CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 333 - As Exigências

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 333 - As Exigências

Autor: Edson Fernandes | Revisão: Diego Menezes

Enquanto o menino loiro, com sua lança cheia de poder das leis, mantinha as estátuas ocupadas abaixo, Lana e Rael negociavam. Yara continuava a esquivar com Lana devido as flechas que não cessavam, assim como Rael fazia o mesmo e as vezes utilizava seu escudo de poder das leis.

― Você vai prometer não tentar me matar nem armar nada para me ferir ou me fazer qualquer mal, você também vai prometer me ajudar o máximo possível a encontrar as minhas aliadas. Caso eu seja atacado perto de você, terá a obrigação de me proteger ― Rael fez suas primeiras exigências.

― Atacado perto de mim terei que te proteger? Você está delirando, Senhor Herdeiro? Eu não me tornarei uma guardiã sua, tire isso da sua cabeça! ― Rugiu Lana de volta mostrando pleno desacordo.

― Se você não quer aceitar esses mínimos termos, nem adianta continuar essas negociações! ― Rael soou de volta mostrando indiferença.

― E você acha que vai conseguir sair daqui vivo sem minha ajuda? No momento que Isaac se cansar elas nos atacarão com força total e nos destruirão ― Disse Lana de volta.

― Eu tenho uma maneira de fugir daqui, isso não é problema ― Rael disse com um ar de blefe, Lana não tinha certeza se o menino poderia mesmo fugir ou não. Ao se lembrar das capacidades absurdas do herdeiro ela recuou na incerteza, e então, tentou ler os pensamentos de Yara que fluíam através de Rael, acontece que, quando ela tentou fazer isso a mente de Yara estava um branco, não havia literalmente nada em seus pensamentos.

― Acha mesmo que eu ia deixar você ver meus pensamentos de graça novamente? Isso não vai mais funcionar. ― Disse Rael depois de notar o desapontamento de Lana.

― É assim que você pretende ter uma negociação comigo? Acha isso justo? ― Lana questionou de volta com um olhar queimando. Yara continuava a carrega-la de um lado a outro, então as vezes eles eram forçados a dar as costas um para o outro.

― Ora, qual é o problema? Não existe um método que eu possa usar para ler sua mente, então só me resta ocultar a minha, com as promessas certas isso pode funcionar muito bem. ― Revidou Rael de volta sempre mostrando indiferença.

                Lana apertava seus lindos dentes irritada com Rael. Antes ela tinha a vantagem de ler a mente dele através de Yara e agora isso havia sido retirado dela, ela só podia se morder de raiva de não poder fazer mais nada a respeito. Enquanto eles discutiam, o menino embaixo continuava atacando e sendo pressionado pelas estátuas. Lana várias vezes lançava olhares para ver a situação de Isaac e se mantinha a cada instante mais preocupada.

― ‘Então essa mulher adulta gosta de um menino desses? Que incomum... a outra loira, chamada Alessa, também apresentou o mesmo tipo de sentimento’ ― Rael não era nenhum expert em romance, mas o olhar de Lana sobre Isaac era bem óbvio.

― Lana, me diga o que fiz que te deixou com tanta raiva de mim? Acabe com essa minha curiosidade, sim? Não concorda que já é hora de pararmos com essas brigas? ― Perguntou Rael, atraindo a atenção dela de volta para onde precisava.

― E por que acha que eu falaria disso a você? Que diferença faria?

― Diferença? Bem, se for algo que eu puder corrigir, então conte com isso. É claro, eu primeiramente gostaria de ouvir antes de... ops!... quase ― Disse Rael após ver uma flecha cruzando seu rosto. ― Eu gostaria de saber que tipo de pessoa eu era antes.

― Você era o pior lixo que se podia imaginar, as pessoas esperavam por audiências com você e na maioria das vezes você as ignorava. Isso quando não mandava um dos seus sete Protetores de Ouro no lugar, aqueles homens arrogantes e idiotas. ― Reclamou a jovem enquanto parecia se lembrar de algo.

― Pode me dizer mais sobre esses homens? Você disse sete Protetores de Ouro?

― Sim, nem isso você lembra? Era assim que eles eram conhecidos. Correu boatos que você escolheu meninos sem família e cuidou deles desde pequenos para garantir lealdade dos mesmos, mas pelo visto isso não funcionou porque, no fim, você foi traído de qualquer maneira... hahaha ― Lana não conseguiu conter uma risada porque a expressão de Rael ficou feia, ele lembrou de suas guardiãs morrendo e isso o irritou.

― O que foi? Você se lembrou de algo, senhor Herdeiro? ― A pergunta dela soou quase em tom provocativo.

― Não importa, apenas me diga o que fiz a você, sim? Dessa forma encerramos logo essa conversa. Se fosse algo imperdoável você sequer estaria aqui pensando em negociar, então eu não acredito que te fiz algo tão pesado assim.

                As palavras de Rael fizeram Lana voltar a ficar séria, a situação em que estavam também não era propícia para ficar rindo ou perdendo tempo com coisas triviais.

― Não foi uma coisa que você fez e sim algo que não fez, mas não preciso entrar em detalhes, isso não importa mais.

― Não importa mais? Tentou me matar quase até agora e não importa mais? ― Rael perguntou um pouco irritado.

― Eu ouvi seus termos e agora direi os meus. Se você concordar, eu posso pensar nos seus! ― Disse Lana como se quisesse fugir do assunto e continuou. ― Primeiro, quando recuperar seus poderes você vai ajudar a recuperar meu mundo, como ele era antes. Você vai fazer o melhor possível para ajudar meu mundo. Segundo, você me ajudará no futuro a tomar a Mesa Universal e colocaremos pessoas boas para gerir a mesa. A parti desse ponto, a Mesa Universal será um tipo de conselho que você vai aprender a ouvir e respeitar nossas opiniões, você não vai mais agir apenas por egoísmo. Terceiro, você vai fazer o melhor possível por todas as pessoas boas que merecerem, sempre que tiver como ajudar, não recusará nenhuma ajuda. ― Quando Lana fez suas exigências Rael se irritou profundamente, porque obviamente ele nunca poderia cumprir todas.

― De todas as suas exigências eu só posso concordar com a primeira, as outras duas pode esquecer ― Rael soou firme e sem medo, ele não podia se deixar controlar nem afrouxar muito como Lana queria. Ser criado um conselho e obrigar ele a ouvir o mesmo, era praticamente como ser comandado por ele e isso o Herdeiro não poderia ser.

― E você se diz mudado, recusando um pedido tão simples como esse? ― Lana soou de volta furiosa.

― Qual é a sua, mulher? Você ia gostar das pessoas no seu pé te dizendo o que fazer e o que não fazer? Acorda! Eu não vou me tornar boneco de ninguém, se suas exigências não mudarem pode esquecer qualquer negociação. Eu fujo daqui e deixo você e o garoto sozinhos se virarem com o problema que vocês mesmos criaram. Se não tivessem me seguido, o desafio não estava tão complicado!

― Você não mudou nada!

― Não mudei? Não sei como eu era antes, mas o fato de eu estar aceitando ajudar o seu planeta não é grande coisa? Será que antes eu aceitaria fazer isso por uma mulher que mal conheço?

― E você acha que teria alguma chance de negociação se não aceitasse qualquer dos meus pedidos? ― Retrucou ela de volta. Eles continuavam tendo que se manter esquivando de flechas e embaixo o menino loiro lutando de todas as formas possíveis.

                Rael e Lana não se davam bem e isso tinha ficado mais do que evidente. Rael não entendia porque ela tinha raiva dele e a mesma também não explicava suas razões.

― ‘O tesouro do Deus de Pedra é muito especial para ser abandonado tão facilmente. Eu sinto que é uma Pedra rara do tipo Terra. Eu já tenho a de fogo e raio. Com a da terra, minha resistência física aumentaria muito... não é algo que eu possa perder. ― Pensou Rael se valeria a pena insistir com aquilo ou não. Ele não tinha mentido quando disse que teria um jeito de escapar daquele lugar. Usando o mundo completo, ele poderia procurar algum artefato magico que o ajudasse naquela situação e por tanto, conseguiria fugir.

― Eu não vou aceitar as outras duas exigências, não importa o que você diga. Se não vai negociar comigo então prepare-se para ser solta, deixarei você pela própria sorte. ― Ameaçou Rael.

― Você não ousaria! Se me soltar, Isaac iria procurar você até nos confins do mundo! ― Lana rugiu de volta, ligeiramente alterada pela recusa de Rael.

― Se ele pudesse me achar. Uma vez que eu esteja livre desse lugar, minhas habilidades normalizam e eu posso me manter escondido dele para sempre. Se, por acaso, ele me achasse em algum momento, poderia usar o portal e fugir de novo. Tudo é muito simples. ― Rael novamente voltou a soar indiferente, o que deixou Lana irritada de novo.

                Isaac embaixo continuava ralando enquanto, em cima, eles se mantinham esquivando. As vezes o menino loiro atraia atenção dos arqueiros e isso facilitava um pouco as coisas em cima, mas nunca durava muito tempo, as flechas cedo ou tarde retornariam ao foco original.

― Só estamos perdendo tempo Lana, você sabe que não posso aceitar suas duas exigências, então por que não terminamos logo essa negociação? Será que é tão difícil você aceitar meus termos?

― Eu não me tornarei sua guardiã! Já falei que não quero ter a obrigação de proteger você, isso é um preço muito alto levando em conta que você não merece.

― Minha guardiã? Não exagere, você só ficara comigo até acharmos Alexia, depois você poderá partir. Se é que só terei como procurar por ela com sua ajuda, se eu achar outra maneira de seguir sem você, não tem problema. ― Disse Rael. As palavras de Rael ainda deixaram Lana a pensar.

― E quanto tempo eu poderia levar para achar sua Soberana? Isso pode levar vários dias. Não é fácil viajar pelo universo sem chamar atenção.

― E você está com medo de que? De encontrar as pessoas que selaram você?

― Não se meta nos meus problemas, Herdeiro! Você não tem nada a ver com isso.

― Não tinha mesmo, até você cruzar o meu caminho e me perseguir como uma maluca. ― Revidou Rael que não controlava a língua.

                Lana, de vez em quando, lançava alguns olhares para o menino loiro embaixo, preocupada. Quanto mais a batalha seguia, pior ia ficando as coisas para ele.

― ‘Mestre, as flechas estão aumentando a velocidade e força, com um pouco mais de tempo será impossível para mim escapar com essa mulher’ ― Disse Yara de volta em pensamento para Rael que já lançou um olhar para Lana.

― Você ouviu Lana? Se continuarmos nisso não teremos mais como negociar, eu fugirei e deixarei vocês pela sorte. ― Rael soava de modo frio e Lana rangia os dentes irritada. Se ela estivesse com seu poder no auge ela nunca passaria tanto vexame como estava passando agora. Rael podia notar o desconforto dela palas expressões que fazia.

― Muito bem! Vamos fazer logo esse maldito pacto de sangue! ― Gritou Lana se decidindo depois de um tempo. Ela não tinha como pensar muito.

                Lana criou o pergaminho das leis que fazia o pacto e Rael um poderoso escudo que seguraria os ataques durante o tempo suficiente para fazerem as juras.

                Rael fez Lana prometer não o trair nem armar nada contra ele. Se ele fosse atacado na presença dela, ela teria que se mover para protegê-lo, como foi citado antes. Ela também o ajudaria, o máximo que pudesse, a encontrar Alexia ou as outras, mas a principal busca seria Alexia, que teria como guiar Rael sozinha a partir desse ponto.

― Você só não precisa me ajudar a achar Alexia se eu tiver uma outra forma ou ajuda melhor para isso, de outro jeito você continua presa a essa promessa. ― Disse Rael e Lana concordou a contragosto. Em troca, Rael prometeu que ajudaria o mundo de Lana quando estivesse com seu poder completo.

― Você não será obrigado a atender todos os meus pedidos, mas pelo menos você pode ouvi-los e pensar sobre eles, essa opção você tem que concordar. Eu não vou fazer tanto por você em troca de nada. ― Insistiu Lana e seus olhos brilhavam mostrando determinação, ela não seguiria o pacto se Rael não aceitasse aquele termo.

― Eu concordo, ouvir você não será um problema. Mas eu ouvirei você e não um bando de conselheiros, que isso fique bem claro. Eu ouvirei e decidirei se farei alguma coisa a respeito do seu pedido.

― Você também nunca me trairá, assim como não armará nada contra mim, concorda? ― Perguntou Lana.

― Isso é fácil de concordar, uma vez que você concorde com os meus termos. ― Disse Rael de volta.

                Com tudo acertado, os dois concluíram o pacto de sangue e Lana atirou o pergaminho com as palavras de cada um para o espaço infinito como deveria ser.

― Jovem participante! Você mais uma vez quebrou as regras! O meu poder aumentará agora em mais três vezes! ― Disse o Deus de Pedra. As estátuas embaixo haviam parado de atacar por um tempo e isso fez Rael iniciar imediatamente sua parte, aproveitando a pausa fornecida por Isaac. O escudo de Rael não duraria muito tempo e, por tanto, ele não podia depender apenas dele.

                Rael conjurou seus símbolos e lançou no corpo de Lana. Lana ainda estava sendo segurada por Yara, que pôde soltá-la quando os símbolos de Rael a envolveram. Com os símbolos de Rael em volta, Lana pôde se manter flutuando sozinha, sendo segurada e analisada pelos mesmos. Lana mantinha uma expressão curiosa, enquanto se deixava ser analisada pelos estranhos símbolos físicos e coloridos de Rael.

― ‘Eu pensei que seria mais difícil libertar ela do selamento, mas é extremamente fácil’ ― Pensou Rael ao fazer a primeira análise. Tudo que ele precisava fazer, era destruir os símbolos com poder das leis que a cercavam. Sem ajuda de um poder como o “do Herdeiro”, esse trabalho não seria nem sequer possível, com apenas um fraco poder desses.

                Rael começou a destruir os selos do corpo de Lana. A jovem sentindo os primeiros selos sendo destruídos foi tendo seu poder liberto por partes, isso fez ela fechar os olhos e ficar com a boca levemente aberta como se estivesse sonhando.

― ‘Eu preciso ser rápido! Não sei por quanto tempo eles ficarão sem nos atacar’ ― Pensou Rael e continuou concentrado no corpo de Lana destruindo os símbolos que continuavam saindo dela e sumindo no ar como fumaça.

― Não pensei que minha existência inútil algum dia fosse cruzar com o Herdeiro do Mundo. Me pergunto o que aconteceu que você ficou tão fraco assim? ― Perguntou a estátua de pedra maior. Rael tinha notado que ela havia acabado de ter um aumento de poder junto as outras, após Isaac destruir algumas, mas ele não tinha tempo de ficar pensando nisso.

― É um encontro deveras interessante, mas eu não posso permitir que ela seja liberta, isso vai ser considerado outra quebra de regras e... ― Quando o Deus de Pedra falava, foi atingido por Isaac que havia saltado e golpeado o rosto dela com a lança.

― Você não vai se intrometer nisso! ― gritou Isaac. A estátua atingida recuou um passo para trás atrapalhada tentando se recuperar.

                Rael acelerou o processo o mais rápido que pôde e conseguiu terminar tudo enquanto Isaac retinha a atenção do Deus de Pedra. Quando Rael terminou, Lana abriu os olhos irradiando uma intensa aura transparente mesclada com verde. Uma forte pressão foi lançada do corpo dela e Rael quase não se segurou, Yara voou com velocidade, o segurou e levou para o canto do salão, para longe de Lana.

― Isaac já chega, eu cuido disso a partir de agora ― Disse Lana se aproximando voando por cima do Deus de Pedra. O poder dela era agora avassalador, a pressão era tão forte que Rael acreditou que essa mulher poderia ser mais forte que Alexia. A pressão fazia as estátuas menores se racharem e quebrarem sozinhas de tão intenso que estava.

― ‘Eu nunca vi Alexia no auge do seu poder, mas acredito que existe a possibilidade de Lana ser mais forte que a atual Alexia.’ ― Pensou Rael olhando de longe.

Por Lord Letal | 18/01/19 às 14:34 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama, +18