CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 54 - Violeta Aparece

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capítulo 54 - Violeta Aparece

Tradução: Lord Letal | Revisão: Sneed - Nego

Rika estava parada de frente a um espelho na parede da sala treinando sua própria fala e suas feições. Violeta tinha insistido que ela deveria aprender a se comunicar normalmente caso houvesse alguma necessidade ela já estaria preparada.

― Fa-lar, é, mui-to, com-pli-cado ― disse Rika pausadamente.

― Vai pegar o jeito basta continuar treinando ― disse Violeta sentada de frente a mesa. Ela estava diante de vários pergaminhos abertos. Esses pergaminhos continham escritas divinas antigas e parecia falar de algum tipo de formação.

― ‘Não acha que faz muito tempo que eles não vêem nos ver?’ ― perguntou Rika mentalmente.

― Se eles estão bem o que importa? E fale com a boca para ir se acostumando ― disse Violeta passando o dedo sobre algumas escritas, como se tivesse acabado de achar algo importante.

― Des-cul-pe ― disse Rika com dificuldade.

― Pelo que estou vendo aqui vou precisar de mais pessoas com o nível de cultivo próximo ao meu. Isso vai demorar pelo que vejo. Eu pensava que já tinha adiantado metade do trabalho ― reclamou Violeta e empurrou os pergaminhos irritada para longe dela. Não havia ninguém próximo com a cultivação próxima a dela.

― Eu, não, po-sso, aju-dar? ― perguntou Rika.

― Eu não sei, talvez se sua filha evolui vocês duas juntas possam fazer algo, não é certeza, as instruções pedem um nível de poder muito alto ― disse Violeta.

― Co-mo um sim-ples... ― quando Rika estava prestes a completar o que ia dizer Violeta saltou da cadeira sentindo o chamado.

― Rael está com problemas ― disse Violeta e como um vulto correu passando pela porta. Algumas vasilhas caíram, panelas se bateram, até a mesa e algumas cadeiras se tremeram. Rika parou tudo que estava fazendo e ficou olhando a bagunça deixada.

                Violeta passou pela caverna de bestas divinas como um flash, ela estava tão veloz que as bestas só perceberam algo de estranho quando uma forte ventania soprou contra elas. As bestas ficaram todas de pé e atentas achando que estavam sendo atacadas, podia-se ver pescoços e olhos se movendo em todas as direções.

Em segundos, Violeta já rasgava o céu em uma velocidade inexplicável. Ela estava com o coração aos saltos pensando em como Rael poderia estar, porque ele não a chamaria por qualquer motivo. Pelo menos era o que ela acreditava. Ela não parava de pensar sobre o tanto de coisas que havia feito para Rael não ser descuidado...

                Uma vez que pergaminho fora ativado, ele se queimou alguns segundos depois nas mãos de Rael sem restar mais qualquer vestígio.

                Mara que estava ao lado da mãe estava um pouco ansiosa, porque assim como todos que conheciam Rael, queriam saber quem era a mestra por trás dele. Rael tinha demonstrado habilidades estranhas e uma força que superava até reinos acima de seu próprio poder, então isso levantava qualquer curiosidade.

― ‘Rose assim que Violeta chegar avise ela o mais rápido possível para que ela não ataque ninguém. E explique porque eu a chamei’ ― pediu Rael mentalmente para Rose.

― ‘Pode deixar’ ― disse Rose concordando.

― Sua mestra reside por aqui próximo Rael? Em quanto tempo acha que chegará? ― perguntou Neide curiosa.

― Talvez alguns minutos. Ela mora um pouco longe, mas com sua velocidade ela chegará rápido. Ela achará que eu estou com problemas então espero que vocês entendam, se qualquer problema ocorrer durante o processo ― disse Rael e olhou para Rayger. Rayger desde o começo não queria permitir a partida de Rael sem protetores, agora ele começava a pensar diferente. Se o que Rael estava dizendo fosse verdade, a mestra dele seria uma pessoa de poder monstruoso capaz de abalar os céus.

                A cidade de Toravan sempre fui muito calma desde que o clã Torres se fazia presente. Isso porque também era a cidade do imperador. Ao fundo do outro lado oposto ao do território Torres, se encontrava o castelo imperial Grifem. Um castelo grande, majestoso e bem cuidado, com estruturas lindas, varias torres espalhadas e uma grande muralha cercando. Havia guardiões por vários locais do castelo

                Um vulto vermelho passou rápido e com ele as nuvens acima foram puxadas formando um tipo de linha sinistra em V. Todos que levantavam a cabeça naquele momento podiam ver as nuvens contorcidas no ar pelo estranho vulto que havia acabado de cruzar indo para a outra ponta da cidade. Mesmo estando numa altura alarmante um vento forte soprou contra a cidade segundos depois que o vulto passou. Varias mulheres jovens tiveram de segurar suas saias e seus cabelos.

                Rael sentiu a energia de Violeta se aproximando, fazia cerca de um pouco mais que quatro minutos que ele havia usado o chamado e ela já estava chegando. Rayger e Neide se olharam porque sentiram a poderosa energia a caminho. Rose na mesma hora já se concentrou como Rael tinha pedido e começou a tentar entrar em contato.

                Em um simples instante Violeta parou flutuando acima de Rael a uns trinta metros acima de todos. Um forte vendo foi trazido com ela e pessoas quase chegaram a cair no chão tamanha era a força. Violeta estava usando um vestido vermelho então todos puderam ver que ela era muito linda. Violeta era afinal uma sedutora mulher com aparência de uns vinte anos.

                A aura vermelha e escura de Violeta se misturavam como correntes em volta do corpo dela e era espalhado por todas as regiões do corpo. A maior parte das pessoas ali presentes ficaram quase congeladas diante de tão pressão obscura. Ninguém estava acostumado a sentir uma aura tão gélida e ao mesmo tempo tão poderosa. Ninguém nem se quer era capaz de dizer em que nível Violeta estava.

                Violeta era como uma deusa belíssima e reluzente tirada do céu. Seus cabelos vermelhos longos pareciam quase fogo se balançando no ar enquanto encarava na direção dos que estavam próximos a Rael.

                A chegada dela tinha deixado todo o ar pesado, até mesmo o tempo parecia ter escurecido em tom estranhamente vermelho. Violeta quase não economizou forças para vim atrás de Rael, seus olhos estavam negros e cheios de raízes espalhadas pelo rosto, mas isso não a impedia de continuar linda aos olhos de qualquer um.

                Violeta foi cercada por vários cultivadores voadores, a guarda capacitada do clã Torres. Havia pelo menos cem deles presentes e mais estavam se reunindo. A chegada de Violeta não havia sido avisada, então de ante mão ela estava sendo considerada uma invasora.

― Parem todos! Ela é uma convidada do clã! Não sejam rudes e voltem para os seus postos imediatamente! ― Rayger usou uma pedra do eco para falar com todos os guardas.

                A cidade estava parada devido a presença de Violeta e eram poucas as pessoas que eram capazes de continuar no seu estado normal depois da chegada dela. Porque mesmo os mais fortes não estavam conseguindo ter certeza do nível de Violeta. Para um cultivador forte não sentir o nível de alguém é assustador, porque para ele aquela pessoa só pode estar em um nível acima ou muitos acima.

                Os guardas imediatamente recuaram aliviados. Porque enfrentar um oponente de tal poder majestoso seria desastroso.

                Rose já havia passado a atual situação a Violeta que tinha parado para ouvir. Violeta estava furiosa com Rael, porque ela veio com o coração quase saindo pela boca e tudo porque Rael estava preso nas regras do clã Torres. De certa forma o surgimento dela diante de todos, poderia ajudar Rael mesmo que fosse indiretamente e a ideia dela era nunca ter saído das cortinas, mas já que tinha saído...

― Mestra eu peço seu perdão, o senhor Rayger não sabia que você odeia ser importunada. Quando disse que ia visitá-la ele queria me enviar protetores juntos ― disse Rael baixando a cabeça enquanto Violeta descia graciosamente no ar reduzindo sua aura até o ponto em que não restou quase mais nada. Finalmente ela pousou no chão, seus olhos agora estavam normais e seus cabelos escondiam qualquer sinal dos chifres.

                Quando Violeta escondeu seu poder o tempo em volta voltou a clarear e aquele tom avermelhado escuro foi desaparecendo gradualmente. Um cultivador com tal poder era algo muito assustador.

                Rayger quase perdeu a fala diante de tal beldade agora mais próxima. Violeta não era apenas forte, era linda, atraente, tinha um ar soberano e impactante quase como se fosse realmente uma deusa. A pele, as curvas do corpo, Violeta era naquele momento a mulher mais perfeita que muitos homens e mulheres naquele dia estavam vendo e iriam se lembrar disso pelo resto de suas vidas.

                Neide ficou fascinada. Ela imaginou que Rael tivesse uma mestra forte, mas nunca nem em mil anos imaginou que essa mestra pudesse ser tão forte e tão chamativa. Tal presença, tal poder, tal ar de grandeza. Neide como mulher se sentiu humilhada, pisada e destroçada.

Mara não estava se sentindo diferente. Mesmo que ela fosse jovem e bela, ainda lutava por Rael em um combate justo contra Rose, mas se aquela mulher decidisse entrar na briga, Rael nunca mais seria dela, nem os próprios deuses poderiam pega-lo de volta. Violeta era sem duvidas uma mulher de beleza indiscutível.

― Faz ideia do quão irritada estou? Me fez sair do meu sagrado treinamento para vim aqui pra isso? Estão fazendo piada com a minha cara? ―perguntou Violeta olhando Rael depois passou o olhar sobre Neide, Rayger e Mara. Mara quase perdeu o ar, porque ela sentiu como se Violeta estivesse olhando no fundo da alma dela, quase como se quisesse a destruir com apenas os olhos.

― Mestra não precisa ficar tão irritada, eles não sabiam. Estes são o senhor Rayger, senhora Neide e Mara minha noiva ― explicou Rael estendendo a mão na direção de cada um. Ninguém tinha ainda se recuperado do choque, todos pareciam presos em algum tipo de hipnose.

― Eu Rayger, futuro sogro de Samuel e primeiro elder do clã Torres, te dou as boas vindas. Apesar de termos sido apresentados, eu ainda não sei como deveria tratar a senhora ― disse Rayger sendo educado e a reverenciou levemente.

― Me chamo Violeta ― disse Violeta um pouco mal humorada.

― Pedimos desculpas, não tínhamos intenção de preocupá-la ― se adiantou Neide também a reverenciando. ― Queríamos enviar protetores porque temíamos pela segurança de seu discípulo.

― Estou mais preocupada com essa garota ― disse Violeta estendendo a mão e fazendo Rose ir até ela. ― Se alguém apenas sonhar em machucar essa garota ai vocês realmente me verão preocupada. ― disse Violeta abraçando Rose de lado. Rael conteve uma risada ainda de cabeça baixa, porque percebeu que Violeta estava fazendo aquilo de propósito para afastar o foco da preocupação dela. Ela nunca quis se envolver na vingança de Rael e ele não queria jamais ter feito isso, mas não teve qualquer opção melhor.

                Podia-se notar um olhar de alivio nos olhos de Mara. Porque ultimamente ela vinha mesmo tratando Rose melhor.

― Então a senhora Violeta conhece o nosso clã? Se não conhece gostaria de conhecer? Eu poderia convidá-la para um chá? ― Rayger se antecipou. Ele estava curioso e queria saber mais daquela bela mulher, de sua cultivação e os segredos que estariam por trás dela.

― Chá? Por acaso acha que eu tenho tempo a perder com drogas de chás? Eu tenho muito o que fazer ainda mais depois dessa grande perda de tempo. Que fique bem claro que da próxima vez vocês podem deixar meu discípulo parti sozinho. Ele pode se virar, afinal eu sou a mestra dele ― disse Violeta que parecia impaciente.

― Desculpe se meu marido pareceu rude com a senhora, nós só queríamos conhecê-la melhor. A senhora é sem duvidas uma grande mestra, treinar discípulos como você treinou esses dois é louvável. Mesmo com apenas quinze anos esses dois são tão poderosos. Qualquer pessoa no mundo ficaria honrada por ter qualquer conversa com a senhora ― disse Neide sendo a mais cordial possível.

― A única conversa que eu quero ter, é com meu discípulo por ter me chamado em vão ― Violeta não queria ser muito rude, mas não conseguiu evitar, se ela fizesse corpo mole no futuro essas pessoas iriam aborrecê-la.

                Violeta não disse mais nada. Ela apenas abriu os braços e começou a flutuar. As mãos abertas apontavam cada uma na direção de Rose e Rael. Ambos os dois foram envolvidos por um circulo de energia vermelha e escura e começaram a flutuar seguindo abaixo dela.

                Os guardas já tinham todos se afastado, mas isso não queria dizer que não estavam por perto vigilantes. Todos ficaram atentos para o caso de algo sair errado, então estavam ali próximos espalhados pelo solo da cidade.

                Todos ficaram apenas olhando Violeta partindo a frente e Rose e Rael sendo levados pela aura dela. Em poucos segundos eles sumiram completamente no horizonte.

                Rayger, Neide e Mara estavam em silencio. Eles sempre acharam que a mestra de Rael era alguém forte, mas nunca pensaram que poderia ser tão forte assim.

                Neide nunca tinha valorizado Rose até aquele momento, sua sorte era a sua maneira de tratar as pessoas. Tudo bem que ela não tratava Rose bem, mas também não a incomodava nem ofendia. Ela e o marido sempre foram assim, focalizados no que era importante e Rose nunca pareceu atrapalhar nada. Nem mesmo sua filha tinha reclamações dessa garota. Quando Violeta disse que Rose era importante para ela, na mesma hora ela começou a pensar em mudar a forma que tratava Rose.

― Já ouviu falar de alguma Violeta antes? ―perguntou Rayger olhando de lado para a esposa.

― Não ― disse ela sem pensar muito. ― Eu nunca nem senti tal aura. Era quase como se tivesse a aura de uma besta ― disse Neide.

― Samuel demonstrou uma vez um poder parecido ― disse Mara chamando a atenção dos pais. ― Uma vez ele deixou boa parte de uma cidade tomada por escuridão, não sei como ele fez aquilo, mas vendo o poder da mestra dele acredito que deve está relacionado.

― Temos que saber mais sobre essa mulher, uma aliada assim não seria nada mal ― disse Neide e abriu um sorriso. Porque Mara e Rael estavam prestes a se casar, então de certo modo a mestra de Rael iria ter que se aproximar.

― Aqueles olhos negros, eu já vi algum lugar só não me recordo em qual ― disse Rayger levando uma mão ao queixo depois de pensar um pouco.

― Sim os olhos, eu acho que também já vi, talvez na biblioteca? ― perguntou Neide. Os dois se olharam em concordância, depois se viraram e saíram juntos. Mara ficou olhando o céu pelo qual a pouco Rael sumiu.

                Por um breve momento a paz da cidade de Toravan e do clã Torres foram levemente balançados...

Por Lord Letal | 28/11/17 às 23:37 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama