CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capitulo 83 - Cultivação (Parte 2)

O Herdeiro do Mundo (HDM)

Capitulo 83 - Cultivação (Parte 2)

Tradução: Lord Letal | Revisão: Yamasuke

Mara tinha percebido que depois do que ela disse os dois pareciam ter ficado acanhados. Cada um com seu empecilho em mente.

― Qual é o problema de vocês dois? ― perguntou Mara.

― Nenhum, só não queremos falar disso agora. Você queria saber como sua prima subiu de nível rapidamente? Eu curei as veias danificadas do corpo dela, é isso ― explicou Rael para mudar o foco do assunto.

                Mara se virou rapidamente para Rael e o olhou como se nunca o tivesse visto antes. Ela estava realmente impressionada com ele. Porque ela sabia que Rael não costumava mentir.

― Isso foi mesmo sério? ― perguntou ela chocada demais.

― Foi sim prima, ele realmente fez isso ― disse Natalia respondendo por Rael. Mara não sabia se olhava para Natalia ou para o quieto Rael do seu lado.

― Mas como você fez isso? Você tem os equipamentos? Por que não estou vendo minha prima com ataduras? ― perguntou Mara.

Esse processo conhecido por alguns médicos, teria que abrir partes do corpo para consertar as veias por dentro e não era nada bonito, por isso que poucas pessoas ousariam fazer, além do preço que era um absurdo.

As pessoas que faziam esse processo, tinham que passar por um tipo de cirurgia que as vezes não terminava tão bem assim, além de deixar marcas no corpo, ainda podia deixar sequelas, que em vez de ajudar, poderia era piorar o corpo. Se Rael podia fazer isso com uma pessoa sem deixá-la correr nenhum risco. Ele só poderia ser considerado o maior gênio da história.

                Nesse aspecto, Mara tinha mais conhecimento que Natalia, por isso a surpresa dela era muito maior.

― Ele fez isso sem precisar me machucar, tudo que senti foi algumas pequenas fisgadas ― disse Natalia.

― Como? Samuel? Marido? Como fez isso? ― perguntou Mara que não conseguia parar de ficar impressionada.

Rael tinha mesmo apenas quinze anos? Aquele tipo de sabedoria era de velhos homens que passaram a vida inteira na medicina e tinham centenas de anos, então, como era possível Rael saber isso?

― Meus métodos são diferentes, se você quiser eu também posso fazer isso em você que é minha esposa ― disse Rael olhando Mara.

― Agora? De jeito nenhum! ― disse ela nervosa.

― Se meus pais souberem que você é capaz disso. Não, qualquer um souber você não terá mais nenhuma paz ― disse Mara olhando em volta um pouco preocupada e nervosa como se não tivesse certeza que ninguém mais estava presente.

― É só você não conta pra ninguém ― disse Rael que não esperava que consertar veias espirituais, fosse dar em algo tão sério.

― Marido escute. Não conte isso a ninguém e nem você prima ― disse ela olhando de um para o outro.

Eles eram a maior potência, mas Mara sabia que até aquilo era demais. A proteção de seu pai não ia tão longe assim.

                A maneira preocupada com a qual Mara disse aquilo mostrou que isso era muito sério. Rael não achou que seria, ele tinha pouco conhecimento dessa parte, a princípio ele pensou que liberar os Pontos de Poder fossem ser um problema muito maior que aquilo. Nem ele nem Natalia faziam ideia da profundidade das capacidades de Rael.

― Eu não vou contar nada ― disse Natalia que tinha entendido Mara.

― Isso é tão sério assim Mara? ― perguntou Rael chocado.

― É claro que é. Veias espirituais curadas podem dobrar a capacidade de cultivo de uma pessoa. Todas as pessoas têm uma parte das veias danificadas depois das liberações, que continuam ao longo dos anos. Se descobrirem que você pode curar sem riscos, você não terá paz nunca mais em sua vida ― disse Mara rapidamente.

― Eu não fazia ideia de que isso era tão importante ― admitiu Rael.

                Natalia agora estava mais pálida do que podia estar. A parte mais pequena de tudo que Rael havia feito era aquilo. Se Mara soubesse dos Pontos de Poder o que diria? Natalia percebeu que mesmo se vivesse dez vidas e fosse totalmente devota a Rael, ela ainda não poderia pagar tudo pelo que ele fez por ela.

― Eu não vou contar isso nem pros meus pais porque não sei como eles iriam reagir agora. Eu sugiro que você faça o mesmo. Ah! E não precisa olhar minhas veias, seria complicado se alguém chegasse aqui durante esse momento. Também não há necessidade, meu pai disse que eu nunca deveria cultivar nem mexer em qualquer coisa do meu corpo ― explicou ela.

― Tá bom... ― disse Rael lentamente. Ele claramente percebeu Mara preocupada.

― Vamos esquecer sobre esse assunto e não falar mais nada do mesmo. Se as pessoas perguntarem de Natalia você pode dizer que ensinou a ela novos cultivos e pronto. Agora vamos esquecer tudo isso, eu tenho que limpar e voltar, meu treinador está me esperando ― disse Mara se levantando.

― Prima, você quer ajuda? ― perguntou Natalia se levantando em seguida.

― Não precisa, eu cuido disso, fui eu mesma que fiz a bagunça ―disse Mara de volta.

Ela fez surgi uma vassoura e já começou a varrer o chão apressada, como se aquilo fosse ajudar a esquecer a última conversa.

― Volte a cultivar Natalia, eu quero falar com minha esposa ― disse Rael.

                Natalia obedeceu se afastando para uma área limpa e sentou-se. Depois em alguns segundos já estava concentrada cultivando, as energias já cercavam banhando o corpo dela. Natalia era como Rita quando cultivava, não ouvia nada.

― Você não deveria fazer o mesmo? ― perguntou Mara parando de varrer e olhando Rael de lado.

― Obrigado pelo que disse, eu não sabia que isso poderia ser tão importante. Você está cuidado bem de mim ― disse Rael de volta pra ela.

Em seu coração Mara já foi completamente aceita, ele só não estava pronto para dizer a verdade ainda.

― É claro que estou, você é meu marido, porque eu não cuidaria? Você também não cuida de mim? Você matou o Heitor pelo que ele fez a mim não foi? Eu sempre vou cuidar de você e sei que você sempre fará o mesmo por mim ― disse ela.

― Isso me deixa muito feliz. Eu achei que nunca encontraria pessoas que pudesse confiar, ainda mais aqui no clã Torres ― disse Rael.

― Falando assim você faz parecer que esse lugar é um terror. Rael nós não somos monstros ― disse Mara com um meio sorriso.

― Talvez você não seja, mas os pais dela ― disse Rael se virando para Natalia. ― Eles não tem nenhuma salvação.

― Agora ela está com você, não tem que se preocupar. Eu vou te apoiar mesmo que não entenda todos os motivos que fez você se interessar por ela. ― disse Mara.

― Você mudou muito desde que nos conhecemos Mara. Eu estou feliz pela suas mudanças ― disse Rael sorrindo para ela, era um sorriso sincero. Aquilo fez o coração de Mara disparar.

― Já chega dessa conversa, eu me sinto muito estranha quando ficamos falando assim ― disse ela sem jeito e voltou a varrer fugindo do olhar de Rael.

Porque por dentro seu coração tinha esquentado com um sentimento de conforto do qual ela não estava muito acostumada a sentir. Aquele era um sentimento verdadeiro vindo de um homem que ela já amava.

― Eu já pensei em te matar mais vezes do que posso contar ― disse Rael fazendo ela parar surpresa e olhar para ele. ― Ao longo do tempo eu mudei de ideia. Sabe, eu tinha planos grandes de fazer uma limpeza completa nesse mundo, depois de te conhecer e te acompanhar eu aprendi muita coisa. Você me fez ver o mundo um pouco diferente. As pessoas podem mudar, você mudou. Eu odiaria ter me casado com uma mulher de coração frio como você parecia ser no começo.

― Você ia mesmo me matar só por que eu não fazia seu tipo? ― perguntou ela preocupada.

― Você não se lembra? No começo, você forçou esse casamento ― disse Rael. Mara olhou para o lado se sentindo um pouco culpada.

― Eu tinha criado uma obsessão por você ― admitiu ela.

― Não era só isso, tinha muito mais envolvido. Como acabei de dizer, eu mudei de ideia.

― E quanto tempo exatamente faz isso? Foi desde aquela época que ameacei Rose? Você me pegou pelo pescoço, aquilo era sério? ― perguntou ela se voltando para Rael.

― Sim era sério, você estava ameaçando pessoas queridas pra mim e naquela mesma época você tinha tentando matar Rita, então eu estava furioso com você ― admitiu Rael.

― Acho que mereci isso no final das contas ― disse Mara aceitando. Ela percebeu que Rael estava sendo sincero.

― Eu estou feliz de estar com você e espero que você continue assim ― disse Rael.

― Desde que você não diga de novo que já quis me matar, acho que posso ficar bem ―disse Mara e abriu um sorriso.

Ela conhecia Rael muito bem pra saber que todas as palavras dele eram muito sérias. Ela nunca deixou de ficar surpresa, Rael sempre dizia a verdade sem se incomodar com retaliações. Disse até mesmo sobre matar ela, embora ele agora admitisse que não tinha mais esse desejo. Mara sentiu do fundo do coração que se casou com o homem certo. Ela não podia explicar, mas não tinha nenhum medo de Rael.

― Chegará um dia que você vai saber porque eu protejo tanto essa garota atrás de mim. Então quando esse dia chegar, você definitivamente irá entender ― disse Rael.

― Então vou esperar esse dia para você me contar ― disse Mara sorrindo sem jeito olhando para o lado.

― Obrigado por tratar ela bem ― disse Rael de volta.

― Isso é o mínimo que eu poderia fazer, no fim das contas ela é minha prima ― disse Mara.

― Eu sei que vocês se afastaram depois que houve as disputas pelo poder. Você se aproximou dela porque viu que isso era importante para mim. Mara você me conquistou, eu admito. Por isso eu perdoo todos os erros que você já cometeu comigo. Todos ― disse Rael se referindo ao passado, mas ela não poderia saber disso.

― Obrigada, eu acho ― disse ela meia sem jeito.

― Certo. Agora eu vou deixar você terminar isso aí. A propósito, não vá dormir cedo hoje, se você tentar dormir antes de mim eu vou te acordar ― disse Rael e virou-se saindo de perto dela.

― E o que você vai fazer se eu dormir? ― perguntou Mara com um meio sorriso, é claro que ela entendia ao que Rael se referia.

― Você saberá mais tarde ― disse Rael.

                Rael não se importou com a presença de Mara. Ele se sentou a uns sete metros da irmã e começou a cultivar.

                Mara ficou olhando admirada as energias coloridas circulando Rael. Ela concordou que ele era definitivamente diferente de todas as outras pessoas. Até mesmo as energias e a forma dele cultivar eram diferentes.

 

                O tempo já estava escurecendo quando Rael finalmente conseguiu avançar mais um nível. Agora ele estava no quinto reino nível seis.

                Rael cessou a cultivação satisfeito e virou-se para Natalia. Ela já estava no quarto reino beirando o nível dois. A cultivação dela era ultra rápida. Em apenas um dia, ela avançou vários níveis.

                Antes de chamá-la, Rael foi até uma das beiradas da caverna e olhou as nuvens passando. Ali era tão alto, que fazia parecer que estavam por cima das nuvens.

Rael suspirou pensando no seu próximo passo, ele queria destruir o clã Sarbaros, mas ainda precisava de mais poder.

― Natalia? ― perguntou Rael se aproximando dela.

Era inútil, ela não ouvia. Ele teve que chegar perto e balançar de leve o delicado ombro da garota. Ela se despertou em seguida parando a cultivação. Só agora ela havia notado que já estava escurecendo.

― Samuel? Já estamos indo? ― perguntou ela se levantando com ajuda da mão de Rael.

― Ainda não. Parabéns pelo quarto reino ― disse ele sorrindo.

― Você notou? Foi tudo graças a você. Meu corpo está tão diferente, eu posso me sentir mais forte só em mover as mãos ― disse ela animada enquanto mostrava as mãos para Rael.

― Sim. você entrou no domínio da força. Ele amplia sua força física várias vezes, é comum você sentir seus músculos quentes as vezes enquanto avança no cultivo. Seu corpo agora vai sendo trabalhado nessa área ― disse Rael.

― Sim eu sei, mas é bem legal ver por si mesma ― disse ela.

― Realmente. Agora venha aqui comigo ― chamou Rael e a puxou segurando a mão dela.

                Rael a levou para a saída que a pouco ele tinha vindo. Com o tempo escurecendo as estrelas ficavam bem visíveis no céu. A lua podia ser vista de mais perto daqui e parecia um pouco maior e mais brilhante. Isso sem mencionar que ver as nuvens na altura dos pés causava uma estranha sensação.

― Que lindo!― disse a irmã assim que viu. Ambos estavam de mãos dadas.

― Imaginei que você fosse gostar ― disse Rael e sorriu levemente olhando sua irmã de lado.

Ele já tinha experiência com Rose e a mesma também tinha gostado na época da barca voadora.

                Os dois ficaram por uns três minutos vislumbrando aquele momento.

― Está na hora de voltarmos ― disse Rael olhando de lado.

― Tá ― disse a garota timidamente.

― Sobre o que Mara disse mais cedo, da lua de mel, você não precisa ficar preocupada. Eu não to pensando naquilo e você também não precisa pensar. Você pode ser minha esposa mesmo que a gente não se deite ― disse Rael de volta.

― Eu estarei pronta ― disse a garota logo em seguida e seu rosto ficou vermelho. ― Depois de tudo que você fez por mim, eu não ousaria ofender você dessa forma ― Natalia acreditava que seria uma ofensa uma esposa não se oferecer para o seu marido depois do casamento.

― É sério não pense nisso ― disse Rael, aproximou o rosto e beijou o rosto de Natalia calorosamente. ― Eu não quero ver você se preocupando com uma coisa que pode te ferir ― disse Rael. Natalia ficou em silêncio.

― Você nunca me machucaria ― disse ela de volta.

― Não, eu me refiro as suas lembranças ― disse Rael de volta.

― Eu estarei pronta ― disse ela de novo sem se incomodar. Rael não disse mais nada, apenas se virou e puxou a irmã que o acompanhou.

― ‘Diz isso porque você não sabe da verdade’ ― disse ele consigo mesmo.

 

                Quando voltaram para casa, Mara tinha preparado outra bela refeição. Neide também estava presente.

― Meu marido foi resolver algumas coisas e preferi vir passar um tempinho com minha filha e meu querido genro ― disse Neide sempre enchendo a bola de Rael.

Rael nunca esteve acostumado a ser tratado assim com carinho e afeição. Ele teve um pouco dessa experiência com os falsos pais, mas aquilo era diferente. Neide e Mara o tratando bem era como se tivesse alguma coisa de errado com o mundo de gelo que ele conheceu.

― Eu já estou cuidando de todos os preparativos do casamento de vocês ― disse Neide na mesa olhando de Rael para Natalia.

Hoje os dois estavam sentados lado a lado na mesa, enquanto mãe e filha estavam do outro.

― Amanhã vou precisar que você venha comigo Natalia, vamos escolher seu vestido e tirar suas medidas. Já meu genro pode usar o mesmo terno que usou no casamento da minha filha.

― Eu vou sim― disse Natalia sem jeito.

― Então estamos resolvidas, venho te pegar depois do café ― disse Neide sorrindo satisfeita.

               

                Naquela noite, depois de Neide ir embora, Natalia foi se deitar, ela queria dormir bem para o dia seguinte. Ninguém mais tinha comentado do nível dela, até porque, apenas Rael e ela sabiam.

                Rael e Mara entraram no quarto quase como dois animais se agarrando tamanha era a fúria. Roupas foram tiradas e atiradas em qualquer direção. Rael beijava com força e chupava os lábios de Mara, os dois estavam quase caindo atrapalhados. Fazia dias que eles não estavam praticando por causa dos últimos acontecimentos.

                Na pressa e no fogo nem se deitaram. Rael estava com o instrumento vibrando tanto de desejo que penetrou ela em pé mesmo. Mara gemeu e se agarrou nas costas de Rael, ela saltou e cruzou as pernas em volta dele para imprensá-lo melhor. Rael a encostou na parede para ter apoio e já começou um intenso vai e vem.

                Mara gemia deliciosamente no ouvido de Rael. Ele chupava o pescoço dela, apertando os lábios naquela pele macia e quente enquanto sentia todo o corpo o dela sobre ele.

― Samuel, mais forte! ― disse Mara mordendo os lábios e respirando desordenadamente.

Rael não estava pegando leve. Cada estocada fazia até a parede tremer, depois que ela disse aquilo ele aumentou ainda mais a velocidade e a força, fazendo tudo ficar ainda mais quente e barulhento…

 

                Natalia estava no quarto do fundo, mas era possível sentir as paredes tremer. Ela ficou vermelha sem jeito. Ela não era tão inocente para não saber do que se tratava, ela jogou o lençol por cima da cabeça e se cobriu timidamente escondendo o próprio rosto.

                Ela sabia muito bem a diferença de uma mulher ter um homem que gostava ou não, um exemplo claro era sua prima. Mara estava muito mais feliz depois de se casar com Rael e isso fez o coração de Natalia esquentar. Aquilo não evitou dela se lembrar de algo ruim. Heitor veio na cabeça dela, a atormentando, e ela se encolheu silenciosamente no lençol enquanto abraçava o próprio corpo assustada.

Por Lord Letal | 29/11/17 às 16:25 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Poder, Harém, Drama