CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 339 - A Escolha de Natalia

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 339 - A Escolha de Natalia

Autor: Edson Fernandes

Quanto valia a cabeça do Herdeiro? Rael se perguntou isso enquanto caminhava com eles. Esse sentimento de descobrir que seu eu em questão valia tanto, era um pouco assustador. Quantos no universo não almejavam encontrar o Herdeiro? Se um mundo em questão já é grande o que diria o universo?

― Se você não fizer nada que chame a atenção não será descoberto. ― Disse Infinita que caminhava ao lado de Rael, ela parecia ler os pensamentos de Rael. ― O medalhão que você usa retêm sua aura, eu só descobri você porque a muito tempo atrás tive a oportunidade de gravar toda sua estrutura física, e mesmo renascido, você está se tornando o mesmo de antes, assim, eu tenho todos os seus dados em minha mente. ― Disse a jovem apontando o dedo para sua própria cabeça.

― Ela é capaz de ler sentimentos através de emoções ou traços no seu rosto, ela é até mesmo capaz de dizer se uma pessoa está mentindo ou não. Quando a criei, era para ser apenas parecida com minha irmã, mas acabou crescendo e se tornando bem inteligente. ― Disse Mundius chegando ao lado de Rael pelo oposto do lado que estava Infinita.

― E exatamente como se cria uma existência como a dela? Sendo pequena e ao mesmo tempo parecendo tão grande? ― Perguntou Rael se referindo a ela do lado deles.

― Tudo começa pequeno, alguns metais e fios que se ligam a outros metais e mais fios, isso vai crescendo até se tornar algo gigantesco. Um dia se você entender de mecânica talvez consiga saber do que estou falando.

― É a primeira vez que ouço falar em algo parecido com isso. ― Disse Rael.

― Cada planeta evolui de formas diferentes. ― Disse Mundius.

― Eu quero saber uma coisa. Por que antes de roubar o núcleo você mandou seus homens visitarem o rei daquele planeta?

― Eu dou uma chance para todos os pequenos planetas, se eles forem merecedores podem ser poupados. ― Explicou Mundius em um tom sério.

― O que quer dizer com essa chance?

― Eu mando meus homens dizerem o que vão fazer e peço dois sacrifícios, caso ele não seja cumprido o mundo será destruído.

― Então eles não cumpriram? ― Perguntou Rael curioso.

― Peço para algum líder ou rei me oferecer filhos ou irmãos. ― Explicou Mundius.

― Isso é um absurdo, quem concordaria com isso? ―Perguntou Rael surpreso entendendo porque os mundos não sobreviviam.

― Na verdade a maioria concorda bem rápido com isso pensando em salvar as suas próprias peles e isso é o veredito. Nesse mundo senhor Herdeiro, nada é mais importante que a família, se estiver disposto a sacrificar a própria vida por um ente querido, então você é um homem digno de viver. ― Disse Mundius com um leve sorriso e virou-se para falar algo com Hilda. Isso deixou Rael pensando em Natalia, no quanto havia se esforçado para salva-la das garras de Heitor.

― Mestre... ― Roram conseguiu chegar até Rael. ― Não se esqueça das pílulas e elixires que eu te dei, coloquei tudo no bracelete, também há vários outros itens que julguei importante, mas que não tive tempo de explicar. ― Disse Roram.

― Tudo bem Roram, me chame apenas de Rael, nesse momento não sou seu mestre, sou apenas um renascido sem muitas memorias.

― Suas memorias vão voltar. ― Disse Roram e fez surgir uma pílula branca. ― Eu não sabia se ia conseguir, mas isso aqui vai ajudar. ― Roram estendeu a pílula a Rael que a agarrou em mãos. ― É um remédio feito da Eterna Lotus Branco, dizem que ela pode viver por milhares de anos e consegue armazenar toda essência da paisagem em sua volta em suas raízes. Ao tomar vai acelerar e muito o retorno do processo de suas memorias.

― Entendi, obrigado. ― Disse Rael e no mesmo instante a engoliu diante dos olhos de Roram. ― Se isso vai ajudar, preciso das memorias o mais rápido possível.

                De imediato Rael não sentiu muita coisa, foi só mais um remédio descendo em sua goela como uma pequena pedra um pouco ardente. Ao longo da caminhada Rael teve a sensação de ver fleches, de lugares, de pessoas e conversas que se misturavam com o real. Hora ele olhava para o lado e via as guardiãs e hora ele via os Protetores de Ouro.

― O senhor está bem? Está suando. ― Comentou Roram ao lado de Rael.

― Acredito que a Lotus já está fazendo efeito, parece que estou vendo umas cinco coisas simultaneamente. ― Disse Rael, que apesar de toda a confusão em sua mente, ele ainda conseguia dividir tudo, do que era real e o que não era.

― A mente do senhor é difícil de ser controlada, por isso consegue se manter firme mesmo após ingerir essa pílula. Algumas pessoas desmaiam por dias, mas eu sabia que não seria problema para você. ― Disse Roram seguro.

― Você sabe muito de mim, a coisa do Pacto de Sangue é verdade? Esse Pacto não funciona comigo?

― Não senhor, nada nesse mundo tem o poder de controlar a sua mente. Apenas a libido sexual pode ser perigosa dependendo das condições, mas de resto o senhor não pode ser controlado. ― Disse Roram.

― E porque o desejo sexual seria perigoso?

― Não se sabe o motivo, mas ele passa conforme o senhor sacia o desejo. Talvez isso esteja ligado ao fato que o senhor precisava salvar espécies de sua extinção. O senhor nunca explicou muito sobre isso.

― Quer dizer que entre os Protetores de Ouro não há nenhuma mulher? São todos homens? ― Perguntou Rael pensativo.

― Sim, o senhor dizia que mulheres poderiam corromper a mente dos homens, e que nós não deveríamos no envolver amorosamente com ninguém. ― Disse Roram.

― Eu parecia ser bem frio. ― Disse Rael pensando em como seria sua vida se não tivesse se deitado com Mara quando teve a chance. Ele poderia ter matado uma das mulheres que mais amava sem saber da verdade.

― O senhor não era ruim, me salvou, restaurou minha vida e me deu poder. Viver pelo senhor era tudo que eu precisava. ― Disse Roram com orgulho.

                Rael começou a receber visões de vários tipos de coisas, novos entendimentos de símbolos do poder das leis entre outras coisas.

― ‘Essa forma de cultivo seria muito melhor para mim, por que nunca pensei nisso? Uau! Essa nova técnica envolvendo as chamas...’ ― O coração de Rael turbinava com as boas novas. Ele mal via a hora de começar a experimentar todas essas novas descobertas.

                Havia um compartilhamento no final da nave onde Rael foi deixado em pé e separado por uma parede de vidro. Depois de Roram se despedir desejando sorte ele foi separado com os demais.

― É uma verdadeira pena Herdeiro, espero que um dia você não se arrependa da escolha que fez hoje. Caso recupere seu poder estarei te esperando para quando vier atrás de mim. ― Disse Mundius por trás do vidro. Enquanto ele falava, uma luz piscava verde na parede de metal fazendo uma voz robotizada soar no local em volta de Rael.

― Eu agradeço por ter ajudado Roram, agradeço pelo que fez por mim, não importa quanto tempo passe eu não esquecerei essas coisas. ― Disse Rael firme de volta, encarando o homem que comparado a ele eraquase gigante. Ao lado de Mundius estava Hilda e Roram, Infinita tinha acabado de surgir ao lado de Rael.

― Boa sorte Herdeiro, espero que consiga recuperar sua posição no topo do universo. ― Disse Infinita com um leve sorriso, seu corpo piscou algumas vezes e estabilizou. Rael olhou de volta para ela e sorriu agradecido pelas palavras, isso tudo foi visto por Mundius com um olhar sério e penetrante, nesse momento, Hilda e Roram olharam o homem ao com expressões curiosas.

                Rael não entendeu bem o que se passava entre todos eles, nem porque Infinita parecia ser vista com mais peculiaridade que os demais. Especialmente por Mundius.

― Está pronto? Quando eu acionar o comando você sentirá uma pressão nas pernas, seu corpo será atirado para baixo com muita velocidade, mas a energia irá parar antes de você atingir o chão, fazendo você ter um pouso tranquilo.

― Estou pronto. ― Disse Rael olhando de lado vendo em um painel na parede, havia a imagem de um globo gigante, com tons verdes, azuis e amarelos. Roram havia dito antes, que esse era o planeta para o qual ele seria mandado, visto magicamente através de um tipo de foco.

― Muito bem, prenda a respiração e me de um sim com a cabeça. Precisará manter a respiração presa por aproximadamente trinta segundos. Após esse tempo você já conseguirá respirar novamente. ― Explicou Infinita.

                Rael olhou uma última vez para as pessoas por trás do vidro grosso, especialmente para Roram que apertava uma das mãos e depois se virou para Infinita, dando assim o comando pedido. Infinita sorriu e no segundo seguinte, Rael sentiu um forte vento varrendo seu corpo. A visão ficou turva e tudo em volta borrado. Várias e várias luzes passaram-se como um piscar de olhos enquanto Rael continuava segurando o folego como fora explicado. Suas pernas pareciam pesadas de fato como mencionado por Infinita, presas e seguras sobre esse pequeno círculo de metal embaixo.

                Não demorou muito para a velocidade baixar e Rael conseguir ver no céu a enorme nave que antes estivera dentro dela. Ele agora caia por entre as nuvens em uma rápida velocidade, mas nada comparada como a de antes.

― ‘Já posso respirar.’ ― Constatou Rael enquanto olhava o mundo se expandido em volta conforme ele caia.

                Em poucos segundos ele pousou no topo de uma montanha. A plataforma redonda de metal sobre o qual ele havia vindo em pé, piscou algumas vezes e depois se desligou. No céu, a enorme nave começou a se mover e sua sombra foi saindo de cima do planeta, deixando a luz do Sol voltar para algumas partes.

― ‘O que será que aconteceu com Isaac e Lana?’ ― Rael não pôde deixar de se perguntar enquanto pensava neles, se lembrando de quando viu essa sombra a primeira vez. Ele ainda não havia dormido para avisar as guardiãs e as violadoras sobre seu encontro com um dos homens mais perigosos do mundo.

― Mas agora eu sei em que planeta estou. Ele se chama Estrela do Céu e é um planeta de porte comum. ― Roram havia mencionado o nome a Rael, quando ele dissesse as violadoras, Violeta daria um jeito de chegar até ele.

                A pressão do solo desse planeta era de fato maior, aqui a energia de cultivo era mais abundante e cheia de vigor, Rael também sentiu uma leve oscilação na respiração, como se fosse um pouco mais difícil de respirar.

                Rael sentiu um vazio por mais uma vez estar sozinho em um terreno novo, esse era um novo planeta no qual ele nunca havia pisado, tudo que ele sabia era o nome e um pouco sobre os níveis do mesmo.

― ‘Será que a averiguação deles é realmente precisa? Aqui não encontrarei nem deuses nem outras violadoras?’ ― Pensou Rael enquanto olhava ao redor. A montanha em que ele estava era alta dando assim, uma boa visibilidade aos arredores. Haviam pequenas vilas, rios e algumas cidades maiores no horizonte.

                Era hora de se situar, buscar informações e analisar os terrenos em volta, descobrir sobre as pessoas desse mundo. Reunir informações o mais rápido possível era a parte mais importante para Rael, assim como ocultar seu segredo dele ser o Herdeiro.

 

~* ~

 

                Em um mundo já conhecido por todos nós a paz reinava abundante agora. Mara estava parada debruçada sobre a janela de seu quarto olhando a vista lá fora e imaginando como estaria Rael e os demais que se foram. Ela sentia muita saudade de seu marido e não conseguia esconder isso, sua barriga continuava crescendo e se desenvolvendo, logo ela teria a filha de Rael.

― Fazendo uma pausa hoje? Achei que iria te encontrar cultivando. ― Disse Natalia saindo de um buraco negro que surgiu de repente diante dos olhos de Mara.

― Hoje não me senti muito bem, acordei preocupada e não consegui parar de pensar em Rael. ― Admitiu Mara sem se assustar com Natalia. Natalia agora estava aprendendo a controlar melhor seus poderes, isso fazia ela viajar por pequenos espaços de escuridão, o chamado Mundo Morto numa versão diferente da de antes.

― Eu me sinto assim todos os dias, se eu fosse parar de cultivar ou de treinar minhas habilidades por causa de preocupação eu nunca mais faria nada. Vamos anime-se, eu te levo até lá. ― Natalia formou um sorriso e atravessou a parede entrando no quarto e tocando no ombro de Mara. Essa era uma nova técnica de Natalia, bastante parecida com Espaço Ilusório de Rael.

― Hoje não prima, eu só quero descansar.

― Se fizer isso mais vezes, vou começar a te chamar de Anita. ― Brincou Natalia. Mara sorriu bobamente se lembrando das constantes brigas de Alana com a irmã mais nova para a mesma se esforçar e cultivar mais.

― Acho que nunca vou chegar perto dela. ― Disse Mara. Natalia a abraçou por trás e se enroscou no pescoço de Mara.

― Eu não deixaria, seria muito pior que Alana. ― Disse Natalia e mordeu carinhosamente a orelha da prima.

― Como está a princesa Nastácia? ― Perguntou Mara sorrindo devido o carinho recebido.

― Se esforçando devidamente.

― E ao que devo sua visita? Veio me contar alguma novidade?

― Sim, eu fiz uma visita ao continente norte, não aguentei esperar pela evolução de Nastácia. ― Disse Natalia e soltou a prima erguendo a mão. Nesse instante cinco dezenas de reinos finais com auras da morte surgiram diante dos olhos de Mara a assustando um pouco a pegando de surpresa. ― Fui falar com eles, mas eles não eram muito sociáveis então fiz um massacre e os escravizei depois de mortos. Peguei metade deles e deixei sobre as ordens de Nastácia a outra metade vou deixar sobre suas ordens. Eles obedecerão a vocês durante um ano, com minha ausência durante esse tempo sem nutrir seus espíritos, eles irão desaparecer, mas acredito que até lá as coisas se resolvam por aqui.

― Por que isso de repente? ― Perguntou Mara surpresa.

― Por que vou atrás de Rael e os outros, já aprendi mais do que o suficiente. Faz um mês que eles partiram e não deram mais notícias. Essa espera está insuportável. ― Disse Natalia deixando Mara um pouco ansiosa.

― Prima eles disseram para você esperar lembra. Rael não vai gostar de saber que você se foi quando ele nos visitar ― Lembrou Mara.

― Eu sei que eles disseram que viriam de tempos em tempos, mas não consigo mais ficar aqui, eu tenho que ir. ― Disse Natalia decidida. Pelo olhar em sua face, não havia nada que Mara pudesse dizer.

                Depois de passar os comandos a Mara. Natalia partiu para se despedir dos últimos amigos e seguir sua escolha. Mara teve que aceitar em silencio enquanto torcia mentalmente para Rael estar bem e sua prima também ficar bem.

________________________________________________________________

Como muitos já devem ter ciencia temos um grupo fechado "Pago" que estamos quase em 500 capítulos sendo lançado 10 a 12 por mês. Esse grupo não tem qualquer ligação com a Saikai ou qualquer outro grupo de lançamentos, é apenas do autor "Eu" e os apoiadores que fazem as doações mensais para manter o andamento dos capitulos. Para fazer parte desse grupo e poder ler os outros capítulos que estão mais adiantados em mais de 150 capítulos basta fazer uma doação de 20,00 reais. Caso tenha interesse entre em contato com o wasap (11) 9990-19307

"Spolier... Rael já tem seis Filhos"

Por Lord Letal | 10/07/20 às 16:53 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama, +18