CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 191 - Analise de Violeta

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 191 - Analise de Violeta

Autor: Edson Fernandes | Revisão: Nego

Rael voou com Andréa por cerca de uma hora inteira, passando por cima de varias cidades, florestas e regiões próximas a capital. A jovem ficou em silêncio, fazendo-o entender que não estava se lembrando de nada. Rael se manteve a maior parte do tempo abraçado confortavelmente com a mulher, que parecia não se incomodar com isso:

― Você se lembrou algumas coisa? ― perguntou Rael, depois de um bom tempo.

― Nada... ― repetiu ela.

― Tudo bem, eu tenho outro plano. Vou te levar para uma pessoa que entende de alquimia, ela vai poder dar uma olhada em você e vamos descobrir o que você tem. ― disse Rael.

― E quem seria essa pessoa?

― É minha mestra, ela é uma mulher com o mesmo tom de cabelos que o meu. ― disse Rael. Andréa não ficou muito preocupada, mas ela parecia levemente ansiosa.

― Essa sua mestra está em que reino?

― Ela? Nem eu sei. Ela só diz que esse mundo pequeno é muito fraco para fazer uma comparação com ela. ― explicou Rael.

― Ela é mais poderosa que um reino final? ― perguntou Andréa chocada, se virando de lado. Os cabelos dela cobriram o rosto de Rael devido o forte vento, ela segurou eles com as mãos, aguardando a resposta de Rael.

― Muito mais forte. ― disse Rael.

Andréa não disse mais nada, ela apenas se virou e ficou de volta para frente. Ela ficou com medo de ser descoberta, pois isso seria muito ruim. Naquele momento, ela estava sem opções de elaborar uma situação rápida onde pudesse matar Rael. Ela poderia tentar agir por impulso, mas Rael poderia desconfiar. Ela pensou por um tempo, suas chances de falhar e suas chances de matar Rael naquele instante e não era favorável. Ela em seguida colocou na balança a chance de ser descoberta, isso era bem menor, considerando tudo que ela sabia.

― Está nervosa? ― perguntou Rael.

― Sim, eu tenho medo de nunca mais lembrar quem sou eu. ― disse ela.

― Se você lembrar ou não lembrar, ainda será minha terceira esposa. ― disse Rael e deu um beijo no rosto dela, sem imaginar que a garota a todo momento orquestrava a morte dele mentalmente.

_____________________________________________________________________________

Como combinado, Ralf pousou no topo de uma montanha próxima ao esconderijo. Violeta disse que não confiava em Andréa, portanto Rael não deveria levá-la para o esconderijo. Rael não discutiu sobre isso, ele só queria que Violeta tentasse ajudá-la.

Rael desceu primeiro, depois estendeu as mãos esperando Andréa, a jovem saltou nos braços de Rael que gentilmente a ajudou. Ela permanecia ansiosa, mas confiava que daria tudo certo e iria continuar bem com o plano. Quanto mais dias ela passasse com Rael, mais chances ela criaria para concluir seu desejo e mais fácil seria para matá-lo.

― Violeta, você está aqui? Apareça. ― disse Rael olhando em volta. Andréa também começou a procurar girando o pescoço em volta e lançando seus sentidos. Mas era impossível Rael ou Andréa encontrarem Violeta se a mesma não quisesse ser achada.

O ar sobre a cabeça deles ficou turvo e Violeta surgiu flutuando, saindo de um espaço invisível. Ralf tinha se deitado e agora esperava pacificamente. Ele já era acostumado com Violeta, então nem se assustou.

― Eu quase pensei que você não estava aqui ainda. ― disse Rael satisfeito. Andréa, no entanto, tinha uma expressão perplexa. Ela não conseguia nem se quer sentir a energia de Violeta. Nem mesmo com Violeta descendo diante dos olhos dela, ela sentia qualquer coisa. Violeta podia ocultar completamente seu poder, mesmo voando na cara dela.

― Estou aqui já faz alguns minutos, vocês é que enrolaram. ― disse Violeta.

― Desculpe por passar um pouco do tempo. ― disse Rael de volta. Andréa ficou parada e lutou para acalmar a preocupação em seu coração, ela não sabia se Violeta poderia notar o seu nervosismo.

Violeta estava bastante chocada. A beleza dessa mulher era algo realmente de chamar a atenção. Uma humana normal atingir tal grau de perfeição era mesmo uma coisa bem rara de se ver, não era por menos que Rael falou tão bem dela na biblioteca.

Por outro lado, Andréa também estava surpresa com Violeta. Ela nunca imaginou ver alguém tão linda quanto ela. Ela chegou a pensar que por essa região não havia nenhuma mulher que chegasse aos seus pés, no entanto, lá estava Violeta. Não havia como comparar Violeta e Andréa em termos de beleza, as duas tinham suas próprias qualidades e diferenças únicas que a tornavam tão incríveis.

― Eu vou precisar tocar em você. ― disse Violeta e sem mais avisos, ergueu a mão direita e tocou por cima do lado esquerdo do peito da moça. Andréa não se incomodou, ela ficou parada, esperando e lutando para acalmar seu coração. Rael ficou do lado, apenas esperando.

Violeta pesquisou a energia de Andréa e não achou nenhum problema, parecia somente uma mulher normal no quarto reino. Não parecia haver nenhuma doença, nenhum envenenamento. Ela estava completamente saudável. Não havia resquícios sequer de alguma droga ou alquimia.

― Não parece haver nada de errado com o seu estado. ― disse Violeta tirando a mão de Andréa. Andréa continuou parada, encarando Violeta.

― Você também não sentiu nada? Que droga! ― disse Rael desanimado.

― Você se chama Andréa, certo? ― perguntou Violeta.

― Sim, é um prazer conhecê-la, senhorita Violeta. ― disse Andréa educadamente, a reverenciando levemente.

― Muito bem, Andréa, quero que você olhe bem nos meus olhos. ― Violeta concentrou seu poder enquanto iniciava sua hipnose. A pequena estrela escura surgiu e começou a girar dentro da íris vermelha de Violeta. Violeta estranhou que a expressão de Andréa não mudou, ela continuou firme a olhando, ela tinha uma expressão um pouco surpresa.

― Agora você está sobre o meu controle e responderá todas as minhas perguntas. Quero que me diga, quem é você? ― perguntou Violeta, mesmo já imaginando que não havia dado certo.

― Eu devo responder que sou Andréa? ― perguntou a moça confusa. Obviamente ela não sabia que deveria ser hipnotizada. Violeta fechou os olhos por um breve segundo e em seguida os abriu, eles já estavam normais.

― Não funcionou? ― perguntou Rael, ele sabia que Violeta tinha tentado hipnotizá-la.

― Isso nunca aconteceu antes. As únicas pessoas que escapam da minha habilidade são pessoas acima do Lendário Poder das Leis. ― disse Violeta. Andréa não fez qualquer expressão, continuou esperando com um ar curioso.

― E agora, acabou? ― perguntou Rael.

― Andréa, não se mexa, eu vou lançar minha energia em você e será um pouco mais intenso que antes. Quero saber se não existe nada oculto em você. ― disse Violeta e, sem esperar, teve o corpo coberto por uma leve aura vermelha. Ela levantou a mão direita e cobriu a nuca de Andréa. Violeta lançou uma grande quantidade de energia que poderia sondar toda a garota de ponta a ponta, o poder parecia estar fazendo efeito enquanto descia por baixo da cabeça e corria pelo pescoço, até algo dar errado: O poder que descia sobre a moça foi lançado para fora do corpo e um grande escudo roxo apareceu, o mesmo que apareceu com Rael anteriormente. Rael e Violeta puderam ver claramente.

Essa ação não só lançou o poder de Violeta para fora como também empurrou Andréa dois passos para trás saindo de perto de Violeta.

― Andréa! ― Rael se adiantou preocupado, mas a moça parecia bem. Ela permaneceu normalmente em pé. E mesmo sem Violeta pedir, ela voltou para perto da mão.

― Isso é estranho... Vou tentar de novo. ― disse Violeta.

Violeta fez uma segunda tentativa, banhando o corpo da moça em uma nova carga de energia, e o mesmo ocorreu. O escudo surgiu e bloqueou toda energia, lançando novamente para fora. Andréa recuou novamente dois passos para trás porque foi empurrada e Violeta ficou ali estagnada, ainda com a mão levantada.

― Isso é impossível! Eu nunca vi esse escudo antes. ― disse Violeta depois.

― Eu te falei sobre ele, nem mesmo o meu poder conseguiu passar disso. ― disse Rael sem muita surpresa.

Violeta ficou olhando para o rosto de Andréa por alguns instantes sem dizer nada, nem ela nem Andréa diziam qualquer palavra.

― Espere aqui com o Ralf, eu preciso falar algo em particular com meu discípulo. ― disse Violeta por fim, Andréa fez um sim entendendo. Violeta puxou Rael pelo braço direito e levantou voo, levando-o para o alto.

Os dois subiram uns duzentos metros, onde Andréa não poderia ouvi-los:

― Violeta, por que fez isso? ― perguntou Rael surpreso.

