CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 32 - Um Homem de Objetivos Torpes

O Mestiço (OM)

Capítulo 32 - Um Homem de Objetivos Torpes

Autor: Liam | Revisão: Kazuaki-kun

Arien estendeu a mão para Kotaru ajudando-o a ficar em pé.

—Sua perna… —Ela olhou para a flecha atravessada na coxa dele.

—Oh… É, acho que vamos ter que dar um jeito nisso… Shin? —O garoto olhou para seu amigo que não estava muito interessado em ter que retirar a flecha.

O rapaz quebrou a parte onde ficam as penas para que pudesse retirá-la da perna do rapaz, ele pegou algumas faixas na bolsa de Kotaru e com um pequeno pedaço enfaixou a flecha para que pedaços de madeira não ficassem alojadas dentro de seu amigo.

—Isso vai doer. —Ele encarou Kotaru que acenou com a cabeça permitindo-o que fizesse aquilo e sem mais nenhum tipo de aviso Shin removeu a flecha.

Kotaru se esforçou para não gritar, seu lábio inferior pagou o preço dessa decisão. Ele o mordeu com força fazendo-o sangrar, rapidamente shin parou o sangramento e enfaixou a perna do rapaz que estava com os olhos marejados.

—Quem são essas pessoas? —Shin estranhou ao ver tantas pessoas junto de Arien, já que normalmente ela não se socializa tanto com as pessoas, mas logo ele notou as orelhas pontudas daqueles que a acompanhavam.

—São os elfos que estavam presos… Ou metade deles, mas o que está acontecendo aqui fora? —Arien estava surpresa com o caos que havia se apoderado de Tile. Em um momento ela estava libertando elfos escravos, após sair do cativeiro ela se deparava com essa confusão.

—Ao que parece os elfos decidiram atacar primeiro. —Kotaru respondeu com seriedade, afinal, essa não era a primeira vez que essa guerra o afetava.

—Quer dizer que elfos estão atacando? —Perguntou um dos ex-escravos com os olhos brilhando.

—Sim… —Shin não disse muito, mas estranhou bastante a atitude daquele homem.

Arien estava prestes a dizer algo quando ela reparou o bebê nos braços de Shin.

—Por que você está segurando um bebê? —A garota ficou espantada com o que viu e não conseguia pensar em nenhuma explicação plausível para tal coisa.

—Uma casa pegou fogo… Uma mulher gritou por ajuda... Kotaru ouviu. Preciso continuar ou essa parte já foi autoexplicativa? —Mesmo em meio a situação caótica Shin não perdeu a oportunidade de reclamar do hábito de Kotaru em ajudar os outros.

—Já consigo imaginar… —Arien já conhecia Kotaru bem o suficiente pra adivinhar o que havia sucedido.

Pode parecer que eles conversaram por um longo tempo, mas na verdade passaram-se apenas poucos minutos, mas nesse um minuto o fogo continuava a se espalhar pela cidade e várias vidas foram tiradas.

Os elfos continuavam avançando e rapidamente mais deles chegaram até Kotaru e os demais.

—O que nós vamos fazer? —Perguntou um dos elfo temeroso, uma pergunta que muitos ali presentes também tinham.

—Acho que fugir é nossa melhor opção. —Arien não estava muito interessada em se envolver naquela luta, ela tinha confiança de que de uma maneira ou de outra poderia ao menos sair com vida caso enfrentasse os elfos, mas não podia dizer o mesmo dos outros que a acompanhavam.

—Concordo plenamente. —Após alguém dizer isso todos começaram a correr na direção oposta de onde os elfos estavam atacando.

Alguns elfos os avistaram e persistentemente começaram a perseguí-los.

—Arien, acho melhor nós pararmos esses aí. —A preocupação se apossava de Shin já que entre os elfos que os perseguiam havia também arqueiros, tais quais incessantemente disparavam flechas alvejando seus corpos, fazendo com que a fuga ficasse cada vez mais árdua.

—Realmente essas fl… —Arien se calou ao ouvir um alto grito de dor, ao se virar notou um dos elfos com um flecha cravada no peito, correndo sério risco de vida.

—Shin cuide dele, Arien, vou precisar de uma ajudinha aqui. —Kotaru se virou para os elfos que logo os alcançaram, havia oito no total e mantinham uma distância considerável, enquanto os arqueiros se posicionaram ainda mais longe.

Shin deixou o bebê com uma das elfas e sentou o homem ferido. Antes que o rapaz pudesse notar que não havia nada que ele poderia fazer, o elfo veio a falecer.

Um gosto amargo ficou impregnado na boca de Shin ao ver aquele homem morrendo em sua frente, sem que houvesse nada que ele pudesse fazer, não há maneira de trazer um morto à vida, a única coisa que pode ser feita é guardá-lo em suas lembranças.

—Aquilo é o que eu acho que é? —Ao olhar para sua direita Dana pôde avistar um grande número de pessoas vindo em sua direção o que a assustou.

—KOTARU!!! —Ao ouvir o murmúrio de Dana, Shin olhou na direção que ela encarava com um olhar de medo. Ao olhar ele se deparou com uma grande quantidade de pessoa que a cada segundo que passava aproximavam-se mais.

—O que foi? —Kotaru estava ocupado lutando, usando sua adaga para lutar contra dois elfos que atacavam sem medo e sem dar vazão para o rapaz usar seu Mystical Impact.

—Do outro lado também… Andem, a gente precisa correr! —Ao olhar pro outro lado Shin avistou ainda mais gente, eles podiam ser soldados de Tile, ou elfos, por via das dúvidas fugir era a melhor das opções, já que entre seu grupo havia humanos e elfos, qualquer grupo de inimigos que eles encontrassem inevitavelmente haveria luta.

—Gale! —Arien criou um grande vendaval que afastou os elfos que lutavam com espada, mas as flechas continuavam a vir, uma delas inclusive acertou a garota de raspão em seu braço direito.

—Vamos. —Kotaru deu as costas aos elfos que disparavam as flechas, correndo junto de Arien.

—Vão deixá-lo aqui? —A elfa que segurava o bebê permanecia estática encarando o corpo do elfo que havia sido atingido pela flecha.

—Ele está morto Else, vamos logo. —Dana pegou-a pelo braço, mas ela se desvencilhou bruscamente.

—Se fosse o Kallias você o deixaria assim? —Else derramava várias lágrimas enquanto o sangue de seu falecido namorado escorria por debaixo de seus pés.

—Else, tem muita gente vindo nessa direção, se nós ficarmos aqui com certeza morreremos, Aurel não iria querer is… —Antes que Dana pudesse terminar sua fala um jato de sangue voou sobre ela deixando-a sem reação.

Uma flecha com a ponta metálica havia atravessado a cabeça de Else. Seu corpo pendeu para o lado de Dana, revelando outras flechas que vinha em sua direção, ela pegou a criança que chorava histericamente nos braços gelados de Else e correu o mais rápido que pôde.

Os dois grandes grupos de pessoas avistados por Shin e Dana eram os elfos que haviam atacado pelas laterais da cidade e agora buscavam agrupar no centro da cidade para cercar a guarda de Tile, alguns deles estavam à cavalo, esses os alcançaram mais rapidamente.

Ao se aproximarem o suficiente, Arien e os demais puderam ver suas orelhas pontudas, fazendo com que o medo daquele grupo chegasse às nuvens.

O plano dos elfos de se separar em três grupos, atacando pelas laterais da cidade e avançando pela frente havia sido concluído com sucesso, mas além da guarda de Tile, o grupo de Kotaru também havia sido encurralado.

—Senhor… N-nós somos elfos também. —Um dos elfos que tinha sido liberto por Arien havia se aproximado de um dos invasores, ele empunhava uma espada e montava um cavalo. O antigo escravo ajoelhou-se perante aquele homem que o encarava com um olhar altivo e sem proferir nenhuma palavra sequer desceu de seu cavalo e o decapitou.

—Não! —Gritou uma das elfas ao presenciar aquela cena brutal.

Dos seis elfos que acompanharam Arien, três já haviam sido mortos. Dentre os três sobreviventes restantes estavam Dana, Kallias e uma mulher de aparência jovem, foi ela quem acabara de gritar e lamentar ao presenciar seu colega sendo morto friamente.

Os soldados de Tile começavam a chegar naquele lugar afugentados pelos elfos.

A queda de Tile parecia iminente quando o relinchar de um cavalo chamou a atenção do elfo que havia acabado de decapitar aquele homem.

Kotaru, Arien e Shin estavam com as pernas trêmulas, pois não conseguiam ver uma maneira de fugir daquele local cercado por elfos que pareciam apenas querer matar tudo lhes viesse pela frente.

Um cavalo negro parou de frente para o grupo de elfos que impediam o recuo dos soldados, o mesmo grupo que estava de frente para o grupo de Arien. Kotaru buscava ver quem era aquela pessoa que acabara de chegar, mas havia muita gente em sua frente impossibilitando-o de identificar quem seria.

—Sinto muito senhores, mas não poderei deixá-los continuar fazendo o que quiserem com esta cidade. —O homem montado no cavalo negro era Mitsuaki.

Do lado dos elfos havia um que estava montado em um cavalo e havia se aproximado de Mitsuaki demonstrando ser um possível líder.

Mitsuaki mantinha em seu rosto um sorriso sereno, mesmo estando de frente para um grupo com cerca de cento e cinquenta homens, além de vários outros que estavam mais à frente combatendo a guarda de Tile.

—O que você está fazendo Mitsuaki? —Aquele que parece ser o líder dos elfos para ao chegar à certa distância de Mitsuaki.

—Desculpe-me Akeem, não entendi sua pergunta. —Ele mantinha o sorriso descontraído em seu rosto, aparentemente ele pensava ter tudo sobre seu controle.

—Você está nos ajudando a tomar Tile e agora aparece para protegê-la, quem não está entendendo as coisas aqui sou eu. —Akeem tinha a pele negra e os cabelos escuros e curtos, em suas pontudas orelhas encontravam-se vários brincos. Os dois não apenas pareciam se conhecer, mas Mitsuaki parecia estar envolvido com ele.

—Oh, então é disso que você está falando. Acho que você me interpretou mal meu querido Akeem, eu lhe disse que deixaria os portões abertos ao pôr do sol e que impediria que Henrich interferisse, e bem eu não o vejo aqui, ou seja, eu cumpri com minha palavra, mas agora… Bem, como eu disse, não poderei deixá-los prosseguir. —Mitsuaki estava completamente sozinho demonstrando toda sua autoconfiança. Ele desceu de seu cavalo e com um leve tapa fez com que o animal recuasse.

—Bem, já que você quer desfazer nossa aliança, infelizmente não há nada que eu possa fazer além de acabar com sua vida junto com essa cidade. —O elfo apontou sua espada para Mitsuaki e com um alto grito todos seus subordinados atacaram-o.

Todos os elfos avançaram contra Mitsuaki em meio a gritos e com suas espadas em mãos, outros avançaram em seus cavalos empunhando grandes lanças.

—Frost! —Mitsuaki brandiu sua espada e ao dizer esta única palavra transformou vinte dos homens que estavam mais próximos em gelo.

Os demais elfos ficaram abismados com o poder demonstrado pelo jovem soldado que mesmo diante de tantos inimigos mantinha uma postura serena e ainda mantinha um sorriso, mas dessa vez era um sorriso diferente, um sorriso de alegria e prazer.

Aquele grande número de soldados elfos começaram a temer, suas pernas tremiam e haviam fixado-se no lugar onde estavam, não conseguiam avançar contra Mitsuaki, pois seus cérebros diziam que atacá-lo seria suicídio.

Infelizmente para eles era tarde demais, porque agora era Mitsuaki quem queria continuar com a luta. Ele avançou com sua espada e começou a atacar os elfos que se defendiam. Teoricamente ele deveria ser devastados por aquela grande quantidade de oponentes, mas não era o que acontecia, ele dançava entre eles cortando membros e gargantas sem receber nem um golpe sequer. O sangue de seus inimigos jorrava em seu rosto e em sua armadura, aquilo parecia lhe dar grande prazer, em nem um momento sequer o sorriso se apartou de seu rosto.

—O que está acontecendo? —Dana e os demais tentavam entender o que acontecia logo a sua frente, aqueles homens que estavam impedindo a fuga deles e o recuo do exército de Tile estava aos poucos sendo dizimado.

—Não sei, mas talvez seja uma boa hora para nós fugirmos. —Ao olhar para trás Arien viu que os elfos continuavam avançando, eles estavam à poucos metros de distância e os soldados de Tile recuavam temerosos. Mais alguns instantes e eles estariam mergulhados naquela batalha sem ter como fugir.

—É arriscado, mas é nossa melhor chance. —Kotaru concordou com a garota.

Após concordarem eles começaram a correr, os elfos que estavam à sua frente estavam sendo dizimados por Mitsuaki. Aquela era a distração perfeita, ou isso era o que eles pensavam.

Aquele pequeno grupo corria aflito em direção oposta à entrada da cidade, eles estavam distantes de Mitsuaki, mas não o suficiente para escapar de sua visão, enquanto enfrentava um número ainda grande de elfos ele pôde senti-los com sua magia Find passando pelo seu lado direito à uma distância considerável, foi então que ele virou seu rosto para aquele pequeno grupo e seu olhar maquiavélico se cruzou com o de Dana que sentiu um grande medo dentro de si, suas pernas pararam de se mover naquele exato instante, elas se batiam uma na outra tremendo sem parar.

Ele esticou sua canhota para eles e um estilhaço de gelo formou-se no céu e com um mover de sua mão o peito de Kallias foi perfurado por aquele pedaço de gelo. Mitsuaki não poderia continuar dando atenção a eles, afinal ainda havia muitos elfos em sua frente, todos sedentos por sua morte.

—Da-na… —Ninguém viu o que havia acontecido com Kallias até ele murmurar o nome de sua esposa e cair sobre seus joelhos.

Um grito de desespero imbuído de muita dor e tristeza ecoou pelo centro de Tile, mas poucos puderam ouvir, pois naquele exato momento muitos outros davam gritos que carregavam os mesmo sentimentos ao redor da cidade. A morte e o caos haviam apoderado-se de Tile e Kallias era apenas mais uma vítima.

—Meu amor… Vai ficar tudo bem. —Dana ajoelhou-se imediatamente aparando seu marido em seus braços que aos poucos eram aquecidos pelo rubro sangue de Kallias.

O pobre homem que sentia sua vida se extinguindo rapidamente tentou tocar o rosto de sua mulher uma última vez, mas não tinha forças o suficiente para isso. Os outros que fugiam com eles pararam e apenas podiam observar aquela triste cena, que já haviam presenciado mais de uma vez em tão pouco tempo.

—Não… Você não pode me deixar… Eu não vou viver sem você… Nosso filho não vai nascer sem um pai! —Dana chorava desesperada com sua testa junto a de Kallias que derramou uma última lágrima junto de seu último suspiro.

—Dana, eu sei que é difícil, mas nós temos que ir. —Arien se aproximou da elfa que chorava inconformada, buscando crer que aquilo não era real.

—Eu não consigo… Tem que… T-tem que ter um jeito… Algum jei-to de… Por que ele? Por que tinha que ser ele? —Ela chorava e soluçava. Mesmo sabendo que Arien estava certa e Kallias não retornaria dentre os mortos era muito difícil deixar seu corpo ali, para ser queimado com o resto da cidade.

—Dana… Aquele homem não vai facilitar nossa fuga, nós precisamos fugir enquanto ele está ocupado. —Kotaru tentou ajudar a convencer Dana a deixar o corpo de seu marido e fugir com eles.

Ao ouvir as palavras do rapaz Dana deitou o corpo que estava em seus braço no chão. Arien e Kotaru se alegraram ao ver que ela havia dado ouvidos, mas mal sabiam eles que a elfa tinha outras intenções.

—Ele… Isso é tudo culpa dele! —Dana virou-se para Mitsuaki que continuava a enfrentar diversos soldados elfos, uma grande pilha de corpos havia se formado ao seu redor, mas isso não assustava Dana, pelo menos não agora, não após ele matar o amor de sua vida sem motivo algum.

Com um alto grito ela formou em sua frente vários fragmentos pontiagudos de gelo, todos miravam Mitsuaki que já havia notado que um ataque distante estava sendo planejado. Rapidamente todos os pedaços de gelo foram disparados, Mitsuaki pegou sua espada e atravessou o peito de um elfo escondendo-se atrás do cadáver usando-o como escudo.

Após o ataque de Dana cessar ele removeu sua espada do corpo daquele homem e brandiu-a para remover dela o sangue, ele estava banhado pelo sangue de seus inimigos e em seu rosto ainda havia aquele sorriso, mas agora seu alvo era outro, Mitsuaki já não se importava com a dezena de elfos que havia restado, seu interesse agora era Dana.  

Por LiamGt | 16/06/18 às 17:04 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Magia, Drama