CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 26 - A Chegada de Rose (Parte 2)

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 26 - A Chegada de Rose (Parte 2)

Tradução: Lord Letal | Revisão: Yamasuke, Nego

Rita estava ali parada, vendo a mãe dela, Rael e a linda garota de cabelos azuis, que era estranhamente familiar para ela. Rita quase podia dizer que já tinha visto essa garota antes, mas não conseguia dizer como.

― Bem, eu vou deixar vocês a vontade então, vou voltar para a cozinha. Depois você poderia me trazer as xícaras filha? ― disse Barbara olhando Rita.

― Sim mãe ― respondeu Rita, enquanto Barbara saia do quarto.

                Rita sabia que Rael a aceitou, assim como Rael já tinha aceitado Rita e vice versa, a chegada de Rose foi uma pequena surpresa para todos.

― ‘Esta é aquela menina que você gosta’ ― disse Rose animada.

― ‘Sim ela é muito gentil, foi uma das poucas pessoas boas de verdade que conheci’ ― concordou Rael.

― Rita essa é Rose Livial, minha concubina e minha noiva ― disse Rael para quebrar o gelo.

Nisso Rose se levantou e cumprimentou Rita com aquela mesma expressão séria de sempre. Rita a cumprimentou de volta rapidamente. Depois, Rose voltou a se sentar ao lado de Rael. Rita viu todas as mudanças no quarto e a nova cama de Rael, esse fato era inegável, aquela era mesmo uma cama de casal.

― Você nunca me contou que tinha uma noiva ― disse Rita um pouco surpresa.

― Nem eu sabia. Depois desses dias de treino, minha mestra me apresentou Rose, faz parte de uma promessa.

― E por que você a chama de concubina? ― perguntou Rita surpresa.

― É porque estou me dando muito bem com ela, e já somos mais do que amigos ― disse Rael, colocando o braço em volta dos ombros de Rose e a puxando contra ele.

Rita não pôde fazer nada a não ser ficar quieta. Até mesmo Rita sabia o que significava uma concubina, se Rael estava dizendo aquilo, então ele e ela já tinham...

― Vocês parecem se dar muito bem ― observou Rita.

Ela percebeu que Rose nem se quer corou quando Rael a agarrou. Rael então soltou a Rose.

― Aconteceram muitas coisas nesses últimos dias. Espero que nada tenha mudado entre nós Rita, você ainda é minha também ― disse Rael e estendeu a mão como se a chamasse.

Rita não sabia o que fazer. Rael a pouco tinha revelado o que essa mulher era dele, mas ainda sim, queria mostrar esse tipo de sentimento a ela? Ainda mais na frente da noiva dele? Isso não estava um pouco errado? O que Rael iria querer com ela tendo uma mulher tão linda ao lado dele agora?

― Eu não entendo você ― disse Rita de volta.

― Não me entende? Como você não me entende? E tudo que passamos? ― perguntou Rael um pouco surpreso.

― Você agora tem uma noiva, e já se dão tão bem, por que você me quer no meio disso? Eu não sou nem melhor que ela, nem melhor que Mara! ― disse Rita soltando tudo pra fora.

― O que Mara tem a ver com isso? ― Rael não podia estar mais confuso.

― Eu só não me sinto bem no meio disso ― disse Rita se virando, e então deu de cara com Rael que tinha tomado a frente dela em um flash.

― Você já faz parte da minha vida e não pode fugir disso, você é minha e eu já me decidi ― disse Rael sério.

Segurou o rosto de Rita, aproximou os lábios e a beijou. Dessa vez foi um beijo com movimentos, e no meio do processo acabou virando até mesmo de língua, por causa do que Rael já tinha aprendido.

Rita foi completamente domada naquela situação e não conseguiu resistir. Rael estava assumindo ela na frente da própria noiva, que era várias vezes mais bonita que ela. Aquilo foi realmente uma surpresa.

Rita se encheu de esperança novamente, porque ela havia dado a Rael uma opção para esquecer aquele sentimento entre eles, mesmo assim Rael escolheu não esquecer, em vez disso, ele assumiu completamente.

                Rael estava mesmo gostando de beijar, a sensação, o sabor do hálito das garotas que beijava, o abraço que envolvia um pouco de toque, tudo aquilo o fazia se sentir bem. Beijar Rita não foi diferente, a posição era um pouco mais complicada, porque ela tinha que levantar o rosto e ele abaixar, mas fora isso, era um beijo como qualquer outro. Sem mencionar o fato que o cheiro das mulheres que Rael sentiu até agora, nenhuma era desagradável.

                Rose ficou olhando aqueles dois e seus instintos humanos sexuais começaram a aparecer. Mesmo que ela não soubesse o que eles estavam fazendo, aquela cena era bonita de alguma forma. Rael e ela estavam trocando ações com os lábios. Rose levantou o dedo e tocou nos próprios lábios com um ar de curiosidade.

― Você já entrou na minha vida e já faz parte dela, não vou deixar você sair ― disse Rael quando terminou de beijá-la e puxou o rosto de Rita contra seu peito.

Ela ficou ali um tempo em silêncio, apenas curtindo aquele momento.

― E ela? E nós? ― perguntou Rita, se virando para Rose.

Rose já tinha baixado a mão e estava apenas olhando os dois.

― Vocês podem se tornar amigas, isso seria ainda melhor ― disse Rael sorrindo.

― ‘Rael, o que vocês dois acabaram de fazer? Isso pareceu bom’ ― disse Rose pra Rael.

Rael podia sentir uma hesitação na fala dela, mas a expressão continuava de pedra.

― ‘Isso foi um beijo, é uma forma de expressar sentimentos, foi o que aprendi com Violeta’ ― disse Rael mentalmente de volta.

― A propósito Rita, Rose tem dificuldades em se comunicar, ela passou por um rigoroso treinamento afastada do mundo, afastada das pessoas, e ainda está tentando se habituar. Você é mulher e ela também, então eu queria que você me ajudasse a cuidar dela ― disse Rael deixando Rita confusa.

― Como assim? ― perguntou Rita.

― Digamos que ela não sabe muita coisa sobre as maneiras humanas. Ela mal aprendeu a comer, a dormir, essas coisas. Eu queria que você me ajudasse a ensinar ela sobre tudo que puder. Embora ela não fale, sempre entende o que dizemos. Então, quando eu não estiver por perto ou mesmo se estiver e você perceber algo, por favor ajude-a ― disse Rael.

― Eu não sabia que existia esse tipo de cultivação que se afastava do mundo ― disse Rita.

― É bom não falar isso pra todos, só para sua mãe e seu pai se precisar. Ela passou anos cultivando sem parar, e por isso, não aprendeu como é ser uma garota como você ― disse Rael, inventando a primeira desculpa esfarrapada que veio na cabeça.

― ‘Por que você não conta a verdade a ela? Eu confio nela, minha mãe não vai ficar irritada, nem mesmo sua mestra’ ― disse Rose.

― ‘Não é uma boa idéia, pessoas normais não estão acostumadas a lidar com bestas, eu não sei como ela ficou desde a última vez, então prefiro inventar essa história, o que de certa forma não está longe da verdade’ ― disse Rael de volta.

― E qual é o nível de cultivação dela? Posso saber também qual a idade? ― Rita perguntou curiosa olhando Rose.

― Ela está no quinto reino, o Domínio da Resistência nível cinco e tem quinze anos ― disse Rael.

A idade Rael mentiu, a cultivação não. Rita ficou chocada. Rael também tinha ficado e durante o voo com Ralf, eles tinham conversado mentalmente sobre isso.

                Quando Rose era uma besta celestial, ela tinha um nível que se enquadrava em um cultivador do quarto reino. Mas quando fez a evolução, seu corpo foi reajustado para um do quinto reino, devido a resistência mais alta que as bestas têm. Bestas por si só são mais resistentes que humanos, se um corpo humano não estivesse no quinto reino, não suportaria a força de Rose. O quarto reino na forma humana, para ela, era muito fraco. Por isso seu cultivo deu um salto.

― Nossa! Isso é incrível! ― disse Rita de olhos arregalados olhando Rose.

Rita não conseguia sentir o nível de Rose, e por isso estava achando estranho desde o início, mas nunca esperou que essa moça fosse muito mais forte.

― Em falar nisso, parabéns por você ter alcançado o quarto nível Rita ― disse Rael sorrindo para tirar o foco de Rose.

― Obrigada e parabéns a você também pelo avanço, não consigo sentir mais seu nível ― disse ela.

Desde que Rael voltou, ela já não era mais capaz de sentir o poder de Rael. Como Rael tinha entrado no quarto reino e fazia parecer que estava no terceiro. Rita que estava no segundo reino não era capaz de sentir.

― Estou no início do... terceiro reino ― disse Rael.

― Nossa seu treinamento deve ter sido incrível, você passou seis níveis em um curto espaço de tempo ― disse Rita impressionada.

Embora isso não fosse mais impressionante do que alguém com quinze anos que estava no quinto reino.

― Você não vai demorar para nos alcançar se continuar treinando firme ― disse Rael, animando Rita.

― Eu quase ia me esquecendo ― disse Rita fazendo surgir um bilhete. ― Outro dia encontrei Mara e ela me mandou entregar isso a você, pediu que você fosse a esse local assim que voltasse. Isso fica aqui mesmo na cidade ― explicou Rita.

Rael aceitou o bilhete e leu o nome da rua.

                Quando Rita saiu levando as xícaras os dois voltaram a ficar sozinhos.

― Eu nunca perguntei, mas como você me achou naquele lugar? ― perguntou Rael.

― ‘Com ajuda da mamãe, ela procurou você com o sentido celestial dela. Minha mãe é muito, muito mais forte do que eu’ ― disse Rose. ― ‘Rael e aquilo chamado beijo, é comum fazer isso com qualquer pessoa para demonstrar sentimentos?’ ― perguntou Rose.

― Não, você deve beijar apenas a pessoa de quem gosta ― disse Rael de volta, se sentando ao lado dela.

― ‘Então você gosta de Rita?’ ― perguntou ela.

― Gosto sim, se não eu não faria uma coisa dessas ― disse Rael e se lembrou de Mara. ― Se bem que eu acho que as vezes não terei escolha.

― ‘E de mim, você gosta?’ ― perguntou Rose se virando para Rael.

― Eu gosto de você, mas ainda não sei bem como é isso ― explicou Rael virado para ela.

― ‘Você não sente vontade de fazer aquilo comigo?’ ― perguntou Rose.

― Eu sinto algo, mas acho que é porque você é bem bonita, não sei se isso é mesmo sentimento. Quando você mudou pra essa forma você ficou mesmo linda ― disse Rael.

Obviamente a aparência de Rose afetava até mesmo o duro Rael.

― Mas e você? Gosta de mim de um modo diferente? ― Disse Rael.

― ‘Você me salvou Rael, é claro que gosto de você, até minha mãe mesma gosta. Nós devemos tudo a você’ ― disse Rose.

― Eu não sabia que mulheres se apaixonam por seus salvadores ― disse Rael, e se deitou de costas na cama.

― ‘E você acha isso ruim?’ ― perguntou ela e imitou Rael se deitando também.

Os dois se viraram um para o outro.

― Não to dizendo que é ruim, eu só penso que se você fosse salva por outro, então você poderia não gostar de mim ― disse Rael olhando ela.

― ‘Isso é impossível, eu e minha mãe só podemos gostar de você, você é nossa última opção, então a própria natureza da sobrevivência nos faz ter esse sentimento. Você ter nos ajudado só fez isso expandir’ ― explicou ela.

― Você fala esquisito ― disse Rael sorrindo. Os dois ficaram se olhando por um tempo. ― Rose, por que você não abre um sorriso? ― perguntou Rael de repente.

― ‘Como faço isso?’ ― perguntou ela.

― Com os lábios, você faz esse movimento ó! ― explicou Rael forçando um sorriso mostrando os dentes.

Rose ficou olhando e depois moveu os lábios para cima, a coisa pareceu mais uma careta do que um sorriso. Rael não pôde aguentar e caiu na risada.

― ‘Se você está feliz, é porque eu fiz certo?’ ― perguntou ela animada.

Rael tinha até rodado na cama de tanto ri.

― Na verdade não, eu to assim porque foi engraçado. Você fez uma careta ― disse Rael e se voltou pra ela.

Mesmo que Rose ficasse com raiva em sua mente, o rosto dela estava sério como de costume.

― ‘Isso não teve graça nenhuma! Eu fiz como você pediu’ ― reclamou Rose.

― Tudo bem, depois te arrumo um espelho e você mesma treina isso melhor ― disse Rael se contendo.

― ‘Ser humana é tão estranho Rael, sentir tudo isso, todos esses desejos e vontades. Tudo é muito novo para mim’ ― disse ela.

― Você vai se acostumar ― disse Rael sorrindo.

Por Lord Letal | 28/11/17 às 22:53 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama