, e as Flores que se esperava que florescessem nunca foram misturados entre eles.

As duas meninas que foram designadas para diferentes classes naturalmente seguiram o caminho. Parecia que os dois estavam indo para a sua sala de aula. Embora as classes A-D e as classes E-H estejam localizadas em diferentes níveis, não pareceu que o entusiasmo delas fosse menor.

Não era como se todos os alunos do curso 2 ficassem juntos em um grupo. Havia também alguns deles que iriam endireitar suas costas e se orgulhar de serem aceitos em uma escola respeitável. Uma vez que esta escola também foi classificada entre as principais do país em áreas não relacionadas à magia. Os dois provavelmente foram buscar novos amigos entre aqueles com quem passariam o resto do ano.

"O que devemos fazer? Vamos dar uma olhada na nossa sala também?"

Erika perguntou enquanto olhava para o rosto de Tatsuya. Enquanto Mizuki não perguntou, ela também provavelmente estava olhando para Tatsuya.

Salvo em algumas escolas que continuavam as velhas tradições, hoje em dia, as escolas secundárias não empregavam o sistema de professores internos. As circulares administrativas não precisavam ser entregues uma a uma e, além disso, não havia muito orçamento extra para desperdiçar esses recursos humanos, então as circulares foram distribuídas através dos terminais que estavam conectados em toda a escola.

Um sistema de ter um terminal para uso escolar atribuído a cada indivíduo já existia décadas atrás. Exceto por instruções individuais ou aulas práticas, quase tudo foi feito usando os terminais de dados. Se fossem necessários mais cuidados, os conselheiros que possuíam perícia em múltiplas disciplinas seriam designados pela escola.

Assim, a razão pela qual as salas de aula eram necessárias era para a conveniência das lições práticas e experimentais. Quando as aulas práticas e experimentais terminaram dentro do tempo, para não ter um excedente de tempo, eles precisavam de um lugar para segurar um certo número de pessoas. (Não obstante, a detenção era um caso diário.)

Além disso, o sistema de terminal pessoal, também tornou algumas coisas muito convenientes. Não importava o pano de fundo de onde as pessoas vinham, uma vez que o tempo que passaram na mesma sala se tornou longo, eles se misturariam naturalmente. Ao dispensar o sistema de professores na sala de aula, os vínculos entre colegas de classe tendem a se fortalecer. De qualquer forma, se alguém quisesse fazer novos amigos, ir para a sala de aula era o caminho mais rápido para isso. Mas, Tatsuya balançou a cabeça para o convite de Erika.

"Desculpe. Vou me encontrar com minha irmãzinha."

Não houve aulas nem outras coisas a serem comunicadas para eles hoje. Tatsuya teve um acordo com Miyuki para voltar juntos imediatamente depois que os procedimentos fossem finalizados.

"Heehh... se é a irmãzinha de Shiba-kun, então ela deve ser muito fofa?"

Ao ouvir o murmúrio pensativo e interrogativo de Erika, Tatsuya estava preocupado com a forma como ele deveria responder a ela. Se é sua pequena irmã, então ela deve ser fofa. O que isso poderia significar? pensou Tatsuya. Ele sentiu que não conseguia conectar a causa e o efeito bem. Felizmente, ele realmente não precisava se forçar a responder a isso.

"Poderia sua irmãzinha ser... a representante dos calouros, Shiba Miyuki-san?"

Como Mizuki havia feito uma pergunta mais primitiva.

Desta vez, não havia necessidade de ele hesitar. Um aceno de cabeça de Tatsuya foi suficiente para verificar a resposta a essa pergunta.

"Eh? Realmente? Então, vocês são gêmeos?"

A questão da Erika era natural. Para Tatsuya, era uma pergunta que ele havia ouvido desde jovem.

"Muitas vezes fui perguntado isso, mas não somos gêmeos. Nasci em abril enquanto ela nasceu em março. Se eu nasci um mês antes ou ela nasceu um mês depois, então não estaríamos no mesmo ano escolar."

"Hmm... acho que isso realmente torna as coisas complicadas hein?"

Com uma pequena irmã que era um grande empreendedor no mesmo ano letivo, estava destinado a ser complicado, mas Erika não perguntou isso com qualquer intenção ruim.

Tatsuya sorriu e deixou a pergunta se deslizar.

"Isso de lado, é surpreendente que você possa dizer. Shiba não é um nome de família tão raro."

Ao ouvir a contra pergunta de Tatsuya, as duas jovens senhoras sorriam levemente.

"Não, não, é muito raro."

No entanto, a maneira como ela disse emitiu uma sensação consideravelmente diferente. Em contraste com o sorriso de Erika, que foi misturado com uma sensação de ironia,

"Suas características se parecem..."

O sorriso reservado de Mizuki parecia não ter confiança.

"Nós nos parecemos, eu me pergunto?"

A cabeça de Tatsuya não girou nas palavras de Mizuki. Da mesma maneira que as palavras de Erika agora, como se o tom realçado tivesse se enraizado, as palavras de Mizuki se sentiram irreais para ele. Em vez disso, ele não podia acreditar neles.

Mesmo se alguém não procurasse ativamente os bons pontos em Miyuki, ela era uma beleza rara. Mesmo se você tirasse todos os seus talentos supérfluos, só por estar lá, ela não poderia ajudar, mas reunir atenção - Um ídolo de nascença. Não, uma estrela. Olhando para a irmãzinha, ele entendeu que o provérbio "Deus não dá dois presentes", era apenas uma mentira desagradável.

Por outro lado, estava ele próprio acima da norma, ou acima da média, talvez? Tatsuya se avaliou.

Durante a escola secundária, para um espectador, enquanto cartas de amor (para Tatsuya, elas apareceram como cartas de fãs) foram empurradas para sua irmãzinha, Tatsuya nunca havia recebido uma coisa dessas. Mesmo que fossem apenas parcialmente, eles ainda deveriam herdar os mesmos genes, mas até mesmo Tatsuya duvidava não apenas uma ou duas vezes se eles estavam relacionados ao sangue ou não.

"Se você colocou assim... uhn, você se parece muito. Shiba-kun é um completo pedaço de mau caminho. Simplesmente parece que suas características não podem se parecer mais com isso."

Assim como Erika respondeu à pergunta de Tatsuya, Mizuki também concordou com a cabeça.

"’Pedaço de mau caminho’ você diz, qual gíria obsoleta de qual época é essa... e isso não significa que se você tirar meu rosto, não há semelhança em nós certo?"

Sentindo-se sábio, as palavras de Erika podem ser um pouco difíceis de entender, mas parecia que não eram apenas seus rostos que pareciam semelhantes. Depois de Tatsuya ter interpretado como tal, ele fez uma brincadeira aborrecida para ela.

"Não é isso. Hmm, como devo colocá-lo..."

Parecia que Erika também não podia expressá-lo também. Se não fosse pelo barco de resgate de Mizuki, ela provavelmente ainda tentaria por um tempo.

"É a sua aura. Suas características dignas se parecem. Como esperado dos irmãos."

"Isso mesmo! Aura, é a sua aura."

Batendo no próprio colo, Erika deu um forte aceno também. Desta vez, foi a vez de Tatsuya sorrir ironicamente.

"Chiba-san... você não é alguém que se deixa levar facilmente?"

‘Se levar? Você é tão cruel!’, ela começou a protestar, mas ele deixou passar. Do seu tom, não era como se Erika estivesse realmente nervosa pelo seu comentário.

"Isso de lado, Shibata-san, é incrível para você poder dizer isso pela nossa aura... Seus olhos devem ser realmente bons."

Mas foi Erika que saltou as palavras com um tom profundo dentro delas.

"Eh? Mizuki está usando óculos, você sabe?"

"Eu não quero dizer isso. Além disso, os óculos de Shibata-san não têm grau neles, certo?"

Huh? Erika olhou para os óculos de Mizuki com um rosto desconcertado. Do outro lado dessas lentes, os olhos de Mizuki se arregalaram e endureceram. Ela ficou surpresa ao ser vista, ou ficou envergonhada com um segredo dela descoberto? Seja como for, parecia a Tatsuya que era algo sem importância para ela.

Quanto ao motivo pelo qual ela tinha feito esse rosto, ele não teve nenhuma chance de perguntar sobre isso. O tempo acabou. E foi provavelmente para o melhor por agora.


◊ ◊ ◊


"Onii-sama, desculpe pela espera."

Por trás de Tatsuya e o resto, que estavam falando em um canto perto da saída do auditório, a voz da pessoa que ele estava esperando chamou. Miyuki, que estava cercado por uma multidão, saiu de lá.

Inicialmente, Tatsuya sentiu que ela estava um pouco adiantada, mas pensando novamente no personagem da sua irmãzinha, talvez fosse quase o tempo. Mesmo que ela não fosse uma pessoa que se afastasse da socialização, era inegável que ela tinha uma tendência a ser obsessivamente descontente com lisonjas e elogios. Enquanto você podia dizer que ela estava se comportando como uma criança, desde jovem, não havia falta de oportunidades para ela receber louvores, e entre eles, os momentos em que tais elogios eram revestidos com uma mistura de ciúmes e inveja numerados não foram poucos. Se você pensa sobre isso, então era bastante compreensível que ela desconfiava tanto da adulação que ela recebeu. Você pode até dizer que ela estava suportando isso bem hoje.

“Você foi rápida" era o que ele pretendia dizer quando ele se virou, mas mesmo que as palavras permanecessem iguais às planejadas, sua entonação se transformou em um questionário. Por trás daquela que ele esperava, era um acompanhante que ele não esperava.

"Olá Shiba-kun. Nos encontramos de novo."

Em resposta a esse rosto e palavras amáveis ​​e desarmantes, Tatsuya baixou a cabeça sem dizer nada.

Apesar do seu inadequado reconhecimento à sua cortesia, o sorriso da presidente do conselho estudantil, Saegusa Mayumi, não cedeu o mínimo. Talvez, fosse uma espécie de poker face dela, ou talvez, isso fosse algo inato nessa jovem que era mais velha. Seja como for, Tatsuya, que acabara de encontrá-la, não sabia.

Mas, mais do que a estranha resposta do irmão mais velho a presidente do conselho estudantil, sua irmãzinha parecia ser incomodada pelas duas jovens que se aconchegaram intimamente ao seu irmão mais velho ao lado dele.

"Onii-sama, elas são..."

Antes de explicar sua própria situação sobre por que ela não estava sozinha, Miyuki estava procurando uma explicação sobre por que Tatsuya não estava sozinho. Embora ele estivesse um pouco surpreso com sua indelicadeza, ele não tinha nada a esconder. Tatsuya respondeu sem um segundo atraso.

"Esta é Shibata Mizuki-san. E essa é Chiba Erika-san. Estamos na mesma classe."




"Eu vejo... não é um pouco cedo demais para um encontro com seus colegas de classe?"

Com a cabeça adoravelmente inclinada para o lado, não é como se eu tivesse algo contra isso, o rosto de Miyuki pareceu dizer quando ela perguntou. Seus lábios formaram um sorriso como o de uma dama. Mas seus olhos não estavam sorrindo.

Oh, meu... meu, pensou em Tatsuya. Parece que, imediatamente após a cerimônia, ela foi bombardeada com lisonjas da esquerda e da direita, colocando-a no limite, resultando em bastante estresse acumulado.

"Não há como isso acontecer certo, Miyuki? Nós estávamos apenas conversando enquanto esperava por você. Você está sendo grosseira com as duas, não é?"

O rosto amuado de sua irmãzinha parecia fofo para ele, mas não dar seu próprio nome depois de ser apresentado à outra parte talvez não pareça favorável à sua reputação na frente dos alunos veteranos e do mesmo ano.

Ao ver os olhos ligeiramente reprovadores de Tatsuya, um olhar de resignação passou por seu rosto por um instante, e depois disso, Miyuki fixou um sorriso ainda mais gracioso no rosto.

"Bom dia, Shibata-san, Chiba-san. Eu sou Shiba Miyuki. Eu também sou uma caloura como Onii-sama, então estou ansiosa para estar aos seus cuidados."

"Eu sou Shibata Mizuki. Mesmo aqui, também estou ansiosa para estar aos seus cuidados."

"Prazer em conhecê-lo. Você pode me chamar de Erika. Posso chamá-lo de Miyuki?"

"Sim, por favor. Será difícil distinguir entre mim e meu irmão pelo nosso nome de família."

As três jovens se apresentaram novamente. Os cumprimentos trocados entre Miyuki e Mizuki pareciam apropriados para pessoas que se conheceram pela primeira vez. Mas para Erika, desde o início, ela foi surpreendentemente (se este é o caminho certo para colocá-lo) amigável. No entanto, apenas Tatsuya sentiu-se desconcertado com a amável maneira de falar de Erika. Não havia nenhum sinal de que Miyuki fosse incomodada pelo comportamento quase excessivamente familiar pelo seu aceno de cabeça.

"Ah-ha, Miyuki, não esperava que você fosse tão sociável com sua aparência externa."

"Você está tão aberta quanto parece ser. Muito prazer em conhecê-la, Erika."

Depois de ficar exasperada por todos os lisonjeiros e elogios, era compreensível que ela apreciasse bastante a franca atitude de Erika, mas parecia que ambos adquiriram, de alguma forma, um entendimento mútuo além disso. Miyuki e Erika estavam trocando sorrisos sem reservas uma com a outra. Enquanto Tatsuya não podia deixar de se sentir deixado para trás, não faria nada para permanecer enraizado aqui. Uma vez que o grupo com a presidente do conselho estudantil que seguiu sua irmãzinha era da mesma multidão, eles não estavam realmente obstruindo ninguém, mas por isso, se eles continuassem por aqui, eles se tornariam uma obstrução para as pessoas que iriam quer passar.

"Miyuki. Você terminou com o seu negócio com o conselho estudantil? Se você não, eu posso matar algum tempo eu mesmo, você sabe?"

"Está tudo bem."

Aquele que respondeu à pergunta e sugestão de Tatsuya foi a outra parte.

"Estou aqui apenas para dizer olá por hoje. Miyuki-san... também posso te chamar assim também?"

"Ah sim."

Quando Mayumi se dirigiu a ela, Miyuki assentiu com a cabeça, seu sorriso irrestrito substituído por uma expressão solene.

"Bem, então, Miyuki-san, vamos nos encontrar outro dia."

Mayumi se despediu levemente com um rosto sorridente e começou a sair do auditório. No entanto, um dos estudantes a acompanhando na parte de trás chamou Mayumi para parar. Em seu peito, florescendo com orgulho como se fosse uma coisa natural, era um emblema de uma flor de oito pétalas.

"Mas presidente, a nossa programação..."

"Nós realmente não fizemos uma consulta de antemão. Se ela já tem outro compromisso, ela deveria dar prioridade, certo?"

Depois que o estudante masculino, que pareceu querer persistir ainda mais, foi impedido por seus olhos, Mayumi deu um sorriso significativo para Miyuki e Tatsuya.

"Bem, então, Miyuki-san, eu vou me despedir. Shiba-kun também, eu adoraria te encontrar algum dia desses."

Depois de convidá-los novamente, Mayumi saiu. Depois disso, o estudante masculino que estava seguindo atrás dela se virou, e ele olhou para Tatsuya tão forte como se alguém pudesse ouvir sua língua clicando.


◊ ◊ ◊


"... Agora, devemos voltar?"

Embora ele de alguma maneira conseguisse invocar o desagrado de não apenas os estudantes veteranos, mas também dos membros executivos do conselho estudantil quando ele acabara de se matricular na escola, era algo muito além de seu controle. Claro, não era como se ele fosse experimentar uma vida tranquila, onde ele poderia simplesmente meditar sobre coisas assim. Apesar de ter menos de dezesseis anos de vida, Tatsuya já experimentou negatividades de tal grau.

"Desculpe, Onii-sama. Por minha causa as pessoas estão tendo uma má impressão..."

"Não é nada para você pedir desculpas."

Sem deixar que Miyuki, de aparência angustiada, terminasse suas palavras, Tatsuya levantou a mão e colocou na cabeça de Miyuki pelo lado com uma pequena batida. Enquanto ele continuava acariciando seus cabelos em uma forma de pentear, seu rosto abatido se tornou tingido com uma sombra extasiada. Para qualquer espectador, esse par de irmãos parecia estar se aproximando de um limite perigoso, mas talvez, ainda retendo suas reservas como consequência de ser o primeiro encontro com os irmãos, Mizuki e Erika também, não disseram nada sobre isso.

"Bem, desde que estamos todos aqui, por que não vamos tomar uma xícara de chá?"

"Parece ótimo! Parece haver uma boa loja de bolos por perto."

Em outras palavras, foi um convite para o chá. Não havia necessidade de perguntar se suas famílias estavam esperando por eles. Pedir tal coisa provavelmente seria uma consideração desnecessária. Era o mesmo para Tatsuya e Miyuki. Aparentemente, Tatsuya tinha outra coisa a perguntar. Na verdade, era realmente uma coisa insignificante, mas era algo que o remexia se não perguntasse.

"Você não verificou onde a cerimônia de entrada da escola seria realizada, e ainda assim você sabe onde é uma loja de bolos?"

Pode ser uma questão de natureza ligeiramente provocadora.

"Claro! É algo importante, não é?"

Mas Erika assentiu com confiança, sem a menor hesitação.

"‘Claro’, hein..."

Seu reconhecimento se tornou um gemido. Mas, como se fosse o negócio de outra pessoa, Tatsuya pensou que alguém receberia o peso disso.

"Onii-sama, o que você acha?"

Mas parecia que Tatsuya era o único chocado com os comentários precipitados de Erika. Até Miyuki não parecia ter notado a falta de bom senso ao priorizar uma confeitaria do que o local da cerimônia.

Mas, em primeiro lugar, Miyuki não estava ciente dos detalhes de toda a história.

"Bem, parece bom. Afinal, acabamos de nos conhecer. Seja o mesmo gênero, ou no mesmo ano, não encontraremos outro amigo."

Embora ele tenha dito isso, ele nunca tinha pensado muito em sua resposta concordante. Não havia um assunto particularmente urgente esperando por ele em casa também. Originalmente, Tatsuya pensou que deveriam ir a algum lugar para passar a tarde para comemorar a matrícula de sua irmã mais nova antes de ir para casa.

Uma vez que não era uma linha bem pensada, refletia sua voz verdadeira de fora. Aparentemente consciente de que era a sua verdadeira voz falando, Erika e Mizuki retornaram suas palavras dessa maneira.

"Shiba-kun, eu digo, quando se trata de Miyuki, você não reflete demais sobre isso..."

"Você realmente se importa com sua irmã, não é..."

Se foi um elogio ou um comentário de admiração vazia, perante os respectivos olhares diferentes combinados, Tatsuya só poderia ficar em silêncio com um rosto amargo.


◊ ◊ ◊


A "loja de bolos" que Erika os trouxe foi de fato uma "cafeteria francesa com deliciosas sobremesas". Eles almoçaram lá e passaram algum tempo conversando alegremente (eram as três fêmeas falando, e Tatsuya estava apenas ouvindo), e quando chegaram em casa, estava perto da noite.

Não havia ninguém para recebê-los. A casa, que excedia a média em tamanho, parecia estar habitada apenas por Tatsuya e Miyuki.

Ele voltou para o quarto dele e tirou o uniforme primeiro. Ele realmente não queria pensar que tal "manto improvisado" poderia afetá-lo tanto, mas, depois de tirar o blazer que estava intencionalmente formado para parecer "diferente", ele se sentiu um pouco mais leve. Ele clicou sua língua uma vez nesses sentimentos e rapidamente terminou de se trocar.

Enquanto ele estava relaxando na sala de estar, em pouco tempo, Miyuki, que tinha acabado de se trocar, desceu do quarto. Mesmo que os materiais tenham feito um grande progresso, o design do vestuário manteve em grande parte o mesmo que há cem anos. Com suas lindas e brilhantes pernas reveladas por baixo da saia curta de um estilo do início deste século, Miyuki se aproximou dele.

Por algum motivo, o senso de moda desta pequena irmã tendia a uma natureza mais reveladora em casa. Mesmo que ele parecesse ser mais ou menos acostumado a isso, sua feminilidade consideravelmente aumentada causou muitas vezes que Tatsuya se sentia incomodado sobre onde ele deveria colocar seus olhos.

"Onii-sama, você gostaria de algo para beber?"

"Parece bom. Eu gostaria de um café então."

"Certamente."

Enquanto se dirigia para a cozinha, uma mecha solta de cabelo balançava atrás de suas costas esbeltas. Era para impedir que seu cabelo interferisse com seu trabalho de cozinha, mas, pelos vislumbres fugazes da nuca, que normalmente era coberta por seus longos cabelos, uma beleza inexprimível irradiava do amplo centro do decote de sua roupa.

Em um país avançado onde o uso de robôs de automação doméstica (HAR) era generalizado, as mulheres - assim como os homens - que se envolveram com o trabalho de cozinha pertenciam à minoria. Havia poucas pessoas que realizavam alguma culinária em geral, como assar o pão ou fazer o café com suas próprias mãos, a menos que fosse um hobby. E Miyuki pertencia a este grupo minoritário.

Não foi porque ela era imbecil com máquinas. Quando os amigos vieram visitar, ela normalmente deixaria o HAR. Mas, quando junto com apenas Tatsuya sozinho, ela definitivamente optaria por trabalhar ela mesma.

Os sons de moagem dos grãos e os sons borbulhantes de água fervente atingiram as orelhas de Tatsuya fracamente. Pode ser dito que seja muito desligado para até mesmo ir até a extensão do uso do gotejamento de papel mais simples, em vez de usar um modelo antigo de cafeteira. Ele tentou perguntar-lhe uma vez, e sua resposta foi que ela queria fazê-lo dessa maneira, então provavelmente era um hobby para ela. Ele também lembrou o momento em que ele perguntou se era um passatempo, e ela o olhava com um rosto amuado. De qualquer forma, o café que Miyuki fazia foi o mais adequado ao gosto de Tatsuya.

"Onii-sama, aqui está."

Ela colocou o copo na mesa lateral, veio do outro lado e sentou-se ao lado dele. O café na mesa era preto, enquanto o que ela segurava tinha leite adicionado.

"Desce muito bem".

Não havia necessidade de complementar ainda mais. Só por isso, Miyuki abriu um sorriso. Então, examinando o rosto satisfeito de seu irmão mais velho com seus olhos sorridentes, um olhar aliviado apareceu em seu rosto quando ela trouxe o copo para a boca - esse era a habitual Miyuki. Com isso, os dois saborearam o café deles. Nenhum deles iniciou uma conversa forçada.

Ambos não foram incomodados com a presença da outra pessoa além deles. Os tempos em que se sentiam mal por não falar um com o outro por um longo período de tempo já passaram. Os tópicos sobre os quais eles podiam falar eram abundantes. Hoje foi a cerimônia de entrada da escola. Eles fizeram novos amigos e, por algum motivo, encontraram colegas de classe preocupantes. Miyuki foi convidada pelo conselho estudantil como esperado. As coisas que poderiam ser lembradas, e as coisas que poderiam ser discutidas, eram demais para uma noite. Mas, de frente para o par dos irmãos, na casa deles, eram apenas copos inclinados em silêncio.

"É quase a hora de fazer o jantar."

Segurando o copo vazio, Miyuki se levantou. Entregando o copo de café à mão estendida de sua pequena irmã, Tatsuya também se levantou.

O anoitecer se aprofundou na noite como de costume para os dois irmãos.

Por ScryzZ | 07/01/19 às 10:54 | Ação, Fantasia, Sobrenatural, Seinen, Romance, Sci-fi, Vida Escolar