CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 1.3

Mahouka Koukou no Rettousei (Mahouka)

Capítulo 1.3

Tradução: Eizan | Revisão: Laxuel | QC: Stromkirk

Como o sinal "1ª Escola" obviamente afirmou, esta estação foi uma parada obrigatória para todos os alunos presentes. Havia praticamente apenas um caminho entre a estação de trem e a escola.

Devido às mudanças nos bondes e sua diminuição em número, o evento conhecido como "andar de bonde juntos" pode ser alterado com mais precisão para "caminhar até a escola com os amigos". Para esta escola, este evento ainda é bastante comum. De fato, este evento pôde ser visto muitas vezes ontem, o dia após o começo, hoje, e continuou a partir do início.

Embora possa não ser tão repentino, pensou Tatsuya.

"Tatsuya-kun... Você está familiarizado com a presidente?"

"Nós nos conhecemos pela primeira vez antes da cerimônia de entrada... Então, sim."

Em relação à pergunta de Mizuki, Tatsuya estava tão confuso quanto ela.

"Certamente não parecia uma primeira reunião."

"É como se ela intencionalmente tivesse procurado você."

Tatsuya tinha confiança suficiente em sua memória para dizer que o dia da matrícula foi definitivamente a primeira vez que ele conheceu Saegusa Mayumi. No entanto, assim como Leo e Erika disseram, essa abordagem não parecia um primeiro contato.

"...Talvez por causa de Miyuki?"

"...Mas ela mencionou o nome do Onii-sama especificamente?"

Tatsuya estava cercado por Mizuki, Erika e Leo, pessoas que poderiam ser chamadas de "rostos familiares" sem dificuldade. Assim como ontem e provavelmente no futuro, o grupo se reuniu em torno de Tatsuya e Miyuki perto da estação, trocou cumprimentos e foi para a escola juntos.

Não foi um mau pressentimento. Na verdade, foi uma ótima maneira de começar o dia.

No entanto, assim que os cinco estavam andando devagar a curta distância para a escola, eles ouviram um chamado de "Tatsuya-kun ~~" atrás deles que qualquer espectador razoável acharia embaraçoso. Foi acompanhado pela forma de um pequeno indivíduo que se aproximava rapidamente e, de acordo com a crença infundada de Tatsuya, o fim da paz e do silêncio.

"Tatsuya-kun, bom dia ~. E Miyuki também, bom dia."

Comparado com a saudação de Miyuki, a saudação dirigida a ele era bem casual, pensou Tatsuya. No entanto, ela ainda era a Presidente do Conselho Estudantil do 3º ano.

"Bom dia, presidente."

Era necessário observar o protocolo adequado, apenas para estar no lado seguro.

Imediatamente após Tatsuya, Miyuki também se curvou respeitosamente. Os outros três ofereceram cumprimentos educados, embora ligeiramente impressionados. Era natural ter essa reação.

"Você está sozinha, presidente?"

Apesar de óbvio, a questão ainda era oferecida, com um sutil convite para caminhar juntos até a escola.

"Hm. Não há realmente ninguém que anda comigo para a escola pela manhã."

Uma confirmação para ambos, a consulta óbvia e o convite sutil.

Embora, falando nisso... a presidente era um indivíduo bastante apresentável.

"Eu gostaria de falar com Miyuki sobre algumas coisas... Posso ir com vocês para a escola?"

O comentário dirigido a Miyuki foi falado em um tom acessível, mas em um nível diferente em relação à conversa anterior. Não parecia que Tatsuya estava interpretando mal a situação.

"Hm, se está tudo bem..."

"Oh, não é como se o tópico fosse um segredo. Ou você prefere conversar mais tarde?"

Quando ela disse isso, a Presidente sorriu para os três indivíduos que se retiravam lentamente, que imediatamente congelaram.

"Presidente... Eu sinto como se a sua atitude em relação a um de nós é um pouco diferente... ou isso é apenas minha má interpretação?"

Claro que não, os três responderam verbalmente ou com gestos de mão. Mayumi sorriu e acenou com a cabeça ao mesmo tempo que Tatsuya mostrava uma expressão desapontada.

"Eh? É esse o caso?"

A essa altura, mudar sua escolha de palavras e fingir não perceber era tarde demais. Seu tom e expressão já a haviam traído.

"O assunto que você deseja falar está relacionado ao Conselho Estudantil?"

Neste momento, Tatsuya não planejava recuar, mas também estava sentindo a pressão. Miyuki mudou freneticamente o assunto de volta para si mesma.

"Hm, eu pretendia encontrar uma oportunidade para falar com você em detalhes. Você tem algum plano durante a pausa para o almoço?"

"Eu pretendo comer na cafeteria."

"Com Tatsuya-kun?"

"Não, Onii-sama e eu estamos em classes diferentes..."

Parecia que ela se lembrava do que tinha acontecido ontem.

Ao ver Miyuki abaixando um pouco a cabeça e abaixando a voz, Mayumi assentiu como se entendesse.

"Há muitos estudantes que se importam com essas pequenas coisas."

Tatsuya olhou ligeiramente para o lado dele.

Para nenhuma surpresa, Mizuki assentiu em afirmação. Parece que o incidente de ontem ainda não acabou. No entanto, se a presidente falasse assim, isso não seria um problema? Tatsuya pensou.

"Nesse caso, por que não se juntar a mim na Sala do Conselho Estudantil para o almoço? Se você não se importar com o bento, o quarto tem um distribuidor automático de refeições."

"... A sala do conselho estudantil está equipada com o módulo de servidor de jantar?"

A normalmente composta Miyuki não conseguia esconder seu espanto quando ela respondeu. Que foi acompanhado por um sentimento de confusão.

O que era algo que é normalmente visto em terminais aéreos ou trens de longa distância em uma Sala do Conselho Estudantil?

"Antes de entrar na Sala do Conselho Estudantil, eu não queria falar muito sobre isso. Mas é para os alunos trabalhando até tarde."

Mayumi, embaraçada, sorriu envergonhada enquanto tentava persuadir Miyuki.

"Se é a Sala do Conselho Estudantil, não é um problema se o Tatsuya-kun também estiver."

Naquele momento, o rosto sorridente de Mayumi se tornou provocativo e, para ser franco, travesso. Espero que isso tenha sido um erro da parte de Tatsuya.

Mesmo que fosse uma má interpretação, essa maneira particular de colocá-lo ainda lhe dava uma dor de cabeça.

"... Falando em problemas, existe um. Parece haver algum conflito entre mim e o vice-presidente. Sinto muito."

Tatsuya não planejou interferir entre Miyuki e o Conselho Estudantil, e assim ele deixou a interrupção.

No dia da matrícula, o estudante do sexo masculino por trás de Mayumi que continuamente olhou para Tatsuya foi provavelmente o vice-presidente. Essa linha de visão não parece ser uma má interpretação. Se Tatsuya descuidadamente fosse à Sala do Conselho Estudantil para almoçar, isso indubitavelmente levaria ao conflito entre os dois.

No entanto, parecia que Mayumi não havia entendido o significado por trás das palavras de Tatsuya.

"O vice-presidente...?"

Mayumi inclinou a cabeça ligeiramente, mas rapidamente bateu palmas, em uma ação direta dos dramas do cinema.

"Se é Hanzou-kun, você não precisa se preocupar com isso, não haverá problema."

"Mas mesmo se for esse o caso...?"

Naquele instante, Tatsuya decidiu evitar o incidente que levou sua irmã a receber esse apelido, não importando o custo.

"Hanzou-kun estará no clube para o almoço."

Não tinha nenhuma relação com o que Tatsuya estava pensando, isso era natural, mas o sorriso de Mayumi não diminuiu nem um pouco enquanto ela continuava a falar.

"Nesse caso, todos podem vir também. Permitir que todos saibam sobre as atividades do Conselho Estudantil também é um dos nossos deveres."

Apesar disso, houve pessoas que recusaram diretamente o convite social de Mayumi.

"Mesmo que seja uma oportunidade rara, acho que vamos passar."

Mesmo usando a palavra "passar" dessa maneira, ela ainda transmitia uma "recusa" definitiva.

A resposta inesperada de Erika e companhia fez com que a situação se tornasse um pouco desajeitada. No entanto, tentar transmitir os sentimentos subjacentes, ou mesmo suavizar as coisas, era francamente impossível.

"É assim mesmo?"

Mas havia uma coisa que não mudou, e era o rosto sorridente de Mayumi.

Ela era simplesmente obtusa ou capaz de compreender algo que todos os outros não conseguiam? Tatsuya sentiu que ela simplesmente não precisava de um motivo.

"Nesse caso, apenas vocês dois então."

O que nós fazemos? Os olhos de Miyuki silenciosamente perguntaram a Tatsuya.

Recusar ainda era uma opção válida até aquele momento, mas, seguindo a resposta do grupo de Erika, simplesmente não havia maneira de declinar.

"... Eu entendo. Miyuki e eu estaremos incomodando você então."

"Excelente. Então os detalhes podem esperar até mais tarde. Vou esperar por vocês dois."

Por alguma razão, Mayumi ficou muito satisfeita com essa resposta. Virando-se rapidamente, ela os deixou com uma mola em seu passo.

Apesar de todos estarem indo para a mesma escola, os passos dos cinco que assistiram à saída de Mayumi se tornaram realmente pesados.

Tatsuya suspirou.


◊ ◊ ◊


A pausa para o almoço chegou rapidamente.

Os passos continuaram pesados.

Mesmo subir dois lances de escada se tornou uma tarefa exaustiva, e não foi por falta de exercício.

O peso real veio do clima pesado; Passos pesados ​​eram apenas uma metáfora, embora a relutância em continuar fosse a mesma.

Comparado a Tatsuya, Miyuki era o oposto completo. Seus passos eram leves e energéticos.

Tatsuya não era insensível o suficiente para não entender completamente a causa da alegria de Miyuki, então ele permaneceu em silêncio.

Seu destino era no final do corredor no quarto andar.

Do lado de fora, elas eram todos iguais. Todos elas tinham as mesmas portas de madeira. O que era diferente era a gravura de madeira embutida na porta, o alto-falante na parede e os dispositivos de segurança habilmente disfarçados.

A placa na porta mostrava claramente as palavras "Sala do Conselho Estudantil".

O convite foi para Miyuki; Tatsuya era puramente complementar. Assim, o trabalho de bater caiu para Miyuki. (Claro, isso é outra metáfora, já que a comunicação é através do falante ao invés de bater.)

Depois que Miyuki solicitou solenemente a entrada através do microfone, do lado oposto veio uma recepção alegre. Com um leve ruído, tão leve que até mesmo pressionando o ouvido na porta não teria detectado, a fechadura se abriu.

Tatsuya colocou a mão na maçaneta da porta e abriu a porta, adotando uma postura que protegia Miyuki no caminho para dentro. Na realidade, não havia nada que exigisse tal resposta. Tatsuya estava bem ciente desse ponto. Esse comportamento era algo profundamente enraizado nas atividades diárias dos irmãos.

E, claro, nada aconteceu.

"Bem-vindo. Não se importe, por favor entre."

Diretamente na frente, uma voz veio do lado oposto da mesa.

Tatsuya realmente queria perguntar a Mayumi o que lhe causou tal felicidade para cumprimentá-los com um sorriso assim, enquanto ela os chamava.

Miyuki liderou o caminho para a sala, seguida apressadamente por Tatsuya. Ele parou a um passo da porta, com Miyuki a dois passos da porta. Com ambas as mãos diante dela, Miyuki fez uma saudação, um exemplo de formalidade.

Quando comparado com um movimento tão afiado, Tatsuya não tinha chance de imitá-lo. Os padrões de fala e movimento de Miyuki eram completamente diferentes dos de Tatsuya. Este foi provavelmente o trabalho de sua falecida mãe.

"Eh... Não precisa ser tão formal."

Depois de assistir Miyuki executar uma saudação perfeita que não estaria fora de lugar em uma festa formal, Mayumi pareceu encolher um pouco.

Mesmo que houvesse outros dois membros presentes, eles pareciam estar sobrecarregados pela atmosfera também.

Havia uma outra pessoa presente que não era membro do Conselho Estudantil. O representante do Comitê Moral Público usava uma máscara de compostura, mas qualquer um poderia dizer que era uma frente corajosa, para não mencionar um observador veterano como Tatsuya.

Realmente, minha irmãzinha está bastante motivada hoje, pensou Tatsuya.

A única coisa que intrigou Tatsuya foi exatamente porque Miyuki escolheu uma tática de intimidação.

"Por favor, sente-se. Podemos conversar enquanto comemos."

Talvez fosse porque a salva de abertura de Miyuki a sacudiu, mas a voz de Mayumi havia mudado. Para dizer positivamente, a voz ainda era harmoniosa. Para colocá-lo negativamente, a amizade íntima de antes foi embora.

Ela provavelmente estava se referindo à longa mesa na sala de reuniões. Neste momento, o sinal chegou ao interior da mesa, reorganizando a mesa para ser apropriado para o jantar. Independentemente disso, os irmãos se aproximaram da mesa cara e escolheram seus lugares. Miyuki deslizou uma cadeira para fora e sentou-se, enquanto Tatsuya escolheu um lugar logo abaixo dela.

Para alguém que sempre insistiu veementemente que seu irmão mais velho se sentasse mais alto do que o ela, a única razão pela qual Miyuki controlou sua explosão foi por causa do entendimento de que ela era o foco da reunião de hoje.

"Carne, peixe ou vegetariano. Qual você prefere?"

O que foi surpreendente não foi apenas o módulo de servidor de jantar, mas as seleções complexas disponíveis também.

Tatsuya escolheu vegetariano, com Miyuki espelhando sua escolha. Depois de receber as ordens, a aluna do segundo ano, provavelmente a secretária Nakajou Azusa, ativou a grande máquina parecida com um armário perto da parede.

Agora a única coisa que restava era esperar.

Mayumi estava sentado na cadeira principal. Ao lado dela e diretamente em frente a Miyuki, estava outra aluna do terceiro ano. Um assento foi o membro do Comitê Moral Público, que estava do outro lado de Tatsuya. Azusa sentou-se ao lado do outro lado do membro do comitê. Depois de recuperar um pouco o rumo, Mayumi começou.

"As apresentações foram trocadas na cerimônia de matrícula, mas só por precaução, vamos repassar isso novamente. Ao meu lado está a nossa contadora, Ichihara Suzune, também conhecida como Rin-chan."

"...A única que me chama assim é a presidente."

Cada parte do rosto solene dava uma impressão severa, embora com seu corpo alto e membros esguios, Suzune fizesse plena justiça à descrição da "beleza".

Deve-se admitir que "Rin-chan" se encaixa melhor em seu perfil do que "Suzune".

"Vocês dois deviam conhecer a pessoa do lado de Rin-chan, certo? Esta é a presidente do Comitê Moral Público, Watanabe Mari."

Mari não disse nada, mas ela não desrespeitar ninguém seria natural.

"E depois disso está a nossa Secretária, Nakajou Azusa, também conhecido como A-chan."

"Presidente do Conselho Estudantil... Por favor, não me chame de 'A-chan' na frente dos calouros. Eu tenho a minha posição para pensar também."

Porque ela era ainda mais delicada do que Mayumi e possuía um rosto mais infantil, sempre que Azusa dirigia um rosto com os olhos marejados para cima, ela sem querer dava a impressão de uma criança prestes a chorar.

E essa provavelmente seria a razão pela qual ela é chamada de "A-Chan", pensou Tatsuya. Isso pode ser uma verdade muito cruel para a pessoa em questão.

"O último seria o vice-presidente Hanzou. E isso compõe todos os membros do Comitê do Conselho Estudantil."




"Do qual eu não faço parte."

"Oh sim, Mari não é membro do Conselho Estudantil. Ah, os preparativos estão completos."

A tampa do servidor de jantar abriu, apresentando refeições limpas e adequadas, sem um toque de caráter em uma série de bandejas. Havia apenas cinco refeições.

'Nós somos poucos...'

Apesar de Tatsuya pensar nisso, ele não mencionou isso em voz alta porque estava pensando em uma solução. Enquanto Tatsuya estava processando isso, Mari silenciosamente tirou uma caixa de bento.

Vendo Azusa se levantar, Miyuki também saiu da mesa. Como o próprio nome indicava, o servidor de jantar era capaz de produzir refeições, mas sem um conjunto de mesa correspondente, era mais eficiente trazer manualmente as bandejas.

Azusa primeiro colocou sua bandeja na mesa, depois trouxe as porções de Mayumi e Suzune também.

Depois disso, Miyuki carregou as duas bandejas para os irmãos, e com isso começou um almoço muito interessante.

No começo, a conversa estava completamente aberta. Mesmo assim, Tatsuya e Miyuki tinham muito poucos assuntos de conversação que coincidiam com os membros do comitê.

A conversa fluiu naturalmente para o tópico da comida. Não poderia ser ajudado que o servidor de jantar produzisse o que era mais ou menos fast food, mas os alimentos processados ​​modernos têm quase a mesma qualidade que os pratos normais. Dito isto, se só pode combinar cozinhas de "qualidade normal", então as deficiências de alimentos processados ​​não podem ser negadas.

"Você fez esse bento você mesma, Watanabe-senpai?"

A intenção de Miyuki era simplesmente iniciar uma conversa com todos os outros e não escondia nenhum outro motivo.

"Sim, você está surpresa?"

No entanto, quando perguntada por Miyuki, Mari assentiu e respondeu com uma pergunta provocante que era difícil de responder. Na realidade, Mari não pretendia atormentar Miyuki, mas queria fazer uma pequena piada sobre essa kouhai sensata e educada.

"Não, só um pouco."

Assim que Miyuki começou a entrar em pânico, uma voz do lado dela respondeu por ela no negativo.

"... Entendo."

Os olhos de Tatsuya observavam os movimentos da mão de Mari, ou os dedos para ser preciso. Se fosse feito por uma máquina, ou à mão, que tipo de cozinha seria ou não possível...? Isso deu a impressão de que ele podia ver através de tudo, fazendo com que Mari se sentisse bastante envergonhada.

"Vamos começar a trazer nossos próprios bentos amanhã."

Quando Miyuki falou como se nada tivesse acontecido, Tatsuya também mudou sua linha de visão.

"Os bentos de Miyuki são certamente incríveis, mas para onde comê-los..."

"Oh, sim... Primeiro precisamos encontrar um lugar para comê-los..."

O diálogo dos irmãos, não apenas o conteúdo, mas a própria atmosfera, parecia um pouco íntimo demais para um par de adolescentes ligados ao sangue.

"... Assim como um casal de amantes."

Suzune adotou um sorriso que não era um sorriso e lançou um comentário explosivo.

"É isso mesmo? Se não fossemos irmãos, então seríamos amantes, é isso que você pensa?"

Tatsuya respondeu calmamente e rapidamente desarmou a explosão. Ou mais provavelmente acidentalmente detonou.

"... Claro, isso foi uma piada."

Ao enfrentar uma Azusa totalmente vermelha, Tatsuya espelhou o "sorriso" anterior de Suzune e calmamente continuou. Seu rosto não foi perturbado nem um pouco.

"Você é muito chato."

Mari disse em um tom exasperado.

"Eu também acho."

Tatsuya respondeu de maneira equilibrada.

"Ok, Ok, vamos terminar este assunto aqui. Mari, eu sei que é difícil de engolir, mas Tatsuya-kun é apenas uma pessoa difícil de lidar."

Talvez fosse porque ela previa que essa conversa continuaria perpetuamente, Mayumi interveio com um leve sorriso amargo.

"... Isso é verdade. Eu retiro meu comentário anterior. Você é um cara interessante, Tatsuya-kun."

Com um leve sorriso, ela poucas vezes revela um sorriso diante de um menino Mari mudou sua avaliação anterior.

Primeiro a Presidente do Conselho Estudantil, agora a Presidente do Comitê Moral Público. Acho que é melhor me acostumar com as pessoas me chamando pelo nome.

"Já é hora de chegarmos ao ponto."

Pode ter sido um pouco inesperado, mas o tempo previsto para a pausa para o almoço era limitado. Depois que todos terminaram de comer, tanto Tatsuya quanto Miyuki assentiram ao ouvir as palavras de Mayumi.

"Assim como a nossa escola coloca forte ênfase na autodeterminação, o Conselho Estudantil recebeu amplos poderes dentro dos limites da escola. Não apenas nossa escola, mas a maioria das escolas públicas também adotam um método similar."

Tatsuya concordou com o princípio. Centrado na gestão e centrado no determinismo eram como o fluxo e refluxo das marés, fundamentalmente diferentes, mas ao mesmo tempo impactando um ao outro. Com a vitória na Batalha de Defesa de Okinawa há três anos e a subsequente ascensão da voz internacional, o antigo estilo centrado na administração que levou a desvantagens diplomáticas e agitação interna foi eliminado em favor da autodeterminação tornando-se o tema da sociedade. Com o tempo, houve outro reverso; uma parte das escolas secundárias privadas adotou uma filosofia rigorosa centrada na gestão. Assim, é difícil calcular unilateralmente a progressão dos eventos.

"Nosso Conselho Estudantil usa o método tradicional de concentrar o poder e a autoridade no presidente. Esse estilo presidencial também pode ser descrito como uma centralização extrema."

Ouvir essas palavras provocou algum desconforto, embora isso provavelmente fosse descortês para Mayumi. Tatsuya apertou firmemente seu punho.

"O presidente é eleito pelo corpo estudantil, os outros membros são nomeados pelo presidente. Com poucas exceções, o presidente tem o direito de nomeação e destituição para todos os oficiais."

"Minha posição como presidente do Comitê Moral Público é uma dessas exceções. O Conselho Estudantil, o Grupo de Administração do Clube e os professores selecionam um representante para determinar essa posição."

"E por causa disso, em algum nível, Mari tem a mesma autoridade que eu. Sob as regras, o presidente tem um período de mandato, mas os outros não. O prazo vai de 1º de outubro a 30 de setembro do próximo ano. Entre este tempo, o presidente tem o direito de nomeação e remoção para todos os oficiais."

(Está na hora de chegar ao ponto.)

Tatsuya não interrompeu, apenas assentiu para indicar que ele entendia.

"Há uma tradição anual de convidar o representante do 1º ano para o Conselho Estudantil, com a intenção de treiná-lo para se tornar o sucessor. Espero que o representante do 1º ano seja eleito o próximo presidente do Conselho Estudantil. Embora não seja uma garantia, este tem sido o caso nos últimos 5 anos."

"Então, a presidente também foi a representante do 1º ano? Bastante impressionante."

"Ah ~, err, sim".

Mayumi corou e gaguejou sua resposta.

A resposta de Tatsuya foi meramente bajulação, já que ele já sabia a resposta. A parte estranha era que Mayumi já deveria estar acostumada a tal adulação dada a posição dela, mas ela ainda ficava vermelha de vergonha. Isso não foi um ato, mas um verdadeiro embaraço. Isto é certamente muito desonesto... Ela parece uma estudante do ensino médio perfeitamente normal. - Não pode ser que ela intencionalmente permita que as pessoas vejam que ela é facilmente envergonhada, e essa é a verdadeira parte da atuação?

"Então... Miyuki, espero que você possa entrar no Conselho Estudantil."

Nesta fase, dizer "entrar no Conselho Estudantil" é essencialmente tornar-se um membro do Conselho Estudantil.

"Você está disposto a aceitar?"

Respirando, Miyuki olhou para as mãos, antes de levantar os olhos para Tatsuya em questão. Tatsuya encolheu os ombros, suprimiu seus próprios sentimentos e assentiu levemente com a cabeça. Miyuki abaixou a cabeça novamente antes de levantá-lo. Desta vez, no entanto, seus olhos estavam acesos à maneira de alguém prestes a dar um mergulho.

"Presidente, você está ciente dos resultados dos exames de entrada do Onii-sama?"

"-?"

Neste desenvolvimento completamente inesperado, tudo o que Tatsuya pôde fazer foi permanecer em silêncio.

O que você está tentando dizer, irmãzinha?

"Hm, eu sei disso. Realmente incrível... Para ser honesta, quando eu dei uma olhada nos resultados dos professores, até eu perdi a confiança."

"... Se o conselho estudantil aceita estudantes com altas pontuações nos testes e habilidades pendentes, acredito que o Onii-sama também se encaixa nos critérios."

"Espere, Mi-"

"E em termos de Desk Work (Manipulação Teórica), acredito que não tenha nada a ver com habilidades práticas e notas. Em outras palavras, conhecimento e julgamento são mais importantes."

Para Miyuki, não permitir que a outra pessoa termine a sentença e interrompa ela é uma ocorrência rara. E se o outro orador for Tatsuya, então a frequência cairia ainda mais.

"Estou honrado em receber um convite para o Conselho Estudantil. Eu ficaria mais do que feliz em aceitar até mesmo a posição mais baixa, mas há alguma maneira de o Onii-sama participar?"

Tatsuya realmente queria cobrir o rosto e olhar para o céu.

É possível que sua influência negativa em sua irmãzinha tenha atingido esse nível? Miyuki deve saber que o nepotismo flagrante só pode levar ao desconforto dos outros.

"Infelizmente, isso não é possível."

Aquele que respondeu não era a Presidente, mas o membro do conselho sentado ao seu lado.

"Os membros do Conselho Estudantil devem ser selecionados dos alunos do Curso 1. Esta não é uma regra não escrita, mas uma enumerada. Esta é a única cláusula anexada ao direito de nomeação e demissão do presidente. Para mudar isso, é necessária uma emenda especial. reunião com a presença do corpo discente completo e realizada por uma maioria de dois terços. Como o número de alunos do Curso 1 e do Curso 2 é praticamente igual, isso é realmente impossível."

Suzune disse isso suavemente num tom ligeiramente apologético.

De sua voz, era óbvio que ela também era alguém que era contra o tratamento diferencial entre Flores e Ervas daninha.

"... peço desculpas. Eu disse tudo isso sem entender a situação. Por favor, me perdoe."

Miyuki só podia admitir francamente seu erro.

Miyuki levantou-se e fez uma profunda reverência, mas ninguém a repreendeu.

"Nesse caso, Miyuki se juntará ao atual Conselho Estudantil com o título de secretária, isso é aceitável?"

"Sim, vou trabalhar duro para cumprir meus deveres. Por favor, cuide de mim."

Miyuki abaixou a cabeça novamente, mas desta vez foi mais educada do que apologética. Mayumi assentiu para Miyuki com um sorriso no rosto.

"Você pode obter os detalhes da A-chan."

"Como eu acabei de dizer, Presidente... Por favor, pare de me chamar de A-chan..."

"Se não houver complicações, você pode vir hoje depois da escola?"

Completamente ignorando os protestos lacrimosos do lado, Mayumi continuou sua conversa.

"Miyuki."

Antes que Miyuki pudesse se virar e perguntar, Tatsuya a deteve com um tom verbal curto, mas poderoso. Ele assentiu de acordo com a sugestão de Mayumi. Miyuki assentiu também, antes de se virar para encarar Mayumi.

"Eu entendo. No entanto, seria bom eu vir aqui depois da escola?"

"Claro. Vou esperar por você, Miyuki."

"Hey ~. Por que eu sou chamada de 'A-chan', enquanto Shiba é chamada de 'Miyuki' ...?"

Em algum nível está foi uma pergunta válida, mas foi mais uma vez ignorada.

... Tatsuya começou a ter um pouco pena da Azusa.

"... Ainda resta um pouco de tempo até o final da pausa para o almoço. Posso dizer uma coisa?"

A razão pela qual todos ignoraram Azusa, e não por maldade ou por malícia, provavelmente foi porque a atenção de todos estava voltada para a mão que Mari ergueu no ar.

"A lista para o Comitê de Moral Pública ainda tem um lugar vazio que não foi preenchido."

"Acabei de dizer que ainda estamos revendo possíveis candidatos. Além disso, a escola começou há uma semana, certo? Não há necessidade de se apressar, Mari."

Desagradada com a pressa de Mari, Mayumi respondeu. No entanto, Mari não parecia se importar.

"Eu acho que, de acordo com as regras do conselho estudantil, todos os membros, além do presidente, devem ser alunos do Curso 1, certo?"

"Sim."

Mayumi assentiu em confirmação enquanto sua expressão dizia que não poderia ser ajudado.

"Somente os alunos do curso 1 podem ocupar os cargos de vice-presidente, contador, secretário e funções relacionadas, certo?"

"Sim. As regras estipulam que o conselho é composto pelos papéis de Presidente, Vice-presidente, Contador e Secretário."

"Em outras palavras, não há restrição para trazer um estudante do Curso 2 para o Comitê de Moral Pública."

"Mari, você..."

Os olhos de Mayumi se arregalaram, enquanto Suzune e Azusa usavam expressões igualmente chocadas. Essa proposta foi tão surpreendente quanto a sugestão anterior de Miyuki.

Aparentemente, a aluna do 3º ano conhecida como Watanabe Mari é realmente uma coringa, pensou Tatsuya.

Contudo.

"NICE!"

"Ah?"

Coincidindo com a explosão de prazer de Mayumi, Tatsuya soltou uma surpresa surda.

"Sim, não há problema com o Comitê de Moral Pública. Mari, o Conselho Estudantil nomeia Shiba Tatsuya como membro do Comitê Moral Público."

Um desenvolvimento inesperado aconteceu em um instante.

"Espere um minuto! Você não deveria levar em conta meus pensamentos sobre o assunto? Além disso, você não me contou quais são as funções de um membro do Comitê de Moral Pública."

Em vez de objetar a partir de uma perspectiva lógica, era mais importante ouvir os instintos que alertavam para um desenvolvimento perigoso.

"Nós realmente não entramos em detalhes sobre os deveres de sua irmã no Conselho estudantil, correto?"

"... Não, isso é verdade, mas..."

Infelizmente, a objeção de Tatsuya foi imediatamente anulada pelo comentário de Suzune.

"Eh, Rin-chan, tudo bem. Tatsuya-kun, o trabalho do Comitê de Moral Pública é defender a moral pública no campus."

"..."

"..."

"... Isso é tudo?"

"Embora o trabalho não tenha qualquer sentido de realização, e também é bastante problemático... Err, ainda é uma tarefa gratificante?"

Primeiro de tudo, desconsidere o fato de que ela tentou esconder suas palavras por trás daquele sorriso. A coisa mais importante é que Tatsuya não achava que elas iriam ouvi-lo seriamente de qualquer maneira.

"Não foi isso que eu quis dizer."

"Hm?"

Parece que elas não estão fingindo ser ignorantes.

Tatsuya desviou o olhar para a direita. Aos olhos de Suzune, ele descobriu um olhar de pena. Apesar desse olhar, não parecia que ela ia ajudar. Ao lado de Suzune. Mari parecia que achava toda essa sequência de eventos muito interessante. E no outro lado de Mari. Ao travar nos olhos de Azusa, seus olhos a traíram com um olhar atormentado.

Ele continuou a encará-la.

Apesar de Azusa olhar desesperadamente para a esquerda e para a direita, Tatsuya não tirou os olhos dela e continuou a olhar.

"Hum, o Comitê de Moral Pública da nossa escola é uma organização que é responsável por policiar aqueles que infringem as regras da escola."

Assim como sua aparência exterior, Azusa é fraca a pressão.

"Em termos de moral pública, eles geralmente consistem em coisas como regulamentações uniformes ou atrasos, mas são tratados pelos membros indicados pelo Comitê Autônomo."

Neste Conselho Estudantil exteriormente conservador, mas na verdade incrivelmente único e diversificado, ela provavelmente era a única suscetível a essa tática. Tatsuya começou a ficar um pouco preocupado com seus futuros deveres no trabalho.

"... Hum, você tem alguma pergunta?"

"Não, por favor continue."

"Ah, OK. Os principais deveres do Comitê de Moral Pública são identificar aqueles que usam magia contra as regras da escola e subjugar aqueles que usam magia no campus para causar um distúrbio. Depois que o membro do Comitê de Moral Pública decide a punição necessária, ele ou ela apresentará ao Comitê Disciplinar juntamente com o Presidente e o Representante Estudantil. Em resumo, eles são tanto a polícia quanto o promotor".

"Isso não é maravilhoso, Onii-sama?"

"Não, Miyuki... Por favor, espere um pouco antes de dar aquele olhar 'Então está decidido' nos seus olhos... Apenas no caso, deixe-me esclarecer algumas coisas."

"Esclarecer o que?"

Tatsuya não estava focado em Azusa, que acabou de terminar suas explicações, mas em Mari.

"De acordo com a explicação anterior, a missão do membro do Comitê de Moral Pública é deter qualquer conflito após a descoberta, correto?"

"Bem, isso é verdade. Também intercedemos em conflitos não-mágicos."

"Além disso, se a magia foi usada, a nossa intervenção é obrigatória."

"Se possível, seria melhor se o conflito fosse resolvido antes do uso de magia."

"Esse é o meu ponto! Minha nota técnica é terrível e, além disso, sou um aluno do Curso 2!"

Finalmente, mesmo Tatsuya começou a aumentar seu volume.

Esta tarefa exige claramente uma habilidade mágica esmagadora para subjugar o oponente. Não importa de que ângulo de consideração, essa tarefa não foi adequada para alunos do Curso 2 com pouca habilidade técnica.

No entanto, apesar do questionamento de Tatsuya, Mari permaneceu completamente imperturbável e respondeu com um simples comentário.

"Isso não é um problema."

"O que você está dizendo?"

"Em competições de poder, eu vou lidar com isso... A pausa para o almoço está quase no fim. Vamos salvar o resto para depois da aula, alguma objeção?"

Era verdade que a pausa para o almoço estava prestes a terminar, e duplamente verdadeiro que esse assunto não poderia simplesmente ser encoberto.

"... Compreendo."

Tatsuya entendeu completamente que se ele entrasse nessa sala depois da escola, ele teria que entrar nesse lamaçal novamente, mas ele não tinha outra escolha.

"Então nos encontraremos novamente aqui."

Tatsuya suprimiu qualquer sentimento irracional e acenou com a cabeça. Ao seu lado, enquanto compreendia plenamente os pensamentos de seu irmão mais velho, Miyuki não conseguiu esconder seus sentimentos de júbilo.


◊ ◊ ◊


Como a educação finalmente atingiu um status generalizado, a inutilidade das escolas tornou-se uma postura popular.

Como as aulas on-line se tornaram realidade, argumentou-se que gastar tempo em salas de aula reais era um desperdício de tempo e recursos.

No final, a inutilidade das escolas só permaneceu no nível popular e não subiu mais.

Não importa quão avançada seja a interface, as experiências virtuais não são a realidade. A prática e a experimentação devem ser combinadas com perguntas e respostas em tempo hábil. Além disso, qualquer coisa que não seja conduzida em circunstâncias reais não produzirá experiências reais de aprendizado. Os alunos que aprendem juntos na mesma aula podem promover aprendizado adicional. Esses dois pontos foram comprovados, sem dúvida, por experimentos simulados.

A classe E do 1º ano estava no meio de uma aula prática.

Dito isto, não havia um professor em tempo real presente. Este é um exemplo simples de quando os resultados da pesquisa não são colocados em prática. Os alunos da Classe E estavam seguindo as instruções exibidas no monitor de parede para operar o CAD de uso educacional integrado. O assunto de hoje foi o básico do básico, que é a simples operação deste dispositivo.

Embora oficialmente uma sessão de aprendizagem guiada, ainda havia uma tarefa a ser concluída. Como não havia um professor supervisor, a conclusão dos relatórios de tarefas tornou-se o único critério para essa classe. A tarefa de hoje era usar o CAD para direcionar um carro de mesa de um lado para o outro, para ser repetido três vezes. Apesar da falta de um lembrete, foi dado que a operação manual é estritamente proibida.

"Tatsuya, como foi na Sala do Conselho Estudantil?"

Enquanto esperava na fila para usar o CAD, Leo perguntou depois de cutucar Tatsuya pelas costas. Seu rosto não revelou nenhum motivo oculto. Ele estava simplesmente curioso.

"Transformou-se em uma conversa intrigante..."

"Intrigante?"

Erika, que estava na frente de Tatsuya na fila, também se virou para perguntar.

"Eles me pediram para se juntar ao Comitê de Moral Pública. Como as coisas poderiam de repente ser assim?"

Tatsuya e Erika inclinaram a cabeça. Verdade seja dita, a única maneira de descrever seria "como as coisas poderiam ser assim?".

"Você está certo. É bem repentino."

Leo também concordou que foi bastante inesperado.

"Mas não é ótimo ser observado pelo Conselho Estudantil?"

A opinião de Mizuki era diferente dos outros. Ela parou quando estava voltando para o final da fila para tentar a tarefa novamente.

"Ótimo? Isso não é meramente um pacote complementar para minha irmãzinha?"

Mesmo assim, Tatsuya foi incapaz de aceitar o elogio de Mizuki.

Erika sorriu levemente quando viu a atitude desconfiada e teimosa de Tatsuya.

"Bem, bem, vamos parar com toda essa auto depreciação. Então, o que o Comitê de Moral Público faz, afinal?"

Depois de ouvir a pergunta de Erika, Tatsuya repetiu o que ouviu de Azusa. Ouvindo isso, todos os três pares de olhos se arregalaram.

"Tarefa bastante incômoda..."

Leo suspirou enquanto a expressão de Mizuki ficou preocupada.

"Se não é seguro, então... Erika-chan, o que há de errado?"

Erika estava extremamente chateada, embora venha a pensar sobre isso, desde quando ela ficou tão enfurecida?

"... Realmente, tão impulsiva..."

Sua visão se moveu. Falando no ar, parecia que ela estava repreendendo alguém que não estava presente.

"Erika-chan?"

"Ah, é, desculpe. Isso realmente está indo longe demais. Tatsuya-kun, é melhor você recusar uma tarefa tão perigosa."

Quando aquela expressão solene se transformou em um sorriso travesso, a voz de Erika ficou notavelmente mais brilhante quando ela o estimulou.

"Eh, ainda é bem interessante! Por que você não aceita, Tatsuya. Eu vou torcer por você."

Embora fosse compreensível que Erika estivesse brincando para disfarçar o que ela disse antes, parecia que ela ainda estava escondendo alguma coisa.

"Mas se você tiver que intervir em conflitos, você não será alvo de ataques mágicos também?"

Havia um palpite razoável sobre a quem o "impulsiva" se referia.

"Sim, e definitivamente haverá pessoas que confundem boas intenções com ações a sangue-frio."

No entanto, os detalhes exatos por trás desses sentimentos permanecem um mistério.

"Por outro lado, em vez de deixar que esses alunos pretensiosos do Curso 1 consigam os holofotes, você não acha que é melhor se Tatsuya fizer isso?"

Tatsuya não foi precipitado o suficiente para se juntar à conversa.

"Hm... Bem, isso pode ser verdade."

"Erika-chan, por favor, não pense dessa maneira! Se não queremos que isso aconteça, não é melhor não entrar em brigas?"

"Mas Mizuki, mesmo que não planejemos, não há momentos em que temos que apagar incêndios? Como ontem, por exemplo."

"Bem, isso..."

"Há muita suspeita e injustiça no mundo. Nem sempre podemos esperar um resultado positivo se concedermos o tempo todo."

Esse caso em questão, inconscientemente, Tatsuya sentiu que já era hora de ele terminar essa conversa antes que ela levasse a um território perigoso.

"Erika, é a sua vez."

"Ah, desculpe, desculpe."

Com o cutucão de Tatsuya, Erika levemente nervosa rapidamente assumiu sua posição. A julgar pelas costas dela, ela estava em um estado de seriedade completa e não foi afetada pela conversa anterior. Parece que ela é do tipo que pode facilmente mudar de um estado mental para outro. Apesar de uma aparência exteriormente volúvel, seu estado natural é provavelmente de seriedade.

As costas de Erika tremeram um pouco, provavelmente porque respirou fundo. Aconteceu em um segundo, embora invisível a olho nu, as flutuações dos psions passaram pelas costas de Erika e puderam ser "vistas" na forma de uma luz que apenas Magos puderam perceber. Este foi um sinal de que a ativação e a subsequente invocação não consumiram todos os psions, pois as sobras de psions criaram esta luz de psions. Mestres altamente qualificados deixam para trás pequenas quantidades de luz de psions, mas para um estudante do primeiro ano do ensino médio, este foi um nível aceitável. Quando há psions remanescentes suficientes, a interferência de fótons entre os psions resulta em uma manifestação física da luz. Uma ausência de luz de psions denotaria excelente controle sobre as habilidades de alguém.

O carro de mesa na frente do CAD deslocou-se para a frente e retornou à sua posição original. Isso ocorreu três vezes.

"Yes!"

Era óbvio que Erika estava muito satisfeita com o resultado, como podia ser visto de seu punho cerrado e do jeito que ela se virou para olhar para Tatsuya. De fato, ela ficou mais habilitada dessa vez em comparação com a primeira vez que realizou este exercício, e houve melhora acentuada tanto na aceleração quanto na desaceleração.

O objetivo deste exercício era acelerar o carro de mesa até o meio da pista, depois desacelerar até a outra extremidade, acelerar a partir desse ponto de volta para o meio e desacelerar até o ponto de partida... Para ser repetido três vezes. A sequência de ativação inserida no CAD foi para essas 6 invocações de aceleração e desaceleração. Como não havia vetores de aceleração ou desaceleração, isso poderia ser usado para examinar o nível de habilidade entre os alunos. Se o carro de mesa se movia em um movimento estável era suficiente para avaliar se o usuário era habilidoso ou não.

Erika secretamente exibiu um sinal de mão de vitória que não era esnobe enquanto ela se movia para o final da linha atrás de Mizuki. Em seguida, Tatsuya tomou o seu lugar diante do CAD incorporado.

Ele pisou no pedal para ajustar a altura do CAD, colocou a palma da mão no touchpad branco e transparente que estava em cima de uma caixa grande e começou a manipular o fluxo de psion.

O que retornou foi o som da confirmação de ativação, misturada com vários ruídos conflitantes. Resistindo ao impulso de franzir as sobrancelhas, Tatsuya começou a construir a sequência de invocação.

O carro de mesa tropeçou duas ou três vezes antes de avançar em um movimento estável.

Como a tarefa de hoje era se acostumar a operar um CAD, não havia timer instalado.

Além do próprio Tatsuya, ninguém saberia. Até o momento em que o vagão começou a se mover, o tempo esgotado era maior do que o de Erika por uma larga margem. Na verdade, não apenas em comparação com a Erika. Das 25 pessoas da Classe E, ele definitivamente seria um dos usuários inferiores.

A única razão pela qual isso não era imediatamente óbvio foi porque o movimento do carro de mesa era mais ou menos o mesmo que os outros.

No entanto, Tatsuya estava bem ciente de seu próprio desempenho decepcionante.


◊ ◊ ◊


Graças a Deus ninguém ficou com ciúmes.

Apesar da série de "Boa sorte ~" de seus amigos, seu humor não melhorou e, em vez disso, ficou ainda mais deprimido.

O motivo foi provavelmente porque Tatsuya originalmente não estava interessado no assunto, levando assim a sua depressão ainda mais.

Depois da escola, Tatsuya dirigiu-se para a sala do Conselho Estudantil, arrastando passos ainda mais pesados ​​do que durante a pausa para o almoço.

Embora a atmosfera em torno das circunstâncias fosse um pouco lamentável, porque Miyuki podia entender os sentimentos de Tatsuya, ela permaneceu em silêncio.

Graças ao fato de o cartão de identificação já estar registrado no sistema de certificação - (juntar-se ao Conselho Estudantil é aparentemente considerado uma garantia. Embora a resistência seja possível, Mayumi e Mari provavelmente insistiriam) - os irmãos entraram na sala.

Imediatamente após entrar, havia um olhar agudo marcado pela hostilidade. A fonte veio do lado oposto da máquina na parede, em um assento que estava desocupado durante a pausa para o almoço.

"Com licença!"

Era difícil dizer se era por tristeza ou orgulho, mas Tatsuya já estava acostumado a esse tipo de olhar e atmosfera. Ele manteve seu poker face, curvou-se em silêncio e, com isso, o olhar hostil se dissipou como nuvens de chuva diante do sol. Mesmo assim, não era como se a hostilidade tivesse desaparecido completamente, era mais como se o olhar hostil anterior estivesse dirigido agora em uma luz mais favorável para Miyuki, que agora estava de pé na frente. O raciocínio por trás disso não precisa de maiores explicações.

O dono desse olhar levantou-se e caminhou em direção aos irmãos. Não, mais como caminhou em direção a Miyuki. Tatsuya lembrou seu rosto. No dia da matrícula, ele era o aluno do 2º ano de pé próximo de Mayumi, como se esperasse ordens, tornando-se assim o vice-presidente do conselho estudantil.

O vice-presidente era quase tão alto quanto Tatsuya. A diferença era que os ombros dele eram um pouco mais estreitos.

Ele tinha um semblante bonito que não necessitava palavras adicionais para descrever e uma construção não digna de nota. Ele não emitiu uma impressão robusta, mas do modo como a luz de psions se apega densamente ao ar em torno de seu corpo, ele deve ser um jovem com considerável poder mágico.

"Eu sou o vice-presidente, Hattori Gyoubu. Shiba Miyuki, bem-vindo ao Conselho Estudantil."

Sua voz era um pouco anormal, mas considerando sua idade, ele provavelmente estava reprimindo qualquer reação pessoal. Sua mão direita balançou um pouco, provavelmente porque o desejo de apertar as mãos não foi completamente apagado. Quanto ao motivo pelo qual o tremor parou, Tatsuya não se importou em considerar.

Hattori voltou a seu lugar enquanto ignorava completamente Tatsuya. Atrás de Miyuki, uma aura desagradável estava se formando, mas isso também desapareceu em um instante. O único que notou foi provavelmente Tatsuya, graças a sua proximidade. Felizmente ela conseguiu se controlar, Tatsuya afagou discretamente seu peito.

O vice-presidente estava completamente inconsciente das preocupações de Tatsuya, embora isso não devesse ser surpreendente, dado que eles acabaram de se conhecer, ou a fonte das preocupações de Tatsuya. Só então, duas saudações muito casuais voaram.

"Ah, você está aqui."

"Bem-vindo, Miyuki. Você também, Tatsuya-kun. Bom trabalho."

Do jeito que Mari casualmente levantou a mão em saudação, ela já estava tratando Tatsuya como um dos seus. Mayumi foi o completo oposto. Sua atitude era muito diferente de antes. Então, novamente, a maioria dos grupos ficaria chateada se um forasteiro se intrometesse, embora nenhuma explosão realmente acontecesse. Tatsuya, como todo mundo, já havia chegado à conclusão de que tentar entender essas duas era uma causa sem esperança.

"Nesse caso, não há necessidade de atrasos. A-chan, por favor."

"... Sim."

Parecia que ela já desistiu. Por um momento, a cabeça de Azusa se inclinou com uma expressão triste antes de colocar um sorriso desajeitado e levar Miyuki até o terminal ao lado.

"Bem, vamos embora."

Ainda não foi um dia inteiro e ela já está falando tão casualmente. Talvez a futilidade seja parte de seu personagem, pensou Tatsuya.

"Para onde?"

Então, novamente, a experiência de Tatsuya não era privilegiada o suficiente para ele se importar com a escolha de palavras de outra pessoa. Ele respondeu no método mais curto e eficiente possível.

"Sede do Comitê Moral Público. Há um monte de coisas que você precisa ver em primeira mão para entender. Ele está localizado diretamente sob esta sala. Dito isto, ambas estão conectadas."

Depois que Mari terminou de falar, Tatsuya respirou antes de responder.

"... Esse é um design estranho."

"Também achei."

Enquanto ela dizia isso, Mari começou a se levantar. Mas assim que ela estava prestes a deixar a cadeira, um comentário a impediu.

"Watanabe-senpai, por favor, espere um minuto."

A voz veio do vice-presidente Hattori. Ao ouvir isso, Mari respondeu de uma maneira que até hoje Tatsuya ainda não pode se acostumar.

"Precisa de algo? Hattori Gyoubushoujou Hanzou?"

"Por favor, não me chame pelo meu nome completo!"

Tatsuya olhou para Mayumi. Vendo o olhar de Tatsuya, Mayumi inclinou a cabeça com um "Hm?".

Você está me dizendo que "Hanzou" é realmente o seu nome verdadeiro... Completamente. Inesperado.

"Então vamos com o vice-presidente Hattori Hanzou."

"Por favor, me chame de Hattori Gyoubu!"

"Esse é o título oficial da sua família, não é?"

"Não tem nada a ver com o título agora. A escola já aceitou o nome 'Hattori Gyoubu'!... Não, não é isso que eu queria dizer."

"Isso é porque você é muito formal, não é?"

"Ok, ok, Mari, Hanzou também tem coisas que ele não vai desistir."

O olhar de todos caiu para o alto-falante, Mayumi. Você não está qualificada para dizer isso.

Mas Mayumi não teve reação alguma. Provavelmente porque ela não percebeu isso. Mais ao ponto, por que Hattori não disse nada?

Isso foi um pouco diferente do que não estar acostumado a falar com a presidente. Mesmo quando confrontou Mari, a expressão de Hattori não mudou. Mas comparado a sua expressão então, Tatsuya achou isso muito interessante.

Claro, isso foi apenas sob a condição de que ele era um espectador. Infelizmente, o tempo atribuído a um espectador é muito curto.

"Watanabe-senpai, o tópico que eu queria falar com você é precisamente sobre as substituições do Comitê de Moral Público."

O sangue que originalmente causara o rosto de Hattori se ruborizar completamente vermelho já havia recuado. Assim como a exibição em câmera lenta de uma animação, Hattori se acalmou.

"O que?"

"Eu me oponho a você nomear este aluno do 1º ano para o Comitê de Moral Público."

Quando Hattori declarou sua opinião, ele estava perfeitamente calmo, ou estava forçosamente segurando suas emoções sob controle.

As sobrancelhas de Mari se enrugaram um pouco, e isso não parecia ser um ato. Tatsuya não podia dizer se ela estava apenas surpresa ou irritada com isso.

"O que é esse absurdo? Aquele que nomeou Shiba Tatsuya-kun foi a Presidente Saegusa. Mesmo que fosse verbal, o direito de nomeação permanece com ela sozinha."

"Ouvi dizer que a parte receptora não concordou. Apesar da nomeação, o assunto não é oficial até que ele concorde pessoalmente."

"Isso depende do próprio Shiba Tatsuya-kun. A presidente já elaborou a decisão do Conselho Estudantil. A decisão final é dele, não sua."

Os olhos de Mari estavam em Hattori enquanto ela dizia isso.

Hattori nunca olhou para Tatsuya. Ou talvez fosse mais correto dizer que ele estava ignorando a presença de Tatsuya.

Observando essas duas pessoas, Suzune estava muito calma, Azusa estava muito nervosa, e Mayumi estava completamente ilegível, sentada ali com um sorriso tradicional no rosto.

Miyuki estava olhando para o terminal ao lado com uma expressão sutil no rosto. No entanto, ela provavelmente estava a um fio de cabelo longe de explodir a qualquer momento. Por razões completamente diferentes, tanto Tatsuya quanto Azusa estavam ficando muito preocupados.

"Não há precedência para nomear uma Erva daninha para o Comitê de Moral Pública."

A refutação de Hattori foi atada ao termo pejorativo. Ao ouvir isso, Mari levantou ligeiramente uma sobrancelha.

"Esse é um termo tabu, vice-presidente Hattori. Um termo tabu banido pelo Comitê de Moral Público. Você tem muita coragem de usar isso na minha frente, a presidente do Comitê de Moral Público."

Enfrentando a reprimenda, advertência, ou talvez um pouco de ambos de Mari, Hattori não demonstrou nenhum sinal de fraqueza.

"Você pode banir esse termo o quanto quiser. Você planeja punir um terço de todo o corpo discente? A diferença entre Flores e Ervas daninha é algo que é escrito no sistema escolar e reconhecido pela própria escola. A origem da diferença entre Flores e Ervas daninha é a diferença de habilidade. Os membros do Comitê de Moral Público são responsáveis ​​pela tarefa de subjugar estudantes que infringem as regras da escola. Uma Ervas daninha com habilidades inferiores é incapaz de realizar essa tarefa."

Para a orgulhosa afirmação de Hattori, Mari apenas sorriu friamente.

"É verdade que o Comitê de Moral Público é baseado em habilidades, mas a habilidade vem em muitas formas. Se precisamos usar a força para a supressão, é para isso que estou aqui. Mesmo que eu enfrente 10 ou 20 oponentes, eu posso lidar com eles sozinha. Nesta escola, as únicas pessoas que podem ir 1 contra 1 comigo são a Presidente Saegusa e o Líder do Grupo de Gerenciamento de Clube Juumonji. De acordo com você, as pessoas com baixa capacidade de combate são desnecessárias. Então, você pretende me desafiar, vice-presidente Hattori?”

A única maneira que Mari diria isso foi por causa de sua confiança e registro de combate. No entanto, apesar de recuar um pouco diante dessa enorme pressão, Hattori não tinha planos de se render.

"Isso não é problema meu. É sobre sua capacidade de se adaptar."

A linha inferior era que Hattori acreditou que sua posição estava correta. Alunos do Curso 2 com habilidades inferiores não poderiam lidar com as responsabilidades do Comitê de Moral Público que eram tão fortemente dependentes da habilidade. O fato de que nenhum aluno do Curso 2 tenha sido indicado para o Comitê de Moral Público também apoiou isso.

Apesar disso, a confiança de Mari superou Hattori.

"Eu não disse que essa habilidade vem em muitas formas? Tatsuya-kun pode ler a sequência de ativação e, assim, prever com precisão a magia que está sendo invocada com seus olhos e cérebro."

"...O que você disse?"

Ao ouvir esse detalhe inesperado, Hattori perguntou reflexivamente. Em vez de dizer que isso era inesperado, seria mais apropriado dizer que isso era impossível de acreditar.

Lendo a sequência de ativação. Isso por todos os direitos deve ser impossível. Para Hattori, isso era "senso comum".

"Em outras palavras, antes mesmo de a magia ser invocada, ele já sabe a magia que seu oponente está usando."

No entanto, a resposta de Mari não mudou. Essa era a verdade, definitivamente era possível, e Mari não tinha dúvidas alguma, como ela disse.

"De acordo com as regras da nossa escola, dependendo do tipo de magia usada, o nível de punição também muda. Infelizmente, se interrompermos a sequência de ativação antes da invocação como Mayumi, não há como dizer qual mágica foi usada originalmente. Se esperássemos até que a sequência de ativação terminasse, então isso derrotaria todo o propósito. Assim, é mais seguro interromper a magia durante a sequência de ativação. Sem qualquer acusação definitiva de infração, a única coisa que podemos cobrar é a tentativa de ruptura e a subsequente punição mais leve. Mas com Tatsuya, nós podemos pegar apropriadamente aqueles que têm usado magias mais fortes."

"...Mas, se ele se deparasse com uma cena de crime real, e fosse incapaz de parar a invocação mágica..."

Hattori não conseguiu superar seu choque, mas ainda conseguiu rebater.

"Nesse caso, seria além de um estudante do 1º ano do curso 1 de qualquer maneira. E provavelmente além de estudantes do 2º ano também. Quantas pessoas você conhece que são capazes de invocar por segundo e ainda conseguirem negar seu oponente que invocou primeiro? Além disso, ainda há mais uma razão pela qual eu quero que ele se junte ao Comitê de Moral Público."

Mari apresentou o primeiro motivo e começou outro. Não importa o que, Hattori não poderia chegar a uma contra argumentação no local.

"Até hoje não há nenhum membro do Comitê de Moral Público que venha dos alunos do Curso 2. Em outras palavras, os alunos do Curso 2 que usam a magia de maneira imprópria contra as regras da escola são apreendidos pelos alunos do Curso 1. Como você disse, há uma grande divisão entre os alunos do Curso 1 e do Curso 2. Os alunos do Curso 1 podem apreender alunos do Curso 2, mas o inverso não é verdadeiro. Essa configuração só serviu para ampliar essa divisão. Eu não gosto que os membros do comitê sob o meu comando estejam apenas servindo para ampliar essa impressão diferencial."

"Ah... Impressionante, Mari. Você até levou isso em conta? Achei que você só se importava com o Tatsuya-kun."

"Por favor, fique quieta, presidente."

Mayumi queria mudar a atmosfera circundante, mas foi detida por Suzune.

Um olhar de reprovação. Uma cabeça trêmula. O primeiro era de Mayumi, o último de Suzune.

E assim, duas emoções conflitantes se misturaram em um todo inseparável e explodiram de ressentimento.

"Presidente... como Vice-Presidente, eu me oponho a nomear Shiba Tatsuya como membro do Comitê de Moral Pública. Embora eu aceite que a Presidente Watanabe tenha um ponto em sua afirmação, a missão original de um membro do Comitê de Moral Público é descobrir e subjugar os infratores das regras da escola. Um aluno do Curso 2 que não tem habilidade mágica não pode desempenhar as funções de um membro do Comitê de Moral Público. Tal nomeação mal colocada certamente prejudicará sua reputação como Presidente. Por favor, reconsidere."

"Por favor, espere!"

Tatsuya se virou freneticamente. Assim como ele temia, Miyuki não podia mais suportar isso. Absorvido no discurso de Mari, ele perdera o tempo certo para contê-la. Enquanto ele freneticamente tentou impedi-la, Miyuki, que começou a falar, foi mais rápido.

"Isso pode soar audacioso, vice-presidente. Os resultados práticos de magia de meu irmão podem de fato ser desfavoráveis, mas isso foi simplesmente porque o teste prático não foi eficaz em medir a força de meu irmão. Em uma batalha real, meu irmão não perderia para ninguém."

Ao ouvir aquelas palavras cheias de certeza, os olhos de Mari se arregalaram um pouco. O sorriso fraco de Mayumi desapareceu também, e seus olhos sérios se voltaram para Miyuki e Tatsuya. No entanto, a seriedade no olhar que Hattori retornou em Miyuki ficou mais fina.

"Shiba-san."

Aquele com o qual Hattori estava falando era, é desnecessário dizer, Miyuki.

"Independentemente do que aconteça, um mago deve fazer julgamentos com calma e logicamente. O preconceito individual pode ser inevitável para uma pessoa normal, mas para aquele que tem o objetivo de se tornar um mago, por favor, tenha em mente que você não deve deixar sua tendência individual obscurecer seu julgamento."

Não houve bondade sentida na repreensão. Ele provavelmente estava apenas atuando como um excelente "Senpai", que, apesar de sua justiça própria, estava cuidando de seu primeiro Kouhai do mesmo Curso 1. Mas, nessas circunstâncias, Tatsuya parecia saber que tal maneira de falar causaria efeito oposto, e algum momento Miyuki iria repreender Hattori.

Com certeza, Miyuki estava ficando cada vez mais aquecida.

"Perdoe-me por dizer isso, mas meu julgamento não está obscuro! Se Onii-sama pudesse usar mais de seu poder"

"Miyuki."

Tatsuya estendeu a mão na frente de Miyuki, que tinha perdido completamente a calma.

Com um rosto assustado, Miyuki fechou a boca com uma mistura de vergonha e arrependimento, e abaixou a cabeça de vergonha.

Tendo parado as palavras de Miyuki com um aceno de mão, Tatsuya foi até Hattori. Miyuki tinha realmente falado demais. Ela quase dissera as coisas que não deveriam ser ditas. No entanto, foi Hattori quem fez Miyuki dizer isso. Tatsuya não tinha intenção de colocar toda a culpa em Miyuki apenas.

"Vice-Presidente Hattori, por que não temos uma batalha simulada?"

"O que...?"

As pessoas que ficaram perdidas pelas palavras do pedido não se limitaram ao desafiado, Hattori, apenas. Mayumi, e também Mari, olharam para os dois em espantada perplexidade pela inesperada ousada retaliação.

Sob o olhar de todos, o corpo de Hattori começou a tremer.

"Não seja muito convencido, para uma mero reserva!"

Aquele que deu um pequeno grito foi Azusa. As outras três, como esperado de veteranas, continuaram compostas. E então, um pequeno sorriso torto surgiu no rosto perturbado daquele que estava sendo abusado verbalmente.

"O que é tão engraçado?!"

"Um mago deve permanecer calmo, certo?"

"Kuh!"

Tendo suas próprias palavras jogadas de volta para ele no ridículo, Hattori prendeu a respiração. Tatsuya não parou por aí. Ele não sentiu vontade de parar.

"Como é, eu acho que não vamos conhecer a habilidade de batalha pessoal um do outro sem lutar. Não é como se eu quisesse me tornar um membro do Comitê de Moral Público, mas... para provar que o julgamento da minha irmã não está obscurecido, então não pode ser ajudado."

Ele parecia estar murmurando para si mesmo. Para Hattori, parecia um desafio.

"... Tudo bem. Vou te dar uma boa lição sobre o que é conhecer o seu lugar."

Não foi apenas a boca dele que havia traído sua agitação. Seu tom controlado, ao contrário, indicava a profundidade de sua raiva.

Sem um momento de atraso, Mayumi interveio.

"Como Presidente do Conselho Estudantil, autorizo ​​a partida simulada de batalha entre o 2º Ano da Classe B, Hattori Gyoubu e o 1º ano da Classe E, Shiba Tatsuya."

"Com base na declaração do Presidente do Conselho Estudantil, como presidente do Comitê de Moral Pública, reconheço que a partida entre vocês dois é uma atividade extracurricular legítima, de acordo com as regras da escola."

"A hora da partida será daqui a trinta minutos, na terceira sala de treinos. A partida será privada e eu autorizo ​​o uso de CADs pelos dois lados."

Foi uma medida para evitar que a partida se tornasse um incidente de briga, um ato de violência proibido pelas regras da escola.

Na declaração de Mayumi e Mari com expressões solenes e vozes indiferentes, Azusa começou a digitar furiosamente no terminal.


◊ ◊ ◊


"É apenas o terceiro dia de aula, e meu gato vai sair da bolsa, huh..."

Depois de recuperar seu case do CAD em troca da carta de aprovação carimbada com o carimbo do presidente do conselho estudantil (mesmo agora, esse tipo de coisa ainda era feito no papel), Tatsuya resmungou pouco antes da porta da terceira sala de treino e, por trás dele, veio uma voz que estava à beira das lágrimas.

"Eu realmente sinto muito..."

"Não é nada que você precise se desculpar."

"Mas Onii-sama, é por minha culpa, estou causando problemas para você de novo..."

Virando-se e dando meio passo, Tatsuya segurou sua mão acima da cabeça de sua irmãzinha.

O corpo de Miyuki tremeu quando ela fechou os olhos. Mas, depois de sentir o suave tapinha em sua cabeça, ela timidamente olhou para cima. Mesmo agora, suas lágrimas ameaçavam derramar-se de seus olhos.

"Eu disse isso também durante a cerimônia de abertura da escola, certo? Eu sempre sinto que estou sendo salvo por você sempre que você fica com raiva em meu lugar, quando eu não consigo ficar com raiva por mim mesmo... Não se desculpe. Agora é a hora de dizer algo mais apropriado."

"Sim... por favor, faça o seu melhor."

Enxugando uma lágrima com um dedo, Miyuki sorriu, e de forma semelhante, Tatsuya sorriu, acenou com a cabeça e abriu a porta para a sala de prática.

"Isso é surpreendente."

Ao abrir a porta, esta foi a linha dita a ele.

"O que é?"

Aquele que estava recebendo Tatsuya na porta, foi o juiz nomeado para esta partida, Mari.

"Eu estava me referindo ao seu entusiasmo inesperado em lutar. Eu pensei que você fosse uma pessoa que não estivesse incomodada com as observações dos outros."

Mesmo quando ela estava falando sobre sua surpresa, seus olhos estavam brilhando com antecipação.

Um suspiro profundo surgiu em sua garganta, mas Tatsuya, com seu autocontrole de aço, descrevendo-o dessa maneira pode ser um pouco exagerado, mas engoliu mesmo assim.

"Eu pensei que era o trabalho de um membro do Comitê de Moral Pública parar as lutas pessoais."

Em vez de um suspiro, ele não pôde deixar de soltar uma observação um tanto sarcástica. Enquanto não havia um único sinal de Mari rebatendo isso.

"Esta não é uma luta pessoal. É uma partida formal. Mayumi também disse isso, não foi? A regra de força não é algo aplicado entre os alunos do Curso 1 e do Curso 2. Pelo contrário, é algo aplicado entre os próprios alunos do Curso 1. Esta é a primeira vez que estamos usando esse método para resolver as coisas entre um aluno do Curso 1 e do Curso 2, você vê."

Entendo. Pelo contrário, é encorajado a resolver divergências pela força se elas não puderem ser resolvidas apenas com palavras.

"O número de 'partidas formais' não aumentou desde que você se tornou a Presidente do Comitê de Moral Público, senpai?"

"De fato, aumentou."

Sua atitude calma causou não apenas Tatsuya, mas até mesmo Miyuki que estava esperando atrás dele para sorrir ironicamente. Então, Mari de repente ficou séria e aproximou seu rosto.

"Bem, você está confiante?"

A uma distância onde ele podia ouvir sua respiração, ela perguntou em um sussurro.

As lindas sobrancelhas de Miyuki ergueram-se a essa distância excessivamente próxima, mas, como o campo de visão de Tatsuya estava amplamente ocupado pelo rosto de Mari que emitia um sorriso significativo, foi uma sorte que ele não pudesse ver a reação exagerada de sua irmãzinha.

Com a cabeça parcialmente abaixada, com um par de olhos amendoados e virados para cima, e, além disso, um leve e doce perfume flutuando em sua direção, Tatsuya tornou-se consciente de sua própria excitação sexual.

No instante em que ele estava consciente disso, para o objeto chamado "ele mesmo", tornou-se um fenômeno nascido de dentro dele, que foi então separado de si mesmo. Sua excitação foi convertida em mera informação dentro dele.

"Hattori é habilidoso o suficiente para estar entre os cinco primeiros em nossa escola. Se eu tenho que dizer, ele está mais inclinado a batalhas de grupo, e lutas individuais não são sua especialidade, mas ainda assim, dificilmente alguém pode vencer contra ele em um contra um."

Em uma voz alta e sedutora, Mari sussurrou aquelas palavras que eram desprovidas de qualquer charme sexual.

"Eu não estou pensando em lutar com ele de frente."

Mas, sem o menor sinal de vacilação, Tatsuya respondeu em uma voz que poderia ser considerada mais mecânica do que fria.

"Você está bem calmo... perdi um pouco de confiança."

Enquanto dizia isso, Mari estava claramente divertida.

"Haah"

Sem dizer mais nada, Tatsuya deu um aceno vago.

"Em um momento como este, se o seu rosto ficar vermelho, o que o tornará mais bonito, o número de pessoas que lhe dará força aumentará, eu acho."

Sorrindo quando ela recuou, Mari caminhou até a linha de partida no centro.

"Que pessoa problemática..."

Ela provavelmente é do tipo que procura o caos na ordem e traz ordem no caos, pensou Tatsuya. Para uma pessoa que vive em tranquilidade, ela era uma encrenqueira.

Enquanto deixava escapar seu primeiro suspiro em seus relacionamentos humanos, que estavam cheios de altos e baixos notáveis ​​desde que entrara na escola, ele abriu seu case de CAD.

A maleta preta continha um par de CADs em forma de pistola. Ele pegou uma delas, retirou um pente de cartucho do lugar onde um armazenamento estaria fixado em uma arma real, e trocou por outra coisa.

Com exceção de Miyuki, todos o observavam atentamente com profundo interesse.

"Desculpe pela espera."

"Você sempre carrega cartuchos de armazenamento adicionais com você?"

O número de sequências de ativação que poderiam ser usadas em um CAD Especializado era limitado. Em contraste com o CAD Generalizado, que poderia armazenar até noventa e nove tipos de Sequências de Ativação sem considerar os sistemas de magia, o CAD Especializado só poderia armazenar nove tipos de Sequências de Ativação de um único sistema de magia. Para remediar esta desvantagem, foram desenvolvidos dispositivos CAD que poderiam armazenar Sequências de Ativação alternadas e trocáveis, mas desde que CADs Especializados foram originalmente destinados a Magos que são fortes em Sequências Mágicas específicas, a necessidade de um maior arsenal de magia não é muito alta. Mais frequentemente do que não, mesmo quando vários armazenamentos foram realizados, a maioria ainda contava com um tipo de mágica.

No entanto, da resposta de Tatsuya à curiosidade de Mari, teria sido seguro assumir que ele pertencia à minoria.

"Sim, não consigo operar suavemente o CAD Generalizado, pois não consigo lidar bem com eles."

Hattori, que estava de pé em frente a ele, zombou um pouco ao ouvir isso, mas isso não afetou a mentalidade de Tatsuya nem um pouco.

"Tudo bem, permita-me explicar as regras. Em termos de ataques diretos ou indiretos, os ataques letais são proibidos. Técnicas que causam incapacidade permanente ao oponente também são proibidas. Habilidades que causam danos diretos ao corpo físico são proibidas. No entanto, ataques diretos que não resultam em nada maior do que fraturas ósseas são permitidos. Nenhuma arma a qualquer momento. O combate desarmado é permitido. Se você planeja usar técnicas de chute, por favor, remova seus sapatos e mude para botas macias da escola. A condição para a derrota é quando o juiz determina que um dos lados é incapaz de continuar a batalha. Ambos os lados se movam para atrás de suas respectivas linhas de partida e não ativem seu CAD até eu dar o sinal. Quebrar as regras resulta em uma derrota automática. Vou usar minha força total para pará-lo, então lembre-se disso. Isso é tudo."

Tanto Tatsuya quanto Hattori acenaram com a cabeça, caminharam em direção às linhas de partida que estavam a cinco metros de distância, e ficaram de frente um para o outro.

A expressão de Hattori era mais solene do que zombadora ou desafiadora, mas seu rosto ainda mostrava um comportamento despreocupado.

A posição inicial estava fora da distância física. Mesmo que o oponente possuísse o poder de arrancada de um jogador de futebol profissional, a magia ainda era mais rápida a essa distância. Porque este era uma disputa baseada em magia, o lado com o ataque mágico superior teria naturalmente a vantagem.

Nesta situação, aquele que invocou sua mágica primeiro normalmente ganharia. Mesmo que o ataque inicial não derrote completamente o oponente, algum grau de dano é inevitável. Havia muito poucas pessoas que tinham a disciplina mental para absorver danos mágicos e ainda calmamente trabalhar sua magia. Uma vez que a sustentação de danos mágicos também interrompeu o processo de criação de magia, contanto que continuasse a atacar, a vitória estava garantida. Além disso, sob a condição de que ambos os lados ativassem seus CADs ao mesmo tempo, Hattori acreditava firmemente que ele, um aluno do Curso 1, não tinha chance de perder contra um aluno iniciante do Curso 2.

O CAD foi uma ferramenta que minimizou o tempo de lançamento. Mesmo se alguém tentasse usar secretamente uma habilidade mágica não baseada em CAD antes do sinal de partida, ainda assim não seria compatível com a velocidade do CAD. Além disso, a rapidez com que alguém poderia invocar sua mágica usando um CAD compõe a maior parte da pontuação técnica mágica de um indivíduo. Essa foi a diferença entre os alunos do Curso 1 e do Curso 2.

Tatsuya segurava um CAD Especializado em forma de pistola.

Hattori usava um CAD Generalizado tradicional em forma de bracelete.

Os CADs especializados tinham a vantagem de velocidade, enquanto os CADs Generalizados tinham a vantagem da versatilidade. No entanto, mesmo que os CADs Especializados tivessem uma vantagem de velocidade em relação aos CADs Generalizados, isso por si só não poderia superar a diferença entre os alunos do Curso 1 e do Curso 2. E o adversário era um novo aluno.

A conclusão de Hattori foi que não havia absolutamente nenhuma maneira que ele pudesse perder, uma consideração que não era nem vaidosa nem excessivamente confiante.

Tatsuya apontou o CAD que ele segurava na mão direita em direção ao chão, e esperou pelo sinal de Mari.

A sala de simulação voltou ao completo silêncio.

Assim como aquele silêncio estava prestes a preencher todos os cantos da sala...

"... Comecem!"

A "partida formal" entre Tatsuya e Hattori começou oficialmente.

Hattori deslizou a mão direita sobre o CAD. Enquanto a ação consistia apenas em tocar três pontos-chave, nem um único movimento sobressalente foi desperdiçado.

Originalmente, sua especialização era em magia de ataque de área ampla. No máximo, quando se tratava de uma partida de um contra um próximo, não era seu forte.

Mas mesmo quando dizemos que "não era seu forte", desde que entrou no ensino médio no ano anterior, Hattori ainda estava invicto em batalha.

Enquanto ele poderia ter cedido diante dos Big Three, que consistia em Mari, especialista em ambos os combate antipessoal individual e em grupo, Mayumi, que podia empregar livremente uma magia de tiro surpreendente de alta velocidade e alta precisão, e Juumonji, um capitão do clube tinha ganhado um título peculiar conhecido como "Iron Wall", Hattori tinha a confiança de que ele poderia se manter contra outros estudantes ou mesmo grupos de professores.

Esse orgulho não veio do excesso de confiança.

A sequência de ativação simplista que dependia muito da velocidade já estava completa e, num piscar de olhos, Hattori já havia entrado no estágio de Invocação Mágica.

Neste momento, ele quase soltou um grito de surpresa. Seu oponente, aquele arrogante aluno do primeiro ano, estava de alguma forma perto o suficiente para preencher sua visão inteira. Ele rapidamente mudou seu alvo e se preparou para liberar sua magia.

