CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 17 - Aumentar a Força

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 17 - Aumentar a Força

Tradução: Lord Letal | Revisão: Yamasuke, Nego

Naquela noite, Rael não voltou pra casa, em vez disso seguiu para o esconderijo com Ralf.

Ele estava extremamente deprimido e irritado. Em poucos dias ele descobriu que sua força atual não estava sendo de nada.

Se não fosse pela ajuda de Ralf, já poderia ter sido morto.

            Quando entrou na cozinha encontrou Violeta trabalhando em um bracelete que flutuava acima da mesa e girava em volta lentamente. Ela estava com as mãos sobre o bracelete, a aura vermelha do corpo dela envolvia o bracelete através de uma ligação em linhas brilhantes, parecia estar encravando pequenas linhas que formavam símbolos. Ao ver Rael ela parou todo o processo deixando o bracelete voltar para a mesa enquanto baixava suas mãos e deixava a aura em seu corpo se acalmar.

― Não esperava uma visita sua hoje ― disse ela dando atenção a Rael.

Dessa vez ele não veio abraçá-la como da primeira. Ele não estava com muito pique pra isso. Estava com raiva, porque se sentia enganado.

            Violeta se aproximou de Rael com um ar curioso, dificilmente Rael aparecia com uma expressão desanimada.

― Violeta, Mara tem apenas 19 anos e está atualmente no quarto reino. Como isso pode acontecer? Você me disse que eu era a pessoa com crescimento mais rápido, não disse? Como ela parece está tão a frente de mim? Isso, sem mencionar o fato que quase já fui morto. Eu estou fraco, quando comparado a outros meu poder não é nada ― disse Rael soltando tudo de uma vez.

― Eu disse que seu crescimento normal seria mais rápido do que qualquer outra pessoa, mas não disse que não havia outros meios de ficar forte. Os inimigos parecem fortes? Você não estava tão certo que conseguiria acabar com todos? Agora você percebe porque pedi pra você ir com calma? ― disse Violeta olhando Rael com um ar sério. Rael continuava irritado.

― Mas você me disse que eu estava forte! Então aquilo foi apenas para me enganar? ― perguntou Rael inconformado.

― Eu disse sim, pra sua idade você está forte. E Mara é quatro anos mais velha, então necessariamente ela não está acima de você.

― Mesmo assim! Eu não me vejo vencendo essa mulher de 19 anos, isso não era para acontecer! ― disse Rael novamente.

― Existem outras formas de aumentar o cultivo além de usar pílulas, pessoas normais podem usar diversos outros métodos. Ela é do seu antigo clã, um clã poderoso com muitos meios de aumentar a força de seus membros. Ela certamente tem um forte apoio por trás. Embora eu conheça formas de aumentar o cultivo mais rápido, eu não posso dizer o que ela fez, até vê-la pessoalmente.

― E eu? Como eu aumento meu poder? Eu não posso continuar fraco dessa maneira! ― reclamou Rael.

― Você não matou ninguém até agora? Para quem tem tanta sede de vingança é inevitável não deixar alguns corpos pelo caminho ― disse Violeta em tom um pouco sensual.

― O que você quer dizer com isso?

― Você herdou uma pequena parcela do meu poder e com isso algumas habilidades da minha linhagem. Se você tivesse matado alguém saberia do que eu estou falando.

― Se eu matar alguém posso aumentar minha força? Por que você não me disse isso antes? ― perguntou Rael surpreso.

Todas as mortes até agora tinham sido provocadas por Ralf no fim das contas.

― Não achei que fosse necessário explicar uma coisa que você aprenderia sozinho. O caminho que você está fazendo é impossível não matar ― disse ela e olhou para o lado.

― Então se eu matar alguém meu poder irá aumentar. Há algo a mais que você não quis mencionar e que eu deveria descobrir sozinho?

― Sobre o seu braço, mas acho que já disse isso uma vez ― disse Violeta e então se virou de volta pra Rael com um meio sorriso. ― Você está com um cheiro diferente, andou se divertindo?

― Aconteceu algumas coisas ― disse Rael se lembrando de Mara e ficou sem graça.

O que era estranho. Ele achava que não podia contar isso a Violeta, mas não entendia o motivo.

― Você finalmente está aprendendo algo novo, isso é bom ― disse Violeta satisfeita.

― Não, não foi bom! Por um momento eu esqueci até da minha vingança, e isso ainda por cima com uma mulher que eu odeio ― reclamou Rael de volta.

― Ah então foi com Mara, muito bem, vejo que você está seguindo bem as minhas dicas ― disse Violeta sorrindo.

Rael ficou em silêncio por um momento percebendo que tinha falado demais.

― Sobre isso, eu não me sinto bem falando desse assunto. Não sei porque ― explicou Rael meio sem jeito.

― Tudo bem, não precisa ficar preocupado, eu disse que você deveria descobrir sozinho lembra? Isso foi mais uma ordem ― disse ela de volta e bateu com a mão despreocupadamente no o peito de Rael.

            Rael se lembrou do bracelete nas costas de Violeta. Ele nunca tinha visto ela trabalhando com artefatos mágicos antes.

― Aquilo é um bracelete do infinito? ― perguntou Rael até mesmo para mudar o rumo da conversa, ele não estava se sentindo muito a vontade em continuar.

Um Bracelete do infinito geralmente costuma ter cerca de um símbolo implantado no metal pelo lado de dentro, esse em que Violeta trabalhava, era amarelo e tinha cerca de três símbolos estranhos do lado de fora.

― Não, é um bracelete redutivo. Ele é pra você, mas ainda não terminei os procedimentos para mudança de raça ― disse Violeta estendendo a mão no ar na direção do bracelete.

O bracelete vibrou, se moveu subindo no ar e foi parar na mão de Violeta.

― Bracelete redutivo... ― repetiu Rael, que apesar de conhecer não se lembrava de onde.

Geralmente um bracelete redutivo é usado como meio de defesa. Ele pode aumentar a defesa de um determinado elemento para o usuário. Porém o uso desses braceletes são para cultivadores dos mais altos níveis, Rael não conseguia se imaginar podendo usar um, por conta de seu nível atual.

― Mas eu não posso usar esse tipo de bracelete ― disse Rael aceitando o bracelete que foi passado para sua mão por Violeta.

Os símbolos tinham estranhas caracterizas pontudas e afiadas. Isso ele não entendia. Rael também sentiu uma aura estranhamente familiar embora não fosse tão clara.

― Está aí uma coisa que você está errado. As regras normais não valem pra você, apesar de não poder usar pilulas para acelerar o cultivo, você pode matar pra conseguir poder. Enquanto outros precisam esperar uma eternidade para usar um desses, você pode usar desde o início do cultivo ― disse Violeta. Rael apenas devolveu o bracelete de volta.

― Eu não sabia que você também criava esse tipo de coisa ― disse Rael.

― Eu não crio, isso foi um presente. A única coisa que estou fazendo é alterando a base principal dele ― respondeu Violeta.

            Rael ficou com vontade de perguntar de quem ela ganhou isso, porque ele não se lembrava de ninguém que pudesse ter contato com ela além de Seimon.

Mesmo que ele não aceitasse o fato, Violeta tinha contatos com pessoas normais também, embora ninguém soubesse quem ela era de verdade.

― Você não vai voltar pra casa? Sua nova família deve estar preocupada ― disse ela depositando o bracelete de volta em cima da mesa.

― Então desde que eu tire vidas, meu poder crescerá? ― perguntou Rael para confirmar.

― Qualquer tipo de vida, humanas, bestas, demônios, etc. Você obterá uma pequena parcela do poder da vítima.

― Entendi ― disse Rael pensativo. Ele já deveria ter descoberto isso se não fosse pelo uso de Ralf.

― Se quiser matar pessoas eu tenho uma solução adequada ― disse Violeta.

― Qual seria? ― perguntou Rael de volta.

― Junte-se a guilda Imperial. Ela tem várias sedes em todo o continente sul, você pode pegar missões para matar bestas, proteger pessoas e caravanas, e até mesmo assassinar pessoas que estão fora da lei. Além de matar e conseguir uma parcela do poder da vítima, você conseguirá respeito, reconhecimento e algum dinheiro ― explicou Violeta.

― Me parece um bom negócio ― disse Rael olhando Violeta de lado.

Ele realmente não tinha pensado em nada ainda. Antes de se envolver com grandes famílias, seria melhor mesmo ele aumentar um pouco mais seu poder.

― Agora vá, tenho coisas a fazer, e você tem uma família esperando ― disse ela se virando e saindo caminhando dando as costas a Rael.

            Rael não disse nada, apenas seguiu para a direção oposta e saiu. Violeta ficou parada ao lado do alçapão no chão pensativa. Rael parecia estar finalmente ganhando alguma experiência e aquilo a alegrava.

            Quando a presença de Rael sumiu completamente após ele usar o teleporte, uma mulher muito bonita, de longos cabelos azuis, surgiu próxima a mesa. A pele dela era branca como a neve e assim como o cabelo seus olhos também eram azuis.

Ela usava um vestido branco que parecia dar um foco especial em seus seios fartos, até um pouco maiores do que os de Violeta que tinha um porte médio.

Essa sedutora mulher, não era uma mulher comum, seu corpo exalava uma aura amarela muito intensa. Ela estava tomando o maior cuidado em controlar sua nova forma.

― Você vai mesmo abandonar sua linhagem principal? ― perguntou Violeta de costas para ela.

A mulher puxou um banco da mesa em silêncio e sentou-se, sua expressão estava muito séria.

― ‘Eu devo, não tenho escolha, se eu não fizer isso eu e minha filha seremos as últimas de nossa raça’― respondeu a mulher telepaticamente para Violeta. Ela não estava acostumada a falar usando a língua.

― Eu darei meu apoio, afinal nós temas metas em comum ― disse Violeta de volta.

 

            Quando Rael chegou em casa já era bem tarde, ninguém além de Barbara estava na sala.

Rael percebeu que Barbara estava com um ar bem sério. Ela o convidou para tomar chá e comer bolo. Ambos sentaram-se na mesa, de frente um para o outro.

― Samuel pode me dizer que planos você tem para com minha filha Rita? ― perguntou Barbara soltando essa questão de repente.

Rael estava sério comendo um pedaço de bolo de milho despreocupadamente.

― Sim, eu pretendo ter Rita como minha mulher no futuro ― Rael disse despreocupado.

Era mais fácil falar isso para Barbara do que para a filha.

Barbara ficou chocada. Rael estava assumindo mesmo que queria ficar com Rita e sem um pingo de vergonha.

― Posso perguntar por que você decidiu isso? Mesmo sabendo que ela é sua irmã mais nova? ― perguntou Barbara mantendo um ar sério.

― Porque eu gosto dela, a presença dela me agrada e eu acho ela uma garota gentil e confiável ― disse Rael se lembrando de que ela não falou pra ninguém sobre o caso com a besta Rose e Rika.

― Eu não vou tentar impedi que vocês fiquem juntos, mas você deve me prometer que não terá relações sexuais com ela até que ela complete pelo menos 16 anos. Como o corpo dela ainda está desenvolvendo você não deve ir muito longe ― disse ela.

Rael ficou confuso, ele realmente não entendia essa coisa de idade.

― Está me dizendo que ela ainda não tem o instrumento de mijar? ― perguntou Rael surpreso.

Barbara olhou para Rael confusa. Que tipo de pergunta estranha era aquela? O que ele queria dizer com aquilo?

― Do que você está falando? ― perguntou Barbara de volta.

― Minha mestra disse que as mulheres são diferentes dos homens nas partes de mijar, me pergunto se isso demora a nascer ― perguntou Rael que parecia falar mais com ele do que com Barbara.

            Barbara ficou ali olhando Rael com um olhar de confusão. Seria possível que um jovem de 15 anos não entendesse o mínimo do corpo de uma mulher? Qualquer mãe que se preze ensinaria o básico, e ele jamais iria ter aquele tipo de dúvida.

― Samuel, sua mãe nunca conversou com você a respeito de sexo? ― perguntou Barbara curiosa.

Rael ficou em silêncio se lembrando de sua mãe. Um olhar frio se formou em seu rosto, que foi identificado por Barbara. Ele parou imediatamente de comer, deixou o pedaço de bolo em cima do prato e levantou-se.

― Peço que não fale mais da minha mãe. Você pra mim já é muito mais mãe do que ela jamais foi em minha vida ― ao dizer isso, Rael se afastou da cadeira se virando. ― E obrigado pelo chá e bolo ― depois disso, Rael saiu deixando Barbara em um estado de confusão.

Por Lord Letal | 28/11/17 às 22:23 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama, +18