― Essa mulher não é normal, algo nela não está certo. ― disse Violeta.

― O que quer dizer?

― Começando por sua aparência, que não parece ser coisa desse mundo. Segundo é esse escudo estranho, que bloqueia até mesmo o meu poder.

― Mas você não disse que era normal uma mulher ter uma beleza dessas com os devidos cuidados? ― perguntou Rael.

― Disse e pode ocorrer, o problema é que não sabemos nada sobre ela e ainda por cima tem esse escudo que eu nem sequer conheço. Rael, eu sou bem velha e meu conhecimento é bem abrangente. Você tem ideia de como me sinto quando vejo algo que não compreendo?

― Violeta, nem eu que sou o herdeiro não conheço aquele escudo. De repente é algo simples que estamos achando ser grande coisa.

― Não é tão simples. Nenhum escudo nesse mundo pequeno deveria bloquear o meu ou o seu poder. Sem esquecer o fato de não conseguir hipnotizá-la. Um mero quarto reino e eu não consigo hipnotizar. ― disse Violeta.

― Talvez seja devido o escudo, você não acha?

― Não sei, pode ser... ― disse Violeta e mordeu a unha de leve enquanto olhava de lado. Aquela foi a primeira vez que Rael viu sua mestra um pouco nervosa.

― Qual é o problema? ― perguntou Rael.

― Eu não consigo sentir as emoções dela também, isso é ainda mais confuso. Mesmo que, por um pouco, as pessoas deixam um traço de seus desejos expostos. Quando eu olho para ela, é como se ela fosse uma página em branco, sem qualquer coisa escrita. Só o que sinto é o seu coração um pouco ansioso, nada mais pode ser lido. ― explicou Violeta.

― Isso não quer dizer nada...

― Rael, ela nunca tentou fazer nada contra você? Nunca sentiu nenhuma intenção assassina fluindo dela? Nada desse tipo? ― perguntou Violeta, assustando Rael.

― Claro que não, Violeta! Ela não é uma assassina, se fosse eu iria saber. E não, eu nunca senti nada. Mesmo que fosse, ela não passa de um simples quarto reino. Como poderia me fazer qualquer mal?

― Um quarto reino com um escudo que supera nossos poderes e com uma beleza devastadora para uma simples humana. ― disse Violeta.

― Você está exagerando. O escudo pode ser algo simples que nós apenas não conhecemos o segredo, ou pode ser algo ligado a falta de memória dela. ― disse Rael.

― Pela minha análise, ela não tem nenhum problema. ― disse Violeta.

― Pela minha também não, mas o escudo não deixa eu ter certeza de nada. ― observou Rael.

― Não sei como te dizer isso, mas acho que você deveria se afastar dela.

― O quê? Você tá brincando? Ela precisa de ajuda e eu sou o único em que ela confia, como eu poderia abandoná-la? ― perguntou Rael, um pouco chocado.

― Eu sei o motivo pelo qual você não quer abandoná-la, não se faça de bobo. Você só era bobo quando não conhecia os prazeres humanos. Sei que você pretende estender um relacionamento com essa mulher, mas pense melhor, você não sabe nada sobre ela. Ela pode muito bem estar fingindo tudo isso para ficar perto de você e tentar te matar. ― disse Violeta.

― É isso o que você pensa? Eu não acredito nessa possibilidade. Um mero quarto reino jamais iria conseguir tirar minha vida. ― disse Rael. Era por essa razão que Violeta não ia muito longe sobre aquela hipótese.

― Pode ser que eu esteja errada e que não seja nada disso, sendo esse o caso só podemos presumir uma coisa: Essa mulher veio de outro mundo.

― Você disse que ela deveria ser bem mais forte, não?

― Eu disse. De repente ela pode ter sido expulsa de um mundo evoluído por ser tão fraca, sei lá. Eu realmente não consigo pensar em nada.

― Bem vinda, pois é assim que eu me sinto. Mas eu acho que com alguns dias ela deve voltar a se lembrar. ― disse Rael olhando para baixo. Andréa tinha se sentado de costas para Ralf, se escorando nele. Ralf não ligou e ficou de cabeça deitada esperando.

― Olhando assim ela não parece uma má pessoa, mas como eu disse, você deve se cuidar até ter certeza. ― disse Violeta.

― Relaxa Violeta. Você está exagerando, ela não é uma má pessoa. No futuro, você vai até mesmo rir de um dia ter falado isso para mim. ― disse Rael tranquilamente.

Por ScryzZ | 26/02/18 às 13:02 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama, +18