Magia Simples Básica do Tipo-Movimento. Qualquer oponente apanhado por essa magia seria jogado para trás por mais de uma dúzia de metros e ficaria inconsciente pelo impacto, terminando a batalha.

Mas a magia terminou sem invocar.

Não deveria ter havido problemas com a sequência de ativação. Seu oponente havia desaparecido.

Embora o alvo das Sequências Mágicas não tivesse que ser muito específico, se o alvo que estava originalmente na linha de visão desaparecesse de repente, a falha ortográfica era inevitável.

O Psion Information Aide (Ajudante de Informações de Psions) que deveria manter o controle do status e localização do oponente desapareceu sem qualquer efeito, assim como um poderoso "movimento de onda" se aproximou de Hattori do flanco, que estava muito ocupado olhando para a esquerda e para a direita atrás de seu oponente.

Três movimentos consecutivos de onda. Cada movimento de onda se sobrepôs um ao outro dentro do corpo de Hattori, fazendo com que o balançar massivo se quebrasse, o que acabou resultando na perda de consciência do Hattori. A vitória foi decidida em um instante.

Todo o jogo durou menos de 5 segundos e pode ser apropriadamente descrito como uma vitória instantânea.

Na frente do CAD de Tatsuya, Hattori caiu de joelhos.

"...Vencedor, Shiba Tatsuya."

Mari anunciou cautelosamente o nome do vencedor.

Não havia um traço de alegria no rosto do vencedor. Essa expressão era apropriada para alguém que simplesmente chegara ao resultado esperado.

Ele deu uma pequena reverência e caminhou em direção à mesa que continha o case do CAD. Não foi apenas a postura dele; ele estava totalmente desinteressado em sua vitória.

"Espere."

Mari gritou atrás dele.

"Aquele movimento bem aí... Você preventivamente inseriu uma habilidade de velocidade?"

Ao ouvir isso, Mayumi, Suzune e Azusa começaram a refletir sobre a partida.

No momento em que o sinal de partida foi dado, Tatsuya se moveu na frente de Hattori. No instante seguinte, ele estava vários metros atrás do flanco direito de Hattori. Qualquer um poderia confundir essa velocidade com o Flash Step.

Um corpo humano normal é incapaz de fazer esse tipo de movimento.




"O fato de que isso é impossível... Eu acho que a senpai está mais ciente disso do que qualquer um."

Foi exatamente como Tatsuya disse. Como a juíza, Mari estava observando de perto se os CADs estavam sendo ativados. Não apenas os CADs óbvios, mas até mesmo para CADs ocultos, o fluxo de psions teria sido óbvio para ela.

"Mas isso?"

"Isso não era magia, era uma genuína técnica física."

"Eu posso testemunhar isso também. Essa é a técnica física de Onii-sama. Oni-sama foi orientado por Kokonoe Yakumo-sensei."

Mari prendeu a respiração. Para alguém tão versada em combate quanto ela, o nome Kokonoe Yakumo era bastante familiar. Mayumi e Suzune não conheciam Kokonoe como Mari, mas também não podiam esconder sua surpresa de que alguém pudesse realizar tal façanha que normalmente era descartado como algo que só poderia ser realizado com a ajuda da magia.

Mayumi se recuperou de seu espanto. Da perspectiva de alguém que estudou magia, ela também fez sua própria pergunta.

"Esse ataque também foi Ninjutsu? Eu pensei ter visto o lançamento de movimentos de ondas Psion."

Dito isso, a voz e a seleção de palavras haviam endurecido, provavelmente porque ela ainda não havia superado completamente o choque.

Geralmente, indagar sobre as habilidades inéditas de outro Mago, ou mesmo perguntar como funciona a habilidade, é contra as regras. Mas, para alguém como Mayumi que usa Psion Bullets, para Tatsuya usar Psions que não tinham nenhuma manifestação física como armamentos, e exatamente como ele conseguiu danificar Hattori... essas perguntas em chamas não poderiam ser suprimidas.

"Você está correto. O ataque não foi Ninjutsu, mas baseado em movimentos de ondas Psion. A base desses movimentos de ondas Psion veio da Magia Simples Básica do tipo Oscilação."

"Considerando isso, eu ainda não entendo como você nocauteou Hanzou."

"Fazer com que ele desmaiasse foi o suficiente."

"Desmaiar? Como isso aconteceu?"

Enquanto observava Mayumi inclinar a cabeça, a expressão de Tatsuya não ficou mais perturbada enquanto ele continuava a explicar.

"Para os Magos, os Psions podem ser discerníveis como a luz visível e as ondas sonoras. Essa é uma habilidade obrigatória para magia, mas o efeito colateral é que quando os Magos são expostos a inesperados movimentos de ondas Psion, eles frequentemente interpretam erroneamente que seus corpos estão balançando. O mal-entendido afeta diretamente o corpo físico. O raciocínio por trás disso é muito semelhante à sugestão hipnótica, onde as pessoas sob hipnose são induzidas a pensar que sofreram "lesões por queimadura" e descobrem que os sintomas físicos refletem seu pensamento. Durante a partida, usei essa ilusão de "movimentos oscilantes", fazendo com que ele sentisse um caso extremo de enjoo."

"Eu não posso acreditar... Magos geralmente são expostos a movimentos de ondas Psion, e assim se acostumam com esses surtos. Para Magia Sistêmica Externa, ambas as Sequências de Ativação e Sequências Mágicas são tipos de movimentos de ondas Psion. E apesar disso, ser capaz de desabilitar um mago apenas através do surto de Psion, e causar um efeito tão forte, exatamente como..."

"Ondas compostas."

Aquele que respondeu à pergunta de Mayumi foi Suzune.

"Rin-chan?"

Apenas essa frase curta não foi suficiente para a inteligente Mayumi entender. Naturalmente, a explicação de Suzune não estava terminada.

"Ao criar consecutivamente três vibrações variadas, então tenha seu ponto de interseção na localização de Hattori-kun, criando assim um aumento equilátero através desses poderosos movimentos de ondas. Pensar que você era capaz de fazer cálculos tão precisos."

"Bem explicado, Ichihara-senpai."

Embora Suzune também tenha ficado bastante chocada com as habilidades de cálculo de Tatsuya, ela também merece considerável crédito por compreender a mecânica depois de vê-la apenas uma vez, pensou Tatsuya.

No entanto, a verdadeira questão de Suzune foi em outra área.

"Falando nisso, como você foi capaz de invocar consecutivamente magia de vibração 3 vezes? Se a sua velocidade técnica é tão alta, como é que a sua pontuação técnica é tão baixa?"

Com uma referência tão direta às suas pontuações baixas, Tatsuya só pôde forçar um pequeno sorriso.

Desde que pôs os olhos no CAD de Tatsuya, Azusa não conseguiu se acalmar nem um pouco e agora tentava fazer uma pergunta.

"Tatsuya-kun, esse CAD é o 'Silver Horn'?"

"Silver Horn? Silver, como na Silver do misterioso gênio Design Mágico Taurus Silver?"

Na pergunta de Mayumi, Azusa visivelmente se iluminou.

Às vezes descrita como uma "Geek Device", Azusa felizmente explicou.

"É ele! O milagroso engenheiro de CAD associado a Four Leaves Technology, cujo nome, aparência e dados permanecem um mistério! O genial programador que foi o primeiro no mundo a tornar o Loop Cast System uma realidade. Ah, Loop Cast System é a sequência de ativação que pula a etapa de reiniciar cada sequência de ativação. Se a Sequência Mágica for a mesma, o CAD não precisará mais reiniciar a Sequência de Ativação a cada vez. Isso é feito adicionando um poder de cópia ao modo de execução da Área de Cálculo Mágico, adicionando uma cópia das últimas partes da Sequência de Ativação à própria Sequência de Ativação, para que os Mágicos possam invocar ininterruptamente mágicas dentro de sua capacidade. Embora a teoria existisse no passado, mas para calcular a sequência de invocação e copiar a sequência de ativação separadamente ao mesmo tempo, ninguém poderia fazê-lo até agora..."

"Pare! Eu sei o que é o Loop Cast."

"Nesse caso... Nesse caso, Silver Horn é o nome do CAD totalmente personalizável desenvolvido por Taurus Silver! Naturalmente, ele tem os melhores ajustes para o Loop Cast System, é capaz de invocar a magia de forma estável usando a menor quantidade de Poder Mágico, é aclamado pela crítica e é especialmente popular entre a população de aplicação da lei. Embora seja vendido no mercado, mas isso requer um procedimento especial e taxas! E a julgar pela maneira como o barril é mais longo do que o modelo tradicional, o seu deve ser um modelo de edição limitada?! Onde você conseguiu isso?”

"A-chan, acalme-se um pouco."

Talvez fosse por causa da asma, mas o peito de Azusa estava arfando enquanto seus olhos estavam colados no item segurado na mão de Tatsuya. Se Mayumi, que estava bem ciente dos interesses de Azusa, não estivesse à disposição para impedi-la, ela provavelmente estaria admirando-a de uma proximidade muito grande.

Por outro lado, Mayumi ainda tinha outra pergunta.

"Mas, Rin-chan. Isso não é estranho? Não importa o quão capaz seja o Loop Cast CAD, o Loop Cast ainda não pode..."

Depois que a conversa parou, Suzune assentiu enquanto inclinava a cabeça como se fosse Mayumi.

"Isso é estranho. O Loop Cast é projetado para lançar consecutivamente um tipo de mágica. Mesmo que seja a mesma vibração mágica, se o comprimento de onda e o número de vibrações definidas pelo Mago mudarem, isso causaria diferenças dentro da Sequência de Ativação. Se o Loop Cast copiar automaticamente a Sequência de Ativação original, seria impossível considerar as diferenças para alcançar 'Ondas Compostas'. Se você definir o número de vibrações como outra variável, pode ser possível usar a mesma Sequência de Ativação para obter 'Ondas Compostas' enquanto ainda considera todas as diferenças. Mas se alvo, força, tempo de duração são todas variáveis, e você inclui o número de vibrações como outra variável... Não me diga que você conseguiu calcular tudo isso?"

Desta vez até Suzune ficou atordoada ao ponto da falta de palavras, e sob seu olhar Tatsuya simplesmente encolheu os ombros.

"Não importa se é a velocidade de processamento quantitativo multivariável, escala de cálculo, ou até mesmo a força de interferência. Nenhum destes são sujeitos que recebem uma nota."

Diante do olhar de Mayumi e Mari, Tatsuya permaneceu ambivalente ao dizer isso em voz alta.

"... A avaliação de habilidades técnicas mágicas inclui apenas a Velocidade de Invocação, a escala da Sequência Mágica e a habilidade de reescrever fenômenos. Eu vejo agora, então o teste não é capaz de medir completamente a capacidade de uma pessoa..."

Com um gemido, Hattori se sentou e respondeu à irônica declaração de Tatsuya.

"Hanzou-kun, você está bem?"

"Estou bem!"

Mayumi se inclinou na cintura e olhou para Hattori. Em resposta, Hattori rapidamente se esquivou do rosto e rapidamente se levantou.

"Entendo, então todos estavam preocupados com isso desde o começo."

Hattori não poderia ter dito isso se não tivesse ouvido a conversa anterior.

Mayumi endireitou-se, então assentiu com um olhar de compreensão em seu rosto. Hattori estava diretamente de frente para ela.

"Não, no começo eu realmente não tinha percebido!"

Ainda corado no rosto, ele procurou apressadamente por uma discussão.

"Depois que eu perdi a consciência, eu ainda estava em um estado nebuloso... Eu só recuperei o movimento agora mesmo!"

Coloque desta forma... Parecia que era muito fácil entender as emoções subjacentes.

"É assim... Então você deve ter entendido completamente o que acabamos de dizer?"

"... Eh, sim! Mesmo que ainda estivesse nebuloso, meus ouvidos ainda poderiam ouvir as palavras..."

Parecia que Mayumi entendia perfeitamente os sentimentos que Hattori sentia por ela.

Mulher malvada...?

Mesmo que houvesse essa impressão, mas as conotações por trás dessas palavras não se ajustavam adequadamente ao ambiente, Tatsuya decidiu parar de seguir essa linha de pensamento. Qualquer que fosse a realidade, havia também a possibilidade de que ele simplesmente interpretasse mal a situação.

Tatsuya continuou o trabalho que foi interrompido pelo grito de Mari… colocá-lo assim seria excessivamente pretensioso, já que tudo o que ele estava fazendo era devolver o CAD para o case.

Tatsuya fingiu não ver Azusa, que estava olhando para o objeto em suas mãos com uma expressão que dizia claramente "Quero".

Tatsuya também ignorou o olhar de sua irmã, sugerindo que ela queria ajudar. Isso foi porque Miyuki não era muito adepta de máquinas. Ignorante mecânica ou alérgica a alta tecnologia não seriam uma descrição inadequada, especialmente desde que o CAD de Tatsuya foi personalizado a ponto de um aluno normal não conseguir lidar com eles (por outro lado, porque os CADs da escola só receberam ajustes limitados, Tatsuya não poderia usá-los em toda a extensão de suas habilidades). A verdade era que, se Miyuki viesse ajudar, isso só aumentaria a carga de trabalho.

Ele substituiu o dispositivo de armazenamento e redefiniu a segurança.

O som de passos se aproximou de Tatsuya por trás.

Parece que as explicações estavam finalizadas. O que se seguiu não o preocupou, então Tatsuya não se virou.

"Shiba-san."

"Sim."

Miyuki respondeu em um tom descontente.

Incluindo Tatsuya, havia apenas dois homens na sala, por isso, mesmo que o tom fosse completamente diferente de antes, não havia dúvidas sobre quem era o orador.

"Anteriormente, fiz um comentário rude sobre seu favoritismo".

Também não houve erro para quem o orador da voz estava falando.

"Eu era aquele cujo julgamento estava nublado. Por favor, me perdoe."

"Eu também falei com muita arrogância. Por favor, me perdoe."

Tatsuya também estava perfeitamente ciente, apesar de estar de costas para eles, sobre quem estava se curvando para o outro.

Às vezes era difícil dizer quem era o irmão mais velho e mais maduro. Tatsuya franziu os lábios e trancou o case do CAD.

Ele lentamente se virou.

Por um segundo, Hattori revelou uma expressão assustada, mas rapidamente voltou a uma postura mais dura. Durante essa fração de segundo de paz, foi a preparação para a reconciliação, ou o precursor de uma revanche? Antes que qualquer possibilidade pudesse ocorrer, o momento desapareceu.

No final, Hattori apenas encontrou o olhar de Tatsuya brevemente, antes de se virar.

Sentindo a fúria ardente emanar do lado dele, Tatsuya apenas deu tapinhas leves no ombro de Miyuki. Eles iriam trabalhar juntos no mesmo Conselho Estudantil a partir de agora, então deixar para trás qualquer sangue ruim só machucaria Miyuki.

Como se os pensamentos de Tatsuya fossem telepaticamente transferidos, Miyuki rapidamente se dominou.

"Vamos voltar para a sala do conselho estudantil!"

Nas palavras de Mayumi, todos os membros começaram a se mover.

Atrás de Suzune, Azusa e Hattori, o rosto de Mayumi revelou um olhar que dizia "não pode ser ajudado".

Depois disso, Mari percebeu o olhar de Tatsuya e encolheu os ombros como se não quisesse que os outros quatro notassem.


◊ ◊ ◊


Depois de colocar o CAD de volta na sala de trabalho, Tatsuya voltou para a Sala do Conselho Estudantil, onde Mari imediatamente agarrou seu pulso.

Miyuki, que estava sendo orientada por Azusa perto do terminal na parede, levantou uma sobrancelha para isso, enquanto Tatsuya só podia sinalizar através de seus olhos que isso não poderia ser ajudado... Embora, Tatsuya abrigasse dúvidas sobre se ela poderia entender isto.

Ele forçosamente suprimiu seu desejo subconsciente de jogar a outra pessoa de lado. Embora venha a falar sobre isso, para poder capturar seu alvo em uma janela tão estreita, as habilidades físicas de Mari também devem ser bastante impressionantes.

"Enquanto muitos eventos inesperados ocorreram, vamos com o plano original e vamos para o QG do Comitê de Moral Pública!"

Como se não se importasse com as preocupações mentais de Tatsuya (em grande parte confusas), Mari arrastou-o pelo braço.

Miyuki finalmente notou a expressão confusa de Tatsuya, e redirecionou seu olhar de volta para o terminal. Ainda que com grande dificuldade.

Hattori nunca levantou a cabeça desde que Tatsuya entrou na Sala do Conselho Estudantil. Parecia que ele estava tentando ignorar tudo naquela direção, que provavelmente era sua maior concessão do ponto de vista emocional. Por isso, Tatsuya ficou extremamente agradecido.

Mayumi apressadamente bateu na mão dela. Exatamente o que era isso, ou que significado estava tentando transmitir...? Entre as pessoas que Tatsuya já havia conhecido, ela provavelmente era a mais difícil de entender.

Isso provavelmente deve ser apresentado para uma data posterior.

Depois de muita dificuldade (em grande parte persuasão), Tatsuya foi capaz de libertar seu pulso e obedientemente seguiu Mari.

No canto mais distante da sala, em um local onde normalmente haveria uma saída de incêndio, havia uma escadaria que levava ao QG do Comitê de Moral Público.

Estamos ignorando os padrões de segurança contra incêndio?

Tatsuya refletiu sobre isso, mas mesmo que os alunos estivessem aprendendo no trabalho, ou até mesmo novatos, contanto que houvesse excelentes magos por perto, a falta de equipamentos de combate a incêndios não deveria ter sido um problema. Simplesmente usando magias de vibração ou velocidade era o suficiente para apagar um incêndio, então o uso de uma combinação de Magia de Recolhimento-Movimento de Fumaça seria suficiente para expeli-la.

Na verdade, incêndios em larga escala em arranha-céus altos eram outra área em que os magos podiam mostrar suas habilidades. Dado que a falta de um elevador estava dentro dos limites da segurança contra incêndios, o resto pode ser perdoado, pensou Tatsuya.

Em relação a Tatsuya, que estava bem na porta do quartel-general, Mari apontou para as cadeiras ao lado da mesa e disse:

"Está um pouco bagunçado. Você pode descansar lá por um segundo."

Então isso só se qualifica como um pouco. Dito isto, não era como se não houvesse lugar para colocar o pé no chão ou que todas as cadeiras estivessem cobertas de bagagem. Provavelmente era porque eles só vieram da limpa e arrumada Sala do Conselho Estudantil, então essa imagem era especialmente chocante, mas isso era o que se podia esperar.

Livros, terminais portáteis e até CADs, todos os tipos de itens cobriam a mesa. Tatsuya limpou ligeiramente um espaço em uma das cadeiras meio puxadas ao lado da mesa.

"A Sala do Comitê de Moral Público é como uma casa de solteiro. Mesmo que eu tenha dito a eles para pegarem eles mesmos uma e outra vez, ainda não há ninguém que ouça..."

"Não pode ser ajudado quando ninguém está por perto."

Não sabendo se o comentário de Tatsuya era de zombaria ou conforto, Mari franziu a testa ao ouvir isso.

"... Nosso principal objetivo é patrulhar as dependências da escola. O estado das coisas dentro do QG não poderia ser evitado."

Atualmente, havia apenas duas pessoas na sala. O Comitê de Moral Público consistia de nove pessoas, mas o espaço dentro da sala podia acomodar um grupo de pessoas muitas vezes maior do que a lista atual. Dentro desse espaço, a atmosfera ociosa e os itens dispersos só serviam para aumentar a sensação de impureza.

O que atraiu a atenção de Tatsuya, além da bagunça óbvia da sala, eram os objetos desordenados na mesa.

"Mesmo assim, chefe, tudo bem se eu arrumar um pouco?"

"O que..."

Na proposta repentina de Tatsuya, Mari levantou uma sobrancelha em surpresa.

A surpresa estava satisfatória dentro do repertório de atuação da senpai.

"Como alguém que pretende ser um Artesão Mágico, não aguento quando vejo CADs espalhados assim. Eu tenho a mesma postura em relação a terminais abandonados ou desativados."

Por causa disso, as prioridades de Tatsuya no gerenciamento de tarefas mudaram.

"Com o objetivo de ser um Artesão Mágico? Mesmo com esse nível de capacidade de combate antipessoal?"

Com as palavras de Tatsuya, Mari inclinou a cabeça levemente. A partir da recente disputa, apesar do breve tempo decorrido, o nível de combate antipessoal foi soberbo.

"Não importa o quanto eu tente, minhas habilidades podem me levar a uma licença de classificação C na melhor das hipóteses."

Mas, como se estivesse discutindo os assuntos de outra pessoa, Tatsuya usou um comentário autodepreciativo para contrapor Mari. Mari ficou muito surpresa ao encontrar palavras para rebater isso.

Na maioria dos países, os magos operavam sob o sistema de licenciamento. O sistema foi baseado em padrões internacionais, dos quais este país não foi uma exceção. Não importa se você trabalha para as corporações, para o governo ou até mesmo para abrir uma clínica particular, a dificuldade e a necessidade ambas refletem sobre o nível de licenciamento. Mágicos com níveis mais altos de licenciamento receberam um nível mais alto de compensação; esta é a regra da sociedade.

Licenças internacionais têm 5 níveis entre A e E. A seleção e a classificação baseiam-se no design de sequência mágica e nas velocidades de uso, escala e força de interferência, que eram exatamente as mesmas escalas usadas no teste de habilidades técnicas do ensino médio. Em outras palavras, a escala de classificação de habilidades técnicas educacionais foi projetada para conduzir naturalmente aos padrões internacionais de licenciamento.

Existe um conjunto separado e especial de normas para a aplicação da lei e para as forças armadas, mas no final do dia, esses padrões são para "aplicação da lei" ou "tipos militares", e não projetados para medir os magos.

"... Então, tudo bem se eu limpar essa área?"

"Ah? Hm, eu vou ajudar também. Podemos conversar enquanto trabalhamos."

Mari se levantou apressadamente, provavelmente porque era do tipo que naturalmente cuidava de outras pessoas. Ou talvez fosse porque apenas sentar lá assistindo Tatsuya trabalhar duro nas pilhas de livros era simplesmente rude.

Enquanto os dois trabalhavam em velocidades semelhantes, quando comparados com o espaço vazio na frente de Tatsuya, a pilha na frente de Mari não diminuía de tamanho, e a superfície da mesa ainda não era visível.

Tatsuya deu um breve olhar. E soltou um pequeno suspiro. Mari parou as mãos em sinal claro de rendição.

"Desculpe, sou muito ruim nesse tipo de trabalho."

Ela poderia ter a maior responsabilidade pelo estado da sala, pensou Tatsuya. Isso só permaneceu em seus pensamentos e não foi verbalizado, dado que ele era um adulto maduro... talvez.

"Falando nisso, você está bastante familiarizado com isso."

"A que você se refere?"

"As categorias de livros. Eu pensei que você fosse colocá-las em outro lugar, mas eu não esperava que você as classificasse por assunto."

"... Com licença, sentar na mesa é um pouco..."

Em uma súbita mudança de atitude, Mari sentou-se na mesa na área aberta que Tatsuya limpou, olhando para a pilha desorganizada de livros. Seu vestido estava tocando diretamente o pulso de Tatsuya. O tecido cobria sutilmente a área da coxa, levando a um charmoso par de pernas finas. Mesmo que a carne estivesse completamente coberta, o contorno não deixava nada para a imaginação, tornando essa posição uma distração terrível para o estado mental.

"Ah, desculpe."

Errado seria dizer que a voz de Mari não mostrava um traço de tom apologético.

Qualquer resposta intencional só traria o efeito inverso, provando assim o ditado, o silêncio vale ouro.

Ele tirou a pilha de livros colocou-os corretamente nas prateleiras.

Hoje em dia, tanto os livros em papel quanto as estantes de livros são considerados raridades. Sem mencionar que eles eram textos mágicos.

"Em termos de por que nós o procuramos, sobre este assunto, nós revisamos isso antes. É julgar apropriadamente casos de uso impróprio de magia, e melhorar a percepção dos alunos do Curso 2."

"Eu lembro, mas acho que essa tática pode causar repercussão considerável... Posso dar uma olhada neste livro?"

Depois de ordenar os livros, os terminais ainda precisavam de trabalho. Depois de pedir permissão a Mari para examinar os dados, para os quais Mari concordou com a cabeça, Tatsuya restaurou o terminal para condição de trabalho, cortou a energia, mudou o terminal para o modo de armazenamento e reuniu as peças em uma área.

"Por que você acha isso?"

"Mesmo que nunca tenhamos mencionado isso em voz alta, se um estudante fosse apreendido por alguém de igual posição, isso naturalmente levaria a reações negativas."

Ele deixou o assento e começou a procurar nos armários pela parede.

Depois de colocar o terminal dentro de um gabinete vazio, ele ouviu um comentário completamente irresponsável de "Isso é verdade" vindo de trás dele.

"Mas, ao mesmo tempo, os alunos do primeiro ano gostariam de receber essa mudança. Seus colegas não falaram sobre isso?"

"Sim..."

Depois de ordenar os terminais, ele olhou para outros gabinetes.

"Eu acho que se um aluno do Curso 1 assumisse, a reação negativa superaria a reação de boas-vindas."

Depois de localizar o alvo, Tatsuya se endireitou, girando os ombros antes de tirar a jaqueta e arregaçar as mangas.

"É provável que o ressentimento seja inevitável. Mas em relação aos recém-matriculados alunos do Curso 1, eles podem não ter sido expostos ao pensamento discriminatório por tempo suficiente para se tornarem preconceituosos, certo?"

"Quem sabe?"

O objeto que Tatsuya removeu com cuidado do gabinete parecia ser um case de CAD.

"Ontem mesmo eu encontrei uma declaração de 'Eu não te reconheço'."

Depois de envolver o protetor aterrado em torno de seu pulso sem mangas, ele estendeu a mão para a pilha de CADs.

"Graças a Deus você carrega até mesmo este tipo de equipamento... Essa pessoa era Morisaki?"

"Isso é bastante conveniente mais... Você o conhece também?"

"Os professores recomendaram que ele participasse do Comitê."

"Eh?"

A mão que estava examinando o status do CAD vacilou um pouco. Ele rapidamente pegou o CAD que caiu no chão.

"Então até você pode se surpreender."

"Claro."

Em resposta ao riso de Mari, a resposta de Tatsuya foi colorida por seu tom. Se ao menos houvesse uma maneira de minar todo esse antagonismo...

"Devido ao tumulto de ontem, há motivos para retirar a recomendação, que foi o que eu planejei fazer, mas o evento de ontem não teve nada a ver com você."

"Eu também estava envolvido."

"Bem, então, se pudéssemos recrutá-lo, seria muito mais difícil rejeitá-lo."

"Por que não basta levar nenhum de nós, o que você acha?"

"Você não gosta disso?"

Ao receber uma pergunta tão direta, Tatsuya parou o trabalho de suas mãos. Temporariamente, ele colocou o CAD de volta na caixa e levantou a cabeça.

Mari estava sentada na mesa olhando para o rosto de Tatsuya sem um sorriso no rosto.

Seu olhar esbelto e delicado parecia ver através de Tatsuya.

"... Para dizer a verdade, acho muito problemático."

"Hm... E?"

"Apesar de pensar que é problemático, não pretendo recuar neste momento."

O rosto de Mari mais uma vez revelou seu sorriso satisfeito. Sua expressão diabólica parecia ter aumentado sua beleza em duas partes.

"Senpai é o tipo de pessoa que odeia problemas também..."

"Você também é do tipo que gosta de cortar cantos."

Infelizmente, Tatsuya só podia admitir que ela ganhou essa rodada.


◊ ◊ ◊


"... Este é o QG do Comitê de Moral Pública, certo?"

Essa foi a primeira pergunta de Mayumi depois de descer as escadas.

"Essa foi uma saudação inesperada."

"O que, tudo isso é por sua causa, Mari. Não importa quantas vezes Rin-chan te lembre ou quanto A-chan te implore, você ainda não limpou o lugar."

"Eu me oponho à sua descrição dolorosa e imprecisa da situação, Mayumi! Não é que eu não queira limpar, mas eu ainda não comecei!"

"Como mulher, você deveria prestar mais atenção a isso."

Mayumi estreitou os olhos enquanto olhava para Mari, que rapidamente se virou.

"Não é como se eu não quisesse... Ah, isso."

Ao ver Tatsuya examinando atentamente a condição interna de um terminal depois de remover a capa protetora, Mayumi demonstrou uma expressão compreensiva enquanto assentia.

"Então é porque ele já foi bem usado."

"Meh, só isso."

As costas de Mari ainda estavam voltadas para Mayumi enquanto ela respondia, assim que Tatsuya fechou a capa protetora e se virou.

"Chefe, as inspeções estão completas. As partes danificadas já foram substituídas. Não deve haver mais problemas."

"Bom trabalho."

Mari assentiu rapidamente, mas talvez ele estivesse vendo demais, porque Tatsuya achou que podia ver gotas de suor na têmpora de Mari. Suor frio.

"Eh... Então você se dirige a Mari como Chefe, o que significa que recrutamos você com sucesso."

"Eu pensei que nunca tive o direito de recusar em primeiro lugar..."

Tatsuya nem sequer olhou para a expressão provocante de Mayumi, e expressou sua resposta.

Mayumi parecia desaprovar a atitude de Tatsuya. Ela colocou uma das mãos nos quadris, levantou o outro indicador, direcionando seu olhar mais desagradado para ele enquanto estava prestes a soltar sua atitude mais exagerada para expressar sua objeção.

"Tatsuya-kun, sua resposta a sua irmã mais velha não é simplesmente grosseira?"

... Resumindo, a forma como Tatsuya formulou sua resposta foi porque ele não tinha uma irmã mais velha. Se ele admitisse isso em voz alta, Tatsuya achava que a situação só pioraria, então ele não verbalizou.

Não importa onde começou ou onde terminou, foi tão arquetípico que nenhuma resposta real foi possível.

Por algum motivo, a atitude de Mayumi em relação a ele era excessivamente casual, Tatsuya pensou consigo mesmo.

Ele havia entrado nesse tipo de situação com impressões semelhantes no passado e conseguiu contornar o problema todas as vezes. Desta vez, no entanto, Tatsuya de alguma forma sentiu que ele era incapaz de fazer isso.

"Presidente, apenas no caso, eu quero esclarecer uma coisa com você."

"Hm, o que seria isso?"

"Nós nos conhecemos pela primeira vez logo antes da cerimônia de inscrição, certo?"

Não seria errado dizer que o primeiro reunião contato deles constituiu uma atitude excessivamente familiar, para não mencionar todos os significados adicionais por trás dessas palavras, quando os olhos de Mayumi se arregalaram ao ouvi-lo. No entanto, eles rapidamente voltaram ao tamanho normal e se estreitaram ainda mais, a ponto de sua expressão só poder ser descrita como "má".

Tatsuya finalmente percebeu que movimento terrível ele fez.

Pouco antes, Mari tinha uma expressão facial muito semelhante, agora que Tatsuya pensava sobre isso.

Então, isso deve ser o que as pessoas querem dizer com pássaros de penas juntas, pensou Tatsuya, desejando poder escapar da realidade.

"É assim que é... Ho ho ho ho ho."

Pequeno diabinho seria uma descrição perfeitamente apropriada para aquele rosto sorridente.

"Tatsuya-kun acha que nos conhecemos antes, certo? E o dia da cerimônia de matrícula deve ser a nossa fatídica reunião!"

"Não, espera, presidente?"

Exatamente por que as tensões estavam aumentando tão rapidamente?

"Há muito tempo atrás nós poderíamos ter nos encontrado uma vez, então nos separamos pelo destino cruel, apenas para sermos unidos pelo destino mais uma vez!"

Se ela estivesse realmente se divertindo com essas palavras, ela seria uma pessoa perigosa. Mas se ela estava agindo toda essa sequência enquanto propositalmente permitia que todo mundo soubesse que ela estava agindo, havia algo terrivelmente errado com esse tipo de personalidade.

"... Infelizmente, esse foi sem dúvida nosso primeiro encontro."

"...Também achei."

"Eu digo, a menos que você realmente tenha essas vibrações de encontros fatídicos?"

Mayumi apertou as mãos na frente do peito e apertou o rosto mais perto de Tatsuya.

Ela parecia muito animada, mas na realidade ela estava brincando. Isso combinava muito bem com ela... Verdadeiramente, uma personalidade terrível.

"... Desculpe, por que você está tão feliz com isso?"

Mesmo se ele usasse uma pergunta para responder a uma pergunta, ele não receberia uma resposta. A única coisa que ele recebeu foi aquele olhar cheio de expectativas.

Ela é um "S", anotou Tatsuya em seu caderno mental.

Aproveitando a oportunidade, Tatsuya respondeu.

"... Se isso é destino, então definitivamente não é sorte, parece mais uma desgraça."

A resposta de Tatsuya fez o rosto de Mayumi escurecer quando ela se virou.

"É assim mesmo...?"

Um murmúrio solitário serpenteou ao ouvido de Tatsuya.

Nuvens negras de depressão se juntavam atrás das costas.

Tatsuya também sentiu que ele poderia ter ido longe demais. Mesmo que sua resposta foi baseada em sua estimativa de que Mayumi estava completamente provocando-o, se houvesse um tom de sinceridade neles, então ele precisava se desculpar. Contudo...

Não havia como saber se era boa ou má sorte, mas o sentimento de culpa não perdurou por muito tempo. Isso foi provavelmente devido à confusão, dadas as circunstâncias.

"... Tch."

Quando os ombros dela caíram levemente, os lábios de Mayumi soltaram um som que só podia significar uma sensação de derrota.

Foi a vez de Tatsuya alargar seus olhos.

Era apenas um pequeno som para ter certeza, e não gracioso de qualquer forma, mas ainda podia ser identificado.

"Hum, presidente?"

"Hm, o que é?"

Mayumi se virou para encarar Tatsuya; seu sorriso elegante teria encantado qualquer aluno recém-matriculado.

"... Por que eu sinto que entendo você um pouco melhor agora, presidente?"

Sentindo-se completamente exausto, Tatsuya pensou que ele vislumbrou o verdadeiro rosto de Mayumi atrás da máscara. E isto é, um rosto sorridente que amava provocar os outros.

"É hora de parar as piadas. Tatsuya-kun, muito tempo de lazer pode ser uma coisa ruim."

Para Mayumi, que era completamente inocente e tratava a coisa toda como uma brincadeira, Mari disse, “Você não pode usar os mesmos truques que usou em Hattori, Mayumi. Sua aparência não funciona nele."

Mari aproveitou a oportunidade para jogar seus dois centavos.

"Não descreva os outros de maneira tão maligna. É como se eu gostasse de brincar com os kouhais."

Incapaz de ignorar o comentário anterior, a resposta de Mayumi ficou um pouco acalorada.

"Com relação ao que acabei de ouvir..."

Tatsuya lamentou profundamente ter aberto a boca com consideração prévia e começou a limpar novamente. Se ele ficasse muito tempo no miasma espalhado pelos outros, ele definitivamente sofreria danos adicionais.

"A diferença na atitude de Mayumi é que ela já te reconheceu, Tatsuya-kun. Ela provavelmente considera vocês dois muito parecidos em algumas áreas. Em outras palavras, ela está brincando. Ela só tira a máscara na frente das pessoas que ela reconhece."

Na expressão estranhamente solene de Mari, Tatsuya sentiu uma sensação de desconforto.

"Não acredite no que Mari diz, Tatsuya-kun. Mas, eu acho que eu reconheço você? Parece que não posso lidar com você da mesma maneira que trato os outros. Talvez a tocada pelo destino seja eu."

Ouvindo isso, e vendo o rosto sorridente de Mayumi que nenhum homem sensato poderia odiar, o ritmo interno de Tatsuya tinha sido completamente interrompido.

Parece que desafiar essas duas diretamente de frente seria um exercício de futilidade, pensou Tatsuya.


◊ ◊ ◊


A razão pela qual Mayumi veio visitá-lo foi, na verdade, informá-los que a Sala do Conselho Estudantil estava fechando cedo. Ela só deveria checar Tatsuya de passagem, mas isso rapidamente se tornou seu objetivo principal em pouco tempo. Provavelmente não era uma boa ideia insistir muito sobre esse assunto.

Desde o final da cerimônia de matrícula, muitos itens diferentes de ação também chegaram ao auge.

"Então, eu vou em frente."

Mayumi acenou e caminhou em direção à Sala do Conselho Estudantil.

O dia seguinte marcou o primeiro dia para a competição de novos sócios dos clubes, então o nível de atividade do Comitê de Moral Pública também ia aumentar. A conversa de Mayumi com Mari e Tatsuya terminou neste ponto.

Os sistemas de informação atuais, bem como seus antecessores, precisaram de muito pouco tempo para operar. Vários deles precisavam ser desligados, mas mesmo se esse passo fosse ignorado, eles ainda entrariam automaticamente no modo de espera. A única coisa que precisava ser feita neste momento eram os protocolos de segurança, mas neste momento oportuno, ou talvez um momento infeliz, dois estudantes do sexo masculino entraram na sede do Comitê de Moral Público.

"Oi."

"Bom Dia!"

Uma saudação vibrante se espalhou pela sala.

"Oi, Nee-san, podemos entrar?"

Onde diabos é isso, e em que ano estamos? Tatsuya pensou.

O assunto em questão não era excessivamente alto, mas possuía uma constituição robusta, com cabelo curto cortado que era muito adequado para uma faixa de cabeça. E para usar casualmente "Nee-san", ele tinha que se referir a—

(Deve ser Watanabe-senpai ...)

Tatsuya olhou brevemente para Mari, que estava um pouco envergonhada.

O fato de ela ainda manter (no mínimo) algum senso de normalidade trouxe uma quantidade ridícula de alívio para Tatsuya.

"Chefe, a patrulha de hoje está pronta! Sem prisões!"

Quando comparado com o outro cara, este tinha uma aparência agradável e seu padrão de fala era bastante normal, mas cheio de uma maneira imponente. A postura imóvel que ele tomou enquanto dava seu relato lembrava as pessoas de um soldado, ou talvez de um policial, ou de alguém que fazia parte de um sistema que permaneceu praticamente inalterado ao longo dos anos.

"... Você está me dizendo que Nee-san limpou esta sala?"

Com as mudanças abruptas na sala de atividades, o robusto não conseguiu esconder sua surpresa enquanto caminhava em direção a Tatsuya.

Não deveria ter havido uma grande diferença de peso, mas, surpreendentemente, seus passos eram incrivelmente lentos em comparação.

Assim que o garoto passou na frente de Mari, ela casualmente se levantou, olhou para ele—

"A-ya!"

SPA! Houve um som que agradou ao ouvido, enquanto o garoto se agachou e cobriu a cabeça. Mari segurava um caderno enrolado como uma vara. Quando ela tirou isso?

"Não me chame de Nee-san! Quantas vezes eu tenho que te dizer para você lembrar? Koutarou, seu cérebro é uma decoração?!"

Tatsuya ainda não havia resolvido sua confusão, mas Mari já havia rugido seu descontentamento com o garoto cobrindo a cabeça.

"Por favor, não me bata na cabeça, Nee... Não, chefe. Falando nisso, quem é esse? O novato?"

Provavelmente não doeu tanto, apesar do gaguejar do garoto chamado Koutarou. No entanto, percebendo o caderno enrolado em movimento, ele rapidamente mudou de Nee-san para o título oficial de Mari.

Na frente de Koutarou, que ficara rígido em nervosismo, Mari baixou os ombros e suspirou.

"... É como você disse, ele é o novato. 1º Ano Classe E Shiba Tatsuya. Recomendado pelo Conselho Estudantil."

"Eh. .. não há insígnia."

Koutarou ficou muito animado quando examinou o casaco de Tatsuya, enquanto ao mesmo tempo verificava a construção de Tatsuya.

"Tatsumi-senpai, isso está violando a proibição de certas palavras! Neste momento, acho que o aluno do Curso 2 seria a descrição correta."

O outro garoto, apesar de dizer isso do lado de fora, não conseguia disfarçar sua linguagem corporal friamente analítica.

"Vocês dois devem ser cuidadosos. Esse tipo de pensamento pode levar a um mundo de dor na batalha. Eu só vou dizer uma vez. Ele acabou de derrotar Hattori."

No entanto, assim como Mari disse isso com um sorriso provocante no rosto, as expressões dos dois meninos se tornaram graves.

"... Esse cara, venceu Hattori?"

"Sim, em um duelo formal."

"O que! O invicto Hattori, perdendo para um recém-chegado."

"Não precisa gritar, Sawaki. Eu não acabei de dizer isso?"

Tatsuya não ficou contente em ser observado por tanto tempo, mas estes não eram apenas veteranos, mas seus superiores no Comitê de Moral Público. Ele só tinha que suportar isso por um pouco mais de tempo.

"Esse cara é bastante determinado."

"Ele tem potencial, chefe."

Como músicos se recuperando de um ritmo interrompido, seus olhares mudaram. Quase como se eles pudessem mudar de aparência na hora.

"Surpreso?"

"Hm?"

A questão era muito vaga, então era difícil dizer o que estava sendo perguntado, mas não parecia que Mari esperava que Tatsuya respondesse de qualquer maneira.

"Esta escola está cheia de pessoas imersas na ideia de que rotular Flores e Ervas daninhas determina sua superioridade. Para ser honesta, eu odeio isso. Então estou muito satisfeita com o resultado da partida de hoje. Felizmente, Mayumi e Juumonji entendem minha personalidade. Assim, os membros recomendados pelo Conselho Estudantil e pelo Grupo de Gestão de Clube não são pessoas que sofreram lavagem cerebral nesse tipo de pensamento. Embora eu não possa dizer que não haja senso de superioridade aqui, somos pessoas que podem avaliar objetivamente as habilidades de outra pessoa. Infelizmente, os três alunos recomendados pelos professores são da primeira categoria, então não há nada que possamos fazer, mas acho que esse lugar não seria um bom ajuste para você.”

"3º Ano Classe C Tatsumi Koutarou. Bem-vindo a bordo Shiba. Se você tem as habilidades, você está bem no meu livro."

"2º Ano Classe D Sawaki Midori. Bem-vindo ao nosso grupo, Tatsuya-kun."

Koutarou e Sawaki ambos estenderam a mão. Assim como Mari disse, não havia insinuação de insulto em sua expressão. Sua avaliação anterior era simplesmente para ver se Tatsuya tinha alguma habilidade, e se ele era um aluno do Curso 1 ou do Curso 2 não fazia diferença para eles, Tatsuya finalmente entendeu isso.

Ele teve que admitir que estava um pouco surpreso. De fato, essa não era uma atmosfera ruim.

Ele retornou à saudação e apertou a mão de Koutarou. Por algum motivo, a mão não foi liberada.

"Juumonji é do Grupo de Gestão de Clube. Você pode se referir a ele como líder do grupo Juumonji."

Foi só para me dizer isso? Você poderia ter me dito isso depois que você soltou minha mão.

"Eu sou o próximo. Por favor, refira-me pelo meu sobrenome Sawaki."

Ao sentir a pressão em sua mão, a consciência de Tatsuya foi puxada de volta à realidade. Sua força de aperto aumentou até o ponto em que você podia ouvir o movimento, Tatsuya ficou surpreso ao descobrir.

Esta escola tinha excelentes alunos e não apenas no departamento de magia.

"Não me chame pelo meu nome."

Isso parecia ser um aviso.

Não havia necessidade de tal advertência indireta, já que Tatsuya não tinha o hábito de se referir aos senpais pelo nome, mas desde que Sawaki reservou um tempo para mencionar especificamente isso, ele deveria responder também.

"Vou me lembrar disso."

Ao mesmo tempo em que essas palavras foram ditas, sua mão direita foi liberada.

Ao ver as habilidades físicas de Tatsuya, a surpresa de Koutarou superou a de Sawaki.

"Ho, isso é bastante impressionante. A força de aperto de Sawaki está pelo menos nos três dígitos."

"... Eu acho que dificilmente se qualifica como habilidades físicas normais, mesmo para os magos."

Tatsuya fingiu não saber, dando apenas uma resposta leve. Tatsuya pensou que provavelmente se daria muito bem com esses dois.

Por ScryzZ | 07/01/19 às 11:06 | Ação, Fantasia, Sobrenatural, Seinen, Romance, Sci-fi, Vida Escolar