CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 28 - O Resultado

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 28 - O Resultado

Tradução: Lord Letal | Revisão: Yamasuke, Nego

Rael parou em frente a Terry e ninguém poderia ver qualquer técnica ou energia acumulada. Todos viram Rael apenas com as mãos livres e sem qualquer uso de energia.

― Esse cara já deve ter desistido ― alguém da platéia disse.

― Acho melhor ele se ajoelhar e pedir perdão ― disse outro.

― Que Mané! ― as pessoas não paravam de comentar rebaixando Rael.

Terry já estava rindo por dentro, o rapaz parado em frente a ele era um verdadeiro babaca. Sem técnicas e sem armas, ele não tinha sequer um por cento de chance. Mesmo que ele usasse técnicas e armas ainda não ganharia, sem usar, então! Ele só estava pedindo para ser humilhado.

― Aqui vou eu ― disse Rael levantando o braço direito.

As pessoas começaram a rir com aquela ação, e eles riam tão alto que seus estômagos doíam. Rael, para eles, era como um palhaço sem salvação.

Rael então avançou com o punho fechado.

Booom!

O impacto explodiu na armadura de Terry.

Terry foi lançado para trás por mais de cinquenta metros e foi bater na multidão do fundo, derrubando cerca de umas dez pessoas no processo. O soco foi tão forte que o chão asfaltado de pedra em volta de Rael estourou, voando pedras e terra para todos os lados.

                As pessoas que riam ou zombavam de Rael imediatamente calaram-se. O que viram era completamente impossível, mas viram, lá estava, Terry caído vomitando grandes quantidades de sangue, com apenas um soco.

                Rael se aproximou caminhando calmamente e chegou em frente a Terry. As pessoas envolvidas na queda de Terry já tinham se levantado e se afastado. Todos agora olhavam Rael com outros olhos, ninguém mais estava zombando, mas também ninguém entendia o que estava acontecendo e como Rael fez aquilo.

                Até Isabela, líder dos Asas da Fênix, estava chocada, aliás, qualquer um estava.

― Me diga, você ainda quer me dar os outros dois movimentos? ― perguntou Rael e pisou com o pé no peito amassado da armadura de Terry.

Terry estava caído de peito para cima vomitando altas quantidades de sangue. Se não fosse pela armadura ele teria sido completamente morto em apenas um ataque.

                Todos puderam ver que Terry já tinha perdido, ele não tinha mais como lutar, provavelmente nem iria conseguir se levantar, mas Rael chutou ele de lado fazendo ele rolar e ficar de costas.

― Eu me lembrei de algo que você gosta de fazer, esfrega a cara dos outro no chão não é isso? Você queria fazer isso comigo mais cedo, não foi? ― perguntou Rael e pisou na cabeça de Terry o imprensando contra o chão duro.

― Basta! Você usou alguma coisa pra derrubar meu líder! Você roubou! ― disse o outro homem de armadura do grupo de Terry e pulou perto de Rael já com espada em mãos.

― Isso é um duelo e ainda não acabou, seu líder não desmaiou, não pediu desistência e não morreu então se afaste se não quiser ter o mesmo destino ― disse Rael friamente olhando-o.

Terry não pedia desistência porque estava passando mal botando o próprio sangue pra fora, todos podiam ver isso. Rael não era tão bonzinho contra pessoas que entravam em seu caminho propositalmente.

― Seu maldito ladrão! ― rugiu o aliado de Terry se cobrindo com uma aura vermelha, e pulou na direção de Rael com a espada.

Rael estendeu a mão direita e segurou a lâmina da espada diante de todos. Em seguida ele forçou empurrando a lâmina para trás, como o aliado do Terry estava segurando com as duas mãos, ele se atrapalhou. Então recebeu um soco com a mão esquerda no rosto que o fez cair rolando pelo chão levando as mãos a cara.

― Vocês acham que eu dependo de alguma proteção do clã Torres? Acham que eu preciso que alguém me proteja? Estão enganados, eu não dependendo da força de ninguém, dependo apenas da minha ― disse Rael e se agachou pegando a espada do aliado de Terry.

Quando o aliado percebeu se virou assustado para Rael, mas como estava muito tonto pelo recente soco levado, mal conseguia se levantar. Rael parecia que ia o matar conforme avançou com a espada e enterrou a lâmina dela na frente do rosto do aliado de Terry, ele tinha até se encolhido achando que a espada ia ser enterrada em sua cabeça.

                Voltando para Terry ele o pegou pelos cabelos e o levantou no ar.

― Regras são regras, então diga logo ‘eu desisto’ antes que eu decida tirar sua miserável vida ― disse Rael irritado.

Ele tinha feito isso para Terry parar de se engasgar com o próprio sangue.

― Eu desisto ― disse Terry assim que conseguiu falar.

Rael soltou ele de volta no chão e se dirigiu aos guardiões recebendo assim o dinheiro da aposta. Depois Rael deixou o local sem olhar para trás. Ninguém mais ali ousava dizer qualquer palavra sobre Rael.

Rael derrotou um quinto reino e um quarto reino, cada qual, com apenas um golpe, ele provou diante de todos que não precisava da proteção do clã Torres. Ninguém podia dizer se Rael usou algum truque porque não viram nada, mas também não viram nada que provava a força de Rael como alguma técnica ou poder.

― Bryan o que você viu? ― perguntou Isabela para o seu parceiro de grupo do lado quando Rael já tinha sumido na rua.

As pessoas em volta começavam a se espalhar tentando voltar ao normal. Os outros dois do grupo de Terry correram para ajudar seus dois aliados.

― Só posso dizer que não houve truques nem uso de equipamentos ― disse o rapaz sem pensar muito.

― Então como ele agarrou uma lâmina estando apenas no terceiro reino? ― perguntou Isabela de volta.

― Talvez o corpo dele seja mais resistente que o comum ― disse Bryan de volta.

― Está pensando em recrutar ele? ― perguntou a morena sorrindo do lado.

― É muito cedo para dizer isso ― disse Isabela.

                Os conhecidos de Terry e amigos que tinham emprestado dinheiro estavam furiosos com aquele resultado. Não só Terry tinha se quebrado, como quebrado eles também. Ele demoraria a se recuperar e demoraria mais ainda a pagar todos aqueles empréstimos.

                Terry, por sua vez, estava cheio de dores e profundamente arrependido de ter cruzado o caminho de Rael. Ele não sabia como Rael era tão forte, mas guardou aquela lição desastrosa em seu coração e prometeu a si mesmo, nunca mais provocar alguém.

 

                Rael chegou na hora do almoço. Rose sentou do lado dele e os outros ficaram do outro lado da mesa. Apesar de Rose saber comer, ela não sabia usar os talheres, então Rael tinha que ficar ensinando e mostrando. Todos estranharam Rose ser concubina de Rael e não saber sequer usar talheres, mas ninguém disse nada durante o almoço.

                Durante a tarde, Rael e Rita passaram o tempo todo cultivando, cada um em seu próprio quarto. Sentada na cama, Rose passou esse tempo treinando expressões com um espelho que Rael havia comprado pra ela.

                Veio o jantar, veio a noite, e finalmente todos se deitaram. Como esperado, Rael e Rose dividiram a mesma cama. Cada um deitado de um lado.

Na floresta ou na caverna, Rael não tirava as roupas para dormir, mas no quarto ele tinha se acostumado a tirar o sobretudo e a camiseta antes de dormir. Ficando assim com a calça folgada.

                No meio da madrugada houve um momento que Rose acordou com o rosto por cima do peito de Rael. Pele com pele se encostando. Rose no primeiro instante ainda estava sonolenta e desatenta a situação, mas quando percebeu ficou paralisada. Porque ela estava tocando em Rael e estava tudo bem, seu poder não estava descontrolado nem nada de errado.

A pele de Rael contra o rosto dela era estranhamente reconfortante, era quente, era macia e fazia ela começar a se sentir estranhamente bem.

Então ela se lembrou do beijo de Rael com Rita mais cedo e aquilo fez as pernas dela vibrarem, na verdade ela achou que foi as pernas.

Os instintos sexuais de Rose logo foram ativados e a respiração dela acelerou um pouco conforme o corpo da garota esquentava, ela não conseguiu controlar a energia que veio de uma vez.

Boom!

Rael foi jogado contra a parede e acordou com o susto, dores nas costas e no peito. Quando olhou para Rose ela estava parada em pé do lado da cama com o corpo coberto em raios.

― Que porcaria foi essa Rose? ― perguntou Rael dolorido reclamando.

Havia também um buraco no colchão da cama e várias penas voando pelo quarto.

― ‘Desculpe, eu perdi o controle’ ― disse a moça mentalmente sem jeito e seus lábios fizeram um leve arco triste.

Rael pôde ver com as luzes apagadas devido sua visão.

― Samuel! Rose! Vocês estão bem? O que aconteceu? ― perguntou Adam do outro lado da porta.


                No dia seguinte depois do café Rael e Rose saíram juntos. Rael tinha ficado com uma mancha vermelha no peito e não estava muito feliz. Rose tinha se desculpado e explicado várias vezes que ela tinha perdido o controle de seu poder, que aquilo havia sido um acidente.

― Então temos que treinar para você se acostumar com isso ― disse Rael.

Se Rose tinha o ferido daquele jeito, então ela poderia ferir qualquer um dos outros. Rael estava preocupado com isso.

                Saindo ao leste da cidade, um local que Rael ainda não tinha visitado. Os dois encontraram uma área aparentemente deserta para treinarem. Havia algumas rochas, algumas árvores e muita grama.

― Você me disse que ainda não está acostumada com esse corpo, então eu quero que treine, seja lá qual for o treinamento que precise fazer. Canalize suas energias, trabalhe o corpo, faça qualquer coisa que ajude a melhorar o controle ― disse Rael.

Apesar dele ter trazido Rose para fora da cidade, ele não tinha uma ideia fixa de como ajudá-la. Ele acreditava que ela mesma tinha um tipo de treinamento que poderia fazer.

― ‘Rael isso não funciona assim, meu poder não pode ser simplesmente treinado’ ― explicou Rose de volta.

Ela entendia a preocupação de Rael, mas não poderia fazer nada.

― Quando você era uma besta celestial talvez isso não funcionasse assim, agora você é humana e todo humano precisa treinar, sugiro que treine. Eu não vou dormir com uma garota que pode me matar acidentalmente no meio da noite ― reclamou Rael um pouco insatisfeito.

― ‘Desculpa’ ― disse ela sem jeito.

― Como aquilo aconteceu? Você passou um longo tempo comigo, mas só foi explodir naquela hora, você pode me explicar isso? ― perguntou Rael.

― ‘Eu não sei, estava tudo tão bem e de repente eu não sei o que deu em mim, simplesmente me descontrolei’ ― explicou Rose tentando se lembrar.

― Descontrolou como?

― ‘Eu estava com você então me lembrei de você fazendo aquilo com Rita e não sei dizer, meu corpo começou a ficar estranho, então perdi o controle’ ― explicou ela.

Rael ficou olhando para a bela Rose totalmente perdido, ele não fazia ideia de como se lembrar de um beijo poderia fazer ela perder o controle.

― Bom então treine para que isso não aconteça mais, eu vou cultivar e você faça alguma coisa para treinar ― disse Rael se sentando, fechou os olhos e em seguida já começou a cultivar.

                No começo Rose ficou parada em pé, mas pensando no que Rael disse ela se sentou na mesma posição de Rael e começou a fazer suas energias rolarem pelo corpo. Ela não sabia porque precisava fazer isso, mas se Rael tinha pedido então ela faria.

Ela fechou os olhos e começou a se concentrar nas próprias energias do corpo. Seu corpo logo foi cercado de eletricidades.

                Enquanto cultivava, Rael começou a ter flashes estranhos. Ele se via em uma enorme biblioteca com prateleiras gigantescas e escadas de apoio em cada parte. Violeta também estava presente e falava algo com ele. Aquilo parecia ser memória de um sonho.

Então ele se viu com a Pedra Raios do Mar e nesse sonho ele apertou a pedra contra seu ante-braço azul. Tudo era muito confuso e as imagens do sonho eram meio borradas. Mas Rael teve a estranha sensação que a pedra se fundiu ao braço dele no sonho.

                Rael parou de cultivar, puxou as mangas do ante-braço e olhou o braço azul. Não havia nada de errado ou diferente e por um segundo aquele estranho pensamento tinha o preocupado. Então ele lançou sua mente para o bracelete em busca da Pedra Raios do Mar, mas ela não estava em lugar algum. Rael ficou confuso.

Então como uma medida desesperada, começou a procurar em todos os bolsos. Desistiu em alguns segundos sem fazer ideia de onde poderia está a pedra.

                Rael se virou olhando Rose. A mesma estava concentrada e energias elétricas corriam por cada parte do corpo dela. Embora as energias pareciam violentas, não chegavam a afetar ou destruir as roupas, mas não se podia dizer o mesmo do gramado cercando a garota, tudo estava queimado por pelo menos um metro em volta dela, tinha até fumaça saindo da terra.

Por Lord Letal | 28/11/17 às 22:57 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama