CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 36 - Inicio do Evento

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 36 - Inicio do Evento

Tradução: Lord Letal | Revisão: Sneed - Nego

Dois mil e oitocentos pontos, terceiro reino nível um, quinze anos. As pessoas não cansavam de esfregar os olhos e olharem de novo. Aquilo era mesmo o resultado de alguém do terceiro reino? A multidão tinha feito um silencio de morte. O fiscal não sabia se reiniciava o teste ou não, ele estava em duvida sem saber se o artefato poderia estar com problemas.

            Rayger e os irmãos de Mara tinham olhos arregalados. Rael era um monstro para alguém do terceiro reino, todos eles concordavam que Mara tinha feito uma excelente escolha em termos de força. Mara também estava impressionada e feliz, Rael era afinal seu noivo e seu futuro marido. Ela sabia que seu pai pretendia fazer um anuncio assim que o evento acabasse.

            Adrian, Ariane e outros protetores estavam em outra parte da multidão. Ariane estava lá de boca aberta enquanto Adrian estava com uma expressão muito aliviada, ele se lembrou que pediu desculpas a Rael e aquilo agora tirava um grande peso de seu coração.

            Isabela e seu grupo, ficaram em silencio olhando Rael do outro lado. Todos que passavam avançavam para o outro lado do palanque para manter o controle.

            James baixou a cabeça incomodado, aquilo não podia ser verdade, Rael não podia ter toda aquela força, era impossível. Ele não queria acreditar naquela possibilidade.

            Rose tinha esperado Rael e somente depois os dois atravessaram juntos para o outro lado. Não houve aplausos, a multidão estava incrédula demais pra bater palmas e o fiscal ficou parado sem tomar qualquer decisão.

            Quando Rael se reuniu com os demais participantes, apenas aguardou de mãos dadas com Rose todos os outros terminarem.

Mara estava deprimida em seu canto porque Rose estava tomando o lugar dela. Se por um lado estava feliz pela força de Rael pelo outro estava triste.

            Os testes encerraram e todos os que podiam participar do evento estavam finalmente separados.

― Antes de mais nada. Uma salva de palmas para o homem por trás de toda a ideia e o desenvolvimento do evento, Carmos meu braço direito, e meu vice ― disse o prefeito. A multidão aplaudiu o homem mesmo não sabendo ainda que evento seria. Podia-se notar que Carmos estava um pouco tenso, ele balançou a cabeça nervosamente em resposta as pessoas. O prefeito ficou satisfeito e voltou a atenção a multidão para continuar.

― Agora que todos foram separados eu darei inicio as explicações. O evento desse ano se chama Caçada na Ilha. Vocês serão todos teleportados para uma grande ilha. Nessa ilha procurarão por jóias como essa ― disse o prefeito mostrando uma esfera brilhante amarela entre seus dedos. Ela era redonda e um pouco menor que um ovo. ― Existem um total de cinquenta esferas dessas espalhadas e escondidas dentro de pequenos baús escuros, o grupo que trouxer mais vence em primeiro lugar. Teremos prêmios surpresas para o primeiro, segundo e terceiro lugar.

            O prefeito fez uma pausa e todos começaram a discutir. O evento desse ano não poderia ser visto por ninguém. Os participantes seriam enviados para uma ilha distante e ninguém podia dizer o que poderia acontecer.

― Vocês devem saber também. A ilha terá bestas de rank C e possivelmente até outras de C+, será um evento perigoso e caso aconteça algo a responsabilidade é do próprio participante. Todos que passaram no teste podem escolher desistir agora ou permanecer, caso queiram, podem formar grupos isso não é proibido. Não há regras porque não teremos como acompanhar vocês. Vocês estarão todos por conta própria ― disse ele fazendo outra pausa. Depois continuou.

― Devo mencionar também, que foi preparado centenas de possível locais de teleportes dentro da ilha, de modo que vocês não sairão no mesmo local. Para saírem no mesmo local os grupos devem dar as mãos antes de tocar no cristal.

― Para voltarem vocês devem se dirigir para a entrada do vulcão ao norte da ilha. O evento terá duração de um dia. Em vinte quatro horas, nós iremos com uma equipe resgatar qualquer um que ainda esteja pela ilha ― disse ele fazendo uma nova pausa.

― Agora o ultimo aviso. No vulcão existe uma passagem a direita, uma pequena caverna com vários selos e uma parede de proteção que criamos. Esse local não pode ser acessado porque qualquer pessoa que tente entrar tem morte instantânea por alguma razão desconhecida. Nós passamos anos tentando descobrir o segredo daquele local e não tivemos sucesso, por isso apenas selamos. De qualquer modo não é perigoso desde que vocês não tentem entrar ― ele fez mais uma pausa e fez um sim para a assistente.

A assistente desceu do palanque e mexeu na lateral do artefato Equilíbrio. Ela liberou um tipo de trava e abriu uma porta revelando um cristal de teleporte. Aquele era um item extremamente raro, para funcionar deveria ser preparado em um local com pelo menos um mês de antecedência sem mudar ou mover. O palanque escondeu o cristal durante todos esses dias.

― Vocês ouviram tudo sobre o evento. Quem decidir desistir pode fazer isso agora, não será um evento fácil. Esse é segundo evento mais perigoso que criamos até hoje ― disse o prefeito.

            Os participantes começaram a conversar entre si. Vários começaram a se retirar porque sabiam que aquilo iria ser perigoso. Além de bestas os grupos iriam se encontrar e se enfrentar. Por não haver regras as coisas podiam ser realmente complicadas. O grupo de Isabela não era o único preferido, haviam outros usuários fortes que estavam até mesmo no sexto reino.

            Cinco minutos depois permaneceu cerca de metade dos participantes. O prefeito havia esperado todos tomarem suas decisões para só então dar continuidade.

― Essa é a ultima chance. Ninguém mais quer desistir? ― perguntou o prefeito. Os participantes já haviam se decidido.

― Formem uma fila perto do cristal e se preparem. Grupos devem tocar o cristal juntos.

            Rael e Rose seguiram os outros. Haviam grupos e participantes solos. No caso Rael e Rose eram uma dupla.

            Rael e Rose chegaram diante do cristal depois de alguns grupos já terem entrado. De mãos dados eles tocaram no cristal. O chão abaixo sumiu, o céu em volta e todas as coisas desapareceram sendo trocadas para um brilho branco. Os dois caíram em cima de uma grama depois de se atordoarem. O local em volta tinha uma vasta vegetação, muitas arvores, gramas e arbustos para todos os lados. Podia-se ver e ouvir pássaros cantando e voando pelo céu.

            Rose e Rael ficaram sentados ao primeiro instante acompanhando a bela vista, depois se levantaram.

            Rose ficou em silencio por um tempo parada. Rael já tinha caminhado em volta olhando varias direções e Rose ainda não se movia.

― ‘Rose qual é o problema?’ ― perguntou Rael mentalmente.

― ‘Não sinto mais a essência da minha mãe’ ― explicou Rose ainda parada.

― ‘Será que é porque não estamos bem longe de antes? Eles não disseram se essa ilha era perto de onde estávamos’ ― supôs Rael de volta em pensamentos.

― ‘Não, há algo de errado com esse lugar. Eu consigo sentir a essência da minha mãe desde que ela esteja nesse mundo, mas desde que chegamos aqui não sinto nada’ ― disse Rose.

            Rael parou pensando em algo que poderia bloquear o senso celestial de alguém. Depois de pensar por alguns simples segundos ele descobriu rapidamente.

― ‘Campo absoluto’ ― pensou Rael deixando Rose ouvir.

― ‘O que é esse Campo Absoluto?’ ― perguntou ela de volta curiosa. Agora ela estava olhando para Rael.

― ‘É quando selam completamente uma área para nenhuma energia ou sinal vazar para fora. Por isso é chamado de Campo Absoluto. Quem está aqui dentro consegue sentir um ao outro quando próximos, mas para fora não sentimos nada e ninguém nos sente’ ― explicou Rael. Embora ele estivesse confuso porque os envolvidos criariam um evento como aquele e fechariam as portas para o sentido do mundo.

― ‘Rael isso é impossível, o meu sentido familiar é diretamente na fonte da existência, na alma, a essência, isso não pode bloquear a alma certo? Mesmo que eles tenham bloqueado nosso sentido de energia’ ― disse Rose de volta.

― ‘Por isso é chamado de Campo Absoluto, eu sei que você sente sua mãe pela essência, é por isso que eu sinto você a quilômetros porque tenho um pouco da essência desde que sua mãe me passou esqueceu? Embora não seja forte como a sua. O fato curioso dessa história é o por que eles teriam todo esse trabalho com um evento? Eles disseram que seria perigoso, mas aposto que deveria ter sido um blefe, varias famílias poderosas estão participando e não iam deixar seus membros correndo riscos abertamente’ ― disse Rael de volta.

― ‘O que eles poderiam querer bloquear lançando esse Campo absoluto além do meu sentido familiar?’ ― perguntou Rose mudando o foco da questão.

― ‘A Ligação da alma! Ou Registro da Alma’ ― disse Rael mentalmente arregalando os olhos. ― ‘Depois que Rayger mostrou tanto interesse sobre eu não ter esse registro, eu descobri algumas coisas interessantes a respeito. Também descobri sobre a Ligação da Alma, embora não faça ideia de como.’ ― disse Rael embora não soubesse de onde.

― ‘Não importa continue’ ― disse Rose.

― ‘Uma pessoa que recebeu o a Ligação da Alma, está ligada diretamente ao Pilar da Alma da família. Desse modo, se ela morrer de repente, o ultimo fio de sua alma é enviado para o Pilar,com todas suas últimas lembranças dentro de vinte quatro horas, assim eles descobrem quem estar por trás do assassinato’ ― disse Rael mentalmente. Rose e Rael ficavam se olhando enquanto conversavam pela mente.

― ‘E qual a diferença do Registro da Alma?’ ― perguntou Rose.

― ‘O Registro da Alma não passa todas as lembranças, ela passa apenas a imagem do assassino, aquele que deu o ultimo golpe, se ele estiver de capuz, tudo que verão será alguém e capuz. O Registro da alma é apenas um apoio para a Ligação da Alma. Isso porque uma pessoa que contem o Registro da Alma, matar alguém com a Ligação da Alma é completamente descoberta, A Ligação da Alma puxa todos os dados de Registro do assassino.’

― ‘Então todos tem essa Ligação da Alma?’ ― perguntou Rose.

― ‘O Pilar da Alma de cada família é apenas um e eles não podem ligar todos, porque o pilar não suporta. Eles ligam apenas os mais importantes membros. Lideres, Elders, filhos importantes etc. O restante da família recebe apenas o Registro da Alma’ ― explicou Rael aliviado se lembrando do que fez a Sergio e aos outros. Se eles tivessem a Ligação da Alma. Rael estaria perdido naquela época.

― ‘Voltando ao ponto. Acha que eles iam fazer tudo isso para ferir você ou a mim?’ ― perguntou Rose curiosa porque não entendeu todo o raciocínio, ela estava mais preocupada com eles obviamente.

― ‘É claro que não, nós não temos nem o registro quanto mais a ligação, se eles fizeram tudo isso foi para alguma outra pessoa, talvez alguém de uma família importante e eles não querem que descubram. Tudo pode ser também apenas fruto da nossa imaginação’ ― disse Rael rapidamente em seguida.

― ‘O que vamos fazer?’ ― perguntou Rose.

― ‘Vamos começar a procurar pelas esferas, se algo der errado eventualmente vamos descobrir’ ― disse Rael dando os primeiros passos para o Sul. Rose o acompanhou correndo.

            Rael e Rose mal começaram a caminhar e deram de cara com um guardião do império caído ao chão. Reconheceram pelas roupas e pelo grifo estampado. Ele estava morto com uma expressão miserável. Seu rosto estava verde, seus olhos vermelhos, arregalados e boca aberta suja de sangue. Rael notou que ele havia vomitando uma grande quantidade de sangue antes de morrer. Até a terra estava manchada em volta com sangue.

― ‘Rael o que significa isso?’ ― perguntou Rose.

― ‘Eu ainda não sei vamos ver’ ― disse Rael tocando no homem e enviado sua energia para verificação. ― ‘Ele foi envenenado’ ― confirmou.

            Rael rapidamente tomou bracelete do homem e procurou algo que tivesse o veneno. Havia uma garrafa escura tampada e metade com metade de algum conteúdo dentro. Rael abriu e cheirou.

― ‘Poção do Oculto’ ― disse Rael depois da analise.

― ‘O que isso faz?’ ― perguntou Rose.

― ‘O próprio nome já diz. É para ocultar a aura de uma pessoa por até dias, mas não pode ser tomada em excesso por conter uma perigosa toxina que pode matar uma pessoa’ ― explicou Rael. ― ‘O usuário pode tomar isso uma ou duas vezes por toda sua vida’ ― disse Rael logo em seguida.

― ‘Então ele morreu tomando isso?’

― ‘Exatamente, essa porção está misturada com o veneno de “Lebras Agressivos”. Por isso morreu miseravelmente. Alguém o enganou misturando esse veneno. Essa Poção do Oculto é tóxica, mas não mataria alguém apenas por uma garrafa, desde que ele tome apenas essa não teria problema. Seja lá quem estiver por trás disso armou contra ele e provavelmente também está por trás do Campo Absoluto’ ― disse Rael depois de averiguar e guardou o veneno em seu próprio bracelete.

― ‘Então o que está acontecendo aqui?’ ―perguntou Rose.

― ‘Parece que estávamos certos desde o começo. Esse homem estava aqui para assegurar que não haveria mortes. Ele provavelmente ia nos seguir escondido usando a poção. Eu acredito que em cada ponto de teleporte possa ter um morto. Alguém fez algo para tirar completamente a segurança dessa ilha’ ― presumiu Rael agora já estava tendo uma ideia formada depois de saber do Campo Absoluto e agora encontrar essa outra evidencia. Em pensar que eles mal chegaram e já deram de cara com aquele problema.

― ‘No fim isso é ótimo!’ ― disse Rael se levantando com um sorriso.

― ‘Porque de repente ficou feliz?’ ― estranhou Rose. Ela não estava acostumada a senti medo como Rael.

― ‘Não sei o que está acontecendo, mas posso usar isso ao meu favor. Vi alguns membros do clã Torres e outros do clã Asura. Vamos limpar essa ilha desses lixos, aproveitando que nem o registro nem a ligação funcionará’ ― disse Rael mentalmente sorrindo friamente enquanto caminhava deixando o corpo do guardião para trás. Rose apenas o seguiu em silencio. Ela não tinha medo do que podia acontecer, mas diferente de Rael ela tinha um pouco de preocupação por não saber no que estavam prestes a se meter.

            No centro da cidade depois de todos os participantes já terem partido. As pessoas agora falavam animadas entre si. O prefeito estava sorrindo porque tudo que tinha dito até aquele momento não passava de uma encenação, todos os participantes estariam seguros porque haviam guardiões por toda a ilha e os mesmos iriam evitar que qualquer tragédia que pudesse ocorrer.

            Naquele instante um grupo de guardiões cruzou a praça apressados e seguiram diretamente para o palanque. A multidão ficou confusa.

― Senhor temos um problema. Nós estamos enviando mensagens para os nossos homens presentes na ilha, mas não estamos tendo respostas. Antes de começar o evento estava tudo bem e agora nada ― disse o capitão daquele grupo de guardiões.

            No meio da conversa seu vice desceu caminhando e se aproximou do artefato Equilíbrio, na parte do cristal de teleporte. Ele estava suando, algumas pessoas da multidão perceberam que o homem parecia bem nervoso.

― Carmos o que está fazendo? ― perguntou o prefeito olhando o homem. Agora que ele ia precisar da ajuda de seu braço direito ele estava saindo de perto.

            Carmos chegando em frente ao cristal. Abriu o compartilhamento de proteção, Juntou energia no pulso e golpeou quebrando o cristal em pedaços. A multidão, o prefeito, a assistente e todos os guardiões olharam chocados para aquela cena. Quem podia acreditar que o próprio Carmos ia fazer tal coisa? Um homem bom e de respeito que já estava a anos ajudando o prefeito.

― O que isso significa Carmos? ― perguntou o prefeito agora em um tom mais grave.

            Os guardiões não precisaram ouvir mais nada. Rapidamente cercaram o vice e o acorrentaram que nem tentou reagir. Com o cristal de teleporte destruído ninguém podia chegar na ilha rapidamente.

            Em um local muito longe dali. Violeta estava costurando alguns vestidos usando sua aura. Eram roupas preparadas para Rika, diferente da filha, Rika tinha que usar roupas muito mais poderosas porque sua aura de combate poderia romper facilmente suas roupas. O poder da mãe não se comparava com o da filha.

― ‘Minha filha! Eu não sinto a essência dela!’ ― disse mentalmente Rika saindo do quarto batendo a porta. Violeta foi pega de surpresa sentada na cadeira.

― O que? ― perguntou Violeta de volta.

― ‘Se eles ousaram fazer algum mal a minha filha, eu mesma vou destrocá-los!’ ― disse Rika mentalmente furiosa passando apressada por Violeta.

― Rika calma! Você não sentir a essência de sua filha pode ter vários significados, não seja precipitada ― disse Violeta rapidamente tomando a frente de Rika, porque pelos pensamentos da mesma, já ia chegar no ultimo local que havia sentido a filha destruindo tudo.

            Rika estava furiosa, da ultima vez algo muito semelhante aconteceu com a filha. Ela permitiu que Rose andasse com Rael pelo bem de sua espécie e porque Rose precisava. Rose não era mais uma besta celestial, então ela não corria mais perigo, porém Rael mesmo havia dito que iria se meter em perigos.

― ‘Eu não vou ficar aqui sem saber o que houve com minha filha! Se você quiser vim comigo venha, mas não tente me impedir! Eu respeito plenamente você, mas prefiro morrer do que ficar de mãos atadas sem saber como está minha filha’ ― pensou Rika firmemente. Violeta pensou rápido e respondeu.

― Tudo bem nós vamos, mas faremos as coisas do meu jeito ― disse ela. Rika ficou aliviada, porque ela não queria de forma nenhuma ofender Violeta. Mas teria o feito por sua filha se fosse necessário.

Por Lord Letal | 28/11/17 às 23:09 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama